Abrir menu principal

Wikipédia β

Protestos na Venezuela em 2014–2017

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Os protestos na Venezuela em 2014–2017 são uma série de manifestações de massa, eventualmente degenerando em confrontos violentos, que ocorrem nas grandes cidades da venezuelanas, desde fevereiro de 2014 até o momento atual. Os manifestantes, na maior parte dos casos, protestam contra o aumento do custo de vida, a insegurança ligada aos altos índices de criminalidade, a corrupção e a escassez de produtos básicos no país.[6] Todos esses problemas, agravados pela economia debilitada desde 2014, em razão da queda dos preços do petróleo (do qual a Venezuela é um grande produtor), redução do PIB,[7] e alta inflação, em meio a uma forte polarização política entre partidários e oponentes do presidente Nicolás Maduro, suscitaram uma crise de grandes dimensões no país.[8][9]

Protestos na Venezuela em 2014–2017
2014 Venezuelan Protests (12F).jpg
Manifestantes em Caracas - 12/02/2014
Período 4 de fevereiro de 2014 – presente
Local Venezuela

Caracas, Valencia, Maracay, Maracaibo, Barquisimeto, Barinas, Guayana, Mérida, Margarita, Coro, Punto Fijo, Puerto Ordaz, San Cristóbal, Táchira e outras cidades

Causas
Objetivos
  • Renúncia do presidente Nicolás Maduro
  • Antecipação das eleições presidenciais
  • Libertação dos presos políticos
  • Desarmamento dos "colectivos"
Características
  • Manifestações pacíficas
  • Confrontos com a Guarda Nacional Bolivariana
  • Cercos a prédios de órgãos governamentais
  • Congestionamentos de avenidas
  • Construções de barricadas
  • Distúrbios diários
  • "Panelaços" frequentes
Participantes do conflito
Líderes
Baixas

Os protestos são também referidos como La Salida ('A Saída') pelos partidários da destituição do presidente da República.

Grandes manifestações contra e a favor do governo já vinham acontecendo desde 2013, após a apertada vitória eleitoral de Nicolás Maduro sobre Henrique Capriles.[10] Todavia, o movimento de oposição ao governo eleito recrudesceu a partir de 7 de janeiro de 2014, quando ocorreu o latrocínio em que morreram a ex-Miss Venezuela, Mónica Spear, e seu ex-marido, o irlandês, Thomas Henry Berry, na rodovia Puerto CabelloValencia, no estado de Carabobo. A filha de cinco anos do casal também foi ferida por um tiro mas sobreviveu.[11][12]

Os protestos estudantis de 2014 coincidiram com as comemorações do aniversário de 100 anos da vitória na Guerra de Independência da Venezuela, quando as escassas forças independentistas formadas majoritariamente por estudantes venceram a Espanha. A celebração ocorre em 12 de fevereiro e é conhecida na Venezuela como Dia Nacional da Juventude. Em fevereiro, as manifestações cresceram significativamente de tamanho e já estavam sendo realizadas em diversas cidades do país. Nos conflitos que se seguiram, seis pessoas foram mortas e mais de duzentas foram feridas desde 13 de fevereiro.[13] Cerca de 180 pessoas foram presas desde meados do mesmo mês. Um estudante também morreu atropelado.[14][15][16][15][17][18]

Índice

ContextoEditar

CriminalidadeEditar

Após as eleições de 2013, as manifestações intensificaram-se em 2014, tendo como alvo dos protestos o aumento da criminalidade. O Channel 4 descreveu a Venezuela como "um dos países mais perigosos do mundo". A criminalidade teve uma escalada durante a administração do Hugo Chávez, e os assassinatos são comuns, em assaltos à mão armada, o que o InsightCrime atribuiu à falta de investimento nas forças policiais e ao fraco controle de armas.[17] Uma pessoa é assassinada a cada 21 minutos.[19] Nos dois primeiros meses de 2014, cerca de 3.000 pessoas foram assassinadas - 10% a mais que no ano anterior e 500% maior do que quando Hugo Chávez tomou posse, em fevereiro de 1999. Atribui-se o aumento da criminalidade à alta incidência de posse de armas; 91% dos assassinatos ficam impunes, de acordo com o Instituto de Pesquisa sobre Convivência e Segurança Cidadã.[20]

De acordo com a ONG Observatório Venezuelano da Violência, o índice de homicídios do país em 2013 era de 79 mortes para cada 100 mil pessoas (totalizando cerca de 25 mil mortes ao ano). Segundo esse dado, a Venezuela seria o terceiro país mais violento do mundo - atrás apenas de Honduras e El Salvador. [21][22] O governo, no entanto, divulgou um índice bem menor: 39 mortes para cada 100 mil habitantes, sendo que 72% dos assassinatos no país ocorreram devido a confrontos entre narcotraficantes.[23] O chamado "Plano Pátria Segura" mostrou-se um sucesso: dados divulgados por órgãos oficiais afirmam que, em 2013, houve 51% menos sequestros e 17% menos assassinatos do que em 2012.[24] Em fevereiro de 2014, em resposta aos protestos, Maduro apresentou um plano com medidas para reduzir a violência, incluindo: maior investimento em vigilância policial, uma grande campanha de desarmamento da população e normas para todas as televisões venezuelanas, a cabo e aberta, sem dar maiores detalhes.[23]

O Departamento de Estado dos Estados Unidos e o Governo do Canadá alertam os cidadãos desses países, para que evitem viajar à Venezuela, considerando a significativa incidência de crimes violentos (incluindo homicídios, roubos e sequestros), além da escassez de medicamentos, alimentos básicos e água.[25][26] O governo britânico desaconselha viagens aos estados venezuelanos de Zulia, Táchira, Barinas, Bolívar e Apure, na faixa situada a menos de 80km da fronteira colombiana.[27]

Escassez e inflaçãoEditar

 Ver artigo principal: Escassez na Venezuela
Video que mostra um exemplo típico de fila para aquisição de produtos de primeira necessidade com preços regulados, no caso, papel higiénico.

Em 2013 a Venezuela experimentou uma grande desvalorização de sua moeda[28] e a escassez de produtos de necessariedade, tais como papel higiênico, leite e farinha.[29] índice de inflação no país chegou aos 56,2% em 2013 e os níveis de escassez chegavam perto dos 20% no mesmo ano.[30][31] Numa manobra para tentar conter a inflação e aumentar o poder de compra dos venezuelanos, o presidente Maduro aumentou o salário mínimo dos trabalhadores e pensionistas nos mesmo níveis da inflação entre maio de 2013 e janeiro de 2014: 59%.[32][33] De acordo com o presidente Maduro, o que está acontecendo é o resultado de uma "guerra econômica" contra seu governo. O governo declara ainda que o capitalismo e a especulação estariam criando as altas taxas de inflação e criando a escassez generalizada de produtos básicos.[34] De acordo com Maduro, o que está em curso é uma "guerra econômica" e os esforços do governo são para impor preços justos aos compradores, declarando também: "Isso é para o bem da nação. Não deixaremos nada nas prateleiras, nada nos armazéns." Para o governo trata-se de um boicote das empresas privadas que estão estocando produtos para vender a preços elevados depois.[35]

Elías Eljuri, atual embaixador do governo, justificou-se dizendo que a razão da escassez de produtos é o povo venezuelano comer “muito”, alegando que 95% dos venezuelanos comem mais de 3x ao dia.[36][37][38][39] Entretanto, dados proporcionados pela oficina de estatísticas do governo venezuelano mostrou que, na realidade, o consumo de alimentos diminuiu.[40]

O governo descobriu uma rota de contrabando na fronteira com a Colômbia e apreendeu 3,5 toneladas de produtos adulterados e 11 mil galões de gasolina dedicados à especulação.[41][42]Médicos da capital protestaram em 21 de fevereiro em repúdio à "situação crítica".[43] Porém para o cidadão comum venezuelano, o governo fornece todos os produtos essenciais em redes de pontos de venda de abastecimento do Estado pela metade do preço do supermercado particular.[44]

Eleição presidencial de 2013Editar

Em 14 de abril de 2013, Nicolás Maduro foi eleito presidente com uma margem de 1,5% dos votos em relação ao candidato Capriles. Logo após a divulgação do resultado, a oposição mostrou-se cética quanto a idoneidade do processo eleitoral, levantando a possibilidade de fraude.[45] Capriles recusou-se a aceitar o resultado alegando irregularidades eleitorais e pedindo recontagem de votos. O conselho eleitoral fez uma auditoria de 54% dos votos no próprio dia da votação, comparando registros em papel e eletrônicos de uma seleção aleatória de votos, sem encontrar nenhum tipo de irregularidade.[46] Após pedido de Capriles, o conselho comprometeu-se a analisar os 46% restantes[46][47] Algum tempo depois, ainda antes do conselho analisar os 46% restantes, Capriles mudou de ideia quanto ao seu pedido inicial e passou a questionar os métodos de análise do conselho, agora exigindo uma auditoria completa de todo o processo eleitoral (incluindo análises de todas as impressões digitais e assinaturas contidas nos registros). Em 12 de junho de 2013, o resultado da auditoria feita nos moldes padrões nos 46% dos votos restantes confirmou a vitória de Maduro por uma pequena margem de diferença e determinou que não havia nenhuma discrepância no processo eleitoral.[48][47]

Recursos do governo teriam sido usados para financiar a campanha do partido no poder e veículos governamentais fizeram o transporte de material para campanha. Maduro passou duas horas por dia ao vivo na televisão - muito mais do que o tempo dedicado a outros candidatos - insultando constantemente a oposição.[49] Dos cinco membros do Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, quatro são apontados pelo governo. O único membro independente declarou que a última eleição foi "a mais desigual da história moderna do país".[49]

ProtestosEditar

 
Marcha da oposição em Maracaibo.
 
Marcha da oposição aos redores do Palácio da Justiça em Maracaibo.
 
Estudantes em greve de fome na frente da sede da ONU em Caracas, esperando um pronunciamento da ONU contra Presidente Maduro
 
María Corina Machado e Lilian Tintori numa manifestação da oposição em 26 de Março de 2014.

Em janeiro de 2014, as manifestações se intensificaram. Foi então que Capriles fez o impensável: apertou a mão de Maduro. Esse gesto fez com que perdesse apoio de uma parte dos opositores do governo, ajudando a catapultar Leopoldo López para o centro das atenções, as quais ele passou a compartilhar com María Corina Machado.[18] Segundo o analista político Miguel Velarde, "hoje é mais evidente que nunca que existem duas visões dentro da oposição: a primera, majoritária e moderada, apoia a liderança de Henrique Capriles e as negociações com o governo, paralelamente a uma denúncia constante contra o governo chavista - uma oposição de resistência. A segunda, radical, insiste na necessidade, a curto prazo, de um novo governo, o que seria conseguido mediante protestos de rua e uma fórmula eleitoral posterior."[50]

A luta política teve sua expressão mais acabada em 23 de janeiro de 2014, quando os líderes da oposição venezuelana mais à direita - Leopoldo López, María Corina Machado e Antonio Ledezma - anunciaram em coletiva de imprensa o plano que chamaram La Salida, cujo objetivo era a deposição do presidente Nicolás Maduro, e convocaram uma manifestação, na zona leste de Caracas, com dois propósitos: o primeiro era exigir a renúncia imediata de Maduro; o segundo, não declarado, era promover a substituição de Henrique Capriles Radonski na liderança da oposição.[51]

Em 1º de fevereiro, López convocou estudantes a protestar contra a escassez, a insegurança e o desabastecimento. "É um convite aos que querem lutar, aos que sabem que o país está no mau caminho", adiantou López, que pretendia que, durante um mês, a rua propusesse o modo de mudar o governo. Seu objetivo era, então, desembocar em uma Assembleia Constituinte, já que, para um hipotético referendo revogatório contra Maduro faltariam mais de dois anos. [50][52]

Em 6 de fevereiro, estudantes da Universidade Católica de Táchira foram vistos atacando uma residência.[53] Em 9 de fevereiro, mulheres vestidas de preto e alunos de Táchira, Zulia, Caracas e Coro protestaram contra a prisão dos colegas.[54][55]

Em 12 de fevereiro, ocorreram os maiores protestos da oposição: em trinta e oito cidades venezuelanas houve marchas estudantis.[56] Diretórios do PSUV de várias cidades foram depredados, bem como prédios ligados às missões bolivarianas e viaturas da polícia. Uma senhora idosa e doente teria morrido dentro de uma ambulância, que teria ficado bloqueada pelas barricadas armadas por manifestantes. Um oficial da GNB foi ferido por um tiro enquanto defendia um edifício da companhia elétrica estatal Corpoelec.[57]

Em 13 de fevereiro, grupos pró-Maduro se reuniram em frente ao prédio do Ministério Público.[58]Chavistas reuniram-se para protestar em Caracas em 15 de fevereiro. Em 18 de fevereiro funcionários da estatal PDVSA organizaram uma passeata em apoio à Maduro.[59]

Em 19 de fevereiro Génesis Carmona, Miss Turismo de Carabobo, foi assassinada[60][61] Manifestantes foram presos por abrir fogo num caminhão de combustível da PDVSA em Maracay.[62][63]Grupos de manifestantes queimaram com cães vadios gasolina, durante manifestações violentas na Venezuela, de acordo com relatórios recebidos por várias associações de animais.[64]

Opositores e grupos armados pró-governo entraram em conflito, grupos pró-governo que passavam em motocicletas atirando nos manifestantes.

O padre Palmar, defensor dos manifestantes em Zulia, foi ferido por autoridades venezuelanas durante uma manifestação pacífica.[65][66] Isso aconteceu dois dias depois do padre discursar contra Maduro, pedir sua renúncia e acusá-lo de ser influenciado pelo serviço secreto cubano.[67]

No mesmo dia centenas de pessoas se reuniram em frente ao Palácio da Justiça em apoio à López.[68]

Em 20 de fevereiro, grupos de defesa das mulheres prestaram condolências à família de Génesis Carmona, "Miss Turismo" do estado de Carabobo em 2013, e prometeram protestar, em 22 de fevereiro, contra a sua morte.[69]

Uma forma de protesto é a queima de livros. Os alunos das escolas privadas em Tachira queimaram livros da Coleção Bicentenário, elaborado pelo Governo Nacional[70]

Em 22 de fevereiro, forças do governo em Chacao usaram gás lacrimogênio e Geraldine Moreno morreu no hospital por disparos que teriam partido da Guarda Nacional.[71]

Vários meios de comunicação têm relatado a presença de paramilitares colombianos em protestos opositoras. O filósofo, Miguel Perez Pirela, denunciou a personificação de instruções paramilitares e práticas da Universidade de Carabobo na Faculdade de Engenharia, com sede em Valência.[72] Em 19 de fevereiro militares colombianos foram vistos no estado do Tachira e San Cristóbal[73]em resposta a presença militar colombiano na Venezuela, em 20 de fevereiro, caças Sukhoi Su-35 da Força Aérea Venezuelana foram sobrevoando San Cristóbal. O presidente Maduro ordenou também que um batalhão de paraquedistas ficassem apostos após recomendação do Ministério do Interior e Justiça.[74]

Reações internasEditar

GovernoEditar

O governo venezuelano afirmou que manifestantes estariam interessados em repetir o golpe de 2002.[75] Em comunicado, o governo declarou: "A partir de 12 de fevereiro entramos em um novo período em que a extrema direita, incapaz de vencer democraticamente, procura vencer pelo medo, violência, subterfúgios e manipulação da mídia. Eles estão mais confiantes porque o governo dos EUA sempre os apoiou apesar da violência." O governo acusou os Estados Unidos de financiar a desestabilização do país e exigiu que "tirem as mãos da Venezuela", respeitando as "autoridades federais eleitas". Em resposta às acusações, o Poder Executivo dos Estados Unidos negou qualquer envolvimento na Venezuela e afirmou que só recomenda o diálogo pacífico entre os manifestantes e membros do governo venezuelano.[76]

O presidente Maduro organizou manifestações pró-governo como resposta e anunciou que protestos antigoverno violentos continuariam proibidos.[77] Para os apoiadores do governo venezuelano, as reivindicações dos manifestantes representam um ultraje contra a democracia pois almejam a derrubada de um presidente eleito pelo povo.[78]

Em 17 de fevereiro, agentes da inteligência do governo invadiram ilegalmente a sede do partido Vontade Popular em Caracas e os presentes foram rendidos por homens armados.[79]

O levante contra o governo estaria sendo financiado por governos e políticos estrangeiros interessados em sua saída do poder. Sobre os protestos, Maduro declarou: "Eles disseram que iam às ruas e que não iam sair das ruas até que o Maduro renunciasse. Eu quero dizer aos loucos fascistas que o Maduro não vai renunciar, nem um só milímetro, ao poder que o povo da Venezuela lhe deu. Vou continuar no poder porque o povo está no poder".[80]

Em 21 de fevereiro, durante uma coletiva de imprensa, Maduro mais uma vez acusou os Estados Unidos e a OTAN de tentar derrubar seu governo através da mídia e afirmou que Elías Jaua tinha reunido provas para demonstrar isso.[81] Maduro também solicitou à Obama um "diálogo de alto nível" entre a "Venezuela patriota e revolucionária" e os Estados Unidos para que negociassem a situação.[82] Maduro solicitou ainda que os Estados Unidos nomeie embaixadores e declarou: "Presidente Barack Obama, este é o momento para que as elites que governam os Estados Unidos se sentem para conversar, de igual para igual, com o movimento revolucionário da América Latina. Nos propomos, humildemente, a colocar um representante nosso na mesa".[83] Maduro também confirmou que agentes da SEBIN atiraram em manifestantes e disse que os responsáveis já estavam presos.[84] Maduro afirmou que existem "infiltrados" que atacam manifestantes e fazem parte do mesmo plano de desestabilização e avisou que "quem sacar armas em nome da Revolução Bolivariana será preso".[85]Durante os protestos houve ataques a edifícios do Estado, durante o comício da oposição em 12 de fevereiro, o Gabinete do Procurador é atacado, as patrulhas foram queimados em Caracas, e foi sitiada a televisão estatal Venezolana de Televisión (VTV)durante 6 dias consecutivos.[86][87]O governo chamou de "direita fascista" nos protestos, pedindo que priorizem o diálogo direto de líderes estudantis com a presidência.[88]

O 22 de fevereiro, Maduro ironizou o "panelaço" que se tornou prática comum nos protestos contra seu governo: "Eu recomendo que comprem algumas panelas de aço inox que durem uns bons 10, 20, 30 ou 40 anos. Porque a revolução durará por muito tempo!".[89]

Em abril, o presidente Maduro se reuniu com a oposição venezuelana buscando o diálogo.[90]

OposiçãoEditar

 
Protestos 12F (12 de fevereiro, fazendo referência ao Dia da Juventude)[77] na Ilha de Margarita.
  • O ex-candidato à presidência, Henrique Capriles - uma das vozes da oposição, mas que não tem se envolvido diretamente nos protestos - repudiou a violência e vandalismo utilizados por grupos mais exaltados da oposição.[91] Também confrontou-se com Francisco Ameliach e outros membros do governo e passou a denunciar a violência empregada pelas autoridades.[92]Capriles recomendação aos seus seguidores "Acompanhem os protestos, mas sem violência. Não deixem que a violência nos leve a um beco sem saída".[93]
  • O líder do Partido da Vontade Popular, Leopoldo López, é investigado pela justiça.[94] disse que poderia ter deixado o país, mas "ficou para lutar pelos povos oprimidos na Venezuela".[95] foi transferido para o Palácio da Justiça e depois para o presídio militar de Ramo Verde e está com audiência marcada.[96] O governo venezuelano, acusou López de incentivar a violência e incitar um golpe de Estado. Em 21 de fevereiro, López mandou um recado aos seus apoiadores pedindo que não desistam e dizendo que está bem.[97] Leopoldo López foi processado por incitação e responsabilidade pelos episódios violentos ocorridos nos protestos. De acordo com Maduro, "todos os fascistas serão presos como López".[98]
  • O ex-general Angel Vivas que aconselhou no Twitter que manifestantes colocassem arame galvanizado para "neutralizar" motociclistas pró-governo. Vivas foi responsabilizado após um ciclista morrer decapitado em Caracas devido à tal prática.[99]Em 22 de fevereiro, o governo venezuelano prendeu o Angel Vivas.
  • A deputada María Corina Machado, uma das fundadoras da Súmate, compareceu em frente ao presídio Ramo Verde junto com outros manifestantes para prestar solidariedade à López.[100] Machado é uma das apoiadoras dos protestos e declarou que os manifestantes estão "cada vez mais organizados".[101] Juan Requesens, líder de um movimento estudantil, solicitou à Igreja Católica para mediar a situação no país e ajudar a garantir que os direitos humanos dos venezuelanos não sejam violados no futuro.[102]

MídiaEditar

Tarek Yorde, um analista político de Caracas lembra que há casos de tanto o governo e seus apoiadores quanto a oposição e seus apoiadores terem usado as mesmas redes para difundir informações falsas.[103] O governo rebateu ainda os "meios de comunicação corporativos" que estariam tentando enganar o povo divulgando erroneamente que "Maduro é autoritário, que a oposição é democrática e que estamos presenciando uma revolta contra uma ditadura". Para o governo, acusações desse tipo "devem ser combatidas com vigilância".[104]

De acordo o USA Today, a cobertura adequada dos protestos têm sido gradualmente minada.[103] A CNN declarou que se sente ameaçada[105] após equipamentos de seus correspondentes terem sido roubados e destruídos por forças do governo.[106] O presidente Maduro ameaçou forçar a saída da CNN da Venezuela, declarando: "Eu mandei o ministro Delcy Rodriguez notificar a CNN que iniciamos um processo administrativo para retirá-los da Venezuela. Se eles não retificarem [a programação], a CNN deixa a Venezuela. Chega de propaganda de guerra!".[107][108][109]

A CANTV, empresa estatal que controla a maioria do tráfego de internet na Venezuela, supostamente teria bloqueado as imagens do Twitter por um curto período de tempo.[110][111][112] O porta-voz do Twitter Nu Wexler confirmou a informação,[113] mas a CANTV rebateu negando que tivesse qualquer relação com o ocorrido.[114] O canal a cabo de notícias colombiano NTN24 teve o direito de transmitir na Venezuela revogado porque, de acordo com o governo, suas transmissões estariam contribuindo para o desejo de repetir o golpe de 2002.[115] Maduro denunciou também a Agence France-Presse por manipulação de informação.[116] Ele parabenizou ainda a Polícia Nacional Bolivariana por suas ações nos protestos, mesmo com as duras críticas às ações policiais mostradas na mídia.[117]

Maduro acusou emissoras de manipulação e telenovelas venezuelanas de espalhar "anti valores" em seus roteiros e de "incitação à violência e ao ódio na sociedade". Em cerimônia oficial, Maduro declarou: "A protagonista matou mais de nove pessoas até que a mãe a matou. E é a heroína. Quantos milhões veem isso? Crianças, pessoas com problemas, todos assistem."[118][119]

Reações internacionaisEditar

Organizações internacionaisEditar

  •   ALBA – Repudiou a violência e declarou apoio ao governo de Maduro.[120]
  •   Comunidade do Caribe  – Condenou a violência nos protestos e fez um apelo por respeito ao governo democraticamente eleito. A declaração apela ao respeito do Executivo eleito democraticamente.

Observa que, em qualquer sociedade democrática não deve permitir ataques ou distúrbios instituições legitimamente eleitos. A nota também recomenda o diálogo.[121]

  •   Mercosul –Os Estados Partes reafirmam seu compromisso com o exercício pleno das instituições democráticas e, neste contexto, rejeitar as ações criminosas de grupos de manifestantes violentos que querem espalhar o ódio ea intolerância na República Bolivariana da Venezuela como um instrumento de luta política.[122]
  •   Nações Unidas – Declarou estar profundamente preocupada com a escalada da violência no país e aconselhou todas as partes a dialogar para resolver a crise pacificamente. A organização pediu ainda ao governo venezuelano para investigar e processar os responsáveis pelas mortes ocorridas nos protestos. O porta-voz Rupert Colville, do EACDH, fez a seguinte declaração em Genebra: "Estamos especialmente preocupados por informações sobre ataques contra manifestantes por parte de grupo armados que agem com impunidade. [...] Também recebemos informações preocupantes sobre intimidações a jornalistas, alguns dos quais tiveram seus equipamentos apreendidos, assim como informações de que jornalistas locais e internacionais foram agredidos quando cobriam os protestos. Além disso, alguns manifestantes teriam sido detidos e podem ser acusados de terrorismo. Também foi informado que alguns manifestantes, incluindo menores, não foram autorizados a entrar em contato com familiares ou advogados."[123][124]
  •   União de Nações Sul-Americanas  (UNASUL) – Manifestou solidariedade ao governo venezuelano e às famílias das vítimas, repudiou as "tentativas de desestabilizar a democracia legitimamente constituída" e clamou por paz.[125]
  • Organização dos Estados Americanos – Repudiou a violência, recomendou o fim dos confrontos e apelou por um amplo diálogo que respeite as leis, bem como a investigação das mortes.[126]
  •   União Europeia – A organização declarou estar muito preocupada com os incidentes ocorridos em Caracas em 12 de fevereiro, incluindo a morte de pelo menos três pessoas durante os protestos e aconselhou todas as partes a dialogar para resolver a crise pacificamente.[127]

GovernosEditar

  •   África do Sul – Manifestou preocupação com a situação de violência e a ameaça que ela representa à democracia e colocou-se favorável ao governo de Maduro, "dadas as ações desestabilizadoras da extrema-direita na Venezuela".[128]
  •   Argentina – O atual Presidente da Argentina, Mauricio Macri, declarou apoio ao opositor de Nicolás Maduro, Henrique Capriles, na busca do referendo revogatório contra o atual Presidente.[129][130] Macri, que ainda se disse desgostoso com o governo de Nicolás Maduro, alega que, além de infringir diversos direitos humanos, o processo (do atual governo) está matando a Venezuela dia após dia.[131]
  •   Bolívia – Acusou a oposição de arquitetar um golpe.[132]
  •   Brasil – José Serra, então ministro das Relações Exteriores do Brasil, alegou que todos os países democráticos do mundo deveriam defender o referendo que poderia decidir pela troca do governo na Venezuela. Serra criticou duramente a Venezuela, que pretendia assumir a presidência do Mercosul, alegando que o país entrou no bloco num golpe e que, quando mudar o governo autoritário de Nicolás Maduro, o Brasil estará disposto a ajudar na reconstrução.[133]
    O embaixador José Botafogo Gonçalves, ex-secretário para assuntos de Mercosul no Itamaraty, afirmou que a recente mudança de tom do Brasil com relação à Venezuela no Mercosul representa um importante “passo à frente” na conjuntura regional. Na avaliação do diplomata, a diplomacia brasileira demorou para agir e atender aos pedidos de apoio da oposição venezuelana.[134]
  •   Chile – O governo chileno lamentou as mortes em Caracas e enviou condolências ao povo e ao governo da Venezuela, em especial às famílias das vítimas. O Chile declarou ainda que incentiva "um diálogo aberto e construtivo".[135]
  •   Colômbia – Declarou repúdio à violência e expressou condolências às vítimas. O Ministério das Relações Exteriores manifestou ainda seu desejo por um "diálogo aberto e respeitoso", e o presidente Juan Manuel Santos declarou-se preocupado com os acontecimentos, colocando-se à disposição para contribuir com qualquer ação que ajudasse a estabilização do país vizinho, pois, segundo ele, a situação afeta não só a Venezuela, mas também a Colômbia e toda a América do Sul. O governo colombiano declarou também que espera que os colombianos residentes na Venezuela sejam respeitados e que repudiava os relatos de compatriotas deportados sem justa causa.[136] O presidente Maduro não foi receptivo às declarações da Colômbia e acusou o vizinho de oportunismo e de simpatia pela "direita fascista venezuelana", mostrando-se incomodado com a intromissão da Colômbia e declarando que os problemas da Venezuela devem ser resolvidos pelos venezuelanos. O presidente da Venezuela disse, ainda, acreditar numa articulação do ex-presidente colombiano Álvaro Uribe para desestabilizar o país.[137][138]
  •   Cuba – O Ministério das Relações Exteriores cubano acusou a oposição venezuelana de tentativa de golpe e expressou solidariedade ao governo de Maduro.[139]
  •   Equador – O governo condenou a violência. Mais tarde, o presidente Rafael Correa declarou-se solidário ao povo e ao governo. O presidente disse ainda que o povo venezuelano não é violento, mas honesto e trabalhador.[140]
  •   Estados Unidos – O Secretário de Estado John Kerry queixou-se da violência dos protestos e declarou que os Estados Unidos estão "particularmente alarmados com os informes de que o governo venezuelano prendera dezenas de manifestantes opositores e emitira uma ordem de prisão contra o líder opositor Leopoldo López."[141] O governo venezuelano expulsou em 17 de fevereiro três diplomatas dos Estados Unidos sob a justificativa de que estariam organizando protestos pela derrubada do governo.[142] Sobre o ocorrido, o presidente Barack Obama declarou: "Ao invés de desviar a atenção expulsando diplomatas americanos com falsas acusações, o governo venezuelano deveria se concentrar em atender as reivindicações legítimas do povo". O governo ainda repudiou e chamou de "sem fundamento" as acusações de Maduro de que há envolvimento dos Estados Unidos em uma possível tentativa de golpe e fez um apelo para que as autoridades venezuelanas soltassem os manifestantes presos e abrissem espaço para um "diálogo verdadeiro".[143] O governo venezuelano respondeu as declarações dos Estados Unidos acusando-os de intromissão indevida nos assuntos internos do país.[144]
  •   Guiana – Repudiou a violência na Venezuela, expressou solidariedade ao governo venezuelano e declarou que apoia plenamente os esforços para conter ações desestabilizadoras.[145]
  •   Irã – O ministro das Relações Exteriores Marzie Afjam condenou o vandalismo, o assassinato de civis, destruição de bens públicos e qualquer ação que crie instabilidade no país. Ele também disse que a Venezuela pode contar com total apoio do Irã "para fortalecer a paz, a amizade e promover a democracia e desenvolvimento estável".[146]
  •   México – Sugeriu que os problemas sejam resolvidos pelo diálogo, lamentou os episódios de violência e expressou condolências às famílias das vítimas.[147]
  •   Nicarágua – Acusou a direita fascista de violência e expressou total apoio ao governo de Maduro.[148]
  •   Panamá – O ministro das Relações Exteriores Francisco Alvarez de Soto disse que o Panamá está preocupado com a Venezuela e entende que a situação é um assunto interno, mas que seu país deseja a paz, tolerância e diálogo.[149] Maduro afirmou que o governo do Panamá estaria interferindo indevidamente na Venezuela.[150]
  •   Paraguai - Opositor do governo Maduro, o chanceler Eladio Loizaga decidiu congelar as relações diplomáticas com a Venezuela. O diplomata disse ainda que o governo venezuelano é autoritário e antidemocrático.[151] Loizaga anunciou que o embaixador do Paraguai na Venezuela, Enrique Jara, não voltará para Caracas por tempo indefinido.[152]
  •   Peru – O Ministério das Relações Exteriores declarou oficialmente que todos estão profundamente preocupados com a situação da Venezuela. Eles recomendam também o diálogo entre os grupos no que diz respeito aos valores democráticos e direitos humanos. O governo também enviou condolências aos feridos nos protestos.[153]
  •   Rússia – O governo russo expressou preocupação com a instabilidade na Venezuela, mas afirmou que confia no governo de Maduro para preservar a ordem constitucional. A Rússia também demonstrou "sua solidariedade pelo governo e pelo povo" e declarou que "apoia fortemente uma política que vise evitar a desestabilização da nação".[154]
  •   Uruguai – Durante seu governo, o ex-presidente José Mujica rejeitou os atos desestabilizadores realizadas pela direita venezuelana contra o governo de Nicolas Maduro; expressando apoio ao Governo e ao povo da Venezuela à violência orquestrada pela direita em vários estados e convidou setores da oposição para encontrar a solução do problema com base na Constituição.[155] No entanto, em maio de 2016, Mujica saiu em defesa do seu ex-chanceler, Luis Almagro, chamado de “agente da CIA” por Nicolas Maduro, e alegou que o Presidente Venezuelano se encontra “louco como uma cabra”.[156]
    Já o atual Presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, demonstrou uma crescente preocupação com a situação do país.[157]
  •   Síria – O presidente Bashar al-Assad enviou uma carta ao governo venezuelano onde expressa seu apoio à Maduro e repudia "tentativas de semear o caos", demonstrando confiança de que a Venezuela superará essa experiência com as realizações e legado do ex-presidente Hugo Chávez.[158][159]
  •   Vaticano – O Papa Francisco incentivou "o diálogo sincero e construtivo" entre governo e oposição da Venezuela, com a finalidade de "aliviar o sofrimento" das pessoas e promover "a coesão social".[160]

OutrosEditar

  • Anistia Internacional – Pediu ao governo para investigar as mortes. Guadalupe Marengo disse: "É extremamente preocupante que a violência tenha tornado-se uma característica regular durante protestos na Venezuela. Se as autoridades estão verdadeiramente empenhadas em evitar mais mortes, elas devem garantir que os responsáveis ​​pela violência, os manifestantes, as forças de segurança e civis armados sejam postos igualmente frente à justiça. As autoridades venezuelanas devem mostrar que estão realmente empenhadas em respeitar os direitos das pessoas à liberdade de expressão e associação, garantindo que elas possam participar de protestos sem medo de serem agredidas, presas ou mesmo mortas. É essencial que os jornalistas sejam capazes de transmitir os eventos de forma livre e os defensores dos direitos humanos possam monitorar as manifestações."[161]
  • Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde – Declarou que condena a "tentativa de golpe e a violência por parte dos grupos de oposição e lamenta a perda de vidas e destruição de bens públicos no país". O grupo também afirmou que "denuncia os objetivos antidemocráticos e insurgentes dessa campanha de desestabilização desencadeada em Caracas e outras cidades venezuelanas por grupos extremistas." O grupo parlamentar também divulgou que considera a "oposição e a direita venezuelana apoiadas pelos EUA e com ligações com as forças dominantes da União Européia" como responsáveis pelas "ações violentas e suas terríveis consequências".[162]
  • Human Rights Watch – José Miguel Vivanco, diretor das Américas do Human Rights Watch, declarou: "O que a Venezuela precisa urgentemente é que esses assassinatos sejam investigados e os responsáveis sejam colocados perante a justiça, sem importar sua filiação política. O que a Venezuela não precisa é de autoridades plantando bodes expiatórios em adversários políticos e fechando agências de notícias cuja cobertura não lhes agrada."[163]O Human Rights Watch exigiu a liberação imediata de López, declarando: "A prisão de Leopoldo López é uma violação atroz de um dos princípios mais básicos do devido processo legal: não se pode prender alguém sem provas ligando-o ao crime".[164]
  • Partido Comunista Português – Condenou os atos de violência e vandalismo perpetuados por "grupos de natureza neofascista" que causaram a perda de vidas e a destruição de bens públicos e expressou solidariedade pela Revolução Bolivariana.[165]
  • Partido Comunista do Chile – Lautaro Carmona, líder do partido, declarou: "Maduro está fazendo a coisa certa em apelar a toda a força institucional que foi construída pela soberania democrática da Venezuela bolivariana. Quanto aos interesses da classe trabalhadora e do povo em geral, não há nada para se preocupar desde que a Revolução Bolivariana mudou suas vidas para o bem."
  • Partido dos Trabalhadores (Brasil) – Em nota assinada pelo presidente Rui Falcão, o PT prestou apoio ao governo de Maduro e condenou o uso de "grupos violentos como instrumento de luta política" e "ações midiáticas" que, segundo o comunicado, estariam sendo estimulados pela oposição com o objetivo de "desestabilizar a ordem democrática". O partido também prestou solidariedade às famílias das vítimas fatais e declarou que acredita que o governo venezuelano "está empenhado na manutenção da paz".[166]
  • Celebridades internacionais como Steve Aoki, Jared Leto, Cher e Rhianna fizeram pedidos de paz e orações pelo povo venezuelano.[167] Madonna posicionou-se à favor da oposição, declarando: "Aparentemente Maduro não é muito familiar com o termo 'direitos humanos'. O fascismo está vivo e próspero na Venezuela e na Rússia."[168] Doze jogadores venezuelanos de beisebol do Detroit Tigers, incluindo Miguel Cabrera, Victor Martinez e Anibal Sanchez, manifestaram apoio à oposição e mandaram pedidos de oração e paz.[169]
  • Nos Estados Unidos, diversos venezuelanos residentes no país reuniram-se em várias cidades para manifestar apoio aos manifestantes da Venezuela. Em entrevista aos jornais locais, alguns venezuelanos que residem nos EUA declararam: "As violações dos direitos humanos não acontecem apenas durante os protestos, acontecem todos os dias na Venezuela".[170][171] Também há uma campanha no Twitter em que venezuelanos de diversos países contam, recebem e divulgam informações e notícias com os manifestantes dentro da Venezuela.[172] A mesma rede social protagoniza uma "batalha" entre apoiadores da situação e oposição, que disputam a divulgação de conteúdo pró e contra o governo e a inserção de hashtags entre os assuntos mais falados.[173] No Canadá, manifestantes reuniram-se em Calgary para apoiar a oposição e pedir ao governo canadense para pressionar o governo venezuelano.[174]
  • Na Argentina, houve manifestações de apoio e solidariedade à Maduro organizadas por grupos kirchneristas ligados ao governo argentino, como a La Cámpora e o político Luis D'Elía.[175]
  • O grupo Anonymous, tem se infiltrado em sites do governo.[176][177]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Líder da oposição Leopoldo López enfrenta acusações na Venezuela. iG, 20 de fevereiro de 2014.
  2. Pedro Barros desmonta campanha de mentiras da golpista Maria Corina. Fórum, 7 de abril de 2014.
  3. «Movimiento estudiantil pide a la iglesia que sea mediadora». Union Radio (em inglês). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  4. HRW denuncia sistemáticas violaciones de DDHH en Venezuela. El Impulso, 5 de maio de 2014.
  5. «Venezuelan democracy under scrutiny». Helsinki Times (em inglês). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  6. «Human rights groups accuse Venezuelan leaders of trying to suppress anti-government protests». Star Tribune. 11 de fevereiro de 2014. Consultado em 9 de setembro de 2017 
  7. «Quatro dados para contextualizar a crise que assola a Venezuela». Agência Lupa. 4 de agosto de 2017 
  8. «Venezuela's Maduro says 2013 annual inflation was 56.2 pct». Reuters. 30 de dezembro de 2013 
  9. Kurmanaev, Anatoly; Pons, Corina (7 de novembro de 2013). «Venezuela Inflation Hits 16-Year High as Shortages Rise». Bloomberg.com 
  10. «Venezuela: após mortes, acusações de lado a lado». CartaCapital. 13 de fevereiro de 2014 
  11. Pardo, Daniel (7 de janeiro de 2015). «Lo que se sabe del asesinato de la ex Miss de Venezuela Mónica Spear a un año de su muerte». BBC. Consultado em 9 de setembro de 2017 
  12. «Mónica Spear y su pareja fueron asesinados en presunto robo en Carabobo: MP investiga el caso». Noticias24 (em espanhol). 7 de janeiro de 2014 
  13. «Sube a seis la cifra de muertes por protestas, según Rodíguez Torres». www.lapatilla.com (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 9 de setembro de 2017 
  14. Protesto na Venezuela tem ao menos três mortos. G1, 12 de fevereiro de 2014.
  15. a b El diputado Pizarro reveló que ayer se registraron 138 heridos en el país. El Universal, 20 de fevereiro de 2014.
  16. Caselli, Irene (15 de fevereiro de 2014). «Pro and anti-Maduro marches gather thousands in Venezuela» (em inglês). Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  17. a b Venezuela: the most dangerous place on earth? Por Mauro Galluzzo. Channel 4 News, 8 de janeiro de 2014.
  18. a b What the Heck Is Going on in Venezuela? (Could the Maduro Regime Fall?) Por Jeffrey Tayler. Businessweek-Bloomberg, 19 de fevereiro de 2014.
  19. «Seven Things To Know About the Venezuela Crisis». NBC News. 25 de fevereiro de 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2014 
  20. Ferdman, Roberto (8 de março de 2014). «There have already been almost 3,000 murders in Venezuela since the start of the year». Quartz. Consultado em 9 de março de 2014 
  21. Venezuela é 3º país mais violento do mundo, diz ONG. O Globo/ AP, 28 de dezembro de 2013.
  22. O assassinato da miss acelera o plano de segurança de Maduro. O presidente de Venezuela priorizou o tema depois do duplo assassinato e pede para a população se desarmar. Por Alfredo Meza. El País, 9 de janeiro de 2014.
  23. a b Maduro apresenta plano para reduzir violência na Venezuela. Terra, 15 de fevereiro de 2014.
  24. Gobierno ha logrado reducir el secuestro y el homicidio en 51,7% y 17%. Ministerio del Poder Popular para la Comunicación y la Información (MippCI), 22 de dezembro de 2013.
  25. «Venezuela Travel Warning» (em inglês). United States Department of State. Consultado em 9 de fevereiro de 2014 
  26. «Venezuela» (em inglês). Government of Canada. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  27. Foreign travel advice Venezuela
  28. «Venezuela Slashes Currency Value». Wall Street Journal. 9 de fevereiro de 2013. Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  29. Lopez, Virginia (26 de dezembro de 2013). «Venezuela food shortages: 'No one can explain why a rich country has no food'». The Guardian (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2013 
  30. «Venezuela's Maduro says 2013 annual inflation was 56.2 pct». Reuters (em inglês). 30 de dezembro de 2013. Consultado em 18 de janeiro de 2014 
  31. «Venezuela Inflation Hits 16-Year High as Shortages Rise». Bloomberg (em inglês). 7 de novembro de 2013. Consultado em 16 de fevereiro de 2013 
  32. Vyas, Kejal (6 de janeiro de 2014). «Venezuela Raises Minimum Wage, Pension Benefits Amid High Inflation». Wall Street Journal (em inglês) 
  33. [1]
  34. [2]
  35. «Venezuela sends in troops to force electronics chain to charge 'fair' prices». NBC News (em inglês). Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  36. «En Venezuela no hay papel higiénico porque 'la gente come más'» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  37. «Eljuri: 95% de los venezolanos comen tres y cuatro veces al día». Agencia Venezolana de Noticias. 22 de maio de 2013. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  38. «Toilet paper shortage is because 'Venezuelans are eating more' argues the government». MercoPress. 24 de maio de 2013. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  39. A. Ferdman, Roberto (24 de maio de 2013). «Venezuela's grand plan to fix its toilet-paper shortage: $79 million and a warning to stop eating so much». Quartz. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  40. «La crisis de la economía chavista provoca que los venezolanos coman vez menos». Infobae. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  41. [3]
  42. [4]
  43. «Médicos del Hospital Universitario de Caracas suspenden cirugías por falta de insumos». Globovision (em espanhol). 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  44. [5]
  45. «Venezuelan president, accused of electoral fraud at home, finds backing abroad». The Washington Post. 10 de maio de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  46. a b «Nicolas Maduro sworn in as new Venezuelan president». BBC News (em inglês). 19 de abril de 2013. Consultado em 18 de junho de 2013 
  47. a b «Venezuela to audit votes without opposition conditions» (em inglês). BBC. 28 de abril de 2013. Consultado em 29 de abril de 2013 
  48. «Venezuela audit confirms Nicolas Maduro electoral victory». BBC News (em inglês). 12 de junho de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2013 
  49. a b «Maduro's hollow victory». Economist (em inglês). 14 de dezembro de 2013 
  50. a b «Leopoldo López llama a la calle y se mide con Henrique Capriles». El Mundo (em espanhol). 1º de fevereiro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  51. La inflación, la escasez y el precio del petróleo lastran a Venezuela. El país cierra el año con problemas económicos a los que hay que sumar la creciente inseguridad, la conflictividad política y algunas buenas noticia en las artes y los deportes. Por Alfredo Meza. El País, 26 de dezembro de 2014.
  52. «Constitution of the Bolivarian Republic of Venezuela» (em inglês). Unniversity of Minnesota Human Rights Library. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  53. «Protesta del 12 de febrero en 12 sucesos claves Las protestas estudiantiles term». Ultimas Noticias (em espanhol). 13 de fevereiro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  54. Oliva, Beatriz (11 de fevereiro de 2014). «Protestas en Táchira, Zulia, Caracas y Coro: Estudiantes exigen liberación de compañeros de otros estados». El Carabobeno (em esnahol). Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  55. «Protesta de gran magnitud en Táchira 09.02.14». El Nacional (em espanhol). 9 de fevereiro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  56. Así marchó la oposición en Venezuela (Fotos). La patilla, 12 de fevereiro de 2014.
  57. [6]
  58. «Venezuela se realiza marcha por la paz y la vida». Infonews. 15 de fevereiro de 2014 
  59. [7]
  60. [8]
  61. «GNB MATA A JOVEN EN AV PANTEON». VeneNews (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  62. «Requesens: "Incendian autobús de PDVSA"». Globovision (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  63. «Requesens: "Incendian autobús de PDVSA"». Globovision (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  64. «)». El Diario de Caracas (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  65. «Herido con golpes y perdigones el Padre José Palmar en el Zulia». El Nacional (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  66. «Padre Palmar se encuentra herido en Maracaibo (Fotos)». El Diario de Caracas (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  67. «Padre José Palmar: "Maduro es un mentiroso, Maduro es un asesino"». Diario las Americas (em espanhol). 17 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  68. «Venezuela braces for demos over jailed opposition leader». Global Post. 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  69. «Solicitan a la AN allanamiento a la inmunidad parlamentaria a María Corina Machado». La Patilla (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  70. «Donde se queman los libros». El informador (em espanhol). 2 de maio de 2014. Consultado em 2 de maio de 2014 
  71. «Confirman muerte de un Guardia Nacional en Aragua». El Carabobeno (em esnahol). 17 de março de 2014. Consultado em 15 de maio de 2014 
  72. «ultraderecha venezuela paramilitares colombianos». Actualidad (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 8 de abril de 2014 
  73. «movilizan paracaidistas ante presencia de militares colombianos;». Pulso (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2014 
  74. Carlo Rodríguez, Juan (20 de fevereiro de 2014). «Confirman aeronaves militares sobrevolando San Cristóbal; reportan vías cerradas». Venezuela Al Dia (em espanhol). Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  75. «Venezuela coup? Gunfire, clashes as 3 dead in violent Caracas protest (PHOTOS, VIDEO) — RT News». Rt.com. 12 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  76. «White House: US not backing Venezuela opposition protests». Al Jazeera (em inglês). 18 de fevereiro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2014 
  77. a b Violencia en Venezuela: Maduro anunció que los que se movilicen "sin permiso" serán detenidos. Infobae
  78. [9]
  79. Gupta, Girish (17 de fevereiro de 2014). «Venezuelan security forces raid major opposition base». USA Today (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2014 
  80. [10]
  81. «Maduro: Las agencias de EEUU han dado luz verde para el derrocamiento de mi Gobierno». La Patilla (em espanhol). 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 22 de fevereiro de 2014 
  82. hhttp://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2014-02-22/maduro-convoca-dialogo-com-obama-para-melhorar-relacoes-bilaterais.html
  83. [11]
  84. «Maduro evalúa intervenir policía de Lara porque protege a "guarimberos"». La Patilla (em espanhol). 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 22 de fevereiro de 2014 
  85. [12]
  86. [13]
  87. [14]
  88. [15]
  89. [16]
  90. [17]
  91. [18]
  92. «Capriles confronta a Ameliach y a la fiscal general de la República». La Patilla (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  93. «Carta abierta de Henrique Capriles a los Venezolanos». Dolar Today (em espanhol). 17 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  94. [19]
  95. «Leopoldo López se entrega a funcionarios de la GN». El Universal (em espanhol). 18 de fevereiro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2014 
  96. «Diferida audiencia de Leopoldo López, pasará la noche en Ramo Verde: Fiscal General garantiza "todos sus derechos"». La Patilla (em espanhol). 18 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  97. «From jail, Venezuela protest leader urges resistance». Reuters (em inglês). 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 22 de fevereiro de 2014 
  98. [20]
  99. [21]
  100. «LA FOTO: María Corina de frente en Ramo Verde». La Patilla (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  101. [22]
  102. «Movimiento estudiantil pide a la iglesia sea mediadora ante violencia en el país». La Patilla (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  103. a b Peter Wilson (19 de fevereiro de 2014). «Social media key for Venezuelan protesters». USA Today (em inglês) 
  104. [23]
  105. Schipani, Andres (16 de fevereiro de 2014). «Fears grow of Venezuela media crackdown after protest killings». Financial Times (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  106. «CNN Video – Breaking News Videos from» (em inglês). CNN.com. Consultado em 21 de fevereiro de 2012 
  107. [24]
  108. «Maduro: Se va CNN de Venezuela». La Patilla (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  109. «Presidente de Venezuela amenaza a CNN con bloquear su difusión». La Nacion (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  110. «Twitter reports image blocking in Venezuela». Washington Post (em inglês). 14 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  111. «Venezuelans Blocked on Twitter as Opposition Protests Mount». Bloomberg (em inglês). 15 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  112. «Diario El Siglo – Cantv desmiente que esté involucrada en fallas de Twitter» (em espanhol). Elsiglo.com.ve. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  113. «Venezuela blocks twitter images, allegedly to avoid of pictures police and goons shooting students» (em inglês). Merco Press. 15 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  114. [25]
  115. Robertson, Ewan. «Third Day of Protests in Venezuela Sees Lower Turnout, Calls for Peace» (em inglês). venezuelanalysis.com. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  116. Schipani, Andres (16 de fevereiro de 2014). «Fears grow of Venezuela media crackdown». Financial Times (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  117. «Maduro: Denuncio a la Agencia France Press (AFP) porque está a la cabeza de la manipulación – RT» (em espanhol). Actualidad.rt.com. 14 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  118. [26]
  119. [27]
  120. [28]
  121. [29]
  122. [30]
  123. Colville, Rupert. «UN rights office urges probe into Venezuela violence, calls for dialogue to resolve crisis» (em inglês). United Nations. Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  124. [31]
  125. [32]
  126. [33]
  127. Ashton, Catherine. «STATEMENT by the Spokesperson of EU High Representative Catherine Ashton on the recent incidents in Venezuela» (PDF). Statement. European Union. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  128. [34]
  129. «Macri recebe opositor de Maduro em busca de apoio a referendo». Consultado em 1º de novembro de 2016 
  130. «'Clarín': Macri declara apoio ao opositor de Nicolás Maduro». Consultado em 1º de novembro de 2016 
  131. «Argentina's Macri Expresses 'Disgust' With Venezuelan Government» (em inglês). Consultado em 1º de novembro de 2016 
  132. [35]
  133. «Serra ataca Venezuela: não tem condições de assumir o mercosul». Consultado em 1º de novembro de 2016 
  134. «mudança de tom do Brasil sobre a Venezuela é um passo à frente, vê diplomata». Consultado em 1º de novembro de 2016 
  135. [36]
  136. [37]
  137. [38]
  138. [39]
  139. [40]
  140. [41]
  141. Kerry, John. «Recent Violence in Venezuela» (em inglês). United States Department of State. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  142. Gupta, Girish (17 de fevereiro de 2014). «Venezuela expels 3 U.S. diplomats as violence flares». USA Today (em inglês). Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  143. «Obama Condemns Violence In Ukraine And Venezuela». Huffington Post (em inglês). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  144. [42]
  145. [43]
  146. «Irán respalda a Venezuela y rechaza agresión de EE.UU.» [Irã apoia Venezuela e rejeita a agressão dos EUA] (em spanish). Telesur. 15 de março de 2015. Consultado em 4 de novembro de 2014 
  147. [44]
  148. [45]
  149. [46]
  150. «Venezuela acusa a Panamá de injerencia y llama a consultas a su embajadora». La Patilla (em espanhol). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  151. «Crisis en el Mercosur: Paraguay decidió congelar las relaciones diplomáticas con Venezuela» (em espanhol). Consultado em 1º de novembro de 2016 
  152. «Venezuela rejeita ameaça paraguaia de congelar relações diplomáticas». Consultado em 1º de novembro de 2016 
  153. «Perú lamenta violencia en Venezuela e invoca al diálogo para reestablecer paz social». Andina (em espanhol). 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  154. [47]
  155. «Mujica respalda al gobierno de Venezuela y rechaza cualquier injerencia extranjera» (em espanhol). Telesur. 18 de fevereiro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2014 
  156. «Pepe Mujica chama Nicolás Maduro de "louco"» (em inglês). Consultado em 1º de novembro de 2016 
  157. «Na Argentina, Macri e Tabaré criticam a Venezuela e falam sobre a China». Clarín. 24 de outubro de 2016. Consultado em 4 de novembro de 2016 
  158. [48]
  159. [49]
  160. «Papa recebe Maduro, e Vaticano anuncia diálogo na Venezuela». Folha de S.Paulo. 24 de outubro de 2016. Consultado em 4 de novembro de 2016 
  161. «Venezuela must investigate demonstration deaths» (em inglês). Amnesty International. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  162. [50]
  163. «Venezuela: Investigate Violence During Protests, Do Not Censor News Coverage» (em inglês). Human Rights Watch. Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  164. «Human Rights Watch exile a Maduro la immediate liberación de López». La Patilla (em espanhol). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  165. [51]
  166. [52]
  167. «Rihanna: "Por favor mantengan a la gente de Venezuela en sus oraciones"». El Universal (em espanhol). 14 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 
  168. Lopez, Oscar (20 de fevereiro de 2014). «Venezuela Protests 2014: Madonna Calls President Nicolás Maduro 'Fascist' On Instagram». Latin Times (em inglês). Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  169. Gage, Tom (21 de fevereiro de 2014). «Venezuelan Tigers show support for protesters in home country From». The Detroit News (em inglês). Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  170. Loeb, Pat (16 de fevereiro de 2014). «Violence In Venezuela Sparks Protests In Philadelphia». CBS Philly (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  171. «Rally for Venezuela Held in Miami». NBC 6 South Florida. 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2014 
  172. «Así fue como un grupo de Venezolanos mostro su agradecimiento a Twitter en San Francisco». Dolar Today (em inglês). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 19 de fevereiro de 2014 
  173. [53]
  174. Fletcher, Robson (18 de fevereiro de 2014). «Gallery: Calgary demonstrators protest Venezuela situation on Peace Bridge». Metro News (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2014 
  175. «Agrupaciones kirchneristas marcharon en apoyo a Nicolás Maduro a la embajada de Venezuela» [Kirchnerist organizations marched to the embassy of Venezuela in support of Nicolás Maduro] (em espanhol). La Nación. 18 de fevereiro de 2014. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  176. «Global hackers hit Venezuelan government, servers 'falling like dominoes'». Minnesota Post (em inglês). 18 de fevereiro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2014 
  177. «Anonymous attacks Venezuela govt websites». Business News Americas (em inglês). 17 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Protestos na Venezuela em 2014–2017