Abrir menu principal
   |- style="font-size: 85%;"
       | Erro::  valor não especificado para "continente"


Protetorado Toda-Palestina
حكومة عموم فلسطين (Árabe)

Reconhecimento Limitado
Estado cliente do Reino do Egipto e mais tarde República do Egipto

Flag of the United Kingdom.svg
1948 – 1959 Flag of Egypt.svg

Bandeira de Palestina

Bandeira

Localização de Palestina
Faixa de Gaza depois do Armistício de 1950.
Capital Jerusalém
(reclamada)
Cidade de Gaza (de facto 1948)
Cairo (de facto 1949-59)
Língua oficial Árabe Palestino
Religião Islão Sunista
Cristianismo
Governo República
Presidente
 • 1948 Hadj Amin al-Husayni
Primeiro-Ministro
 • 1948 Ahmed Hilmi Pasha
Período histórico Guerra Fria
 • 1 de Janeiro de 1948 Estabelecido
 • 1949 Armistício de 1949
 • 1952 Liga Árabe põe a Faixa de Gaza sobre égide oficial do Egipto[1]
 • 1956-1957 Crise de Suez
 • 25 de Maio de 1959 Dissolução
Moeda Libra egípcia
Atualmente parte de  Faixa de Gaza

O Protetorado Toda-Palestina, ou simplesmente Toda-Palestina, também conhecido como Protetorado de Gaza e Faixa de Gaza, foi um estado cliente de vida curta com reconhecimento limitado, correspondendo à área da moderna Faixa de Gaza, que foi estabelecida numa área capturada pelo Reino do Egito durante a Guerra Árabe-Israelense de 1948 e autorizada a concorrer como um protetorado sob o Governo de Toda-Palestina. O Protetorado foi declarado em 22 de Setembro de 1948 na Cidade de Gaza, e o Governo de Toda-Palestina foi formado. O Primeiro-Ministro da administração de Gaza foi Ahmed Hilmi Pasha e o Presidente foi Hadj Amin al-Husayni, ex-presidente da Alta Comissão Árabe.[2] Em Dezembro de 1948, apenas três meses após a declaração, o Governo de Toda-Palestina foi transferido para o Cairo e nunca foi autorizado a retornar a Gaza, tornando-se num governo no exílio. Com a resolução adicional da Liga Árabe de colocar a Faixa de Gaza sob o protetorado oficial do Egito, o Governo de Toda-Palestina foi gradualmente destituído de autoridade até que foi finalmente dissolvido em 1959, sendo legalmente fundido na República Árabe Unida, mas de fato transformando Gaza numa área de ocupação militar do Egito.

Há divergências de opinião sobre se o Protetorado Toda-Palestina era um mero fantoche ou fachada da ocupação egípcia, com financiamento ou influência independente insignificante, ou se era uma tentativa genuína de estabelecer um Estado palestiniano independente. Embora o Governo de Toda-Palestina tenha reivindicado jurisdição sobre todo o antigo mandato britânico da Palestina, em nenhum momento a sua jurisdição efetiva se estendeu para além da Faixa de Gaza, com a Cisjordânia anexada pela Transjordânia e Israel detendo o restante. O Protetorado Toda-Palestina dependia inteiramente do governo egípcio para financiamento e da UNRWA para aliviar o sofrimento dos Refugiados palestinos na Faixa de Gaza. Na realidade, durante a maior parte da sua existência, o Protetorado Toda-Palestina esteve sob administração de fato egípcia, embora o Egito nunca tenha reivindicado ou anexado nenhum território palestino. O Egito não ofereceu a cidadania aos Palestinos de Gaza. Os Palestinos que viviam na Faixa de Gaza e no Egito receberam passaportes de Toda-Palestina, e não foram autorizados a se mover livremente para o Egito. No entanto, esses passaportes foram reconhecidos apenas por seis países árabes.

Ver TambémEditar

Referências

  1. Kumaraswamy, P.R. The A to Z of the Arab-Israeli Conflict. 2009. p15.
  2. Spencer C. Tucker, Priscilla Mary Roberts. The Encyclopedia of the Arab-Israeli Conflict: A Political, Social, and Military History: A Political, Social, and Military History p 464
  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.