Protostomia

Protostomia (do grego Protos, primeiro + stoma, boca) é um clado de animais com simetria bilateral e três camadas germinativas. O nome do grupo deriva do fato que no desenvolvimento embrionário a boca é formada antes do ânus. Na língua portuguesa, o termo protostómios (português europeu) ou protostômios (português brasileiro) é utilizado para denominar o grupo.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaProtostomia
Ocorrência: Ediacarano–Recente
Protostomia.jpg
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
(sem classif.) Bilateria
(sem classif.) Protostomia
Grobben, 1908
Grupos
ver texto
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Protostomia

CaracterísticasEditar

Dentro do grupo de organismos com simetria bilateral, há um número de filos que diferem em suas formas adultas, mas puderam relacionar-se de acordo com suas etapas embrionárias do início. Estes grupos foram classificados em função de como se dividem as células e como se formam os órgãos. Por exemplo, uma destas subdivisões básicas é a dos Protóstomos, nos quais persiste a boca embrionária, e a dos Deuteróstomios, nos quais se forma uma boca nova. Após o desenvolvimento completo de seu embrião, inúmeros animais mantém seu blastóporo (orifício de comunicação do arquêntero com o exterior) com função de boca.

Principais diferenças entre protostômios e deuterostômios[1]
  Protostomia Deuterostomia
Clivagem espiral radial
Blastóporo dá origem a boca dá origem ao ânus
Formação do celoma esquizocelia enterocelia
Mesoderme deriva do mesentoblasto deriva da parede do arquêntero

ClassificaçãoEditar

Em classificações mais tradicionais, o grupo Bilateria era dividido em protostômios e deuterostômios, exceto pelos filos pertencentes ao último, todos os outros filos eram de protostômios.[2] O filo Chaetognatha[3] era tradicionalmente classificado com deuterostômios, mas as análises genéticas os associam aos protostômios, especialmente com o grupo Gnathifera, e por isso eles são incluídos nos últimos.[4] Estudos moleculares recentes, sugerem que o grupo pode ser divido em Ecdysozoa e Spiralia,[5] outros estudos sugeriram a possibilidade de um terceiro grupo, o Platyzoa.[6] mas acabou sendo parafilético.[7]

FilogeniaEditar

Esta é a filogenia de acordo com estudos genéticos recentes:[7][4][8][9][10][11][12][13]

Protostomia
Ecdysozoa
Scalidophora

Kinorhyncha  

Vinctiplicata

Loricifera  

Priapulida  

Nematoida

Nematomorpha  

Nematoda  

Panarthropoda

Arthropoda  

Onychophora  

Tardigrada  

Spiralia
Gnathifera

Gnathostomulida  

Chaetognatha  

Micrognathozoa  

Rotifera  

Lophotrochozoa

Rhombozoa  

Trochozoa
Neotrochozoa

Mollusca  

Annelida  

Parenchymia

Nemertea  

Platyhelminthes  

Gastrotricha  

Kamptozoa

Cycliophora  

Entoprocta  

Lophophorata

Brachiopoda  

Bryozoa  

Phoronida  

Referências

  1. BRUSCA, R.C.; BRUSCA, G.J. (2003). Invertebrates 2 ed. Sunderland: Sinauer Associates. p. 115. ISBN 0-87893-097-3 
  2. NIELSEN, C. (2001). Animal Evolution: Interrelationships of the Living Phyla 2 ed. Oxford: Oxford University Press. 563 páginas. ISBN 0-19-850681-3 
  3. Marlétaz, Ferdinand; Martin, Elise; Perez, Yvan; Papillon, Daniel; Caubit, Xavier; Lowe, Christopher J.; Freeman, Bob; Fasano, Laurent; Dossat, Carole (8 de agosto de 2006). «Chaetognath phylogenomics: a protostome with deuterostome-like development». Current Biology (em inglês). 16 (15): R577–R578. ISSN 0960-9822. PMID 16890510. doi:10.1016/j.cub.2006.07.016. Consultado em 28 de janeiro de 2022 
  4. a b Marlétaz, Ferdinand; Peijnenburg, Katja T. C. A.; Goto, Taichiro; Satoh, Noriyuki; Rokhsar, Daniel S. (21 de janeiro de 2019). «A New Spiralian Phylogeny Places the Enigmatic Arrow Worms among Gnathiferans». Current Biology (em inglês). 29 (2): 312–318.e3. ISSN 0960-9822. PMID 30639106. doi:10.1016/j.cub.2018.11.042. Consultado em 28 de janeiro de 2022 
  5. Aguinaldo, Anna Marie A.; Turbeville, James M.; Linford, Lawrence S.; Rivera, Maria C.; Garey, James R.; Raff, Rudolf A.; Lake, James A. (maio de 1997). «Evidence for a clade of nematodes, arthropods and other moulting animals». Nature (em inglês). 387 (6632): 489–493. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/387489a0. Consultado em 28 de janeiro de 2022 
  6. Passamaneck, Yale; Halanych, Kenneth M. (1 de julho de 2006). «Lophotrochozoan phylogeny assessed with LSU and SSU data: Evidence of lophophorate polyphyly». Molecular Phylogenetics and Evolution (em inglês). 40 (1): 20–28. ISSN 1055-7903. doi:10.1016/j.ympev.2006.02.001. Consultado em 28 de janeiro de 2022 
  7. a b Torsten H. Struck et al. 2014, Platyzoan Paraphyly Based on Phylogenomic Data Supports a Noncoelomate Ancestry of Spiralia. Molecular Biology and Evolution, Volume 31, Issue 7, 1 July 2014, Pages 1833–1849, https://doi.org/10.1093/molbev/msu143
  8. Aguinaldo, A. M. A., J. M. Turbeville, L. S. Linford, M. C. Rivera, J. R. Garey, R. A. Raff, and J. A. Lake. 1997. Evidence for a clade of nematodes, arthropods and other moulting animals. The Ecdysozoa. Nature. 387:489-493.
  9. Giribet, Gonzalo; Gregory D., Edgecombe (2017). «Current Understanding of Ecdysozoa and its Internal Phylogenetic Relationships». Oxford academic. 57 (3): 455–466. doi:10.1093/icb/icx072 
  10. Nesnidal MP; Helmkampf M; Helmkampf M; Meyer A; Witek A; Bruchhaus I; Ebersberger I; Hankeln T; Lieb B10=Struck THHausdorf B (novembro de 2013). «New phylogenomic data support the monophyly of Lophophorata and an Ectoproct-Phoronid clade and indicate that Polyzoa and Kryptrochozoa are caused by systematic bias». BMC Evolutionary Biology. 13 (1). 253 páginas. PMC 4225663 . PMID 24238092. doi:10.1186/1471-2148-13-253 
  11. MJ Telford & RR Copley 2011. Improving animal phylogenies with genomic data. Trends in Genetics Volume 27, Issue 5, May 2011, Pages 186–195
  12. Ecdysozoan Mitogenomics: Evidence for a Common Origin of the Legged Invertebrates, the Panarthropoda NCBI.
  13. Telford, Maximilian J.; Robertson, Helen E.; Schiffer, Philipp H. (18 de junho de 2018). «Orthonectids Are Highly Degenerate Annelid Worms». Current Biology (em inglés). 28 (12): 1970–1974.e3. ISSN 0960-9822. PMID 29861137. doi:10.1016/j.cub.2018.04.088