Província da Carolina do Norte

   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"
   


Província da Carolina do Norte

Colônia da Inglaterra (1712–1729)
Colônia da Grã-Bretanha (1729–1776)

1712 – 1776
Flag Brasão
Bandeira da América Britânica (1707–1775) Brasão
Lema nacional
Quae Sera Tamen Respexit
"Ainda que tarde, olhou por mim"
Continente América do Norte
Capital Bath (1712-1722)
Edenton (1722-1743)
Brunswick (1743-1770)
New Bern (1770-1776)
Governo Colônia Proprietária da Inglaterra (1712–1729)
Colônia Real da Grã-Bretanha (1729–1776)
História
 • 1712 Separação da Província da Carolina
 • 1776 Independência Declarada
Atualmente parte de  Estados Unidos
 Carolina do Norte

A Província da Carolina do Norte foi uma das Colônias do Sul do Império Britânico, entre 1712 e 1776, criada como uma colônia proprietária. O poder do governo britânico foi investido como governador da Carolina do Norte, mas a colônia declarou independência da Grã-Bretanha em 1776. A Província da Carolina do Norte teve quatro capitais: Bath (1712-1722), Edenton (1722-1743), Brunswick (1743-1770) e New Bern (depois de 1770). A colônia mais tarde se tornou os estados da Carolina do Norte e Tennessee, e partes da colônia se combinaram com outros territórios para formar os estados da Geórgia, Alabama e Mississippi.[1]

HistóricoEditar

O rei Carlos II da Inglaterra concedeu a carta da Carolina em 1663 por terras ao Sul da Colônia da Virgínia e ao norte da Flórida espanhola. Ele concedeu a terra a oito Lordes proprietários em troca de sua assistência financeira e política para restituí-lo ao trono em 1660.[2] A metade Norte da colônia diferia significativamente da metade Sul e o transporte e a comunicação eram difíceis entre as duas regiões; portanto, um vice-governador separado foi nomeado para administrar a metade Norte da colônia a partir de 1691.[3]

A divisão da colônia em Norte e no Sul foi concluída em uma reunião dos Lordes proprietários realizada em Craven House em Londres, em 7 de dezembro de 1710, embora os mesmos proprietários continuassem a controlar as duas colônias. O primeiro governador da província separada da Carolina do Norte foi Edward Hyde. A inquietação contra os proprietários da Carolina do Sul em 1719 levou o rei George I a nomear um governador real naquela colônia, enquanto os Lordes proprietários continuaram a nomear o governador da Carolina do Norte.[4] As duas Carolinas se tornaram colônias da coroa em 1729, depois que o governo britânico tentou por quase 10 anos localizar e comprar as cartas de sete dos oito Lordes proprietários. O um oitavo restante da Província foi mantido por membros da família Carteret até 1776, parte da Carolina do Norte conhecida como Distrito de Granville.[5]

No final do século XVIII, a maré de imigração da Virgínia e da Pensilvânia para a Carolina do Norte começou a crescer.[6] Os escoceses-irlandeses (protestantes de Ulster), do que é hoje a Irlanda do Norte, foram o maior grupo de imigrantes das Ilhas Britânicas até as colônias antes da Revolução.[7][8][9] No total, os servos ingleses contratados, que chegaram principalmente nos séculos XVII e XVIII, compreendiam a maioria dos colonos ingleses antes da Revolução.[9][10] Na véspera da Revolução Americana, a Carolina do Norte era a colônia britânica que mais crescia na América do Norte. As pequenas fazendas familiares de Piemonte contrastavam fortemente com a economia das plantações da região costeira, onde os ricos plantadores haviam estabelecido uma sociedade escravista, cultivando tabaco e arroz com trabalho escravo.

As diferenças nos padrões de assentamento do Leste e do Oeste da Carolina do Norte, ou das terras altas e baixas, afetaram a vida política, econômica e social do estado entre os séculos XVIII e XX. A região costeira alagada no Leste da Carolina do Norte foi colonizada principalmente por imigrantes da zona rural da Inglaterra e das Terras Altas da Escócia. O interior do Oeste da Carolina do Norte foi ocupado principalmente por protestantes escoceses, irlandeses, ingleses e alemães, o chamado "cohee".

Durante a Guerra Revolucionária, os ingleses e escoceses das montanhas do Leste da Carolina do Norte tenderam a permanecer leais à coroa britânica, por causa de conexões comerciais e pessoais de longa data com a Grã-Bretanha. Os colonizadores ingleses, galeses, irlandeses escoceses e alemães do Oeste da Carolina do Norte tendiam a favorecer a independência americana da Grã-Bretanha.

Sem cidades e muito poucos assentamentos ou aldeias, a colônia era fundamentalmente rural e pouco povoada. As tabernas locais forneciam vários serviços, desde bebidas fortes, camas para viajantes e salas de reuniões para políticos e empresários. Em um mundo nitidamente dividido em termos de etnia, gênero, raça e classe, o rum dos taberneiros provou ser um solvente que misturava todos os tipos de habitantes locais, além de viajantes. A crescente variedade de bebidas oferecidas e o surgimento de clubes particulares reunidos nas tabernas mostraram que a cultura gentil estava se espalhando de Londres para a periferia do mundo inglês.[11]

O tribunal geralmente era o edifício mais imponente de um condado. As cadeias eram frequentemente uma parte importante do tribunal, mas às vezes eram construídas separadamente. Alguns governos do condado construíram armazéns de tabaco para fornecer um serviço comum para a colheita de exportação mais importante.[12]

A expansão para o Oeste começou no início do século XVIII a partir das sedes de poder da província na costa, particularmente após a conclusão das guerras de Tuscarora e Yamasee, nas quais a maior barreira foi removida para os assentamentos coloniais no interior. O assentamento em grande número tornou-se mais viável nas Montanhas Apalaches após a Guerra Franco-Indígena e a Guerra Anglo-Cherokee no mesmo período, nas quais as tribos Cherokee e Catawba foram efetivamente neutralizadas. O rei George III emitiu a Proclamação real de 1763, a fim de sufocar possíveis conflitos com os índios daquela região, incluindo os Cherokee. Essa medida barrava qualquer assentamento próximo às cabeceiras de quaisquer rios ou córregos que corriam para o Oeste, em direção ao rio Mississippi. Incluiu vários rios da Carolina do Norte, como o rio French Broad e o rio Watauga. Esta proclamação não foi estritamente obedecida e foi amplamente detestada na Carolina do Norte, mas atrasou um pouco a migração para o Oeste até depois da Guerra Revolucionária Americana.[4]

Os colonos continuaram a fluir para o Oeste em menor número, apesar da proibição, e vários assentamentos transapalaches foram formados. O mais proeminente foi chamado de Associação Watauga, formado em 1772 como um território independente dentro dos limites da Carolina do Norte, que adotou sua própria constituição formalmente escrita. Notáveis ​​homens de fronteira, como Daniel Boone, viajavam de um lado para outro pela linha de proclamação invisível como desbravadores de novos mercados, procurando peles valiosas para vender nos assentamentos do Leste, e muitos serviam como líderes e guias de grupos que se estabeleceram no vale do rio Tennessee e no "país de Kentucke".[13]

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Lawson, John (1709). A New Voyage to Carolina (em inglês). [S.l.: s.n.] Consultado em 23 de outubro de 2019 
  2. Prince, Danforth (10 de março de 2011). Frommer's The Carolinas and Georgia (em inglês). [S.l.]: Wiley. 544 páginas. ISBN 978-1-11803-341-8. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  3. Lawson, John (1709). A New Voyage to Carolina (em inglês). Londres: Action Editora. p. 239–254. 258 páginas. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  4. a b Lefler, Hugh T.; Powell, William S. (1973). Colonial North Carolina: A History (em inglês). [S.l.]: Kraus International Publications. 318 páginas. ISBN 978-0-52718-718-7. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  5. Powell, William Stevens; Mazzocchi, Jay (2006). «Granville Grant and District». Encyclopedia of North Carolina (em inglês). [S.l.]: University of North Carolina Press. 1314 páginas. ISBN 978-0-80783-071-0. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  6. Bishir, Catherine W. (2005). North Carolina Architecture (em inglês). [S.l.]: UNC Press Books. 650 páginas. ISBN 978-0-80785-624-6. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  7. Fischer, David Hackett (1989). Albion's Seed: Four British Folkways in America (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. 946 páginas. ISBN 978-0-19506-905-1. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  8. «Table 3a. Persons Who Reported a Single Ancestry Group for Regions, Divisions and States: 1980» (PDF) (em inglês). U.S. Census Bureau. 28 de junho de 2011. Consultado em 23 de outubro de 2019. Arquivado do original (PDF) em 30 de agosto de 2019 
  9. a b «Table 1. Type of Ancestry Response for Regions, Divisions and States: 1980» (PDF) (em inglês). U.S. Census Bureau. 28 de junho de 2011. Consultado em 23 de outubro de 2019. Arquivado do original (PDF) em 8 de julho de 2019 
  10. Deanna Barker (10 de março de 2004). «Indentured Servitude in Colonial America» (em inglês). NAI CILH. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  11. Thorp, Daniel B. (Novembro de 1996). «Taverns and Tavern Culture on the Southern Colonial Frontier: Rowan County, North Carolina, 1753-1776». The Journal of Southern History. 62 (4): 661-668. doi:10.2307/2211137. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  12. Watson, Alan D. (Outubro de 2005). «County Buildings and Other Public Structures in Colonial North Carolina». The North Carolina Historical Review. 82 (4): 427-463. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  13. John Filson (1784). «The Discovery, Settlement and present State of Kentucke» (em inglês). University of Nebraska-Lincoln. Consultado em 23 de outubro de 2019 

Leitura adicionalEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre História dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.