Abrir menu principal

Ptolemeu IV Filópator

(Redirecionado de Ptolemeu IV)
Disambig grey.svg Nota: Se procura por nomes semelhantes, veja Ptolemeu Filópator.
Ptolemeu IV Filópator
Faraó do Egito
Reinado 224 a.C. a 205 a.C.
Predecessores Ptolemeu III Evérgeta
Berenice II
Sucessor Ptolemeu V Epifânio
Co-monarca Arsínoe III
 
Esposa Arsínoe III
Descendência Ptolemeu V Epifânio
Dinastia Ptolemeu
Nascimento c. 244 a.C.
Alexandria, Reino Ptolemaico
Morte 204 a.C. (40 anos)
Alexandria, Reino Ptolemaico
Pai Ptolemeu III Evérgeta
Mãe Berenice II

Ptolemeu IV Filópator (ca. 244 a.C. — ca. 205 a.C.) foi o quarto soberano da dinastia ptolemaica que governou de 224 a.C. até à sua morte. Durante o seu reinado iniciou-se a decadência do Egito ptolemaico.

Filho e sucessor de Ptolemeu III Evérgeta I,[1] sua mãe era Berenice II.[2] Casou-se com Arsínoe III, filha de Berenice II.[2] Segundo Juniano Justino, Ptolemeu IV matou seu pai e sua mãe, e ganhou o epíteto de Filópator (aquele que ama seu pai) por ironia.[1]

Ptolemeu IV é retratado pelos autores clássicos como um rei fraco e debochado, que entregou os assuntos de Estado aos seus ministros e conselheiros, como Sosíbio e Agatócles. A pedido destes Ptolemeu IV ordenou a morte de vários membros da sua família, como o seu irmão Magas, a sua mãe e o seu tio Lisímaco.

Em 219 a.C. o rei Antíoco III, o Grande conquista algumas cidades costeiras da Celessíria, ameaçando a presença ptolemaica nesta região. Ptolemeu e Sosíbio procuraram então reorganizar o exército, integrando neste pela primeira vez desde o domínio ptolemaico a população nativa do Egito.

Em 217 a.C. Ptolemeu IV e Antíoco III defrontam-se no sul da Palestina, na Batalha de Ráfia, que se saldaria numa vitória do Egito. Antes da batalha a sua irmã, Arsínoe III, encorajou os soldados egípcios; de regresso ao Egito Ptolemeu casa-se com Arsínoe, com a qual teve um filho em 210 a.C. (o seu sucessor, Ptolemeu V Epifânio).

A nível interno a vitória egípcia provocou o renascer de um espírito nacionalista, iniciando-se um processo de rejeição da soberania ptolemaica. No final do seu reinado o sul do Egito era governado por um soberano de origem núbia.

Após a sua morte, Sosíbio e Agátocles ordenaram a morte de Arsínoe III, que se preparava para governar como regente na menoridade do seu filho. Quando a população de Alexandria descobriu as circunstâncias em que ocorreu a morte de Arsínoe, estes acabariam por ser linchados pelo povo.

TitulaturaEditar

Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
 
 
     
 
 
 
   
 
    
 
Transliteração Jwˁ-n-nṯr.wy-mnḫ.wy Stp-n-Ptḥ Wsr-kȝ-Rˁ Sḫm-ˁnḫ-n-Jmn
Transliteração (ASCII) Jwa-n-ntchr.wy-mnkh.wy stpn-ptah wsr-ka-ra ankh-n-jmn
Transcrição Iwan-entcher wymenkhwy setepen-ptah waser-ka-ra ankhenamon
Tradução "O herdeiro do deus Evérgeta. O eleito de Ptah. A imagem viva de Amom."
Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
  
 
 
 
 
  
 
     
 
 
  
 
 
 
Transliteração Ptwlmys ˁnḫ-ḏ.t Mr(y)-ȝs.t
Transliteração (ASCII) Ptwlmys ankh-djt Mry-ast
Transcrição Ptwlemys Ankh-djet Mery-aset
Tradução "Ptolomeu, que tenha vida eterna. O amado de Isis."

Referências

  1. a b Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 29.1 [em linha]
  2. a b Políbio, Histórias, Livro XV, 25.2
Precedido por
Ptolemeu III Evérgeta I
Lista de faraós
Dinastia ptolemaica
Sucedido por
Ptolemeu V Epifânio