Abrir menu principal
Pipal.jpg
Budismo
inicial
Escrituras

Cânone páli
Agama
Textos budistas
de Gandhara

Concílio

1º Concílio
2º Concílio
3º Concílio
4º Concílio

Escolas

Primeira Sangha
 Mahāsāṃghika
     Ekavyāvahārika
         Lokottaravāda
     Gokulika
         Bahuśrutīya
         Prajñaptivāda
     Caitika
         Apara Śaila
         Uttara Śaila
     (Haimavata)
 Sthaviravāda
     Puggalavāda
         Vātsīputrīya
             Dharmottarīya
             Bhadrayānīya
             Sammitīya
             Sannāgarika
     Sarvāstivāda
         (Haimavata)
         (Kāśyapīya)
         (Mahīśāsaka)
             (Dharmaguptaka)
         Sautrāntika
         Mūlasarvāstivāda
         Vaibhāṣika
     Vibhajjavāda
         (Kāśyapīya)
         (Mahīśāsaka)
             (Dharmaguptaka)
         Tamraparniya

O Quarto Concílio Budista se refere a dois concílios budistas diferentes, o primeiro aconteceu no século I a.C., em Sri Lanka, e o segundo no século I d.C., na Caxemira. No concílio de Sri Lanka, o cânone páli foi transcrito pela primeira vez em folhas de palmeira.[1]

Concílio na Sri LankaEditar

 
Tipitaka na sua forma mais antiga, escrita em pequenas folhas e guardada em uma caixa

O Quarto Concílio Budista da escola Theravada aconteceu em 25 a.C., em Tambapanni, sob a proteção do rei Vattagamani, e foi liderado pelo monge Maharakkhita. O concílio aconteceu em um ano em que as colheitas na Sri Lanka eram especialmente pobres, e muitos monges budistas morreram de fome. Assim, como na época o cânone Páli era transmitido oralmente pelos dhammabhāṇakas, foi reconhecido o perigo de que os ensinamentos fossem perdidos se não houvesse a preservação da escrita.[1]

O projeto de transcrição do cânone foi feito em uma caverna, chamada de Aloka Lena, perto de Matale, onde no século XVIII seriam colocadas diversas imagens de Buda.[2] Depois desse concílio, as cópias do cânone completo, feitas em folhas de palmeira, foram levadas a países próximos, como a Tailândia, Laos e o Camboja.[3] Atualmente, o cânone páli existe em várias línguas, como páli, sânscrito, e línguas regionais, mas a versão de Sri Lanka é a mais completa. Na sua forma mais antiga, o cânone foi escrito em finas folhas de palmeira, mantidas juntas por pequenas hastes, e guardadas cobertas por um tecido dentro de uma caixa.[2]

A Tipitaka foi originalmente levada para a Sri Lanka pelo monge Mahinda do Terceiro Concílio Budista.[4]

Concílio na CaxemiraEditar

O Quarto Concílio Budista da tradição Sarvastivada aconteceu provavelmente em 78 em Jalandhar ou na Caxemira, sob a proteção do rei Kanishka do império Cuchana. É dito que este concílio reuniu mais de quinhentos monges, liderados por Vasumitra, em parte para compilar comentários sobre o Abhidharma do Sarvastivada.[5] Este concílio não é reconhecido pela escola Theravada, mas as escrituras deste podem ser encontradas nas escrituras da escola Mahayana. O principal fruto desse concílio foi o Mahāvibhāṣā, uma larga referência no Abhidharma.[5]

Acredita-se também que próximo desse ano foi feita uma tradução de uma versão em Prakriti do cânone Sarvastivada para o sânscrito. Essa mudança foi especialmente importante, pois o sânscrito é a língua sagrada do bramanismo na Índia, e era na época utilizada por vários pensadores, aumentando assim a capacidade de divulgação dos ideiais e das práticas budistas. Depois dessa ocasião, todos os grandes textos das escolas Mahayana e Sarvastivada foram escritos nessa língua.[3] No entanto, Buda sempre afirmou que os ensinamentos poderiam ser estudados e transmitidos em qualquer linguagem, de forma que a Theravada manteve o páli em seus ensinamentos, não acreditando em "línguas sagradas".[6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b 1953-, Buswell, Robert E., Jr.,; 1952-, Lopez, Donald S.,. The Princeton dictionary of Buddhism. Princeton: [s.n.] ISBN 9780691157863. OCLC 864788798 
  2. a b «Pali Canon Online - The Original Words of the Buddha». www.palicanon.org (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2017 
  3. a b R., Norman, K. (1983). Pāli literature : including the canonical literature in Prakrit and Sanskrit of all the Hīnayāna schools of Buddhism. Wiesbaden: O. Harrassowitz. ISBN 344702285X. OCLC 9797582 
  4. «Mahendra | Buddhist missionary». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  5. a b 1951-, Keown, Damien, (2003). A dictionary of Buddhism. Oxford: Oxford University Press. ISBN 9780198605607. OCLC 59361180 
  6. Asanga,, Tilakaratne, (2012). Theravada Buddhism : the view of the elders. [Honolulu]: University of Hawaiʻi Press. ISBN 9780824837297. OCLC 821737719