Abrir menu principal
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaQuati-de-nariz branco
Nasua narica na Costa Rica
Nasua narica na Costa Rica
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Procyonidae
Género: Nasua
Espécie: N. narica
Nome binomial
Nasua narica
(Lineu, 1766)

Nasua narica é umas das três espécies de quati, procionídeos parentes próximos ao guaxinim.

Índice

AparênciaEditar

As características principais do Nasua narica são seu nariz comprido e achatado, com um anel branco e sua cauda longa, de cor homogênea. Sua pelagem é geralmente castanha, marrom ou amarelada. Apresenta uma máscara clara nos olhos, focinho e queixo. A garganta é cinza-clara. Mede de 110 a 120 centímetros, dos quais metade é a cauda. Seu peso varia de cinco a nove quilogramas.

Distribuição GeográficaEditar

O Nasua narica é exclusivo da América, sendo encontrados desde o estado do Arizona, nos Estados Unidos, até o Panamá. Vivem em bosques úmidos e em áreas florestadas.

DietaEditar

Se alimentam preferencialmente de frutas e insetos, mas podem, ocasionalmente, comer pequenos vertebrados como ratos, lagartos e rãs.

ReproduçãoEditar

Durante a época do acasalamento, um único macho se aproxima do bando de fêmeas e copula com todas. A gestação dura onze semanas e de dois a sete filhotes são paridos em um ninho em uma árvore. Após algumas semanas, mãe e filhotes passam a conviver novamente com o bando. Ao atingir dois anos de idade, os machos se desgarram, passando a viver solitários.

HábitosEditar

O bando de Nasua narica chega a até vinte membros, constituídos somente por fêmeas e jovens machos. Os animais são extremamente sociais, cuidando mutuamente de sua higiene. A espécie tem hábitos diurnos na vida selvagem, mas, em lugares urbanizados, passa a ter hábitos noturnos e a se alimentar de lixo doméstico.