Abrir menu principal
Queda do Constelation PP-PDE
Acidente aéreo
Lockheed Constellation pintado nas cores da Panair do Brasil em exposição no Museu Asas de um Sonho em São Carlos, São Paulo.
Sumário
Data 14 de dezembro de 1962
Causa desconhecida
Local Brasil próximo a Rio Preto da Eva,Amazonas
Origem Aeroporto Santos Dumont, Rio de Janeiro
Escala Aracaju, Maceió, Recife, João Pessoa, Natal, Fortaleza, São Luís e Belém
Destino Aeroporto da Ponta Pelada, Manaus
Passageiros 44
Tripulantes 6
Mortos 50
Feridos 0
Sobreviventes 0
Aeronave
Modelo Estados Unidos Lockheed Constellation
Operador Brasil Panair do Brasil
Prefixo PP-PDE Bandeirante Estêvão Ribeiro Baião Parente
Primeiro voo 1945

A Queda do Constellation PP-PDE foi um acidente aéreo de causas desconhecidas ocorrido nas proximidades de Manaus em 14 de dezembro de 1962.[1][2].

Índice

AeronaveEditar

O Lockheed Constellation seria criado pelo engenheiro Clarence Johnson. O Constelation cnº 2047 foi fabricado em meados de 1945, na planta da Lockheed em Burbank, Califórnia. Foi adquirido pela Pan Am e voaria alguns anos nos Estados Unidos até ser repassado a Panair do Brasil.[3] No Brasil, a aeronave receberia o prefixo PP-PDE e seria batizada pela Panair de Bandeirante Estêvão Ribeiro Baião Parente.[4]

AcidenteEditar

Após decolar do aeroporto Santos Dumont na manhã do dia 13 de dezembro de 1962, o Constellation PP-PDE da Panair do Brasil faria escala em várias cidades até decolar de Belém para Manaus, destino final da viagem. Durante a aproximação final, na madrugada do dia 14, a tripulação solicitou a torre do Aeroporto da Ponta Pelada que ligasse as luzes de sinalização da pista. Depois de um breve contato com a torre, a aeronave desapareceu. Ao constatar o desaparecimento, foi acionado o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR) da FAB, que iniciaria buscas na região de Manaus. Os destroços do Constellation PP-PDE seriam localizados por um avião do PARA-SAR às 10h do dia 15, nas proximidades de Rio Preto da Eva, cerca de 30 km de Manaus. Por conta de o local ser de difícil acesso e parte do bojo da aeronave ter sido encontrada intacta, houve uma expectativa de serem encontrados sobreviventes. Uma equipe terrestre composta por médicos, engenheiros, funcionários da Panair, Petrobras e soldados seria destacada para a selva, atingindo o local dos destroços apenas no dia 20. Não seriam encontrados sobreviventes entre os 44 passageiros e 6 tripulantes do Constellation PP-PDE.[5]

ConsequênciasEditar

Apesar de terem sido aventadas diversas hipóteses que explicassem a queda da aeronave (como falha mecânica, voo controlado contra o solo,etc), nunca seria determinada a causa do acidente com o Constellation PP-PDE.[6]. Esse seria o último acidente envolvendo uma aeronave da Panair do Brasil. Poucos anos depois a empresa seria fechada pelo regime militar e suas rotas seriam repassadas à Varig enquanto que as aeronaves, redistribuídas às demais companhias aéreas e ou sucateadas.[7]

BibliografiaEditar

  • SILVA, Carlos Ari Cesar Germano da; O rastro da bruxa: história da aviação comercial brasileira no século XX através dos seus acidentes; Porto Alegre Editora EDIPUCRS, 2008, pp 223-228.

Referências

  1. SILVA, Carlos Ari Cesar Germano da (2008). O rastro da bruxa: história da aviação comercial brasileira no século XX através dos seus acidentes. [S.l.]: Editora EDIPUCRS, Porto Alegre. pp. 223–228. ISBN 978-85-7430-760-2 
  2. Folha de S. Paulo (15 de dezembro de 1962). «Constelation com 53 pessoas desaparece entre Belém e Manaus». Ano XLII, número 12235, páginas 1 e 5. Consultado em 14 de agosto de 2012 
  3. «Accident description». Aviation Safety Network. Consultado em 14 de agosto de 2012 
  4. «Accident details». Plane crash info. Consultado em 14 de agosto de 2012 
  5. Jornal do Brasil (21 de dezembro de 1962). «Confirmado pela Petrobrás: não escapou ninguém no Constellation». Ano LXXII, número 294, página 10. Consultado em 14 de agosto de 2012 
  6. SILVA, Carlos Ari Cesar Germano da (2008). O rastro da bruxa: história da aviação comercial brasileira no século XX através dos seus acidentes. [S.l.]: Editora EDIPUCRS, Porto Alegre. pp. 223–228. ISBN 978-85-7430-760-2 
  7. Jornal do Brasil (11 de fevereiro de 1965). «Panair encerra atividade». Ano LXXIV, número 35, páginas 1 e 3. Consultado em 14 de agosto de 2012 

Ligações externasEditar