Quetzal-pavão

O quetzal-pavão[2][3], também nomeado surucuá-açu[1][3] e surucuá-pavão[3] (Pharomachrus pavoninus; nomeado, em inglês, pavonine quetzal)[2][4], é uma espécie de ave da família Trogonidae. Foi classificado por Johann Baptist von Spix, que esteve no Brasil durante a Missão Artística Austro-Alemã (entre 1817 e 1820) e descreveu seu tipo nomenclatural em 1824[4][5]; habitando as florestas tropicais pluviais de terra firme da região amazônica, entre as margens localizadas a oeste dos rios Tapajós e Negro até a Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia, sendo substituído por outras espécies semelhantes de quetzal a oeste da cordilheira dos Andes.[1][3][6] É considerado o maior Trogonidae do Brasil[7], chegando a 34 centímetros de comprimento.[1]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaSurucuá-pavão
(Pharomachrus pavoninus)
Ilustração do quetzal-pavão (Pharomachrus pavoninus), macho, retirado da obra Nouveau recueil de planches coloriées d'oiseaux (1838). Diferindo desta ilustração, a descrição de Helmut Sick cita que seu bico é "amarelo de base vermelha" e que "o prolongamento das coberteiras superiores da cauda é apenas esboçado, com as penas em questão apenas igualando-se ou ultrapassando um pouco a ponta das retrizes" (Ornitologia Brasileira; p.469.).[1]
Ilustração do quetzal-pavão (Pharomachrus pavoninus), macho, retirado da obra Nouveau recueil de planches coloriées d'oiseaux (1838). Diferindo desta ilustração, a descrição de Helmut Sick cita que seu bico é "amarelo de base vermelha" e que "o prolongamento das coberteiras superiores da cauda é apenas esboçado, com as penas em questão apenas igualando-se ou ultrapassando um pouco a ponta das retrizes" (Ornitologia Brasileira; p.469.).[1]
Ilustração de 1879 mostrando a Floresta Amazonica, habitat de Pharomachrus pavoninus.
Ilustração de 1879 mostrando a Floresta Amazonica, habitat de Pharomachrus pavoninus.
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Trogoniformes
Família: Trogonidae
Género: Pharomachrus
Espécie: P. pavoninus
Nome binomial
Pharomachrus pavoninus
(Spix, 1824)
Distribuição geográfica
Grande parte da região da bacia do rio Amazonas é a área de distribuição geográfica do quetzal-pavão.
Grande parte da região da bacia do rio Amazonas é a área de distribuição geográfica do quetzal-pavão.

DescriçãoEditar

Esta ave não apresenta grande dimorfismo sexual, com a fêmea possuindo a cabeça menos brilhante e o peito amarronzado, enquanto o macho é mais esverdeado; cor esta que lhe cobre toda a região dorsal, ao redor do pescoço e região peitoral superior, sendo abruptamente dividida para uma forte tonalidade em vermelho na região da barriga e tendendo ao abóbora na área do uropígio; de onde partem penas retrizes de tonalidade acinzentada, no ventre. Ao contrário do lendário quetzal-resplandecente, suas penas verdes da cauda apenas igualam ou ultrapassam um pouco a ponta de suas retrizes.[1][2][3][8]

Nidificação e comportamento nupcialEditar

Em Los Amigos, no sudeste da Amazônia peruana, Daniel J. Lebbin encontrou uma cavidade com ninho desta espécie a 4,2 metros acima do solo, em um tronco morto na floresta de terra firme, contendo dois ovos azuis-claros, cada um com algumas pequenas manchas castanhas[9]; pois costumam nidificar em ocos de pau de árvores mortas ou decompostas.[7] O macho pareceu incubar durante a maior parte do dia, da manhã até o crepúsculo; com a fêmea aparecendo para incubá-los à noite e durante a madrugada. Foram dados anfíbios e frutos aos filhotes, que cresceram em um período entre 21 a 24 dias.[9] Pouco se sabe sobre seu comportamento nupcial pré-cópula.[3]

Alimentação e hábitosEditar

Pharomachrus pavoninus alimenta-se principalmente de frutos, sendo observado junto a árvores frutíferas capazes de oferecer-lhes frutos grandes. Vivem no estrato mediano ou próximos ao dossel florestal, solitários ou em pares que, com frequência, permanecem pousados, quietos, passando facilmente desapercebidos ante a presença humana.[3] Seus pés, pequenos e fracos, com pernas curtas, são próprios para o pouso na vegetação, não prestando para pulos ou saltos no solo.[10]

SubespéciesEditar

São citadas duas subespécies descritas de P. pavoninus:[3]

ConservaçãoEditar

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), esta é uma espécie pouco preocupante, avaliada como de menor importância em seu perigo de extinção (ou em seu estado de conservação), pois tem uma ampla distribuição geográfica que a torna menos suscetível ao impacto humano (extensão da ocorrência com 20.000 quilômetros quadrados, combinados com um tamanho decrescente ou flutuante de extensão ou qualidade de seu habitat, com um pequeno número de localizações dotadas de fragmentação severa; apesar do fato de sua tendência populacional parecer estar diminuindo, não se acredita que o seu declínio seja suficientemente rápido para aproximá-la dos limiares que a tornam uma espécie vulnerável sob o critério de tendência populacional).[4]

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d e SICK, Helmut (1997). Ornitologia Brasileira 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 469. 912 páginas 
  2. a b c FRISCH, Johan Dalgas (1981). Aves Brasileiras, volume 1. Verona: A. Mondadori. p. 130-131. 354 páginas. ISBN 85-85015-02-0 
  3. a b c d e f g h «Surucuá-pavão». WikiAves. 1 páginas. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  4. a b c BirdLife International (2016). «Pharomachrus pavoninus» (em inglês). IUCN. 1 páginas. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  5. «Johann Baptist von Spix». UOL Educação. 1 páginas. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  6. Murphy, Frank. «Pavonine Quetzal, Pharomachrus pavoninus» (em inglês). Neotropical Birds Online. 1 páginas. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  7. a b «Surucuá-pavão, Pharomachrus pavoninus». Terra da Gente (G1). 1 páginas. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  8. Grosset, Arthur (22 de setembro de 2003). «Pharomachrus pavoninus - Pavonine Quetzal» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  9. a b Lebbin, Daniel J. (2007). «Nesting Behavior and Nestling Care of the Pavonine Quetzal (Pharomachrus pavoninus (em inglês). The Wilson Journal of Ornithology. 119(3). (Flickr). pp. 458–463. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  10. SICK, Helmut (Op. cit., p.467.).
  Este artigo sobre Aves, integrado ao Projeto Aves, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.