Quinto Júnio Bleso (cônsul em 26)

político
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o cônsul sufecto em 26. Para o cônsul sufecto em 10 e seu pai, veja Quinto Júnio Bleso.

Quinto Júnio Bleso (em latim: Quinto Junius Blaesus; m. 36) foi um senador romano da gente Júnia nomeado cônsul sufecto em 26[1][2][3] com Lúcio Antíscio Veto. Era filho de Quinto Júnio Bleso, cônsul sufecto em 10[4]. A irmã de seu pai, Júnia, foi esposa primeiro de Quinto Élio Tuberão e depois de Lúcio Seio Estrabão, com quem teve o prefeito do pretório Lúcio Élio Sejano, seu primo[5][6][7].

Quinto Júnio Bleso
Cônsul do Império Romano
Consulado 26 d.C.
Morte 36 d.C.

CarreiraEditar

Em 14, ano da morte de Augusto, Bleso estava na Panônia como tribuno militar com o pai[8], o legado imperial encarregado das legiões da província (VIII Augusta, VIIII Hispana e XV Apollinaris)[9]. Estas legiões se revoltaram depois das ascensão de Tibério sob a liderança de um tal Percênio[10]. Apesar de seu pai ter conseguido acalmar os soldados com seus discursos, eles exigiam que suas demandas fossem levadas a Tibério[8]. Bleso encarregou seu filho de seguir até Roma para comunicar o ocorrido ao imperador[8], que decidiu enviar seu filho, Druso, que conseguiu acabar com a revolta depois de executar os seus líderes[11].

Em 21, o pai de Bleso foi procônsul da África[12] no auge da revolta de Tacfarinas[13] e Bleso (filho) o seguiu desta vez como tribuno[14]. Para derrotar a revolta, Bleso (pai) decidiu separar suas forças em três divisões menores, uma comandada por ele próprio, outra pelo seu filho e uma terceira pelo tribuno Públio Cornélio Lêntulo Cipião[14]. Desta forma, os romanos conseguiram vencer todas as batalhas subsequentes e capturaram o irmão de Tacfarinas, o que valeu a Bleso a honra de ser aclamado imperator pelas tropas com autorização de Tibério[14].

Família e morteEditar

Bleso se casou com Domícia Lépida, filha de Lúcio Domício Enobarbo e Antônia Maior, e com ela teve um filho, Júnio Bleso, governador da Gália Lugdunense, assassinado em 69 pelo imperador Vitélio[15][16][17]. Depois de seu consulado, em 26, seu primo Sejano, aliado da família, caiu em desgraça e foi executado por Tibério. No mesmo ano, o pai de Bleso, acusado de ser cúmplice de Sejano, preferiu se matar para não incorrer na fúria do imperador[18]. Depois de serem humilhados por Tibério, que negou-lhes um sacerdócio prometido ainda na época de Sejano, Bleso e seu irmão, Lúcio Júnio Bleso, possivelmente cônsul sufecto em 28[2], também se suicidaram em 36[19].

Ver tambémEditar

Cônsul do Império Romano
 
Precedido por:
'Cosso Cornélio Lêntulo

com Marco Asínio Agripa
com Caio Petrônio (suf.)

Cneu Cornélio Lêntulo Getúlico
26

com Caio Calvísio Sabino
com Quinto Júnio Bleso (suf.)
com Lúcio Antíscio Veto (suf.)

Sucedido por:
'Lúcio Calpúrnio Pisão

com Marco Licínio Crasso Frúgio
com Públio Cornélio Lêntulo (suf.)
com Caio Salústio Crispo Passieno (suf.)


Referências

  1. Seager (2008), p. 108
  2. a b Syme (1989), p. 163, 304
  3. CIL VI, 10293
  4. Syme (1989), p. 100-101
  5. Tácito, Anais III, 35;
  6. Gardner (1998), p. 135
  7. Syme (1989), p. 304
  8. a b c Tácito, Anais I, 19
  9. Dião Cássio, História Romana LVII, 4
  10. Tácito, Anais I, 16
  11. Tácito, Anais I, 29-30
  12. Tácito, Anais III, 35
  13. Tácito, Anais III, 32
  14. a b c Tácito, Anais III, 74
  15. Tácito, Anais II.38.3
  16. Lightman (2008), p. 104
  17. Syme (1989), p. 163
  18. Tácito, Anais V, 7
  19. Tácito, Anais VI, 40

BibliografiaEditar

  • Gardner, Jane F. (1998). Family and Familia in Roman Law and Life (em inglês). [S.l.]: Clarendon Press. ISBN 9780191584534 
  • Lightman, Marjorie; Lightman, Benjamin (2008). A to Z of Ancient Greek and Roman Women (em inglês). [S.l.]: Infobase Publishing. ISBN 978-1-4381-0794-3 
  • Seager, Robin (2008). Tiberius (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 9780470775417 
  • Syme, Ronald (1989). Augustan Aristocracy (em inglês). [S.l.]: Clarendon Press. ISBN 978-01-9814-731-2