Quinto Sanquínio Máximo

Quinto Sanquínio Máximo
Cônsul do Império Romano
Consulado 39 d.C.

Quinto Sanquínio Máximo (em latim: Quintus Sanquinius Maximus) foi um senador romano nomeado cônsul sufecto em 39 com Lúcio Aprônio Cesiano.

CarreiraEditar

Em 32, Sanquínio defendeu os cônsules do ano anterior, Lúcio Fulcínio Trião e Públio Mêmio Régulo, no Senado Romano, discursando decisivamente contra os ataques de Décimo Hatério Agripa. Trião, um aliado do poderoso prefeito pretoriano Sejano, e Régulo discutiram constantemente durante seus mandatos e ameaçaram processar um ao outro. Durante as sessões, Agripa perguntou por que os dois, que ameaçaram processos, permaneciam silenciosos. Sanquínio aproveitou e pediu que o Senado não aumentasse a ansiedade do imperador levando mais este conflito até ele, o que fez com que o assunto fosse esquecido, adiando a queda de Trião[1].

Sanquínio foi cônsul sufecto em 39 e, ao mesmo tempo, assumiu o posto de prefeito urbano de Roma, onde ficou até os 41. Depois disto, foi legado imperial na Germânia Inferior do imperador Cláudio e morreu no cargo antes de 47[2].

Ver tambémEditar

Cônsul do Império Romano
 
Precedido por:
'Marco Áquila Juliano

com Públio Nônio Asprenas
com Sérvio Asínio Céler (suf.)
com Sexto Nônio Quintiliano (suf.)

Calígula II
39

com Lúcio Aprônio Cesiano
com Quinto Sanquínio Máximo (suf.)
com Cneu Domício Córbulo (suf.)
com Aulo Dídio Galo (suf.)
com Cneu Domício Afer (suf.)

Sucedido por:
'Calígula III

com Caio Lecânio Basso (suf.)
com Quinto Terêncio Culeão (suf.)


Referências

  1. Tácito, Anais 6,4.
  2. Tácito, Anais 11,18.

BibliografiaEditar