Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Rádio Manchete (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rádio Manchete
{{{alt}}}
Rádio Federal Ltda.
País Brasil
Cidade de concessão Niterói, RJ
Frequência(s) AM 760 kHz
Sede São Gonçalo, RJ
Fundação 15 de julho de 1980 (39 anos)
Fundador Adolpho Bloch
Pertence a Grupo Bloch
Proprietário(s) Pedro Jack Kapeller
Antigo(s) proprietário(s) Adolpho Bloch (1980–1995)
Gênero
Afiliações anteriores Rádio Deus é Amor (2003–2006)
Idioma Português
Prefixo ZYJ 478
Nome(s) anterior(es) Rádio Manchete CCI (1999–2000)
Rádio Manchete Online (2015–2018)
Coord. do transmissor 22° 49' 00.3" S 43° 04' 36.8" O
Dados técnicos Potência: 25 kW
Classe: B
Agência reguladora ANATEL
Webcast Ouça ao vivo
Página oficial radiomanchete.com.br
Rádio Federal

Rádio Manchete é uma emissora de rádio brasileira do estado do Rio de Janeiro. Opera no dial AM, na frequência 760 kHz, concessionada em Niterói. Foi inaugurada durante a década de 1960 como Rádio Federal, sendo adquirida na década seguinte pelo empresário Adolpho Bloch, então dono do Grupo Bloch, ganhando o atual nome em 1980. Com a crise enfrentada ao final da década de 1990, é iniciada uma fase de arrendamentos na rádio.[1] Atualmente está arrendada à Ibéria Universal, empresa portuguesa que distribui programas sobre culturas estrangeiras para emissoras de países lusófonos. Seus transmissores estão localizados na Rodovia Governador Mário Covas, na cidade de São Gonçalo.

HistóriaEditar

Na década de 1960, é inaugurada em Niterói a Rádio Federal, na frequência AM 760 kHz, com programação voltada para músicas do gênero rock. Na década seguinte, a frequência é adquirida pelo empresário Adolpho Bloch, na época proprietário da revista Manchete. Em 15 de julho de 1980, com a sede já transferida para o Rio de Janeiro, a emissora passa a se chamar Rádio Manchete, e investe na contratação de comunicadores e em uma programação popular. Partindo disso, a rádio se posiciona positivamente no dial carioca, conquistando o terceiro lugar em audiência, chegando até a disputar com as líderes Globo e Tupi.[1]

Durante a década de 1990, o Grupo Bloch enfrenta uma crise financeira ocasionada pelo acumulo de dívidas. Em 1995, com a morte de Adolpho Bloch, seu sobrinho Pedro Jack Kapeller passa a controlar os veículos do grupo, e inicia, em 1999, uma fase de arrendamentos para tentar melhorar a situação conturbada. Ao final daquela década, tanto a Manchete FM quanto a Rede Manchete são arrendadas à Igreja Renascer em Cristo, e passam a ter suas respectivas programações voltadas aos cultos da instituição. No caso da TV, a parceria com a igreja é rompida pelo não pagamento da primeira parcela do contrato entre ambas, enquanto as emissoras da rede de rádios FM são vendidas ao político Orestes Quércia (PMDB-SP), que as reaproveita para a criação da NovaBrasil FM.[1]

Já a Rádio Manchete, com poucos funcionários, acaba sobrando, e Kapeller analisa outras propostas de arrendamento. Uma delas foi a do empresário Jair Marchesini, que tinha planos de colocá-la na liderança do rádio carioca novamente. Em outubro, a proposta entra em vigor, e a rádio passa a se chamar Manchete CCI, sigla para Central de Comunicação e Imagem, produtora de propriedade de Marchesini. A emissora também se desloca do Edifício Manchete, no bairro da Glória, para o 39.° andar do edifício Conde Pereira Carneiro, no Centro. Nesse período, sua programação é revitalizada, principalmente no setor de jornalismo, e conta com a coordenação de Roberto Canazio, que já fazia parte do grupo de locutores desde a inauguração da rádio.[1]

No entanto, Marchesini, envolvido no ramo televisivo, perde o interesse na emissora e deixa de investir em sua qualidade técnica. A parceria entre o empresário e o Grupo Bloch acaba em outubro de 2000, e a programação da Manchete passa a ser inteiramente musical. A rádio permanece assim até janeiro de 2002, quando é arrendada ao Grupo Dial Brasil, que tinha em seu quadro societário o apresentador Luciano Huck e a empresária Marlene Mattos, e era proprietário da então Jovem Pan 2 Rio de Janeiro. Novos comunicadores são contratados e alguns veteranos voltam para emissora, contando ainda com o ator Francisco Cuoco, estreante no meio radiofônico. Também estreia uma nova equipe esportiva, comandada por Marcus Vinicius, que dedicava maior parte de sua cobertura para o Clube de Regatas Flamengo. A coordenação agora fica a cargo do também veterano Cléver Pereira. A rádio também se desloca para um espaço na Rua da Assembleia.[1][2]

Em poucos meses, o Dial Brasil enfrenta problemas para administrar financeiramente a emissora, pois, com exceção da equipe esportiva, a Manchete partilhava com a Jovem Pan 2 os mesmos anunciantes, trazendo prejuízos e fazendo com que a mensalidade de R$ 80.000,00 do arrendamento ao Grupo Bloch não fosse paga. No final de julho, a rádio retorna ao controle de Pedro Jack Kapeller, e volta a veicular apenas programação musical.[1] Kapeller procura por novos arrendatários, como a Canção Nova, que não aceita a proposta pela insatisfação com o valor da mensalidade. Apenas em 1.° de abril de 2003 a Manchete é arrendada à Igreja Deus é Amor, retransmitindo a rádio homônima.[2]

Em 2006, a emissora encerra o arrendamento com a igreja, e novamente coloca no ar programação musical. Nesse ano, a rádio passou a desligar seus transmissores entre 21h e 7h. Kapeller procura mais uma vez por interessados em administrá-la através de arrendamento, e dessa vez é encontrado o Grupo Nasseh de Comunicação, controlado por Miguel Nasseh. Após alguns dias de testes, a rádio veicula, em 1.º de agosto de 2006, uma nova programação, que mescla programas jornalísticos, esportivos e musicais, e passa a ter também novos locutores,[2][3]entre eles o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho. A emissora, que agora tenta retornar outra vez à liderança, é reestruturada tecnicamente, e passa a contar com sistema digital de transmissão.[4]

Também é formada uma nova equipe esportiva, intitulada "Equipe Apaixonada por Futebol", e idealizada pelos locutores João Guilherme e Daniel Pereira. Desde então, foram transmitidas partidas de vários campeonatos, como o Carioca de Futebol, do Brasil, o Brasileirão Série A, a Taça Libertadores da América e a Copa Sul-Americana (quando haviam times cariocas). Também foram transmitidas os jogos da Seleção Brasileira, inclusive em Copas do Mundo, como a de 2010, em conjunto com a então Rádio Eldorado de São Paulo,[2] e a de 2014, com a Rádio Central de Campinas, além da Copa das Confederações de 2013, com as emissoras da Rede Nossa Copa, liderada pela Rádio Cultura de Miracema do Tocantins.[5] Em setembro de 2011, a Manchete fecha uma parceria com o portal Futebol Interior para troca de informações sobre os times cariocas.[6]

Em 31 de outubro de 2015, a Manchete sai do ar de sua frequência na faixa AM e encerra o arrendamento com o Grupo Nasseh, passando a ter sua programação transmitida apenas pelo seu site na internet.[7] Ainda assim, a programação normal continua sendo veiculada por alguns meses. Nesse período, a emissora se chamou Rádio Manchete Online. Em 2016, a emissora inicia arrendamento à Ibéria Universal, empresa portuguesa que distribui programas sobre países como China, Macau e Rússia direcionados a países lusófonos. Além da Manchete, os programas da empresa também são veiculados pela Rádio Mundial de São Paulo. O resto da grade é composta por músicas gospel. Em 2018, a rádio volta a ser transmitida pela frequência AM.

Referências

  1. a b c d e f «Eduardo Sander». Observatório da Imprensa (em português brasileiro). Entre Aspas. 19 de julho de 2005. Consultado em 14 de julho de 2019 
  2. a b c d «MANCHETE AM - 760 kHz». Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro (em português brasileiro). 1 de novembro de 2015. Consultado em 14 de julho de 2019 
  3. Daniel Starck (9 de outubro de 2006). «Rádio Manchete volta ao ar cheia de novidades». tudoradio.com (em português brasileiro). Consultado em 14 de julho de 2019 
  4. «Nova Rádio Manchete AM confirma a sua posição no mercado Carioca e hoje é a rádio sensação do Rio de Janeiro». Brasil Rádio News (em português brasileiro). 8 de fevereiro de 2008. Consultado em 13 de julho de 2019. Cópia arquivada em 14 de abril de 2008 
  5. Rodney Brocanelli (17 de junho de 2013). «Rádio Grenal entra na rede Nossa Copa». Radioamantes (em português brasileiro). Consultado em 14 de julho de 2019 
  6. «Rádio Manchete AM 760 do RJ é a nova parceira do Portal FI». Agência Futebol Interior. Futebol Interior (em português brasileiro). 8 de setembro de 2011. Consultado em 14 de julho de 2019 
  7. Carlos Massaro (13 de novembro de 2015). «Rádio Manchete deixa o AM do Rio de Janeiro». tudoradio.com (em português brasileiro). Consultado em 19 de dezembro de 2015 

Ligações externasEditar