Abrir menu principal

Reserva Particular do Patrimônio Natural Mata da Estrela

(Redirecionado de RPPN Mata Estrela)
RPPN Mata da Estrela
Categoria IV da IUCN (Área de Manejo de Habitat/Espécie)
Vista da vegetação da RPPN Mata da Estrela
Localização  Rio Grande do Norte,  Brasil
Localidade mais próxima Baía Formosa
Dados
Área 2 039,93 ha[1]
Criação 31 de março de 2000[1]
Gestão Destilaria Baía Formosa S.A.
Coordenadas 6° 24' 33" S 34° 59' 25" O
RPPN Mata da Estrela está localizado em: Brasil
RPPN Mata da Estrela
Macaco-prego-galego, em perigo crítico de extinção

A Reserva Particular do Patrimônio Natural Mata da Estrela,[nota 1] geralmente referida como RPPN Mata da Estrela, é uma reserva particular brasileira localizada no município de Baía Formosa, estado do Rio Grande do Norte. A unidade, que se localiza à beira-mar, preserva o maior fragmento de Mata Atlântica desse estado[3] e é um dos mais setentrionais resquícios desse bioma no Brasil, o que intensifica sua importância como patrimônio natural.

No interior da mata ainda pode-se avistar duas espécies de símios raros, como o macaco-prego-galego e o guariba-de-mãos-ruivas,[4] ambos criticamente ameaçados de extinção, segundo a lista da IUCN.[5]

HistóriaEditar

O litoral leste potiguar e especificamente a região onde hoje se situa a Mata da Estrela foi por séculos habitado por tribos potiguaras, as quais viviam da caça e da coleta silvícola. A partir da fundação da capitania do Rio Grande do Norte começou o povoamento paulatino da região e a implantação da secular cultura canavieira, responsável pela derrubada da maior parte das florestas da região. Já no século XIX, quando da eclosão da revolução de 1817 no Rio Grande do Norte, várias figuras envolvidas, como o padre Antônio de Albuquerque Montenegro, vigário de Goianinha na época, não aguardaram a repressão colonial. Fugiram e refugiaram-se na então impenetrável Mata da Estrela. Só apareceram em público novamente quando o perdão real se oficializou.[6][7]

A RPPN foi oficialmente criada pela portaria estadual (tombamento) número 460, de 22 de dezembro de 1990, ratificada pelo decreto federal número 20/2000, de 20 de março de 2000, sob o nome de "Reserva Particular do patrimônio Natural Senador Antônio Farias", embora a denominação "Mata da Estrela" seja a mais usual e popular.[8]

GeografiaEditar

A área se assenta sob uma região de clima tropical quente e úmido com chuvas de outono–inverno. Toda a área é coberta de florestas, dunas, lagunas, rios e praias em estado semisselvagem.[9] Toda região apresenta-se pontilhada de pequenas lagoas e charcos, como a de Araraquara.[nota 2] A paisagem se caracteriza principalmente pela presença de resquícios de Mata Atlântica, onde é possível encontrar exemplares de pau-brasil, sucupira e gameleiras de grande porte.[10]

De modo geral, a vegetação herbácea predomina nas dunas à beira-mar, enquanto as florestas propriamente ditas nos terrenos mais distantes da praia.[9] Tais florestas apresentam um número menor de espécies do que as florestas ombrófilas densas adjacentes, com as quais formam um gradiente quase contínuo. A unidade de conservação apresenta também espécies de outras formações vegetais, como de cerrados, florestas semidecíduas e até mesmo algumas espécies de cactáceas presentes nas áreas de caatinga.[9]

A mata da Estela tem como limite norte e oeste o município de Canguaretama, sul o município de Mataraca, na Paraíba, e leste o oceano Atlântico.[9]

AdministraçãoEditar

Embora toda a área seja de propriedade particular, a administração está a cargo do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão do governo federal que cuida da biodiversidade nacional.

Apesar da acentuada fragmentação dos ecossistemas que compõem a Mata Atlântica no Estado, pesquisadores e autoridades cogitam a possibilidade de estabelecimento de um corredor ecológico a partir da Mata da Estrela, o qual seguirá pelas restingas arbustivo-arbóreas do litoral até o município de Natal.[11] Outro corredor pode ser formado ainda a partir de Extremoz até o município de Touros, cujo intuito é proteger e recuperar o ecossistema de restinga.[11] Os referidos dois trechos constituem áreas vitais para a conservação da Mata Atlântica potiguar, que está seriamente ameaçada pelo antropismo.[11]

Notas

  1. Também muito referenciada como "Mata Estrela".[2]
  2. Apelidada de "Coca-Cola" em virtude da cor amarronzada da água, resultante da decomposição das folhas mortas.

Referências

  1. a b Adm. do sítio web. «RPPN Mata da Estrela». ICMBio. Consultado em 11 de julho de 2013 
  2. José Alves Siqueira Filho; e Elton Martinez Carvalho Leme (2006). Fragmentos de Mata Atlântica do Nordeste: biodiversidade, conservação e suas bromélias. [S.l.]: Andrea Jakobsson Estúdio. 415 páginas 
  3. [S.l.: s.n.]  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. «Plano de Ação Nacional para Conservação dos Primatas do Nordeste» (PDF). ICMBio. 2011. Consultado em 10 de julho de 2013 
  5. Adm. do sítio web (2008). «Perfil do Sapajus flavius ». A lista vermelha da IUCN. Consultado em 14 de setembro de 2015 
  6. Luís da Câmara Cascudo (1973). Movimento da independência no Rio Grande do Norte. [S.l.]: Fundação José Augusto. 165 páginas 
  7. Confraria do IHGRN (1989). O livro das velhas figuras: (pesquisas e lembranças na história do Rio Grande do Norte). [S.l.]: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte 
  8. Rúbia C.M. Cunha (2006). «Análise de potencialidades e restrições ao ecoturismo» (PDF). Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Consultado em 14 de setembro de 2015  line feed character character in |publicado= at position 21 (ajuda)
  9. a b c d A. Dorado; et al. (2006). «Unidades de vegetação da Mata da Estrela – RN» (PDF). III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju – SE. Consultado em 14 de setembro de 2015 
  10. «RPPN Mata da Estrela». Grupo Farias. Consultado em 11 de julho de 2013. Arquivado do original em 12 de abril de 2009 
  11. a b c Adm. do conselho (2004). «Revisão da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica». Conselho Nacional Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Consultado em 14 de setembro de 2015 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.