RTP África

RTP África
Tipo Generalista
País Flag of Portugal.svg Portugal
Fundação 7 de janeiro de 1998 (22 anos)
por Antônio Luis Franco
Pertence a Rádio e Televisão de Portugal
Formato de vídeo 16:9 SDTV
Canais irmãos RTP1
RTP2
RTP3
RTP Memória
RTP Açores
RTP Madeira
RTP Internacional
RTP1 HD
Cobertura Portugal Portugal
Cobertura internacional  Angola
Cabo Verde Cabo Verde
Guiné-Bissau
Guiné Equatorial
 Moçambique
 São Tomé e Príncipe
Página oficial RTP África

A RTP África é um canal televisivo generalista coproduzido pela RTP. Destina-se aos habitantes dos países africanos de língua oficial portuguesa (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial [o português recebeu o estatuto de língua oficial neste último país na década de 2010, embora, na prática, o idioma não seja falado no território equato-guineense]), às pessoas originárias desses países residentes em Portugal e aos descendentes destas últimas.

HistóriaEditar

As emissões regulares da RTP África iniciaram-se no dia 7 de janeiro de 1998, via satélite, com retransmissão hertziana terrestre em todos os países referidos, com exceção de Angola, onde é apenas captável via satélite. O canal é ainda distribuído nas operadoras pagas de cabo e satélite em Portugal. A 10 de novembro de 2020, a RTP e o secretário da cultura para o cinema e o audiovisual anunciaram que o canal integrará a oferta da da TDT portuguesa.[1]

Produzida em parceria com os serviços públicos de televisão dos cinco países africanos da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa) onde a língua portuguesa é efetivamente falada por, pelo menos, parte da população (excluindo-se, assim, a Guiné Equatorial, um país que tem como língua nacional o castelhano), a RTP África é complementada pela NET RTP, um projeto que visa a troca recíproca de programas e de notícias entre Lisboa e as capitais desses cinco países.

A RTP África permite, 24 horas por dia, que as audiências dos países africanos dos PALOP e Portugal tenham acesso, em simultâneo, à mesma programação, com especial destaque para as notícias do dia e para os programas produzidos em e para África, além da programação retirada da RTP. Transmite quer programação das televisões públicas e privadas portuguesas, quer das televisões públicas de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, emitindo programas de informação e séries produzidas em Angola e Moçambique ou filmes de cineastas dos referidos cinco países africanos. Tem colaborado com as Nações Unidas para a transmissão de programas de divulgação da organização, tornando-se num colaborador importante da mesma.

Delegações nos PALOPEditar

  • Angola - José Manuel Levy
  • Moçambique - Pedro Martins, Orfeu de Sá Lisboa, Ângela Chin, Carlos Jossia, Fernando Victorino e Yanick Machel.
  • Cabo Verde - Ricardo Mota, Nélio dos Santos e Hulda Moreira
  • Guiné-Bissau - Indira Correia Baldé e Ássimo Baldé
  • São Tomé e Príncipe - Henrique Vasconcelos, Abel Veiga, Amarilde Santos e Djamila Gomes

ControvérsiasEditar

Devido ao facto de ser uma fonte de informação independente, apesar vir do Fundo Público português, a RTP África teve problemas com os Governos da Guiné-Bissau e do São Tomé e Príncipe em 2003, quando ambos países passaram por golpes de Estado, por dar conta de irregularidades nos respetivos governos.

O governo de São Tomé e Príncipe ameaçou rever os estatutos para emissão da RTP África no país devido à sua informação dita "descontrolada" no decorrer da década de 2000, o que levou a que jornalistas santomenses tomassem partido na defesa da RTP África e a tenham classificado como instrumento de informação independente no país.

O canal também é alvo de reclamações de telespectadores pelas constantes interrupções de emissões em sinal aberto. A mais famosa interrupção ocorreu em novembro de 2002, em Bissau (na Guiné-Bissau), por problemas técnicos, sendo que o canal voltaria a ser emitido mais tarde.

DireçãoEditar

Diretor RTP África: José Arantes

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  1. «RTP África vai estar disponível na TDT e será criado o canal do Conhecimento». RTP/Lusa. 10 de novembro de 2020. Consultado em 10 de novembro de 2020