Radicais Italianos

Os Radicais Italianos (em italiano: Radicali Italiani RI) é um partido político de Itália, fundado em 2001, posicionado-se como herdeiro ideológico do antigo Partido Radical, fundado em 1955 como uma divisão do Partido Liberal Italiano e dissolvido em 1989, e do Partido Radical Transnacional, fundado em 1989 e que adquiriu o estatuto de organização não governamental representada nas Nações Unidas e no Conselho Económico e Social das Nações Unidas em 1995. Como esse status impedia qualquer participação nas eleições, os radicais formaram então associações: a Lista Pannella entre 1992 e 1999, e a Lista Bonino de 1999 a 2004 para participar nas eleições.

Radicais Italianos
Radicali Italiani
Presidente Igor Boni
Fundação 14 de julho de 2001
Sede Via Angelo Bargoni, 32-36 Roma,  Itália
Ideologia Liberalismo[1]
Liberismo[2][1]
Libertarismo[1]
Radicalismo
Federalismo europeu
Espectro político Centro-esquerda
Publicação Quaderni Radicali
Notizie Radicali
Antecessor Partido Radical
Membros (2019) 902
Afiliação nacional A União (2006-2008)
+Europa (2018-presente)
Afiliação internacional Internacional Liberal
Afiliação europeia Partido da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa
Câmara dos Deputados
1 / 630
Senado
1 / 315
Parlamento Europeu
0 / 73
Parlamentos Regionais
2 / 897
Rádio Radio Radicale
Cores Amarelo
Página oficial
www.radicali.it

Assim, os Radicais Italianos lutam pela defesa dos direitos civis[3][4] e da democracia,[5] o método gandhiano de não violência,[6] o secularismo e a liberdade religiosa, um projeto eficaz de federalismo europeu, antimilitarismo, liberalismo democrático, laicismo e anticlericalismo,[7] a antiproibição das drogas, o ambientalismo, o europeísmo e o atlantismo.

IdeologiaEditar

Descrevendo-se como "liberal, liberista e libertário" e um movimento não ideológico, pragmático e aberto, de acordo com o estatuto do partido,[1] os Radicais Italianos consideram-se herdeiros do radicalismo histórico e da ideia de secularismo e sociedade defendida pela primeira vez na Itália por políticos do pós-Risorgimento (Direita Histórica e Esquerda Histórica, herdeiros da tradição pós-iluminista e dos pais do Risorgimento, em particular Cavour, Giuseppe Mazzini,[8] Carlo Cattaneo[9] e Garibaldi), da extrema-esquerda histórica e do Partido Radical Italiano de Felice Cavallotti, Agostino Bertani e Francesco Saverio Nitti, então de homens da esquerda socialista liberal, como os irmãos Carlo Rosselli e Nello Rosselli, Gaetano Salvemini,[10] Ignazio Silone e Piero Calamandrei, além do "pai" do liberalismo italiano do século XX, o filósofo idealista Benedetto Croce[11] e do ideólogo do partido Ernesto Rossi.[12] Internacionalmente, o pensamento político do RI é influenciado pelas ideias de Martin Luther King Jr., Mahatma Gandhi, Immanuel Kant e Karl Popper.[13]

O partido é o único movimento político italiano que consente com a dupla adesão de outros partidos. Os radicais italianos foram descritos como representando "a expressão mais significativa" do "libertarianismo [...] no contexto italiano",[14] definindo como a ênfase da "importância da liberdade individual e da responsabilidade pessoal com respeito a todos os assuntos, os libertários argumentaram que a única coisa que pode ser legitimamente exigida dos outros é a não interferência. Consequentemente, os libertários se opõem à intervenção do Estado para ajudar os indivíduos a alcançar a autorrealização (por exemplo, por meio de medidas de bem-estar) ou para protegê-los de si mesmos (por exemplo, por meio de legislação contra a venda e uso de drogas). E, pelas mesmas razões, eles apoiam firmemente a propriedade privada e os mercados não regulamentados.".[14]

Os radicais há muito adotam referendos para trazer mudanças políticas. Desde 1974, o Partido Radical e seu sucessor RI propuseram mais de 110 referendos e foram bem-sucedidos 35 vezes.[15] Outros métodos políticos incluíram a não violência inspirada em Gandhi, o Satyagraha, também adotando táticas extremas como greve de fome e, ocasionalmente, greve de sede.[16] Marco Pannella, membro destacado do partido, envolveu-se com a não-violência após uma associação de longa data com Aldo Capitini, um ativista pacifista apelidado de "Gandhi italiano".[17]

No que diz respeito à estrutura institucional, os radicais propõem uma reforma americana das instituições, ou seja, um sistema baseado na transparência (através do cadastro dos eleitos), no presidencialismo, no federalismo local e europeu, sistema eleitoral majoritário e bipartidarismo.

Em questões fiscais, o RI costuma ser liberal, apoiando políticas não intervencionistas e de livre mercado, como a privatização e liberalização de todos os setores sociais que não sejam estratégicos e abolição de monopólios e oligopólios para favorecer a livre concorrência; mas nos últimos tempos aceitou parte do sistema de bem-estar social, especialmente na área de saúde, a ser garantido com tributação baixa e progressiva. O RI é dividido em duas alas, ou seja, os Friedmanianos, que são influenciados por Milton Friedman e a Escola de Chicago, e os Keynesianos, que apoiam a economia neokeynesiana ou pós-keynesiana.[18] Essa divisão diminuiu na década de 2010, quando adotou tendências liberais moderadas na economia.[19]

 
Marco Pannella, líder histórico do Partido Radical.

Em questões sociais, o RI aparece como o partido mais progressista da Itália. O RI apoia totalmente as posturas progressistas, incluindo casamento entre pessoas do mesmo sexo, adoção homoparental, adoções também para solteiros, abolição da pena capital em todo o mundo e eutanásia, defendendo a declaração antecipada de vontade.

Na área de saúde, o RI apoia a saúde universal com a possibilidade de escolher entre serviços administrados pelo estado e seguros privados. O RI também apela à legalização da prostituição[20] e da cannabis,[21][22] privando o narcotráfico de fonte de rendimento, garantindo o respeito aos "direitos e liberdades inalienáveis" do cidadão e "reduzir os danos e riscos" associados ao consumo dessas substâncias (por exemplo, regulamentando a sua venda para reduzir a probabilidade de menores o usarem). Ao mesmo tempo, reforça a luta contra as drogas pesadas como a heroína, por meio de políticas de "redução de danos", como a administração controlada de heroína em instalações especiais, administradas por equipas médicas e de enfermagem, para dependentes químicos que desistem da desintoxicação com metadona e distribuição gratuita de descartáveis seringas.

Sobre imigração, o RI apoia a política ius soli e a integração legal mais rápida de imigrantes regulares, garantindo-lhes cidadania e direito de voto.[23][24] O RI critica o sentimento contra os imigrantes ilegais, rejeitando a teoria da "invasão" apoiada por extrema-direita.[25]

Em assuntos religiosos, o RI segue a posição histórica de anticlericalismo do Partido Radical,[26] pedindo a abolição do Tratado de Latrão (aprovado em 1929 e modificado em 1984) e a secularização, pois, na opinião do partido, a religião católica ainda é considerada a religião dominante, não só em número, mas também na consideração de que gozam as hierarquias eclesiásticas em nível público, em comparação com outras confissões, como a dos valdenses, ou com as não religiosas.[27] O partido pede, também, o fim "impunidade" de que gozam os membros da Igreja Católica[28] face aos crimes de pedofilia e violência sexual,[29] em geral contra o que os radicais chamam de "privilégios" da Igreja Católica na Itália« (como 8 por mil, lei italiana ao abrigo da qual os contribuintes italianos devolvem 8‰ = 0,8% (oito por mil) da sua declaração anual de imposto sobre o rendimento a uma religião organizada reconhecida pela Itália ou, em alternativa, a um regime de assistência social gerido pelo Estado italiano[30]) e no contexto internacional de apoio e solidariedade com as minorias religiosas oprimidas no mundo.[31]

No campo da bioética apoiam o uso de células-tronco, inclusive embrionárias, para fins de pesquisa e terapia, o testamento vital com direito à eutanásia,[32] o direito ao aborto, o acesso a anticoncepcionais e a adoção de leis permissivas no campo da fertilização in vitro.

Na política ambiental, os Radicais promovem as energias alternativas, como a eólica e solar, e fortes campanhas de reciclagem de resíduos. São a favor da redução dos testes em animais, sem, no entanto, prejudicar a liberdade de pesquisa de novos medicamentos, mesmo que essa posição não seja unívoca e haja expoentes totalmente contra. Também são a favor de maiores incentivos a favor dos veículos eco-sustentáveis, enquanto se opõem à caça por motivos éticos e ao uso da energia nuclear, principalmente por motivos de custos reais e riscos à saúde em caso de acidentes, e não por motivos ideológicos.

Os Radicais promovem uma visão liberal e garantidora da justiça, apoiando a responsabilidade civil dos magistrados, a separação das carreiras dos magistrados, a reforma do Conselho Superior da Magistratura Judicial na direcção de um único membro, a limitação da prisão e do pré-julgamento, a abolição da ação penal obrigatória e a abolição dos chamados "crimes de opinião". Os Radicais também apoiam uma grande reforma penitenciária, a partir da anistia, e lutam por uma progressiva descriminalização de vários crimes e contra os abusos legais e de autoridade.São contra a pena de morte e a prisão perpétua e lutam pela finalidade reeducativa das penas e pela sua humanidade, de acordo com o artigo 27.º da Constituição da República Italiana.

Em questões de política externa, o RI tem sido um grande defensor do federalismo europeu[33][34] e pró-americanismo (em particular Marco Pannella referiu-se às figuras de Martin Luther King, Abraham Lincoln e Dwight Eisenhower),[35] não-intervencionismo, atlantismo e sionismo, enquanto defende uma solução de dois Estados, mas somente se o Estado palestino for totalmente democrático.[36] O partido também é um forte defensor do alargamento da União Europeia, incluindo para a Turquia, Marrocos, Israel e Palestina[37] e é um forte oponente de Estados do tipo ditatorial, como a China, Rússia e Síria. Apesar do seu não-intervencionismo, o RI opõem ao pacifismo ideológico e apoia ações de guerra onde os direitos civis estão ausentes e as minorias ameaçadas (por exemplo, se abstiveram da participação italiana na Guerra do Golfo, eram a favor da Guerra do Kosovo e da Guerra do Afeganistão, embora evitassem a guerra no Afeganistão, o Iraque propôs que Saddam Hussein recebesse o exílio, mas depois da invasão eles se opuseram à retirada das tropas). O RI apoiou várias mobilizações culturais e sociais em apoio a várias minorias étnicas e religiosas perseguidas, incluindo tibetanos (minoria budista chinesa na região do Tibete),[38] uigures (minoria muçulmana chinesa de Xinjiang),[39] Degar (minoria cristã vietnamita)[40] e chechenos (minoria muçulmana na região da Chechênia na Rússia).[41]

Resultados eleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

 
Emma Bonino, uma das prinicpais líderes dos Radicais Italianos.
Data Líder Eleição Cl. Votos % +/- Deputados +/-
2006 Emma Bonino Câmara dos Deputados Rosa em Punho
7 / 630
Senado
0 / 315
2008 Emma Bonino Câmara dos Deputados Nas listas do Partido Democrático
6 / 630
 1
Senado
3 / 315
 3
2013 Marco Pannella Câmara dos Deputados 19.º 64 732
0,19 / 100,00
0 / 630
 6
Senado 18.º 63 149
0,20 / 100,00
0 / 315
 3
2018 Emma Bonino Câmara dos Deputados +Europa
3 / 630
 3
Senado
1 / 315
 1

Eleições europeiasEditar

Data Cabeça de lista Cl. Votos % +/- Deputados +/-
2004 Emma Bonino 9.º 731 867
2,25 / 100,0
2 / 72
2009 Emma Bonino 8.º 743 273
2,43 / 100,0
 0,18
0 / 72
 2
2014 Não concorreu
2019 Emma Bonino +Europa
0 / 73
0 / 76
 

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d «Statuto - Radicali Italiani» (em italiano). 11 de março de 2021. Consultado em 19 de março de 2021 
  2. «Chi siamo - Radicali Italiani» (em italiano). 11 de março de 2021. Consultado em 19 de março de 2021 
  3. Veltroni, Walter (7 de dezembro de 2020). «Emma Bonino: «Fiera di quelle scuse a Giovanni Leone. Con aborto e divorzio cambiammo l'Italia»». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  4. «E' morto Marco Pannella, una vita di lotte per i diritti civili». RedattoreSociale.it. Consultado em 19 de março de 2021 
  5. «Addio a Pannella, eroe dei diritti civili e delle libertà». la Repubblica (em italiano). 19 de maio de 2016. Consultado em 19 de março de 2021 
  6. «GANDHI: I RADICALI CELEBRANO ANNIVERSARIO DELLA NASCITA». www1.adnkronos.com. Consultado em 19 de março de 2021 
  7. https://www.partitoradicale.it/chi-siamo/
  8. https://radicali.it/20120814/ripartire-da-mazzini-stati-uniti-d-europa/
  9. http://www.radioradicale.it/scheda/503772/pannella-e-cattaneo-servizio-sulla-presentazione-di-interdizioni-israelitiche-di-carlo
  10. https://radicali.it/20120622/del-perch-radicali-devono-tanto-salvemini/
  11. Radicale, Radio (22 de setembro de 2014). «Il prossimo convegno dei Radicali su Benedetto Croce ed Ignazio Silone: collegamento con Rita Bernardini». Radio Radicale (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  12. PAPINI, ROBERTO DAVIDE. «Radicali, omaggio a Ernesto Rossi. Bernardini: "Il suo pensiero è sempre attuale" / FOTO». La Nazione (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  13. http://www.radicalparty.org/it/content/gandhi-ml-king-popper-kant
  14. a b Newell, James (28 de janeiro de 2010). The Politics of Italy: Governance in a Normal Country (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press 
  15. https://radicali.it/20100705/referendum-radicali/
  16. «Sciopero della fame per la legge sul divorzio». Il Sole 24 ORE (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  17. «Incontro con il "Gandhi" italiano». La Stampa. 22 de junho de 1968 
  18. Radicale, Radio (20 de novembro de 2017). «La figura di John Maynard Keynes. Interviste a Giorgio La Malfa e Natale D'Amico». Radio Radicale (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  19. «Marco Pannella era un liberale e non un turbo liberista». Formiche.net (em italiano). 21 de maio de 2016. Consultado em 19 de março de 2021 
  20. https://www.radicali.it/rubriche/antiproibizionismo/prostituzione-legge-dei-lavoratori-altri/
  21. «Radicali, la legalizzazione delle droghe leggere spiegata in cartone animato». Il Fatto Quotidiano (em italiano). 30 de agosto de 2013. Consultado em 19 de março de 2021 
  22. «Droghe leggere, i radicali: al via le firme per la legalizzazione». www.ilmessaggero.it (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  23. «Immigrazione: appello a vertici PD, sia approvata Legge Ero Straniero - Radicali Italiani» (em italiano). 10 de fevereiro de 2021. Consultado em 19 de março de 2021 
  24. «Immigrazione, la nuova sfida di Emma Bonino è mandare al macero la Bossi-Fini». L'Espresso (em italiano). 20 de janeiro de 2017. Consultado em 19 de março de 2021 
  25. https://radicali.it/bugie-sull-immigrazione/
  26. Kies, R. (12 de abril de 2010). Promises and Limits of Web-deliberation (em inglês). [S.l.]: Springer 
  27. «Notizie Radicali - il giornale telematico di Radicali Italiani». old.radicali.it. Consultado em 19 de março de 2021 
  28. http://www.radioradicale.it/node/298989
  29. http://www-5.radioradicale.it/servlet/VideoPublisher?cmd=segnalaGoNew&livello=s1.9.11&file=uni_rino_0_20020423155051.txt
  30. «Normattiva». www.normattiva.it. Consultado em 19 de março de 2021 
  31. http://coranet.radicalparty.org/pressreleases/press_release.php?func=detail&par=7238
  32. «Testamento biologico, i Radicali rilanciano: notaio gratuito per chi vuole autenticare il documento». la Repubblica (em italiano). 28 de setembro de 2017. Consultado em 19 de março de 2021 
  33. Pinder, John. «The Federalist». The Federalist (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  34. «Dai Radicali sì a lista aperta per il rilancio del federalismo europeo». Il Sole 24 ORE (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  35. «Archivio Corriere della Sera». archivio.corriere.it. Consultado em 19 de março de 2021 
  36. https://www.radicali.it/20140719/israele-palestina-una-guerra-metafisica/
  37. «Pannella nella frontiera più estrema d'europa: Israele». www.ilfoglio.it (em italiano). Consultado em 19 de março de 2021 
  38. http://coranet.radicalparty.org/pressreleases/press_release.php?func=detail&par=8605
  39. http://coranet.radicalparty.org/pressreleases/press_release.php?func=detail&par=8607
  40. http://www.radicalparty.org/elist/archivio/transfax/tai81-02e.htm
  41. «Wayback Machine». web.archive.org. 15 de outubro de 2009. Consultado em 19 de março de 2021