Radio Free Asia

A Radio Free Asia (RFA, em português: Rádio Ásia Livre) é uma corporação internacional de radiodifusão, financiada pelo governo dos Estados Unidos, com sede em Washington, D.C., que transmite e publica notícias, informações e comentários online para leitores e ouvintes na Ásia. Sua missão declarada é "fornecer notícias e informações precisas e oportunas aos países asiáticos cujos governos proíbam o acesso à imprensa livre".[1] É financiada e supervisionada pela U.S. Agency for Global Media [en][2] desde 2017.[3]

Logotipo atual da Radio Free Asia.

Baseada no modelo da Rádio Europa Livre/Rádio Liberdade, foi criada na década de 1990 com o objetivo declarado de "promover os valores democráticos e os direitos humanos", e contrariar a narrativa do Partido Comunista da China, bem como fornecer reportagens sobre a Coreia do Norte.[4] Uma curta encarnação anterior da Rádio Ásia Livre também existiu na década de 1950 durante a Guerra Fria, como uma operação de propaganda anticomunista na Ásia financiada pela Agência Central de Inteligência para tentar evitar a disseminação da suposta teoria do dominó.[4][5]

Atualmente, a RFA distribui conteúdo em dez idiomas asiáticos para públicos que vivem na China, Coreia do Norte, Laos, Camboja, Vietnã e Birmânia.[6]

HistóriaEditar

A Radio Free Asia foi fundada e financiada na década de 1950 por uma organização chamada "Committee for Free Asia" como uma operação de propaganda anticomunista, transmitindo das instalações da RCA em Manila, Filipinas,[7] e Dacca e Karachi, Paquistão até 1961. Alguns escritórios ficavam em Tóquio. A organização principal foi designada Fundação Ásia. A Radio Free Asia saiu do ar em 1955.[8] Em 1971, o envolvimento da CIA terminou e todas as responsabilidades foram transferidas para o Board for International Broadcasting (BIB) nomeado presidencialmente.[9][10][11]

Com a aprovação da Lei de Radiodifusão Internacional em 1994, a RFA foi colocada sob os auspícios da Agência de Informação dos Estados Unidos, onde permaneceu até a cessação das funções de transmissão da agência e a transição para o Departamento de Estado dos EUA em 1999. Em maio de 1994, o presidente Bill Clinton anunciou que a continuação da Radio Free Asia depois de 2009 dependia do aumento de sua transmissão internacional e da capacidade de atingir seu público.[12] Em setembro de 2009, o 111º Congresso alterou a Lei de Radiodifusão Internacional para permitir a prorrogação de um ano da operação da Rádio Ásia Livre.[13]

A rádio transmite em nove idiomas, via ondas curtas, transmissões por satélite, ondas médias (rádio AM e FM) e pela Internet. A primeira transmissão foi em chinês mandarim, que é o idioma mais transmitido pela RFA, doze horas por dia. A RFA também transmite em cantonês, tibetano (dialetos Kham, Amdo e Uke), uigur, birmanês, vietnamita, Lao, Khmer (para o Camboja) e coreano (para a Coreia do Norte). O serviço coreano foi lançado em 1997 com Jaehoon Ahn como seu diretor fundador.[14]

Após os protestos da Praça da Paz Celestial em 1989, o interesse americano em iniciar uma organização de radiodifusão governamental cresceu.[15] A Lei de Radiodifusão Internacional foi aprovada pelo Congresso dos Estados Unidos em 1994. A Radio Free Asia é formalmente uma corporação privada sem fins lucrativos.[16] A RFA é financiada por um subsídio federal anual e administrada pela US Agency for Global Media, que também atua como conselho de diretores corporativos da RFA. O The Economist e o The New York Times elogiaram a RFA em relação à denúncia dos abusos dos direitos humanos em Xinjiang.[17][18][19]

Lista de PresidentesEditar

Nome Prazo
Richard "Dick" Richter 1996 - 29 de julho de 2005[20][21]
Libby Liu Setembro de 2005[22] novembro de 2019[23]
Bay Fang 20 de novembro de 2019 junho de 2020[24]
Stephen J. Yates Dezembro de 2020[25] janeiro de 2021[26]
Bay Fang Janeiro de 2021[27] - presente

Referências

  1. Radio Free Asia – About Arquivado 2019-01-04 no Wayback Machine Retrieved 10 November 2015
  2. «RFA». U.S. Agency for Global Media. Consultado em 3 de julho de 2021 
  3. «US Launches New Mandarin Network as Washington and Beijing Battle for Global Influence». South China Morning Post. 24 de novembro de 2019. Consultado em 25 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2019 
  4. a b David Welch (27 de novembro de 2013). Propaganda, Power and Persuasion: From World War I to Wikileaks. [S.l.]: I.B.Tauris. ISBN 978-0-85773-737-3. Consultado em 3 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2020 
  5. Central Intelligence Agency (1 de abril de 1953). «Memorandum For: Special Assistant to the President; International Radio Broadcasting by Radio Free Asia» (PDF). foia.cia.gov. Central Intelligence Agency. Consultado em 10 de novembro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 4 de março de 2016 
  6. «Radio Free Asia | USAGov». Consultado em 22 de julho de 2016. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2016 
  7. Central Intelligence Agency (1 de abril de 1953). «Memorandum For: Special Assistant to the President; International Radio Broadcasting by Radio Free Asia» (PDF). foia.cia.gov. Central Intelligence Agency. Consultado em 10 de novembro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 4 de março de 2016 
  8. «Worldwide Propaganda Network Built by the C.I.A.». New York Times. 26 de dezembro de 1977. Consultado em 20 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 4 de julho de 2019 
  9. Tom Engelhardt: "The End of Victory Culture". Cold War America and the Disillusioning of a Generation (University of Massachusetts Press 1998); p. 120. ISBN 1-55849-133-3.
  10. Helen Laville, Hugh Wilford: "The US Government, Citizen Groups And the Cold War". p. 215. The State-Private Network (Routledge 1996). ISBN 0-415-35608-3.
  11. Daya Kishan Thussu: "International Communication". Continuity and Change (Arnold 2000). p. 37. ISBN 0-340-74130-9.
  12. Executive Order 12, 850, 3 C.F.R. 606, 607 § 1(b).
  13. Bill Text Versions for the 111th Congress, 2009–2010. The Library of Congress. Arquivado 2016-03-06 no Wayback Machine
  14. Brown, Emma (10 de junho de 2011). «Jaehoon Ahn, reporter and Post researcher, dies». Washington Post. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2018 
  15. Susan B. Epstein: CRS Report for Congress Arquivado 2007-09-27 no Wayback Machine (PDF)
  16. «Governance and Corporate Leadership». Radio Free Asia. N.d. Consultado em 5 de junho de 2016. Cópia arquivada em 15 de abril de 2016 
  17. «Knowledge of China's gulag owes much to American-backed radio». The Economist. 26 de outubro de 2019. Consultado em 25 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2019 
  18. Forsythe, Michael (31 de julho de 2015). «A Voice From China's Uighur Homeland, Reporting From the U.S.». New York Times. Consultado em 2 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  19. «Threat of Lawsuit Shows China 'Losing The Battle' in Propaganda War Over Xinjiang: Adrian Zenz». rfa.org. Radio Free Asia. Consultado em 5 de janeiro de 2021 
  20. «Radio Free Asia Founding President Retires». Radio Free Asia (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  21. «Statement of RFA President on the Passing of Dick Richter, RFA's Founding President». Radio Free Asia (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  22. «Libby Liu, President». Radio Free Asia (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  23. «Bay Fang Named Radio Free Asia's New President». Radio Free Asia (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  24. «New U.S. broadcasting chief fires agency heads». POLITICO (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  25. «Stephen Yates joins U.S. international broadcasting as President of RFA». USAGM (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  26. Folkenflik, David (22 de janeiro de 2021). «USAGM Chief Fires Trump Allies Over Radio Free Europe And Other Networks». NPR. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  27. «Bay Fang resumes role as president of Radio Free Asia». USAGM (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2021 

Ligações externasEditar