Rafael Wenceslao Núñez

Rafael Núñez (Cartagena das Índias, 28 de setembro de 1825 — Cartagena das Índias, 18 de setembro de 1894) foi um político, escritor e advogado colombiano, presidente da Colômbia de 1880 a 1882 e de 1884 a 1887. Ele é considerado o pai da constituição colombiana de 1886 e escreveu o texto de o atual hino nacional colombiano.[1]

Rafael Wenceslao Núñez
Nascimento Rafael Wenceslao Núñez Moledo
28 de setembro de 1825
Cartagena das Índias
Morte 18 de setembro de 1894 (68 anos)
Cartagena das Índias
Cidadania Colômbia
Cônjuge Soledad Román de Núñez
Alma mater
Ocupação político, escritor, advogado, jornalista, juiz, diplomata
Causa da morte acidente vascular cerebral
Assinatura
Rafael Nunez signature.svg

VidaEditar

Primeiros anosEditar

Pouco se sabe sobre a infância, juventude e início de carreira de Rafael Núñez. Sabe-se que em 1848 atuou como juiz na comarca de Chiriquí, na então província colombiana do Panamá. Mais tarde naquele ano, fundou o jornal La Democracía em Cartagena em apoio à candidatura presidencial do general José María Obando para suceder José Hilario López. Também no mesmo ano foi nomeado Secretário do Governo de Cartagena, o que marcou o início de sua carreira política.

Em 1853 foi eleito primeiro para o Congresso e, posteriormente, governador do Departamento de Bolívar. Entre 1855 e 1857, durante o governo de Manuel María Mallarino, foi Ministro das Finanças e da Guerra.

Em 1855, ele publicou uma primeira coleção de ensaios políticos intitulada La Federación. Mais tarde, ele serviu como Ministro das Finanças durante o governo Mosquera.

Depois de representar os interesses da Colômbia nas negociações do Tratado do Rio Negro, ele viajou para o exterior. Ele morou primeiro na cidade de Nova York por dois anos, depois representou a Colômbia em Le Havre e finalmente se tornou cônsul em Liverpool.

Em 1874, ainda na Europa, muitos de seus escritos mais importantes foram publicados.[2]

Carreira política em BogotáEditar

Em 1876 ele retornou à Colômbia, no centro de uma disputa política. Ele havia sido selecionado como candidato à presidência em 1875, mas não foi eleito de fato. No entanto, cinco anos depois, de 1880 a 1882, ele ocupou a presidência pela primeira vez. Logo depois, em 1884, foi reeleito presidente com o apoio do Partido Conservador.

A reforma constitucional de 1886, levada a cabo em colaboração com Miguel Antonio Caro, é a sua conquista política mais importante, que, com algumas alterações posteriores, vigorou essencialmente até à proclamação de uma nova Constituição em 1991.

De 1878 a 1888, ele escreveu centenas de artigos influentes sobre a reforma constitucional para os jornais La Luz e La Nación de Bogotá e os jornais de Cartagena El Porvenir e El Impulso. Ele também escreveu a letra do hino nacional colombiano.

Em 1886 foi reeleito presidente e finalmente se aposentou da política ativa em 1888. Ele se aposentou em Cartagena, onde morreu em 1894.[2]

Obras publicadasEditar

Entre as obras escritas por Rafael Nunez podem-se destacar:[3]

  • La federación (1855).
  • Ensayos de crítica social (1874).
  • La rebelión: noticias de la guerra (1885).
  • La reforma política en Colombia (1885).
  • Versos (1885).
  • Poesías (1889).
  • Poesías y artículos críticos (1894).

Precedido por
Julian Trujillo Largacha
Presidente dos Estados Unidos da Colômbia
1880 - 1882
Sucedido por
Francisco Javier Zaldua
Precedido por
Ezequiel Hurtado
Presidente dos Estados Unidos da Colômbia
1884 - 1886
Sucedido por
José María Campo Serrano
Precedido por
Eliseo Payán
Presidente da República da Colômbia
1887 - 1892
Sucedido por
Miguel Antonio Caro
Precedido por
Miguel Antonio Caro
Presidente da República da Colômbia
1892 - 1894
Sucedido por
Miguel Antonio Caro

Referências

  1. «Rafael Núñez Moledo» (em espanhol). Consultado em 2 de março de 2011 
  2. a b Núñez, Rafael . In: James Grant Wilson, John Fiske (Eds.): Appletons Cyclopædia of American Biography. fita 4 : Lodge - Pickens . D. Appleton and Company, New York 1888, p. 545
  3. «Antología del pensamiento político colombiano: tomo I - siglo XIX». babel.banrepcultural.org. Consultado em 24 de setembro de 2021