Abrir menu principal
Raimundo Garcia de Portocarreiro
Brasão de Armas da Casa de Portocarrero/Portocarreiro
Nome completo Raimundo Garcia de Portocarreiro
Nascimento 1100
Portugal
Nacionalidade Portugal Portugal
Ocupação Foi um fidalgo galego que passou a Portugal com o Conde D. Henrique, foi o fundador da família Portocarreiro em Portugal.

Raimundo Garcia de Portocarreiro (1100 -?) ou Reimão Garcia de Portocarreiro ou ainda Ramon Garcia de Portocarrero foi um Fidalgo de origem galega que passou a Portugal com o Conde D. Henrique. Raimundo Garcia de Portocarreiro é o fundador da família Portocarreiro em Portugal[1][2]

Deste Raimundo Garcia de Portocarreiro descende uma linhagem tida como das ilustres de Portugal, foi agraciada pelo conde de Portugal D. Henrique de Borgonha que lhe fez a doação do couto de Portocarreiro. Foi deste extenso senhorio que D. Raimundo tomou o nome de Portocarreiro. Segundo o Historiadores este D. Raimundo era irmão de D. Monio Garcia (de Portocarreiro), que surge documentado como senhor da “quintã de Vilar”, quinta este que integrava a honra de Portocarreiro[2][1].

Essa propredade de Vilar foi herdade pela descendência de D. Raimundo, pelo que tudo leva a querer com o irmão não teve filhos.

Segundo a história eram filhos de D. Garcia Afonso e de D. Estevaínha Mendes, fidalgos asturianos. Este D. Garcia, era filho de D. Afonso Garcia, de outro D. Garcia Afonso, sendo que a este o rei D. Ordonho III de Leão vem chamar de primo numa doação que faz à Igreja de Santiago de Compostela no ano de 954.

Entre os anos de 1129 e 1153, D. Raimundo Garcia de Portocarreiro aparece bem documentado e a fazer a confirmação de muitos documentos régios. Aparece também a fazer parte como membro concelho que então governava Portugal, onde é indicado como sendo de illos infançones qui erant in Porttucale[2][1]

Aparece também em documentação relacionada com uma questão levada a julgamento na cidade de Coimbra, corria o ano de 1153, questão esta sobre o Mosteiro de São Martinho de Soalhães, onde se reuniram como partes intervenientes D. Fernão Peres Cativo, D. Gonçalo Mendes de Sousa, o arcebispo da cidade de Braga, o bispo da cidade do Porto, o bispo da cidade de Lamego e o bispo da cidade de Viseu, além dos infanções D. Gonçalo Gonçalves, D. Raimundo Garcia de Portocarreiro, D. Sarracino Mendes Espina e por fim D. Gosendo Moniz.

Relações familiaresEditar

Foi filho de Garcia Afonso ou também Garcia Afonso de Leão (AstúriasPortugal?) e de Estevainha Mendes (Astúrias – Portugal?). Casou com Gontinha Nunes de Azevedo (1130 -?), filha de Nuno Pais de Azevedo, "o Vida" e de Gontinha Nunes[3][4][5] , de quem teve[2][1]:

  1. Ouroana Reimão de Portocarreiro (1150 -?) casada com Henrique Fernandes Magro.
  2. Dórdia Raimundo de Portocarreiro (1160 -?) casada com Rodrigo Anes de Penela (1175 -?).
  3. Teresa, freira.
  4. Elvira, freira.

Referências

  1. a b c d Manuel Abranches de Soveral, Portocarreros do Palácio da Bandeirinha, Masmedia, 1ª Edição, Porto, 1997. pg. 17.
  2. a b c d Manuel José da Costa Felgueiras Gayo, Nobiliário das Famílias de Portugal, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1989. vol. I-pg. 600 (Azevedos) e vol. VIII-pg. 600 (Portocarreiro).
  3. Henri de Bourgogne , le Damoiseau sur le site Foundation for Medieval Genealogy
  4. Felgueiras Gayo Nobiliário das Famílias de Portugal, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1989, vol. I-pg. 599 (Azevedos)
  5. Livros google - The Reconquest kings of Portugal