Abrir menu principal

Raphael de Barros Monteiro (Areias, 26 de outubro de 1908São Paulo, 3 de maio de 1974) foi um jurista brasileiro.[1]

Barros Monteiro
Ministro do Supremo Tribunal Federal do Brasil
Mandato: 7 de julho de 1967
a 3 de maio de 1974
Nomeação por: Costa e Silva
Presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil
Mandato: 12 de fevereiro de 1973
a 23 de outubro de 1973
Nomeação por: Emílio Garrastazu Médici
Antecessor(a): Djaci Falcão
Sucessor(a): Carlos Thompson Flores
Dados pessoais
Nascimento: 26 de outubro de 1908
Areias, São Paulo
Falecimento: 3 de maio de 1974 (65 anos)
São Paulo, São Paulo
Esposa: Marina Vieira de Morais de Barros Monteiro
Alma mater: Faculdade de Direito de São Paulo

BiografiaEditar

Bacharelado pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1930 como melhor aluno da turma, tornou-se juiz em 1935, sendo classificado em primeiro lugar logo no primeiro concurso ao qual se submeteu, sendo sucessivamente promovido até tornar-se desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo em 1949, do qual foi presidente de 1966 a 1967. Foi nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal por decreto de 23 de junho de 1967 do presidente Costa e Silva, tomando posse em 7 de julho. Foi empossado juiz substituto do Tribunal Superior Eleitoral em 25 de fevereiro de 1969, sendo efetivado em 25 de novembro e exercendo as funções de vice-presidente a partir de 11 de fevereiro de 1971, até assumir a efetiva presidência em 12 de fevereiro de 1973, onde permaneceu até 12 de novembro do mesmo ano. Faleceu em São Paulo em 3 de maio de 1974, sendo homenageado em sessão no Supremo Tribunal Federal.[1]

Referências

  1. a b «Raphael de Barros Monteiro». Supremo Tribunal Federal. Consultado em 7 de maio de 2018 
  Este artigo sobre um advogado(a) ou jurista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.