Raya Dunayevskaya

filósofa norte-americana

Raya Dunayevskaya (nascida Raya Shpigel, em russo: Ра́я Шпи́гель; Yaryshiv, 1 de maio de 1910 – Chicago 9 de junho de 1987), posteriormente Rae Spiegel, também conhecida pelo pseudônimo de Freddie Forest, foi a fundadora da filosofia do humanismo marxista nos Estados Unidos. Já foi a secretária de Leon Trótski, ela mais tarde se separou dele e acabou fundando a organização News and Letters Committees e na qual foi líder até sua morte.

Raya Dunayevskaya
Filosofia do século XX
Nome completo Raya Shpigel
Escola/Tradição: Marxismo ocidental, humanismo marxista, marxismo hegeliano, feminismo marxista
Data de nascimento: 1 de maio de 1910
Local: Yaryshiv, Império Russo
(atual Oblast de Vinnytsia, Ucrânia)
Morte 9 de junho de 1987 (77 anos)
Local: Chicago, Illinois, Estados Unidos
Principais interesses: Teoria social, revolução social, movimento social, filosofia dialética, teoria social, práxis marxista, libertação das mulheres
Ideias notáveis Capitalismo de Estado, movimento da prática que é em si uma forma de teoria, negatividade absoluta como um novo começo
Influências: Karl Marx, Friedrich Engels, Georg Wilhelm Friedrich Hegel, Vladimir Lenin, Rosa Luxemburg, Leon Trotsky, Frantz Fanon
Influenciados: Andrew Kliman,[1] Kevin B. Anderson,[2] Erich Fromm,[3] Cyril Smith, Paresh Chattopadhyay[4]

De ascendência judaica, Dunayevskaya nasceu Raya Shpigel no governorate podoliano do Império Russo (atual Ucrânia) e emigrou para os Estados Unidos em 1922 (seu nome mudou para Rae Spiegel) e juntou-se ao movimento revolucionário na sua infância.

CarreiraEditar

TrotskismoEditar

Ativa na organização jovem do Partido Comunista dos Estados Unidos, ela foi expulsa aos 18 anos e jogada de um lance de escadas quando sugeriu que seus camaradas locais deveriam descobrir a resposta de Trotsky à sua expulsão do Partido Comunista Soviético e do Comintern. No ano seguinte, ela encontrou um grupo de trotskistas independentes em Boston, liderados por Antoinette Buchholz Konikow, uma defensora do controle da natalidade e do aborto legal.[5] Na década de 1930, ela adotou o nome de solteira de sua mãe, Dunayevskaya.[6]

Sem obter permissão da organização trotskista americana, ela foi para o México em 1937 para servir como secretária da língua russa de Leon Trotsky durante seu exílio lá.[7]

IndependenteEditar

Tendo retornado a Chicago em 1938 após as mortes de seu pai e irmão, ela deixou Trotsky em 1939 quando ele continuou a afirmar que a União Soviética era um "Estado operário" mesmo depois do Pacto Molotov-Ribbentrop. Ela opôs-se a qualquer noção de que se deveria pedir aos trabalhadores que defendessem este "Estado operário" aliado à Alemanha nazista numa guerra mundial. Junto com teóricos como C. L. R. James, e mais tarde Tony Cliff, Dunayevskaya argumentou que a União Soviética havia se tornado um "capitalista de Estado". Perto do fim de sua vida, ela afirmou que o que chamou de "meu verdadeiro desenvolvimento" só começou após seu rompimento com Trotsky.[8]

Seu estudo simultâneo da economia russa e dos primeiros escritos de Marx (mais tarde conhecidos como Manuscritos Econômicos e Filosóficos de 1844), levou a sua teoria de que não apenas a URSS era uma sociedade "capitalista de Estado", mas que o "capitalismo de Estado" era um novo cenário mundial. Muito de sua análise inicial foi publicada no The New International em 1942–1943.

Partido dos TrabalhadoresEditar

Em 1940, esteve envolvida na cisão do Partido Socialista dos Trabalhadores (SWP) que levou à formação do Partido dos Trabalhadores (WP), com o qual compartilhava uma objeção à caracterização de Trotsky da União Soviética como um "Estado operário degenerado". Dentro do Partido dos Trabalhadores, ela formou a Tendência Johnson–Forest ao lado de C. L. R. James (ela sendo "Freddie Forest" e ele "J.R. Johnson", nomeado para seus nomes do cadre do partido). A tendência argumentou que a União Soviética era "capitalista de Estado", enquanto a maioria do Partido dos Trabalhadores sustentava que era coletivista burocrática.

Partido Socialista dos TrabalhadoresEditar

As diferenças dentro do WP alargaram-se progressivamente, e em 1947, após um breve período de existência independente durante o qual publicaram uma série de documentos, a tendência regressou às fileiras do SWP. Sua filiação ao SWP baseava-se na insistência compartilhada de que havia uma situação pré-revolucionária iminente, e na crença compartilhada de que um partido leninista deveria existir para aproveitar as oportunidades vindouras.

Em 1951, com o fracasso de sua perspectiva compartilhada em se materializar a tendência desenvolveu uma teoria que rejeitava o leninismo e via os trabalhadores como sendo espontaneamente revolucionários. Isso foi confirmado para eles pela greve dos mineiros dos EUA em 1949. Nos últimos anos, deveriam prestar muita atenção à automação, especialmente na indústria automobilística, que passaram a ver como paradigmática de uma nova etapa do capitalismo. Isso levou à tendência a deixar o SWP novamente para começar um trabalho independente.

Depois de mais de uma década desenvolvendo a teoria do capitalismo de Estado, Dunayevskaya continuou seu estudo da dialética hegeliana assumindo uma tarefa que a Tendência Johnson-Forest se propôs: explorar a Filosofia da Mente de Hegel. Em 1954, ela iniciou uma correspondência de décadas com o teórico crítico Herbert Marcuse, na qual a dialética da necessidade e da liberdade em Hegel e Marx se tornou um ponto focal de discórdia. Ela propôs uma interpretação dos Absolutos de Hegel, sustentando que eles envolviam um movimento duplo: um movimento da prática que é em si uma forma de teoria e um movimento da teoria chegando à filosofia. Ela considerou essas cartas de 1953 como "o momento filosófico" do qual todo o desenvolvimento do Humanismo Marxista fluiu.

Comitês de Notícias e CartasEditar

Em 1953, Dunayevskaya mudou-se para Detroit, onde residiu até 1984. Em 1954–1955, ela e C. L. R. James se separaram . Em 1955, ela fundou sua própria organização, Comitês de Notícias e Cartas, e um jornal marxista humanista, News & Letters, que permanece em publicação até hoje. O jornal cobre as lutas das mulheres, a libertação das trabalhadoras, dos negros, dos direitos dos gays, lésbicas, bissexuais e transexuais e o movimento pelos direitos das pessoas com deficiência, sem separar essa cobertura de artigos filosóficos e teóricos. A organização se dividiu em 2008–2009 e os humanistas marxistas dos Estados Unidos (que mais tarde se tornaram a Organização Marxista Humanista Internacional) foram formados.[9]

Dunayevskaya escreveu o que veio a ser conhecido como sua "trilogia da revolução": Marxismo e Liberdade: Desde 1776 até hoje (1958), Filosofia e Revolução (1973), e Rosa Luxemburgo, Libertação da Mulher, e a Filosofia de Marx da Revolução (1982). Além disso, ela selecionou e apresentou uma coleção de escritos, publicados em 1985, Libertação das Mulheres e a Dialética da Revolução.

No último ano de sua vida, ela estava trabalhando em um novo livro que ela intitulou provisoriamente, Dialética da Organização e Filosofia: O 'Partido' e as Formas de Organização Nascidas da Espontaneidade.[10]

LegadoEditar

Os discursos, cartas, publicações, notas, gravações e outros itens de Raya Dunayevskaya estão localizados na Biblioteca Walter P. Reuther da Wayne State University (WSU) em Detroit. Cópias em microfilme da coleção estão disponíveis nos Arquivos de Trabalho e Assuntos Urbanos da WSU e cópias em PDF estão online no site do Fundo Memorial Raya Dunayevskaya. Os guias da coleção estão disponíveis nos Comitês de Notícias e Cartas e em formato PDF no site da RDMF.[11]

BibliografiaEditar

LivrosEditar

  • Trilogia da Revolução
    • Marxism and Freedom: From 1776 Until Today. [1958] 2000. Humanity Books. ISBN 1-57392-819-4.
    • Philosophy and Revolution: from Hegel to Sartre and from Marx to Mao. Third ed. 1989. Columbia University Press. ISBN 0-231-07061-6.
    • Rosa Luxemburg, Women's Liberation, and Marx's Philosophy of Revolution. 1991. University of Illinois Press. ISBN 0-252-01838-9.
  • Outros
    • Women's Liberation and the Dialectics of Revolution: Reaching for the Future. 1996. Wayne State University Press. ISBN 0-8143-2655-2.
    • The Marxist-Humanist Theory of State-Capitalism. 1992. News & Letters Committee. ISBN 0-914441-30-2.
    • The Power of Negativity: Selected Writings on the Dialectic in Hegel and Marx. 2002. Lexington Books. ISBN 0-7391-0266-4. Image

ArtigosEditar

  • "The Shock of Recognition and the Philosophic Ambivalence of Lenin". TELOS, No. 5 (Spring 1970). New York: Telos Press.

ApresentaçõesEditar

  • Lou Turner and John Alan, Frantz Fanon, Soweto & American Black Thought; new introduction by Raya Dunayevskaya. – new expanded edition, Chicago: News and Letters, 1986.

ArquivosEditar

  • Raya Dunayevskaya Papers, Walter P. Reuther Library, Detroit, Michigan. The first portion of the collection exists as organized and donated by Ms. Dunayevskaya and relates to the development of Marxist-Humanism. The second portion was donated after Ms. Dunayevskaya's death and relates her last writings and unfinished works. Documents range from 1924-1987. PDF copies are online at the Raya Dunayevskaya Memorial Fund website. Guides to the collection are available from News and Letters Committees and in PDF form at the RDMF website.
  • Some personal manuscripts, letters and pamphlets are held in the Mitchell Library, Glasgow, as part of the Harry McShane Collection.[12]

Referências

  1. Kliman, Andrew (2007). Reclaiming Marx's "Capital:" A Refutation of the Myth of Inconsistency. [S.l.]: Lexington Books. p. xv 
  2. Anderson, Kevin B. (2010). Marx at the Margins: On Nationalism, Ethnicity, and Non-Western Societies. [S.l.]: University of Chicago Press. p. viii 
  3. Watson, Ben (2013). «Truly Liberating». Radical Philosophy (178) 
  4. «A libertarian Marxist tendency map». libcom.org. libcom. Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  5. Women Building Chicago (2001), p. 239.
  6. Frank Rosengarten, Urbane Revolutionary: C. L. R. James and the Struggle for a New Society, p. 65.
  7. Women Building Chicago (2001), p. 239.
  8. "Marxist-Humanism, an Interview with Raya Dunayevskaya", Chicago Literary Review, p. 16.
  9. «IMHO Journal». IMHO Journal (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2021 
  10. Many of her writings that were part of the process of work on the projected book are included in Volume XIII of the Supplement to the Raya Dunayevskaya Collection.
  11. «Raya Dunayevska | Marxist – Humanist Archives» (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2021 
  12. «Raya Dunayevskaya Collection, Mitchell Library, Glasgow». Consultado em 23 de abril de 2018 

Leitura adicionalEditar

  • Afary, Janet, "The Contribution of Raya Dunayevskaya, 1910-1987: A Study in Hegelian Marxist Feminism," Extramares (1)1, 1989. pp. 35–55.
  • Anderson, Kevin, chapter 8, From 1954 to Today: "Lefebvre, Colletti, Althusser, and Dunayevskaya," in Lenin, Hegel and Western Marxism: A Critical Study, Urbana: University of Illinois Press, 1995.
  • Anderson, Kevin, "Sources of Marxist-Humanism: Fanon, Kosik, Dunayevskaya," Quarterly Journal of Ideology (10)4, 1986. pp. 15–29.
  • Chicago Literary Review, "Marxist-Humanism, an Interview with Raya Dunayevskaya", Chicago Literary Review, March 15, 1985.
  • Dunayevskaya, Raya, "Russia: From Proletarian Revolution to State-Capitalist Counter-Revolution, Selected writings" (co-editors: Franklin Dmitryev and Eugene Gogol), Leiden: Brill, 2017
  • Dunayevskaya, Raya, "Marx's Philosophy of Revolution in Permanence for Our Day, Selected writings" (editor: Franklin Dmitryev), Leiden: Brill, 2018
  • Easton, Judith, "Raya Dunayevskaya," Bulletin of the Hegel Society of Great Britain (16), Autumn/Winter 1987, pp. 7–12.
  • Gogol, Eugene, Raya Dunayevskaya: Philosopher of Marxist-Humanism, Eugene, Oregon: Wipfandstock Publishers, 2003. Arquivado julho 28, 2009, no Wayback Machine
  • Greeman, Richard, "Raya Dunayevskaya: Thinker, Fighter, Revolutionary," Against the Current, January/February 1988.
  • Hudis, Peter, "Workers as Reason: The Development of a New Relation of Worker and Intellectual in American Marxist-Humanism," Historical Materialism (11)4, pp. 267–293.
  • Jeannot, Thomas M., "Dunayevskaya's Conception of Ultimate Reality and Meaning," Ultimate Reality and Meaning (22)4, December 1999. pp. 276–293.
  • Kellner, Douglas, "A Comment on the Dunayevskaya-Marcuse Dialogue," Quarterly Journal of Ideology (13)4, 1989. p. 29.
  • Le Blanc, Paul, "The Philosophy and Politics of Freedom," Monthly Review (54)8. [1]
  • Lovato, Brian, Democracy, Dialectics, and Difference: Hegel, Marx, and 21st Century Social Movements, New York: Routledge, 2016.
  • Moon, Terry, "Dunayevskaya, Raya," in Women Building Chicago 1790-1990: A Biographical Dictionary, Bloomington: Indiana University Press, 2001, pp. 238–241.
  • Rich, Adrienne, "Living the Revolution," Women's Review of Books (3)12, September 1986.
  • Rockwell, Russell, "Hegel and Social Theory in Critical Theory and Marxist-Humanism," International Journal of Philosophy (32)1, 2003.
  • Rockwell, Russell, Hegel, Marx, and the Necessity and Freedom Dialectic: Marxist-Humanism and Critical Theory in the United States. Palgrave Macmillan. 2018. http://marxist-humanistdialectics.blogspot.com/2018/03/coming-out-in-may-necessity-and-freedom.html
  • Schultz, Rima Lunin, and Adele Hast, "Introduction," in Women Building Chicago 1790-1990, Bloomington: Indiana University Press, 2001.

Ligações externasEditar