Raymond Davis Jr.

Raymond Davis Jr. (Washington, 14 de outubro de 1914 — Blue Point, 31 de maio de 2006) foi um físico estadunidense.

Raymond Davis Jr. Medalha Nobel
Nascimento 14 de outubro de 1914
Washington
Morte 31 de maio de 2006 (91 anos)
Blue Point
Nacionalidade estadunidense
Cidadania Estados Unidos
Filho(s) Andrew M. Davis
Alma mater Universidade de Maryland, Universidade Yale
Ocupação físico, químico, professor universitário,
Prêmios Prêmio Comstock de Física (1978), Prêmio Tom W. Bonner de Física Nuclear (1988), Prêmio Beatrice M. Tinsley (1994), Prêmio Wolf de Física (2000), Medalha Nacional de Ciências (2001), Nobel prize medal.svg Nobel de Física (2002), Prêmio Enrico Fermi (2003), Medalha Benjamin Franklin (2003)
Empregador Universidade da Pensilvânia
Instituições Monsanto, Universidade da Pensilvânia
Campo(s) física, química
Causa da morte doença de Alzheimer

Recebeu o Nobel de Física de 2002, por contribuições pioneiras à astrofísica, em particular pela detecção dos neutrinos cósmicos.

CarreiraEditar

Davis passou a maior parte dos anos da guerra em Dugway Proving Ground, Utah, observando os resultados dos testes de armas químicas e explorando a bacia do Grande Lago Salgado em busca de evidências de seu predecessor, o Lago Bonneville.

Após sua dispensa do exército em 1946, Davis foi trabalhar no Laboratório Mound da Monsanto, em Miamisburg, Ohio, fazendo radioquímica aplicada de interesse da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos. Em 1948, ele ingressou no Laboratório Nacional de Brookhaven, que se dedicava a encontrar usos pacíficos para a energia nuclear.

Davis relata que foi convidado a "encontrar algo interessante para trabalhar" e dedicou sua carreira ao estudo dos neutrinos, partículas que deveriam explicar o processo de decaimento beta, mas cuja existência separada não foi confirmada. Davis investigou a detecção de neutrinos por decaimento beta, o processo pelo qual um neutrino traz energia suficiente para um núcleo para transformar certos isótopos estáveis ​​em radioativos. Como a taxa desse processo é muito baixa, o número de átomos radioativos criados em experimentos com neutrinos é muito pequeno, e Davis começou a investigar as taxas de outros processos além do decaimento beta que imitariam o sinal dos neutrinos. Usando barris e tanques de tetracloreto de carbono como detectores, Davis caracterizou a taxa de produção de argônio-37 em função da altitude e em função da profundidade no subsolo. Ele implantou um detector contendo átomos de cloro no reator Brookhaven em 1954 e mais tarde em um dos reatores no rio Savannah. Esses experimentos falharam em detectar um excesso de argônio radioativo quando os reatores estavam operando quando os reatores foram desligados, e isso foi considerado a primeira evidência experimental de que os neutrinos que causam a reação de cloro e os antineutrinos produzidos nos reatores eram distintos. Detectar neutrinos mostrou-se consideravelmente mais difícil do que não detectar antineutrinos. Davis foi o principal cientista por trás do experimento Homestake, o detector de neutrino radioquímico em grande escala que primeiro detectou evidências de neutrinos do sol.

Ele dividiu o Prêmio Nobel de Física em 2002 com o físico japonês Masatoshi Koshiba e o italiano Riccardo Giacconi por contribuições pioneiras à astrofísica, em particular para a detecção de neutrinos cósmicos, olhando para o problema do neutrino solar no Experimento Homestake. Ele tinha 88 anos quando recebeu o prêmio.[1][2][3][4]

Publicações selecionadasEditar

Principais publicaçõesEditar

  • Davis, Raymond, Jr. (1953). «Attempt to detect the Antineutrinos from a Nuclear Reactor by the 37Cl (nu bar, e) 37Ar Reaction». Physical Review. 97 (3). 766 páginas. Bibcode:1955PhRv...97..766D. doi:10.1103/PhysRev.97.766  – Non-detection of antineutrinos with chlorine
  • Davis, Raymond, Jr. (1964). «Solar Neutrinos II, Experimental». Physical Review Letters. 12 (11). 300 páginas. Bibcode:1964PhRvL..12..300B. doi:10.1103/PhysRevLett.12.300  – Proposal for Homestake Experiment
  • Cleveland, B. T.; et al. (1998). «Measurement of the solar electron neutrino flux with the Homestake chlorine detector». Astrophysical Journal. 496: 505–526. Bibcode:1998ApJ...496..505C. doi:10.1086/305343  – final results of Homestake Experiment

Outras publicaçõesEditar

Referências

  1. «Raymond Davis Jr., recipient of 2002 Nobel Prize in physics - The Boston Globe». www.boston.com (em inglês). Consultado em 16 de outubro de 2021 
  2. Chang, Kenneth (2 de junho de 2006). «Raymond Davis Jr., Nobelist Who Caught Neutrinos, Dies at 91». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de outubro de 2021 
  3. Lande, Kenneth (1 de outubro de 2006). «Raymond Davis Jr». Physics Today (10): 78–80. ISSN 0031-9228. doi:10.1063/1.2387099. Consultado em 16 de outubro de 2021 
  4. «Comstock Prize in Physics». web.archive.org. 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de outubro de 2021 

Ligações externasEditar


Precedido por
Dan Shechtman
Prêmio Wolf de Física
2000
com Masatoshi Koshiba
Sucedido por
Bertrand Halperin e Anthony Leggett
Precedido por
Eric Allin Cornell, Carl Wieman e Wolfgang Ketterle
Nobel de Física
2002
com Masatoshi Koshiba e Riccardo Giacconi
Sucedido por
Alexei Alexeevich Abrikosov, Vitaly Ginzburg e Anthony Leggett


  Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.