Abrir menu principal
A batalha de Waterloo (1815) confrontou as forças revolucionárias francesas lideradas por Napoleão contra as forças reacionárias britânicas e prussianas

O termo reacionário tem estreito vínculo com o termo "revolucionário"ː ambos estão à margem do fluxo temporal, desvalorizando o presente (hic et nunc) para invocar o passado nostálgico (reacionário) ou um devir idealizado (revolucionário). Para o reacionário, o ideal reside no passado, na nostalgia, no que foi e não será mais, salvo se retomarmos os antigos valores. É associado erroneamente aos indivíduos que defendem uma manutenção do status quo político e social diante de propostas de mudança social ou de ideias voltadas para a transformação da sociedade (contrarrevolucionários).

São, notadamente, confundidos com conservadores, que, ao contrário, valorizam o presente e admitem mudanças que respeitem a história, os valores sociais, bem como a tradição, responsabilizando-se pelo devir. Seus princípios são confundidos com princípios conservadores e liberais, que, por sua vez, são acusados de serem contrários à mudança política ou social.[1]

DescriçãoEditar

O sentido histórico do termo "reacionário" refere-se àquele que se contrapõe ao presente, e consequentemente às mudanças revolucionárias, sociais e políticas. Nesse sentido, entende-se como reação o conjunto de forças que atuam no sentido de retorno ao estado anterior.

O reacionário é gêmeo do revolucionário. O termo foi empregado pela primeira vez no contexto da Revolução Francesa (1789-1799) no sentido de que reacionários eram os que reagiam contra as mudanças iniciadas pela Revolução e pretendiam um retorno ao Antigo Regime.[2]

No Manifesto do Partido Comunista, Marx e Engels afirmam que as:

Nesse sentido, as religiões são, às vezes, qualificadas como reacionárias. Isto decorre, em parte, da oposição a filósofos religiosos como Louis de Bonald, Joseph de Maistre e François-René de Chateaubriand, e em parte do que Karl Popper chamou de crença progressista (identificada como historicista) no caráter manifesto da verdade que não conduz à construção do conhecimento mas à procura dos obstáculos à manifestação da verdade. Ao se identificar a religião como geradora de preconceitos, procura-se abolir a religião.

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.