Abrir menu principal

Recordações do Escrivão Isaías Caminha

Recordações do Escrivão Isaías Caminha
Capa da edição de 1917
País  Brasil
Gênero Romance
Editora Livraria Clássica Editora
Editor A.M. Teixeira & CIA
Lançamento 4 de março de 1917[1]
Páginas 234 (1a. edição)
Cronologia
O Subterrâneo do Morro do Castelo
O homem que sabia javanês

Recordações do Escrivão Isaías Caminha é o primeiro romance do escritor brasileiro Lima Barreto. Com referência auto-biográfica, tem como tema o racismo e a subordinação.[2] Sua primeira publicação foi no ano de 1909, por A.M. Teixeira & CIA, pela Livraria Clássica de Lisboa, do qual Antonio Maria era proprietário. No ano de 1909, Lima Barreto lhe enviou uma carta agradecendo e oferecendo, como pagamento da edição e publicação, uma quantidade em livros para comercialização. [1]

CríticaEditar

Monteiro Lobato não fez restrições à linguagem do autor, criticada na época por conta de "alguns deslizes". Lobato gostou do texto e o elogiou ao amigo Godofredo Rangel:[3]

Como ainda estou de resguardo e preso em casa, leio como nos bons tempos de Taubaté. Fechei neste momento um romance de Lima Barreto, Isaías Caminha. É dos tais legíveis de cabo a rabo. Romancista de verdade.

— Lobato, A Barra, 384 - 24/11/1918[4]

O jornal "O Globo" da ficção de Barreto, e nele alvo de críticas duras, era na verdade o prestigioso Correio da Manhã, segundo Lobato. Os jornalistas da época tentaram ignorar a obra devido à ofensa da denúncia, o que certamente prejudicou muito o início da carreira de Lima. Ainda segundo Lobato, Lima é o criador de uma nova fórmula de romance: a crítica social sem doutrinarismo dogmático.[5]

Lima chegou a trabalhar no Correio da Manhã, mas com a publicação de Recordações do Escrivão Isaías Caminhas − onde faz críticas contundentes a Edmundo Bittencourt, o proprietário do jornal − Lima Barreto tornou-se persona non grata, não só nesse jornal como em todos os outros grande jornais do Rio de Janeiro.[6][7]

Referências

  1. Lima Barreto. Sammlung. Editorial Universidad de Costa Rica; ISBN 978-84-89666-29-0. p. 639.
  2. Lima Barreto - Recordações do Escrivão Isaías Caminha , Brasiliana USP
  3. Marli Quadros Leite. Metalinguagem e discurso (2. ed.). Editora Humanitas; 2006. ISBN 978-85-98292-76-2. p. 135.
  4. José Bento Monteiro Lobato. A barca de Gleyre. Globo Livros; 1959. ISBN 978-85-250-5012-0. p. 453.
  5. Luciana Hidalgo. Literatura da urgência: Lima Barreto no domínio da loucura. Annablume; 2008. ISBN 978-85-7419-813-2. p. 97.
  6. Crônicas cariocas e ensino de história. 7Letras; 2008. ISBN 978-85-7577-464-9. p. 33.
  7. Beatriz Resende, Sonhos e mágoas de um povo, Ediora Agir, 2004, p. 11

BibliografiaEditar

  • CAMPATO JR., João Adalberto. Lima Barreto: Retórica e Literatura Militante nas Recordações do Escrivão Isaías Caminha. Curitiba: CRV, 2013.
  • CRUZ, Izabel Cristina Cavalcanti. Isaías Caminha e o mal-estar na civilização brasileira no limiar do século XX. Rio de Janeiro: Rizoma Editorial, 2015.