Reforma Protestante

movimento reformista cristão
(Redirecionado de Reforma protestante)

Reforma (alternativamente chamada de Reforma Protestante ou Reforma Europeia)[1] foi um movimento importante dentro do cristianismo ocidental na Europa do século XVI que representou um desafio religioso e político para a Igreja Católica e em particular para a autoridade papal, decorrente do que eram percebidos como erros, abusos e discrepâncias cometidos pela Igreja. A Reforma foi o início do protestantismo, além de ser considerada um dos eventos históricos que marcam o fim da Idade Média e o início do período moderno na Europa.[2]

Houve movimentos de reforma anteriores a Martinho Lutero. Embora a Reforma seja geralmente considerada como tendo começado com a publicação das Noventa e cinco teses de Martinho Lutero em 1517, ele não foi excomungado até janeiro de 1521 pelo Papa Leão X. O Édito de Worms de maio de 1521 condenou Lutero e baniu oficialmente os cidadãos do Sacro Império Romano de defender ou propagar suas ideias.[3]

A disseminação da prensa móvel de Gutenberg forneceu os meios para a rápida disseminação de materiais religiosos no vernáculo. Lutero sobreviveu após ser declarado fora da lei devido à proteção de Frederico, o Sábio. O movimento inicial na Alemanha se diversificou e surgiram outros reformadores como Huldrych Zwingli e João Calvino.

Os principais eventos do período incluem: a Dieta de Worms (1521), a formação do luterano Ducado da Prússia (1525), a Reforma Inglesa (1529 em diante), o Concílio de Trento (1545-63), a Paz de Augsburgo (1555), a excomunhão de Elizabeth I (1570), o Edito de Nantes (1598) e a Paz de Westfália (1648). A Contrarreforma, também chamada de Reforma Católica ou Reavivamento Católico, foi o período de reformas católicas iniciadas em resposta à Reforma Protestante.[4] O período histórico que representa o fim da era da Reforma ainda é contestado entre os estudiosos.

HistóriaEditar

AntecedentesEditar

 Ver artigos principais: Hussitas, Lollardismo, Valdenses e Arnoldistas
Execução de Jan Hus em Constança (1415). O cristianismo ocidental já estava formalmente comprometido nas Terras da Coroa da Boêmia muito antes de Lutero, com os Pactos de Basiléia (1436) e da Paz Religiosa de Kutná Hora (1485). O hussitismo utraquista foi permitido junto com a confissão católica romana. Na época em que a Reforma chegou, o Reino da Boêmia e o Margraviato da Morávia já tinham populações de maioria hussita há décadas.

John Wycliffe questionou o status privilegiado do clero católico que havia reforçado seu poderoso papel na Inglaterra e o luxo e pompa das paróquias locais e suas cerimônias.[5] Ele foi, portanto, caracterizado como a "estrela da tarde" da escolástica e como a "estrela da manhã" ou stella matutina da Reforma Inglesa.[6] Em 1374, Catarina de Siena começou a viajar com seus seguidores por todo o norte e centro da Itália defendendo a reforma do clero e aconselhando as pessoas de que o arrependimento e a renovação poderiam ser feitos por meio do "amor total a Deus".[7] Ela manteve uma longa correspondência com o Papa Gregório XI, pedindo-lhe para reformar o clero e a administração dos Estados Pontifícios. As igrejas protestantes mais antigas, como a Igreja dos Irmãos Morávios, datam suas origens em Jan Hus no início do século XV. Por ser liderada por uma maioria nobre da Boêmia e reconhecida, por algum tempo, pelos Pactos de Basiléia, a reforma hussita foi a primeira "reforma magisterial" da Europa porque os magistrados governantes a apoiaram, ao contrário da "Reforma Radical", que o Estado não apoiou.[carece de fontes?]

Fatores comuns que desempenharam um papel durante a Reforma e a Contrarreforma incluíram o surgimento da imprensa, do nacionalismo, da simonia, da nomeação de cardeais-sobrinhos e de outras corrupções da Cúria Romana e outras hierarquias eclesiásticas, o impacto do humanismo, o novo aprendizado da Renascença versus escolástica e o Cisma Ocidental, que corroeu a lealdade ao papado e gerou guerras entre príncipes, revoltas entre os camponeses e uma preocupação generalizada com a corrupção na Igreja, especialmente de John Wycliffe na Universidade de Oxford e de Jan Hus na Universidade Carolina em Praga.[carece de fontes?]

Hus se opôs a algumas das práticas da Igreja Católica Romana e queria devolver à igreja da Boêmia e da Morávia as práticas anteriores: a liturgia na linguagem do povo (ou seja, o povo tcheco), fazendo com que os leigos recebam a comunhão em ambas as espécies (pão e vinho—isto é, em latim, communio sub utraque specie), que padres possam casar e eliminando as indulgências e o conceito de purgatório. Algumas delas, como o uso da língua local como língua litúrgica, foram aprovadas pelo papa já no século IX.[8]

Os líderes da Igreja Católica Romana o condenaram no Concílio de Constança (1414-1417), queimando-o na fogueira apesar da promessa de salvo-conduto.[9] Wycliffe foi postumamente condenado como herege e seu cadáver foi exumado e queimado em 1428.[10] O Concílio de Constança confirmou e fortaleceu a concepção medieval tradicional da Igreja e do império, semabordar as tensões nacionais ou teológicas provocadas durante o século anterior e não pôde evitar o cisma e as Guerras Hussitas na Boêmia.[carece de fontes?]

O Papa Sisto IV (1471-1484) estabeleceu a prática de vender indulgências aos mortos, estabelecendo assim um novo fluxo de receita com agentes em toda a Europa.[11] O Papa Alexandre VI (1492-1503) foi um dos papas mais controversos da Renascença. Ele era pai de sete filhos, entre eles Lucrécia e César Borgia.[12] Em resposta à corrupção papal, particularmente a venda de indulgências, Martinho Lutero escreveu as Noventa e Cinco Teses.[13]

Reforma MagisterialEditar

 Ver artigos principais: Martinho Lutero, 95 teses e Protestantismo

O início da Reforma é geralmente datado em 31 de outubro de 1517 em Wittenberg, Saxônia, quando Lutero enviou suas Noventa e Cinco Teses sobre o Poder e a Eficácia das Indulgências ao Arcebispo de Mainz. As teses debatiam e criticavam a Igreja e o papado, mas concentravam-se na venda de indulgências e políticas doutrinárias sobre o purgatório, o julgamento particular e a autoridade do papa. Mais tarde, no período entre 1517 e 1521, ele escreveria obras sobre a devoção à Virgem Maria, a intercessão e devoção aos santos, os sacramentos, o celibato clerical obrigatório e, mais tarde, sobre a autoridade papal, a lei eclesiástica, a censura e a excomunhão, o papel dos governantes seculares em questões religiosas, a relação entre o cristianismo e a lei, as boas obras e o monaquismo.[14] Algumas freiras, como Katharina von Bora e Ursula de Munsterberg, deixaram a vida monástica quando aceitaram a Reforma, mas outras ordens adotaram a Reforma, pois os luteranos continuam a ter mosteiros. Em contraste, as áreas reformadas tipicamente secularizaram propriedades monásticas.[carece de fontes?]

Os reformadores e seus oponentes fizeram uso intenso de panfletos baratos, bem como de Bíblias vernáculas, usando a relativamente nova tecnologia de impressão, de modo que houve um movimento rápido de ideias e documentos.[15][16]

 
Martinho Lutero na Dieta de Worms, onde se recusou a retratar suas obras quando solicitado por Carlos V. (pintura de Anton von Werner, 1877, Staatsgalerie Stuttgart)

Paralelamente aos eventos na Alemanha, um movimento começou na Suíça sob a liderança de Huldrych Zwingli. Esses dois movimentos concordaram rapidamente na maioria das questões, mas algumas diferenças não resolvidas os mantiveram separados. Alguns seguidores de Zwingli acreditavam que a Reforma era muito conservadora e se movia independentemente em direção a posições mais radicais, algumas das quais sobrevivem entre os anabatistas modernos.[carece de fontes?]

Após este primeiro estágio da Reforma, após a excomunhão de Lutero no Decet Romanum Pontificem e a condenação de seus seguidores pelos éditos da Dieta de Worms em 1521, a obra e os escritos de João Calvino foram influentes no estabelecimento de um consenso vago entre várias igrejas na Suíça, Escócia, Hungria, Alemanha e em outros lugares.[carece de fontes?]

Embora a Guerra dos Camponeses Alemães de 1524-1525 tenha começado como um protesto contra impostos e anticorrupção, seu líder Thomas Müntzer deu a ela um caráter radical.[17] Em resposta aos relatórios sobre a destruição e violência, Lutero condenou a revolta em escritos como Contra os assassinos, ladrões de hordas de camponeses; o aliado de Zwínglio e Lutero, Philipp Melanchthon, também não tolerou o levante.[18][19] Cerca de 100 mil camponeses foram mortos até o final da guerra.[20]

Reforma RadicalEditar

 Ver artigo principal: Reforma Radical

A Reforma Radical foi a resposta ao que se acreditava ser a corrupção tanto na Igreja Católica Romana quanto na Reforma Magisterial. Começando na Alemanha e na Suíça no século XVI, a Reforma Radical desenvolveu igrejas protestantes radicais por toda a Europa. O termo inclui Thomas Müntzer, Andreas Karlstadt, os profetas de Zwickau e anabatistas, como os huteritas e menonitas. Em partes da Alemanha, Suíça e Áustria, a maioria simpatizou com a Reforma Radical, apesar da intensa perseguição.[21] Embora a proporção de sobreviventes da população europeia que se rebelou contra as igrejas católicas, luteranas e zwinglianas fosse pequena, os reformadores radicais escreveram abundantemente e a literatura sobre a Reforma Radical é desproporcionalmente grande, em parte como resultado da proliferação dos ensinamentos da reforma radical nos Estados Unidos.[22]

Apesar da diversidade significativa entre os primeiros reformadores radicais, alguns "padrões repetidos" surgiram entre muitos grupos anabatistas. Muitos desses padrões foram consagrados na Confissão de Schleitheim (1527) e incluem o batismo dos crentes (ou adultos), visão memorial da Ceia do Senhor, crença de que a Escritura é a autoridade final em questões de fé e prática, ênfase no Novo Testamento e o Sermão da Montanha, interpretação da Escritura em comunidade, separação do mundo e uma teologia de dois reinos, pacifismo, comunalismo e compartilhamento econômico, além da crença na liberdade de vontade, no não juramento, na "rendição" (Gelassenheit) para a própria comunidade e para Deus, na salvação por meio da divinização (Vergöttung), na vida ética e no discipulado (Nachfolge Christi).[23]

AlfabetizaçãoEditar

 
A Bíblia de Lutero, de 1534, foi traduzida para o alemão. A tradução de Lutero influenciou o desenvolvimento do alemão padrão atual.

A Reforma foi um triunfo da alfabetização e da nova imprensa.[24][15][25] A tradução de Lutero da Bíblia para o alemão foi um momento decisivo na disseminação da alfabetização e também estimulou a impressão e distribuição de livros e panfletos religiosos. De 1517 em diante, panfletos religiosos inundaram a Alemanha e grande parte da Europa.[26]

Em 1530, mais de 10 mil publicações são conhecidas, com um total de dez milhões de cópias. A Reforma foi, portanto, uma revolução de mídia. Lutero reforçou seus ataques contra Roma, retratando uma igreja "boa" contra uma "má". A partir daí, ficou claro que a impressão poderia ser usada para propaganda de agendas particulares, embora o termo propaganda derive da Congregatio de Propaganda Fide (Congregação para a Propagação da Fé) da Contrarreforma católica. Os redatores da reforma usaram estilos, clichês e estereótipos existentes que eles adaptaram conforme necessário. Especialmente eficazes foram os escritos em alemão, incluindo a tradução da Bíblia de Lutero, seu Catecismo Menor para pais ensinarem seus filhos e seu Catecismo Maior para pastores. Usando o vernáculo alemão, eles expressaram o Credo dos Apóstolos em uma linguagem trinitária mais simples e pessoal. As ilustrações na Bíblia alemã e em muitos folhetos popularizaram as ideias de Lutero. Lucas Cranach, o Velho (1472-1553), o grande pintor patrocinado pelos eleitores de Wittenberg, era um amigo próximo de Lutero e ilustrou a teologia de Lutero para um público popular. Ele dramatizou as visões de Lutero sobre a relação entre o Antigo e o Novo Testamento, enquanto permanecia atento às cuidadosas distinções de Lutero sobre os usos adequados e impróprios de imagens visuais.[27]

CausasEditar

 
Erasmo foi um padre católico que inspirou alguns dos reformadores protestantes

Os seguintes fatores do lado da oferta foram identificados como causas da Reforma:[28]

  • A presença de uma prensa móvel em uma cidade por volta de 1500 tornou a popularização do protestantismo por volta de 1600 muito mais provável;[15]
  • A literatura protestante foi produzida em níveis maiores em cidades onde os mercados de mídia eram mais competitivos, tornando essas cidades mais propensas a adotar o protestantismo;[25]
  • As incursões otomanas diminuíram os conflitos entre protestantes e católicos, ajudando a Reforma a criar raízes;[29]
  • Maior autonomia política aumentou a probabilidade de que o protestantismo fosse adotado;[15][30]
  • Onde os reformadores protestantes desfrutavam do patrocínio principesco, eles tinham muito mais probabilidade de sucesso;[31]
  • A proximidade de vizinhos que adotaram o protestantismo aumentou a probabilidade de adoção da Reforma;[30]
  • As cidades com maior número de alunos matriculados em universidades heterodoxas e menor número de alunos matriculados em universidades ortodoxas eram mais propensas a adotar o protestantismo.[31]

Os seguintes fatores do lado da demanda foram identificados como causas da Reforma:[28]

  • Cidades com fortes cultos de santos eram menos propensas a adotar o protestantismo;[32]
  • As cidades onde a primogenitura era praticada eram menos propensas a adotar o protestantismo;[33]
  • Regiões que eram pobres, mas tinham grande potencial econômico e instituições políticas ruins eram mais propensas a adotar o protestantismo;[34]
  • A presença de bispados tornou a adoção do protestantismo menos provável;[15]
  • A presença de mosteiros tornou a adoção do protestantismo menos provável.[34]

Um estudo de 2020 vinculou a disseminação do protestantismo a laços pessoais com Lutero (por exemplo, correspondentes de cartas, visitas, ex-alunos) e rotas comerciais.[35]

DisseminaçãoEditar

Sacro Império, Suíça e FrançaEditar

No início do século XVI, o monge alemão Martinho Lutero, abraçando as ideias dos pré-reformadores, proferiu três sermões contra as indulgências em 1516 e 1517. Em 31 de outubro de 1517 foram pregadas as 95 Teses na porta da Catedral de Wittenberg, com um convite aberto a uma disputa escolástica sobre elas.[36] Esse fato é considerado como o início da Reforma Protestante.[37] Essas teses condenavam a "avareza e o paganismo" na Igreja, e pediam um debate teológico sobre o que as indulgências significavam. As 95 Teses foram logo traduzidas para o alemão e amplamente copiadas e impressas. Após um mês se haviam espalhado por toda a Europa.[38]

Após diversos acontecimentos, em junho de 1518 foi aberto um processo por parte da Igreja Romana contra Lutero, a partir da publicação das suas 95 Teses. Alegava-se, com o exame do processo, que ele incorria em heresia. Depois disso, em agosto de 1518, o processo foi alterado para heresia notória.[39] Finalmente, em junho de 1520 reapareceu a ameaça no escrito "Exsurge Domini" e, em janeiro de 1521, a bula "Decet Romanum Pontificem" excomungou Lutero. Devido a esses acontecimentos, Lutero foi exilado no Castelo de Wartburg, em Eisenach, onde permaneceu por cerca de um ano. Durante esse período de retiro forçado, Lutero trabalhou na sua tradução da Bíblia para o alemão, da qual foi impresso o Novo Testamento, em setembro de 1522.[40]

 
Extensão da Reforma Protestante na Europa

Enquanto isso, em meio ao clero saxônio, aconteceram renúncias ao voto de castidade, ao mesmo tempo em que outros tantos atacavam os votos monásticos. Entre outras coisas, muitos realizaram a troca das formas de adoração e terminaram com as missas, assim como a eliminação das imagens nas igrejas e a ab-rogação do celibato. Ao mesmo tempo em que Lutero escrevia "a todos os cristãos para que se resguardem da insurreição e rebelião". Seu casamento com a ex-monja cisterciense Catarina von Bora incentivou o casamento de outros padres e freiras que haviam adotado a Reforma. Com estes e outros atos consumou-se o rompimento definitivo com a Igreja Romana.[41] Em janeiro de 1521 foi realizada a Dieta de Worms que teve um papel importante na Reforma, pois nela Lutero foi convocado para desmentir as suas teses; no entanto, ele defendeu-as e pediu a reforma.[42] Autoridades de várias regiões do Sacro Império Romano-Germânico pressionadas pela população e pelos luteranos, expulsavam e até assassinavam sacerdotes católicos das igrejas, substituindo-os por religiosos com formação luterana.

Toda essa rebelião ideológica resultou também em rebeliões armadas, com destaque para a Guerra dos Camponeses (1524-1525). Esta guerra foi, de muitas maneiras, uma resposta aos discursos de Lutero e de outros reformadores. Revoltas de camponeses já tinham existido em pequena escala em Flandres (1321-1323), na França (1358), na Inglaterra (1381-1388), durante as guerras hussitas do século XV, e muitas outras até o XVIII. A revolta foi incitada principalmente pelo seguidor de Lutero, Thomas Münzer, que comandou massas camponesas contra a nobreza imperial, pois propunha uma sociedade sem diferenças entre ricos e pobres e sem propriedade privada, Lutero por sua vez defendia que a existência de "senhores e servos" era vontade divina, motivo pelo qual eles romperam,[43] sendo que Lutero condenou Münzer e essa revolta.[44]

Em 1530, foi apresentada na Dieta imperial convocada pelo imperador Carlos V, realizada em abril desse ano, a Confissão de Augsburgo, escrita por Felipe Melanchton[45] com o apoio da Liga de Esmalcalda. Os representantes católicos na dieta resolveram preparar uma refutação ao documento luterano em agosto, a Confutatio Pontificia (Confutação), que foi lida na dieta. O imperador exigiu que os luteranos admitissem que sua confissão havia sido refutada. A reação luterana surgiu na forma da Apologia da Confissão de Augsburgo, que estava pronta para ser apresentada em setembro do mesmo ano, mas foi rejeitada pelo Imperador. A Apologia foi publicada por Felipe Melanchton no fim de maio de 1531, tornando-se confissão de fé oficial quando foi assinada, juntamente com a Confissão de Augsburgo, em Esmalcalda, em 1537.[46]

Ao mesmo tempo em que ocorria uma reforma em um sentido determinado, alguns grupos protestantes realizaram a chamada Reforma Radical. Queriam uma reforma mais profunda. Foram parte importante dessa reforma radical os anabatistas, cujas principais características eram a defesa da total separação entre igreja e estado e o "novo batismo"[47] (que em grego é anabaptizo). Enquanto no Sacro Império a reforma era liderada por Lutero, Na França e na Suíça a Reforma teve como líderes João Calvino e Ulrico Zuínglio.[48]

João Calvino foi inicialmente um humanista. Foi integrante do clero, todavia não chegou a ser ordenado sacerdote romano. Depois do seu afastamento da Igreja romana, este intelectual começou a ser visto como um representante importante do movimento protestante.[49] Vítima das perseguições aos huguenotes na França, fugiu para Genebra em 1533[50] onde faleceu em 1564. Genebra tornou-se um centro do protestantismo europeu e João Calvino permanece desde então como uma figura central da história da cidade e da Suíça. Calvino publicou as Institutas da Religião Cristã,[51] que são uma importante referência para o sistema de doutrinas adotado pelas Igrejas Reformadas.[52]

Os problemas com os huguenotes somente concluíram quando o rei Henrique IV, um ex-huguenote, emitiu o Édito de Nantes, declarando tolerância religiosa e prometendo um reconhecimento oficial da minoria protestante, mas sob condições muito restritas. O catolicismo romano se manteve como religião oficial estatal e as fortunas dos protestantes franceses diminuíram gradualmente ao longo do século seguinte, culminando no Édito de Fontainebleau de Luis XIV, que revogou o Édito de Nantes e fez de Roma a única Igreja legal na França. Em resposta ao Édito de Fontainebleau, Frederick William de Brandemburgo declarou o Édito de Potsdam, dando passagem livre a franceses huguenotes refugiados e isentando-os de impostos durante 10 anos.[carece de fontes?]

Ulrico Zuínglio foi o líder da reforma suíça e fundador das igrejas reformadas suíças. Zuínglio não deixou igrejas organizadas, mas as suas doutrinas influenciaram as confissões calvinistas. A reforma de Zuínglio foi apoiada pelo magistrado e pela população de Zurique, levando a mudanças significativas na vida civil e em assuntos de estado em Zurique.[53]

InglaterraEditar

 Ver artigo principal: Reforma Inglesa

O curso da Reforma foi diferente na Inglaterra. Desde há muito tempo que havia uma forte corrente anticlerical, tendo a Inglaterra já visto o movimento Lollardo, que inspirou os hussitas na Boémia. No entanto, ao redor de 1520 os lollardos já não eram uma força ativa, ou pelo menos um movimento de massas. Embora Henrique VIII tivesse defendido a Igreja Romana com o livro Assertio Septem Sacramentorum (Defesa dos Sete Sacramentos), que contrapunha as 95 Teses de Martinho Lutero, Henrique promoveu a Reforma Inglesa para satisfazer as suas necessidades políticas. Sendo este casado com Catarina de Aragão, que não lhe havia dado filho homem, Henrique solicitou ao papa Clemente VII a anulação do casamento.[54] Perante a recusa do papado, Henrique fez-se proclamar, em 1531, protetor da Igreja inglesa. O Ato de Supremacia, votado no parlamento em novembro de 1534, colocou Henrique e os seus sucessores na liderança da igreja, nascendo assim o anglicanismo. Os súditos deveriam submeter-se ou então seriam excomungados, perseguidos[55] e executados, tribunais religiosos foram instaurados e católicos foram obrigados à assistir cultos protestantes,[56] muitos importantes opositores foram mortos, tais como Thomas More, o bispo John Fischer e alguns sacerdotes, frades franciscanos e monges cartuxos. Quando Henrique foi sucedido pelo seu filho Eduardo VI em 1547, os protestantes viram-se em ascensão no governo. Uma reforma mais radical foi imposta diferenciando o anglicanismo ainda mais do catolicismo romano.[57]

Seguiu-se uma breve reação romana durante o reinado de Maria I (1553–1558). De início moderada na sua política religiosa, Maria procura a reconciliação com Roma, consagrada em 1554, quando o parlamento votou o regresso à obediência ao papa.[54] Um consenso começou a surgir durante o reinado de Isabel I. Em 1559, Isabel I retornou ao anglicanismo com o restabelecimento do Ato de Supremacia e do Livro de Orações de Eduardo VI. Através da Confissão dos Trinta e Nove Artigos (1563), Isabel alcançou um compromisso entre o protestantismo e o catolicismo romano: embora o dogma se aproximasse do calvinismo, só admitindo como sacramentos o Batismo e a Eucaristia, foi mantida a hierarquia episcopal e o fausto das cerimônias religiosas. A Reforma na Inglaterra procurou preservar o máximo da Tradição Romana (episcopado, liturgia e sacramentos). A Igreja da Inglaterra sempre se viu como a ecclesia anglicanae, ou seja, A Igreja cristã na Inglaterra e não como uma derivação da Igreja de Roma ou do movimento reformista do século XVI. A Reforma Anglicana buscou ser a "via média" entre Roma e o protestantismo.[58]

Em 1561, apareceu uma confissão de fé com uma Exortação à Reforma da Igreja modificando seu sistema de liderança, pelo qual nenhuma igreja deveria exercer qualquer autoridade ou governo sobre outras, e ninguém deveria exercer autoridade na Igreja se isso não lhe fosse conferido por meio de eleição. Esse sistema, considerado "separatista" pela Igreja Anglicana, ficou conhecido como congregacionalismo.[59] Richard Fytz é considerado o primeiro pastor de uma igreja congregacional, entre os anos de 1567 e 1568, na cidade de Londres. Por volta de 1570, ele publicou um manifesto intitulado As Verdadeiras Marcas da Igreja de Cristo.[60] Em 1580, Robert Browne, um clérigo anglicano que se tornou separatista, junto com o leigo Robert Harrison, organizou em Norwich uma congregação cujo sistema era congregacionalista,[61] sendo um claro exemplo de igreja desse sistema. Na Escócia, John Knox (1505-1572), que tinha estudado com João Calvino em Genebra, levou o Parlamento da Escócia a abraçar a Reforma Protestante em 1560, sendo estabelecido o presbiterianismo. A primeira Igreja Presbiteriana, a Igreja da Escócia (ou Kirk), foi fundada como resultado disso.[62]

Países Baixos e EscandináviaEditar

A Reforma nos Países Baixos, diferente de alguns outros países, não foi iniciado pelos governantes das Dezessete Províncias, mas sim por vários movimentos populares que, por sua vez, foram reforçados com a chegada dos protestantes refugiados de outras partes do continente. Enquanto o movimento anabatista gozava de popularidade na região nas primeiras décadas da Reforma, o calvinismo, através da Igreja Reformada Holandesa, tornou a fé protestante dominante no país desde a década de 1560 em diante. No início de agosto de 1566, uma multidão de protestantes invadiu a Igreja de Hondschoote na Flandres (atualmente Norte da França) com a finalidade de destruir as imagens católicas,[63][64][65] esse incidente provocou outros semelhantes nas províncias do norte e sul, até Beeldenstorm, em que calvinistas invadiram igrejas e outros edifícios católicos para destruir estátuas e imagens de santos em toda a Holanda, pois de acordo com os calvinistas, estas estátuas representavam culto de ídolos. Duras perseguições aos protestantes pelo governo espanhol de Felipe II contribuíram para um desejo de independência nas províncias, o que levou à Guerra dos Oitenta Anos e finalmente, a separação da zona protestante (atual Holanda, ao norte) da zona católica (atual Bélgica, ao sul).[62]

Teve grande importância durante a Reforma um teólogo holandês: Erasmo de Roterdã. No auge de sua fama literária, foi inevitavelmente chamado a tomar partido nas discussões sobre a Reforma. Inicialmente, Erasmo se simpatizou com os principais pontos da crítica de Lutero, descrevendo-o como "uma poderosa trombeta da verdade do evangelho" e admitindo que, "É claro que muitas das reformas que Lutero pede são urgentemente necessárias.".[66] Lutero e Erasmo demonstraram admiração mútua, porém Erasmo hesitou em apoiar Lutero devido a seu medo de mudanças na doutrina. Em seu Catecismo (intitulado Explicação do Credo Apostólico, de 1533), Erasmo tomou uma posição contrária a Lutero por aceitar o ensinamento da "Sagrada Tradição" não escrita como válida fonte de inspiração além da Bíblia, por aceitar no cânon bíblico os livros deuterocanônicos e por reconhecer os sete sacramentos.[67] Estas e outras discordâncias, como por exemplo, o tema do Livre arbítrio fizeram com que Lutero e Erasmo se tornassem opositores.[carece de fontes?]

 
Catedral luterana em Helsinque, Finlândia

Na Dinamarca, a difusão das ideias de Lutero deveu-se a Hans Tausen. Em 1536[68] na Dieta de Copenhaga, o rei Cristiano III aboliu a autoridade dos bispos católicos, tendo sido confiscados os bens das igrejas e dos mosteiros. O rei atribuiu a Johann Bugenhagen, discípulo de Lutero, a responsabilidade de organizar uma Igreja Luterana nacional.[69] A Reforma na Noruega e na Islândia foi uma conseqüência da dominação da Dinamarca sobre estes territórios; assim, logo em 1537 ela foi introduzida na Noruega e entre 1541 e 1550[68] na Islândia, tendo assumido neste último território características violentas.

Na Suécia, o movimento reformista foi liderado pelos irmãos Olaus Petri e Laurentius Petri. Teve o apoio do rei Gustavo I,[70] que rompeu com Roma em 1525, na Dieta de Vesteras. O luteranismo, então, penetrou neste país estabelecendo-se em 1527.[68] Em 1593, a Igreja sueca adotou a Confissão de Augsburgo. Na Finlândia, as igrejas faziam parte da Igreja sueca até o início do século XIX, quando foi formada uma igreja nacional independente, a Igreja Evangélica Luterana da Finlândia.[carece de fontes?]

Outras partes da EuropaEditar

Na Hungria, a disseminação do protestantismo foi auxiliada pela minoria étnica alemã, que podia traduzir os escritos de Lutero. Enquanto o luteranismo ganhou uma posição entre a população de língua alemã, o calvinismo se tornou amplamente popular entre a etnia húngara.[71] Provavelmente, os protestantes chegaram a ser maioria na Hungria até o final do século XVI, mas os esforços da Contrarreforma no século XVII levaram uma maioria do reino de volta ao catolicismo romano.[72]

Fortemente perseguida, a Reforma praticamente não penetrou em Portugal e Espanha. Ainda assim, uma missão francesa enviada por João Calvino se estabeleceu em 1557 numa das ilhas da baía de Guanabara, localizada no Brasil, então colônia de Portugal. Ainda que tenha durado pouco tempo, deixou como herança a Confissão de Fé da Guanabara.[73] Por volta de 1630, durante o domínio holandês em Pernambuco, a Igreja Reformada Neerlandesa (Igreja Protestante na Holanda) instalou-se no Brasil. Tinha ao conde Maurício de Nassau como seu membro mais ilustre. Esse período se encerrou com a Guerra da Restauração portuguesa.[74] Na Espanha, as ideias reformadas influíram em dois monges católicos: Casiodoro de Reina, que fez a primeira tradução da Bíblia para o idioma espanhol, e Cipriano de Valera, que fez sua revisão,[75] originando a conhecida como Biblia Reina-Valera.[76]

LegadoEditar

Não há acordo universal sobre a data exata ou aproximada em que a Reforma terminou. Várias interpretações enfatizam datas diferentes, períodos inteiros ou argumentam que a Reforma nunca terminou realmente. No entanto, existem algumas interpretações populares. A Paz de Augsburgo em 1555 encerrou oficialmente a luta religiosa entre os dois grupos e tornou a divisão legal do cristianismo permanente dentro do Sacro Império Romano-Germânico, permitindo que os governantes escolhessem o luteranismo ou o catolicismo romano como a confissão oficial de seu estado. Pode-se considerar que termina com a promulgação das confissões de fé. Outros anos finais sugeridos estão relacionados à Contrarreforma ou à Paz de Vestfália em 1648. De uma perspectiva católica, o Concílio Vaticano II pediu o fim da Contrarreforma.[77]

Os seis príncipes do Sacro Império Romano-Germânico e governantes de quatorze Cidades Livres Imperiais, que emitiram um protesto (ou dissidência) contra o edito da Dieta de Speyer (1529), foram os primeiros indivíduos a serem chamados de protestantes.[78] O edito reverteu as concessões feitas aos luteranos com a aprovação do Imperador Romano-Germânico Carlos V três anos antes. O termo protestante, embora inicialmente de natureza puramente política, mais tarde adquiriu um sentido mais amplo, referindo-se a um membro de qualquer igreja ocidental que aderisse aos principais princípios protestantes.[78] Hoje, o protestantismo constitui a segunda maior forma de cristianismo (depois do catolicismo), com um total de 800 milhões até 1 bilhão de adeptos em todo o mundo; ou cerca de 37% de todos os cristãos.[79][80] protestantes desenvolveram sua própria cultura, com grandes contribuições na educação, nas humanidades e nas ciências, na ordem política e social, na economia e nas artes e em muitos outros campos.[81] Os seguintes resultados da Reforma com relação à formação de capital humano , a ética protestante, o desenvolvimento econômico, a governança e os resultados "sombrios" foram identificados por estudiosos:[28]

Guerra dos Trinta Anos: 1618-1648Editar

 Ver artigo principal: Guerra dos Trinta Anos
 
O Tratado de Vestfália permitiu que o calvinismo fosse exercido livremente, reduzindo a necessidade do cripto-calvinismo

Os conflitos da era da Reforma e da Contrarreforma são chamados de guerras religiosas europeias. Em particular, a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) devastou grande parte da Alemanha, matando entre 25% e 40% de toda a sua população.[82] A católica Casa de Habsburgo e seus aliados lutaram contra os príncipes protestantes da Alemanha, apoiados em vários momentos pela Dinamarca, Suécia e França. Os Habsburgos, que governaram a Espanha, Áustria, a Coroa da Boêmia, Hungria, Terras Eslovenas, Holanda espanhola e grande parte da Alemanha e Itália, foram defensores ferrenhos da Igreja Católica. Alguns historiadores acreditam que a era da Reforma chegou ao fim quando a França católica se aliou aos Estados protestantes contra a dinastia dos Habsburgos.

Dois princípios principais da Paz de Vestfália, que encerrou a Guerra dos Trinta Anos, foram:

  • Todas as partes agora reconheceriam a Paz de Augsburgo de 1555, pela qual cada príncipe teria o direito de determinar a religião de seu próprio Estado, as opções sendo o catolicismo, o luteranismo e agora o calvinismo (o princípio do cuius regio, eius religio);
  • Os cristãos que viviam em principados onde sua denominação não era a igreja estabelecida tinham garantido o direito de praticar sua fé em público durante as horas designadas e em particular conforme sua vontade.

O tratado também acabou com o poder político pan-europeu do papado. O Papa Inocêncio X declarou o tratado "nulo, inválido, iníquo, injusto, condenável, réprobo, fútil, vazio de significado e efeito para todos os tempos" em sua bula Zelo Domus Dei. Soberanos europeus, católicos e protestantes, ignoraram seu veredicto.[83]

ContrarreformaEditar

 Ver artigo principal: Contrarreforma

Uma vez que a Reforma Protestante desconsiderou e combateu diversas doutrinas e dogmas católicos, e provocou as maiores divisões no cristianismo,[84][85] a Igreja Católica Romana convocou o Concílio de Trento (1545-1563),[86] que resultou no início da Contrarreforma ou Reforma Católica,[87] na qual os jesuítas tiveram um papel importante.[88] A Inquisição e a censura exercida pela Igreja Romana foram igualmente determinantes para evitar que as ideias reformadoras encontrassem divulgação em Portugal, Espanha ou Itália, países católicos.[89] As igrejas protestantes por sua vez, ao mesmo tempo em que propagavam a bíblia e suas ideias graças a invenção da máquina tipográfica de Johannes Gutenberg, também tornaram proibidos uma série de livros católicos e outros que contrariavam suas doutrinas.[90] Edward Macnall Burns observou que "do câncer maligno da intolerância", "não escaparam católicos nem protestantes".[91]

O biógrafo de João Calvino, o francês Bernard Cottret, escreveu:

Com o Concílio de Trento (1545-1563)… trata-se da racionalização e reforma da vida do clero. A Reforma Protestante é para ser entendida num sentido mais extenso: ela denomina a exortação ao regresso aos valores cristãos de cada "indivíduo".

Segundo Bernard Cottret, diferente da pregação romana que defende a salvação na igrejaː[92]

A reforma cristã, em toda a sua diversidade, aparece centrada na teologia da salvação. A salvação, no cristianismo, é forçosamente algo de individual, diz mais respeito ao indivíduo do que à comunidade.[93]

Seguiram-se uma série de importantes acontecimentos e conflitos entre as duas religiões, como o Massacre da noite de São Bartolomeu, ocorrido como parte das Guerras Francesas, organizada pela casa real francesa contra os calvinistas franceses (huguenotes), em 24 de agosto de 1572 e duraram vários meses, inicialmente em Paris e depois em outras cidades francesas. Números precisos para as vítimas nunca foram compilados,[94] e até mesmo nos escritos dos historiadores modernos há uma escala considerável de diferença,[95] que têm variado de 2 mil vítimas, até a afirmação de 70 mil, pelo contemporâneo e apologista huguenote duque de Sully, que escapou por pouco da morte.[96][97]

Nos países protestantes por sua vez, foi feita a expulsão e o massacre de sacerdotes católicos,[98] bem como a matança em massa de aproximadamente 30 000 anabatistas, desde o seu surgimento em 1535, até os dez anos seguintes. Na Inglaterra, por sua vez, católicos foram executados em massa, tribunais religiosos foram instaurados e muitos foram obrigados à assistir cultos protestantes,[99] forçando assim sua conversão ao protestantismo mediante o terror.[99]

Formação de capital humanoEditar

  • Taxas mais altas de alfabetização;[100]
  • Menor diferença de gênero nas taxas de escolarização e alfabetização;[101]
  • Maior número de matrículas no ensino fundamental;[102]
  • Maior gasto público com escolaridade e melhor desempenho educacional dos recrutas militares;[103]
  • Maior capacidade em leitura, matemática, redação de ensaios e história.[104]

Ética protestanteEditar

 Ver artigo principal: Ética protestante do trabalho
  • Mais horas trabalhadas;[105]
  • Atitudes de trabalho divergentes de protestantes e católicos;[106]
  • Menos referendos sobre lazer, intervenção estatal e redistribuição nos cantões suíços com mais protestantes;[107]
  • Menor satisfação com a vida quando desempregado;[108]
  • Atitudes pró-mercado;[109]
  • Diferenças de renda entre protestantes e católicos;[100]

Desenvolvimento econômicoEditar

 
Katharina von Bora desempenhou um papel na formação da ética social durante a Reforma.
  • Diferentes níveis de receita de imposto de renda per capita, % da força de trabalho na indústria e serviços e rendimentos de professores do ensino fundamental;[100]
  • Crescimento das cidades protestantes;[110][111]
  • Maior empreendedorismo entre as minorias religiosas nos estados protestantes;[112][113]
  • Éticas sociais diferentes;[114]
  • Industrialização.[115]

GovernançaEditar

Resultados negativosEditar

  • Os julgamentos de bruxas tornaram-se mais comuns em regiões ou outras jurisdições onde protestantes e católicos contestavam o mercado religioso;[124]
  • Os protestantes tinham muito mais probabilidade de votar nos nazistas do que seus colegas católicos alemães;[125] Christopher J. Probst, em seu livro Demonizing the Jewish: Luther and the Protestant Church in Nazi Germany (2012), mostra que um grande número de clérigos e teólogos protestantes alemães durante o Terceiro Reich nazista usaram as publicações hostis de Lutero contra os judeus e o judaísmo para justificar, pelo menos em parte, as políticas antissemitas dos nacional-socialistas.[126]
  • Maior taxa de suicídio e maior aceitabilidade de suicídio.[127][128]

Referências

  1. Armstrong, Alstair (2002). European Reformation: 1500–1610 (Heinemann Advanced History): 1500–55. [S.l.]: Heinemann Educational. ISBN 0-435-32710-0 
  2. Davies Europe pp. 291–293
  3. Fahlbusch, Erwin, and Bromiley, Geoffrey William (2003). The Encyclopedia of Christianity, Volume 3. Grand Rapids, Michigan: Eerdmans. p. 362.
  4. «Counter Reformation». Encyclopædia Britannica. Consultado em 16 de setembro de 2021 
  5. Lacey Baldwin Smith, This Realm of England: 1399 to 1688 (3rd ed. 1976), p. 41
  6. Emily Michael, "John Wyclif on body and mind", Journal of the History of Ideas (2003) p. 343.
  7. Hollister & Bennett 2002, p. 342.
  8. Mahoney, William (2011). The History of the Czech Republic and Slovakia. Santa Barbara, CA: Greenwood. ISBN 978-0-313-36306-1 
  9. Oberman and Walliser-Schwarzbart Luther: Man between God and the Devil pp. 54–55
  10. Douglas (ed.) "Wycliffe, John" New International Dictionary of the Christian Church
  11. Patrick, James A. (2007). Renaissance and Reformation. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7614-7650-4 
  12. "Fresco fragment revives Papal scandal". BBC News. 21 de julho de 2007.
  13. «The Death of Alexander VI, 1503». Eyewitness to History. 2007. Consultado em 27 de julho de 2014 
  14. Schofield Martin Luther p. 122
  15. a b c d e Rubin, "Printing and Protestants" Review of Economics and Statistics pp. 270–286
  16. Atkinson Fitzgerald "Printing, Reformation and Information Control" Short History of Copyright pp. 15–22
  17. Whaley, pp. 222–23, 226
  18. Whaley, pp. 222–23
  19. Yarnell III, pp. 95–6
  20. Whaley, p. 220
  21. Horsch, John (1995). Mennonites in Europe. [S.l.]: Herald Press. ISBN 978-0-8361-1395-2 
  22. Euan Cameron (1991). The European Reformation. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-873093-4 
  23. Andrew P. Klager, "Ingestion and Gestation: Peacemaking, the Lord's Supper, and the Theotokos in the Mennonite-Anabaptist and Eastern Orthodox Traditions," Journal of Ecumenical Studies 47, no. 3 (summer 2012): pp. 441–442.
  24. Pettegree Reformation World p. 543
  25. a b «Media, Markets and Institutional Change: Evidence from the Protestant Reformation» (PDF) 
  26. Pettegree and Hall "Reformation and the Book Historical Journal p. 786
  27. Weimer "Luther and Cranach" Lutheran Quarterly pp. 387–405
  28. a b c Becker, Sascha O.; Pfaff, Steven; Rubin, Jared (2016). «Causes and Consequences of the Protestant Reformation» (PDF). Explorations in Economic History. 62: 1–25. doi:10.1016/j.eeh.2016.07.007 
  29. Iyigun, Murat (1 de novembro de 2008). «Luther and Suleyman». The Quarterly Journal of Economics. 123: 1465–1494. ISSN 0033-5533. doi:10.1162/qjec.2008.123.4.1465 
  30. a b Cantoni, Davide (1 de maio de 2012). «Adopting a New Religion: the Case of Protestantism in 16th Century Germany» (PDF). The Economic Journal. 122: 502–531. ISSN 1468-0297. doi:10.1111/j.1468-0297.2012.02495.x 
  31. a b Kim, Hyojoung; Pfaff, Steven (1 de abril de 2012). «Structure and Dynamics of Religious Insurgency Students and the Spread of the Reformation». American Sociological Review. 77: 188–215. ISSN 0003-1224. doi:10.1177/0003122411435905 
  32. Pfaff, Steven (12 de março de 2013). «The true citizens of the city of God: the cult of saints, the Catholic social order, and the urban Reformation in Germany». Theory and Society. 42: 189–218. ISSN 0304-2421. doi:10.1007/s11186-013-9188-x 
  33. Ekelund, Jr., Robert B.; Hébert, Robert F.; Tollison, Robert D. (1 de junho de 2002). «An Economic Analysis of the Protestant Reformation» (PDF). Journal of Political Economy. 110: 646–671. ISSN 0022-3808. doi:10.1086/339721 
  34. a b Curuk, Malik; Smulders, Sjak (15 de julho de 2016). Malthus Meets Luther: the Economics Behind the German Reformation (Relatório). SSRN 2828615  
  35. Becker, Sascha O.; Hsiao, Yuan; Pfaff, Steven; Rubin, Jared (1 de setembro de 2020). «Multiplex Network Ties and the Spatial Diffusion of Radical Innovations: Martin Luther's Leadership in the Early Reformation». American Sociological Review (em inglês). 85: 857–894. doi:10.1177/0003122420948059 
  36. «Monergismo». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  37. «Folha Online». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  38. «ARQnet». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  39. «Águas Vivas». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  40. «IELB (Igreja Evangélica Luterana do Brasil)». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 15 de março de 2009 
  41. «Música e Adoração». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  42. «Monergismo». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  43. História das cavernas ao terceiro milênio. Myriam Becho Mota. Patrícia Ramos Braick. Volume I. Editora Moderna. Pág.: 179. ISBN 85-16-0402-4.
  44. «DW-World». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  45. «IELB». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  46. «CELST (Comunidade Evangélica Luterana Santíssima Trindade)». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2008 
  47. «Águas Vivas». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  48. Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History (título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1, pág 256-259
  49. «Sara Nossa Terra». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  50. «CACP» 🔗. Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 14 de julho de 2008 
  51. «Portal Mackenzie». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 16 de setembro de 2008 
  52. «Teu Ministério». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 18 de março de 2009 
  53. «Levando a Palavra». Consultado em 13 de outubro de 2008 [ligação inativa]
  54. a b «Saber História». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2009 
  55. «Veritatis». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  56. Macaulay. A História da Inglaterra. Lípsia, pag.:54.
  57. «Cleofas». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2009 
  58. «Metodista». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 8 de janeiro de 2009 
  59. «Centro White» (PDF). Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original (pdf) em 5 de fevereiro de 2009 
  60. «IECT (Igreja Evangélica Congregacional da Tijuca)». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  61. «Portal Mackenzie». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 15 de março de 2009 
  62. a b «Arminianismo». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  63. Van der Horst, Han (2000). Nederland, de vaderlandse geschiedenis van de prehistorie tot nu (in Dutch) (3rd ed.). Bert Bakker. pp. 133. ISBN 90-351-2722-6.
  64. Spaans, J. "Catholicism and Resistance to the Reformation in the Northern Netherlands". In: Benedict, Ph.
  65. Spaans, J. Reformation, Revolt and Civil War in France and the Netherlands, 1555-1585 (Amsterdam 1999), 149-163.
  66. Galli, Mark, and Olsen, Ted. 131 Christians Everyone Should Know. Nashville: Holman Reference, 2000, p. 344.
  67. Opera omnia Desiderii Erasmi Roterodami, vol. V/1, Amsterdam: Norht-Holland, pp. 278-290
  68. a b c «Missão Jovem». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 17 de outubro de 2008 
  69. «Centro de literatura». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 18 de março de 2009 
  70. «Monergismo». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  71. Revesz, Imre, History of the Hungarian Reformed Church, Knight, George A.F. ed., Hungarian Reformed Federation of America (Federação Reformada Húngara da América) (Washington, D.C.: 1956).
  72. «Eldr Barry» (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2008 
  73. «IPB (Igreja Presbiteriana do Brasil)». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2009 
  74. [1]
  75. «IELB». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 15 de março de 2009 
  76. «Literatura Bautista» (em espanhol). Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 8 de março de 2007 
  77. Wills, Garry (7 de novembro de 2019). «Changing the 'Changeless' Church». New York Review of Books (em inglês). ISSN 0028-7504. Consultado em 14 de março de 2020 
  78. a b «protestant – Origin and meaning of protestant by Online Etymology Dictionary». www.etymonline.com 
  79. «Pewforum: Grobal Christianity» (PDF). Consultado em 14 de maio de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 1 de novembro de 2013 
  80. «Christianity 2015: Religious Diversity and Personal Contact» (PDF). gordonconwell.edu. Janeiro de 2015. Consultado em 29 de maio de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 25 de maio de 2017 
  81. Karl Heussi, Kompendium der Kirchengeschichte, 11. Auflage (1956), Tübingen (Germany), pp. 317–319, 325–326
  82. "History of Europe – Demographics". Encyclopædia Britannica.
  83. Cross, (ed.) "Westphalia, Peace of" Oxford Dictionary of the Christian Church
  84. «Reforma (protestante)». Enciclopédia Católica Popular. Consultado em 3 de Junho de 2009 
  85. «Ortodoxos». Enciclopédia Católica Popular. Consultado em 3 de Junho de 2009 
  86. «Archivo Secreto Vaticano» (em espanhol). Consultado em 20 de outubro de 2008. Arquivado do original em 18 de dezembro de 2008 
  87. «Saber História». Consultado em 13 de outubro de 2008. Arquivado do original em 15 de outubro de 2008 
  88. «Lepanto». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  89. «Jornal A Gaxéta». Consultado em 20 de outubro de 2008. Arquivado do original em 15 de março de 2009 
  90. Ecce Homo. Apresentado pela TV Escola. 2009.
  91. BURNS, Edward Macnall, História da civilização ocidental, vol. I, p. 479.
  92. «Globo». Consultado em 18 de outubro de 2008 
  93. «Águas Vivas». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  94. François Guizot in his A Popular History of France from the Earliest Times, Volume IV
  95. Armstrong, Alastair (2003), France 1500-1715, Heinemann, pp. 70-71 ISBN 0-435-32751-8
  96. Saint Bartholomew’s Day, Massacre of (2008) Encyclopaedia Britannia Deluxe Edition, Chicago;
  97. «DW-World». Consultado em 13 de outubro de 2008 
  98. Janssen, Johannes, History of the German People From the Close of the Middle Ages, 16 vols., tr. AM Christie, St. Louis: B. Herder, 1910 (orig. 1891).
  99. a b Macaulay. A História da Inglaterra. Lípsia, pag.:54.
  100. a b c Becker, Sascha O.; Woessmann, Ludger (1 de maio de 2009). «Was Weber Wrong? A Human Capital Theory of Protestant Economic History». The Quarterly Journal of Economics. 124: 531–596. CiteSeerX 10.1.1.657.9590 . ISSN 0033-5533. doi:10.1162/qjec.2009.124.2.531 
  101. Becker, Sascha O.; Woessmann, Ludger (1 de dezembro de 2008). «Luther and the Girls: Religious Denomination and the Female Education Gap in Nineteenth-century Prussia*». Scandinavian Journal of Economics. 110: 777–805. ISSN 1467-9442. doi:10.1111/j.1467-9442.2008.00561.x 
  102. Becker, Sascha O.; Woessmann, Ludger (1 de maio de 2010). «The effect of Protestantism on education before the industrialization: Evidence from 1816 Prussia». Economics Letters. 107: 224–228. CiteSeerX 10.1.1.517.2101 . doi:10.1016/j.econlet.2010.01.031 
  103. Boppart, Timo; Falkinger, Josef; Grossmann, Volker; Woitek, Ulrich; Wüthrich, Gabriela (1 de abril de 2013). «Under which conditions does religion affect educational outcomes?» (PDF). Explorations in Economic History. 50: 242–266. doi:10.1016/j.eeh.2012.12.001 
  104. Boppart, Timo; Falkinger, Josef; Grossmann, Volker (1 de abril de 2014). «Protestantism and Education: Reading (the Bible) and Other Skills» (PDF). Economic Inquiry. 52: 874–895. ISSN 1465-7295. doi:10.1111/ecin.12058 
  105. Spenkuch, Jörg L. (20 de março de 2011). «The Protestant Ethic and Work: Micro Evidence from Contemporary Germany». Rochester, NY: Social Science Research Network. SSRN 1703302  
  106. Schaltegger, Christoph A.; Torgler, Benno (1 de maio de 2010). «Work ethic, Protestantism, and human capital» (PDF). Economics Letters. 107: 99–101. doi:10.1016/j.econlet.2009.12.037 
  107. Basten, Christoph; Betz, Frank (2013). «Beyond Work Ethic: Religion, Individual, and Political Preferences» (PDF). American Economic Journal: Economic Policy. 5: 67–91. doi:10.1257/pol.5.3.67 
  108. van Hoorn, André; Maseland, Robbert (1 de julho de 2013). «Does a Protestant work ethic exist? Evidence from the well-being effect of unemployment» (PDF). Journal of Economic Behavior & Organization. 91: 1–12. doi:10.1016/j.jebo.2013.03.038 
  109. Hayward, R. David; Kemmelmeier, Markus (1 de novembro de 2011). «Weber Revisited A Cross-National Analysis of Religiosity, Religious Culture, and Economic Attitudes». Journal of Cross-Cultural Psychology. 42: 1406–1420. ISSN 0022-0221. doi:10.1177/0022022111412527 
  110. Cantoni, Davide (1 de agosto de 2015). «The Economic Effects of the Protestant Reformation: Testing the Weber Hypothesis in the German Lands». Journal of the European Economic Association. 13: 561–598. ISSN 1542-4774. doi:10.1111/jeea.12117 
  111. «Origins of growth: How state institutions forged during the Protestant Reformation drove development». VoxEU.org. 26 de abril de 2016. Consultado em 26 de abril de 2016 
  112. Nunziata, Luca; Rocco, Lorenzo (1 de janeiro de 2014). «The Protestant Ethic and Entrepreneurship: Evidence from Religious Minorities from the Former Holy Roman Empire». University Library of Munich, Germany 
  113. Nunziata, Luca; Rocco, Lorenzo (20 de janeiro de 2016). «A tale of minorities: evidence on religious ethics and entrepreneurship». Journal of Economic Growth. 21: 189–224. ISSN 1381-4338. doi:10.1007/s10887-015-9123-2 
  114. Arruñada, Benito (1 de setembro de 2010). «Protestants and Catholics: Similar Work Ethic, Different Social Ethic*». The Economic Journal. 120: 890–918. ISSN 1468-0297. doi:10.1111/j.1468-0297.2009.02325.x 
  115. Spater, Jeremy; Tranvik, Isak (1 de novembro de 2019). «The Protestant Ethic Reexamined: Calvinism and Industrialization». Comparative Political Studies (em inglês). 52: 1963–1994. ISSN 0010-4140. doi:10.1177/0010414019830721 
  116. Nexon, D.H. (20 de abril de 2009). The Struggle for Power in Early Modern Europe: Religious Conflict, Dynastic Empires, and International Change. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-691-13793-3 
  117. Philpott, Daniel (1 de janeiro de 2000). «The Religious Roots of Modern International Relations». World Politics. 52: 206–245. ISSN 1086-3338. doi:10.1017/S0043887100002604 
  118. Stamatov, Peter (1 de agosto de 2010). «Activist Religion, Empire, and the Emergence of Modern Long-Distance Advocacy Networks». American Sociological Review. 75: 607–628. ISSN 0003-1224. doi:10.1177/0003122410374083 
  119. «Law and Revolution, II – Harold J. Berman | Harvard University Press». www.hup.harvard.edu. Consultado em 19 de abril de 2016 
  120. Gorski, Philip S. (1 de janeiro de 2000). «Historicizing the Secularization Debate: Church, State, and Society in Late Medieval and Early Modern Europe, ca. 1300 to 1700». American Sociological Review. 65: 138–167. JSTOR 2657295. doi:10.2307/2657295 
  121. Pullan, Brian (1 de janeiro de 1976). «Catholics and the Poor in Early Modern Europe». Transactions of the Royal Historical Society. 26: 15–34. JSTOR 3679070. doi:10.2307/3679070 
  122. kahl, sigrun (1 de abril de 2005). «the religious roots of modern poverty policy: catholic, lutheran, and reformed protestant traditions compared». European Journal of Sociology / Archives Européennes de Sociologie. 46: 91–126. ISSN 1474-0583. doi:10.1017/S0003975605000044 
  123. Madison, James (1865). Madison to Schaeffer, 1821. [S.l.: s.n.] pp. 242–43 
  124. «Witch Trials» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 13 de maio de 2016 
  125. «Special Interests at the Ballot Box? Religion and the Electoral Success of the Nazis» (PDF) 
  126. Christopher J. Probst, Demonizing the Jews: Luther and the Protestant Church in Nazi Germany, Indiana University Press in association with the United States Holocaust Memorial Museum, 2012, ISBN 978-0-253-00100-9
  127. Becker, Sascha O.; Woessmann, Ludger (25 de outubro de 2017). «Social Cohesion, Religious Beliefs, and the Effect of Protestantism on Suicide» (PDF). The Review of Economics and Statistics. 100: 377–391. ISSN 0034-6535. doi:10.1162/REST_a_00708 
  128. Torgler, Benno; Schaltegger, Christoph (1 de junho de 2014). «Suicide and Religion: New Evidence on the Differences Between Protestantism and Catholicism» (PDF). Journal for the Scientific Study of Religion. 53: 316–340. ISSN 1468-5906. doi:10.1111/jssr.12117 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar