Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

No Brasil, são conhecidas como reformas universitárias duas grandes alterações ocorridas no Ensino Superior, durante a ditadura militar e o governo Lula.

Índice

Regime militarEditar

A reforma universitária da ditadura militar (às vezes chamada também de reforma universitária de 1968) se trata de uma série de leis que modificaram o ensino superior no Brasil nas décadas de 1960 e 1970, incluindo como medidas, dentre outras, a substituição do sistema de cátedras pelo de departamentos, institutos e centros, e a a desintegração das Faculdades de Filosofia, Ciências e Letras.[1]

Dentre alguns importantes marcos da reforma, amparados pelo Ato Institucional n. 5 (1968), estiveram o Relatório Atcon (1966, 1970), a Lei n. 5.540 (1968), o Relatório Meira Mattos (1968), e o Decreto-lei n. 477 (1969).[2][3]

Em termos territoriais, a reforma representou uma mudança de organização. No Brasil, as primeiras universidades, datadas do início do século XX, foram instituídas pela reunião de faculdades isoladas já existentes. Mais tarde, veio o modelo de cidade universitária, com faculdades autônomas em edifícios isolados, distribuídos em uma extensa área, urbana ou rural. Com a reforma universitária, adotou-se o modelo americano de câmpus, com instalações separadas das cidades, possuindo edifícios com funções bem delimitadas, primando pelo racionalismo da arquitetura modernista.[3]

Governo LulaEditar

A reforma universitária do governo Lula, como parte do Plano de Desenvolvimento da Educação, constituiu-se em um conjunto de decretos, projetos de lei, resoluções e portarias.[4] Associados à reforma, estiveram o Prouni, o Enade, a Lei de Inovação Tecnológica, o Decreto das Fundações e a Universidade Nova.

A proposta original, com autoria do Ministério da Educação, foi elaborada gradativamente durante os primeiros anos do governo Lula, e sofreu alterações a partir de sugestões de diversos setores da sociedade que podem ser verificadas através de 4 anteprojetos. Em seguida foi enviado para discussão no Congresso Nacional onde recebeu diversas propostas de emendas. A primeira versão tem 35 páginas, a segunda 23, a terceira 57 e o quarta tem 23 páginas e ainda faz referências a outras leis durante o seu texto demandando assim uma atenção especial para a devida compreensão.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Celeste Filho (2004).
  2. Motoyama (2006, p. 159).
  3. a b Buffa e Alemida Pinto (2016).
  4. Andes (2007).

BibliografiaEditar

  • ANDES-SN – Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. As Novas Faces da Reforma Universitária do Governo Lula e os Impactos do PDE sobre a Educação Superior. Cadernos ANDES. nº 25. Brasília, ago., 2007, link.
  • ATCON, R. P. Rumo à reformulação estrutural da universidade brasileira. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1966.
  • ATCON, R. P. Manual sobre o planejamento integral de campus universitário. [S.l.]: Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, 1970.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Reforma universitária: relatório do grupo de trabalho criado pelo decreto nº 62.937/68 Rio de Janeiro: MEC/MPCG/MF, ago. 1968. [3. ed., mar. 1983, link.]
  • BRASIL. Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 nov. 1968. link.
  • BRASIL. Ato Institucional n. 5, de 13 de dezembro de 1968. São mantidas a Constituição de 24 de janeiro de 1967 e as Constituições Estaduais; O Presidente da República poderá decretar a intervenção nos estados e municípios, sem as limitações previstas na Constituição, suspender os direitos políticos de quaisquer cidadãos pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos eletivos federais, estaduais e municipais, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 dez. 1968. link.
  • BRASIL. Decreto-lei n. 477, de 26 de fevereiro de 1969. Define infrações disciplinares praticadas por professôres, alunos, funcionários ou empregados de estabelecimentos de ensino público ou particulares, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 fev. 1969. link.
  • BUFFA, E.; ALMEIDA PINTO, G. O território da universidade brasileira: o modelo de câmpus. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 67, p. 809-831, dez. 2016. link.
  • CELESTE FILHO, M. A Reforma Universitária e a criação das Faculdades de Educação. Revista Brasileira de História da Educação, n. 7, p. 161-188, 2004, link.
  • FÁVERO, M. L. A. A universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968. Educ. Rev., n. 28, p. 17-36. link.
  • MEIRA MATTOS, C. Relatório Meira Mattos. Paz e Terra, n. 9, p. 199-241, 1968; Correio da Manhã, 25 ago. 1968, p. 1-12. link.
  • MOTOYAMA, Shozo (org.). USP 70 anos: Imagens de uma História Vivida. São Paulo: EDUSP, 2006. link.

Ligações externasEditar