Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro

região integrada de desenvolvimento econômico

A Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro é uma região integrada de desenvolvimento econômico, criada pela lei complementar n.º 113, de 19 de setembro de 2001, e regulamentada pelo decreto n.º 4 366, de 9 de setembro de 2002.

Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro
Localização
Localização da Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro
Unidade federativa Bahia Bahia e  Pernambuco
Lei Lei Complementar nº 113
Data da criação 19 de setembro de 2001 (19 anos)
Número de municípios 8
Cidade-sede Petrolina e
Juazeiro
Características geográficas
Área 35 436,697 km²[1]
População 789 744 hab. (25.º) Estimativa Populacional. IBGE/2019[2]
Densidade 22,29 hab./km²
IDH 0,618 – médio PNUD/2010[3]
PIB R$ 12.116.441,37 [4]
PIB per capita R$ 15.342,23 IBGE/2011[4]

Ela engloba mais de 700 mil habitantes numa área com cerca de 35 mil quilômetros quadrados. É constituída pelos municípios de Lagoa Grande, Orocó, Petrolina e Santa Maria da Boa Vista, no estado de Pernambuco, e pelos municípios de Casa Nova, Curaçá, Juazeiro e Sobradinho, no estado da Bahia. Esses municípios encontram-se localizados no vale do São Francisco, no curso baixo-médio do rio São Francisco, que interliga o Nordeste e Sudeste fluvialmente, o que coloca a RIDE numa posição estratégica nacionalmente e central no Nordeste,[5][6] o que motiva o Projeto Plataforma Logística do São Francisco.

Apesar do rio separando fisicamente, Juazeiro e Petrolina são cidades conurbadas[7] e estão ligadas fisicamente pela ponte Presidente Dutra.[8]

MunicípiosEditar

Desde a criação, são oito municípios integrantes da RIDE, quatro em cada estado (metade na Bahia, metade em Pernambuco). A tabela abaixo apresenta alguns indicadores sobre eles e o resultante para a RIDE inteira. A tabela está a princípio organizada em função do tamanho populacional, mas ela é ordenável sob o critério de qualquer outra coluna.

Município Estado Legislação Área (km²)[1] População
(2018)[9]
IDH
(2010)[3]
PIB (em R$ mil)
(2017)[10]
Petrolina PE LCF 113/2001 4 558,537 349 145 0,697 5.990.719,13
Juazeiro BA LCF 113/2001 6 389,623 216 707 0,677 3.700.881,80
Casa Nova BA LCF 113/2001 9 657,505 71 969 0,570 667.757,10
Santa Maria da Boa Vista PE LCF 113/2001 3 001,168 41 931 0,590 516.496,10
Sobradinho BA LCF 113/2001 1 322,661 34 700 0,631 491.098,67
Lagoa Grande PE LCF 113/2001 1 852,186 25 601 0,581 327.705,95
Curaçá BA LCF 113/2001 6 442,190 34 700 0,597 271.351,11
Orocó PE LCF 113/2001 554,752 14 991 0,610 150.431,51
Total LCF 113/2001 35 436,857 789 744 0,618 12.116.441,37

Vale do São FranciscoEditar

 Ver artigo principal: Vale do São Francisco

O vale do rio São Francisco é um polo de desenvolvimento tecnológico da fruticultura irrigada, implantado pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e iniciativa privada, com apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Também há o crescimento do ensino superior público na região, simbolizado pela Universidade Federal do Vale do São Francisco, Universidade do Estado da Bahia e Universidade de Pernambuco, além do Instituto Federal do Sertão Pernambucano, em Petrolina, e do Instituto Federal da Bahia, em Juazeiro.

Recentemente, a região tornou-se o segundo polo vitivinicultor do Brasil, com produção anual de 7 milhões de litros de vinho (15% da produção nacional), sendo 30% de vinhos finos, premiados nacional e internacionalmente, produzidos nas oito vinícolas instaladas em nos municípios pernambucanos de Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista e em Casa Nova, na Bahia. Além da produção arroz com a irrigação em Curaçá, na Bahia.

A região dispõe da infraestrutura do Aeroporto Internacional de Petrolina; da hidrovia do São Francisco, com o Lago de Sobradinho, o maior lago artificial do mundo; de eclusas na Barragem de Sobradinho; de ligação rodoviária com as principais capitais do Nordeste; e de uma termelétrica com capacidade para geração 138 megawatts de energia.

Referências

  1. a b IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. {{Citar web|url=https://cidades.ibge.gov.br/%7Ctítulo=Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2019|publicado=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
  3. a b «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2017 (PIB2017)». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  5. «Plataforma Logística do São Francisco será instalada em Juazeiro». Consultado em 1 de setembro de 2016 
  6. FRANÇA 1997
  7. «Conurbação: Limites entre cidades vizinhas desaparecem». educacao.uol.com.br 
  8. «Polícia prende oito pessoas após confronto em ponte que liga Bahia a Pernambuco». Poder. Folha de S.Paulo. 7 de setembro de 2013. Consultado em 1 de setembro de 2016 
  9. «Estimativas da População | IBGE/2018». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  10. «Produto Interno Bruto dos Municípios | PIB_IBGE-2017». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar