Abrir menu principal

Região histórica

Médio Oriente, uma macrorregião histórica.

Uma região histórica refere-se às áreas geográficas associadas tradicionalmente a um povo, sociedade ou nação com rasgos específicos que se manifestam em elementos culturais de uma zona, especialmente a língua e arquitetura, e com a qual os seus habitantes se identificam durante um tempo histórico determinado. A partilha destes elementos entre as populações pode ou não ser um fator para o surgimento de um sentido de identidade. Nalguns casos, estas regiões podem corresponder-se com antigos estados e ocupar uma zona geograficamente semelhante. São estudadas e analizadas a nível do desenvolvimento social de culturas históricas num período específico sem fazer referência a fatores contemporâneos políticos, económicos ou sociais, embora estes fatores possam acabar por exercer alguma influência nelas e persistir na organização estatal ou administrativa moderna.[1]

As defiinições do termo "região" podem variar[2] entre macrorregiões, territórios de estados, ou outras áreas microrregionais de menor dimensão. A proximidade geográfica é condição necessária para o surgimento de uma identidade regional.[2] Na Europa, estas derivam sobretudo do período das migrações, mas de uma perspetiva contemporânea, estão relacionadas com as mudanças territoriais entre 1918–1920 e no período pós-Guerra Fria.[3]

Algumas das regiões são de cunho recente, como o Médio Oriente, definição criada em 1902 por Alfred Mahan para se referir à região envolvente ao Golfo Persa.[4] Outras remontam a outros períodos históricos, como a Lusitânia. Outras ainda podem ter a sua origem na antiguidade e ter sido ressuscitadas, como Israel ou a república da Macedónia. Em certos casos, são iguais a estados ou organizações políticas antigas (ducados ou condados).

DefiniçãoEditar

O termo "região histórica" é um conceito de geografia histórica que começou a ser utilizado e aplicado nos estudos de etnografia, história, arqueologia e de antropologia cultural no início do século XX.[5] Aplica-se geralmente a zonas definidas que, apesar da sua natureza, não dispõem de um estado independente ou que estão divididas administrativamente e que são posteriormente assimiladas. Sven Tägil define-as da seguinte forma:

O princípio fundamental desta perspetiva é a de que existem certas estruturas políticas e mentais que exercem na identidade espacial e social dos indivíduos uma influência maior do que aquela que é percebida pelo mundo contemporâneo, deterninada e frequentemente condicionada pela sua própria visão do mundo – por exemplo o foco nas nações-estado.[6]

Lilian Vizcaíno remarca o carácter físico das regiões,

não se trata de uma abstração do historiador[…]; constitui em si mesma uma realidade concreta, independente da vontade do investigador

enquanto Hernán Vengas define-as genericamente como:

entidade histórica e cultural sediada numa determinada comarca geográfica

Elementos caracterizadoresEditar

  • Meio geográfico: Apesar dos limites de cada região histórica serem estabelecidos pelo homem mediante a transformação progressiva do território, as regiões costumam partilhar rasgos geográficos comuns;
  • Economia: O sistema económico pode servir de guia para a divisão regional (por exemplo o capitalismo na Europa pós-guerra);
  • Desenvolvimento socio-cultural: Interrelações socio-culturais e criação de sociedades (por exemplo as semelhanças entre e distinções do resto de socidades antigas da Mesopotâmia, Egito e Grécia);
  • Arquitetura: Própria de cada região com um desenvolvimento socio-cultural semelhante, que por sua vez permite o estudo em diferentes escalas (por exemplo o Românico à escala europeia e o Românico Mudéjar numa escala bastante menor;
  • Etnia: O espaço no qual convivem vários grupos étnicos sem conflitos. São regularmente caracterizadas por uma língua própria e, por vezes, uma religião comum;
  • Aspetos politico-administrativos: Após uma série de processos históricos políticos, uma organização é estabelecida na forma de um governo ou de uma administração comum da região.

Ver tambémEditar

NotasEditar

Texto inicialmente baseado na tradução dos artigos «Historical region» na Wikipédia em inglês, «Región histórica» na Wikipédia em castelhano e «Région historique» na Wikipédia em francês.

  Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. p.332, V. M. Kotlyakov, A. I. Komarova (entrada 2781)
  2. a b XIII, Tägil
  3. p.82. Lehti, Smith
  4. W. Lewis, Martin; y Wigen, Kären (1997). The Myth of Continents: A Critique of Metageography (em inglês). [S.l.]: Universidade da Califórnia. p. 65. ISBN 0-520-20743-2 
  5. Heinz Quirin, Mitteldeutschland; Bemerkungen zum Verhältnis von Raum und Geschichte. a: Beiträge zur Wirtschafts- und Sozialgeschichte des Mittelalters, ed. Knut Schulz, Köln 1976
  6. Sven Tägil, (ed.), Regions in Central Europe: The Legacy of History, C. Hurst & Co. Publishers, 1999

BibliografiaEditar

  • Sven Tägil, (ed.), Regions in Central Europe: The Legacy of History, C. Hurst & Co. Publishers, 1999
  • Marko Lehti, David James Smith, Post-Cold War Identity Politics: Northern and Baltic Experiences, Routledge, 2003 ISBN 0-7146-5428-0
  • Compiled by V. M. Kotlyakov, A. I. Komarova, Elsevier's dictionary of geography: in English, Russian, French, Spanish, German, Elsevier, 2006 ISBN 0-444-51042-7
  • Martin W. Lewis, Kären Wigen, The Myth of Continents: A Critique of Metageography, University of California Press, 1997 ISBN 0-520-20743-2
  • La región histórica. Reflexiones sobre teoría y práctica; Lilian Vizcaíno González (Santiago de Cuba,1998).
  • La región histórica; Germán Cardozo Galué, ed. Tropykos (Caracas, 1986).

Ligações externasEditar