Rei de Armas

Com o nome de Rei de Armas, também chamado de Rei das Armas, Arauto Real, Heraldo da Corte[1] se designa o funcionário régio a quem estava confiado o registo dos brasões, a confecção das cartas de brasões de armas que eram concedidas e a observância das leis heráldicas.

Thomas Hawley, Clarenceux Rei de Armas.

O rei de armas era um título de dignidade e honra que davam os reis aos cavaleiros mais esforçados que eram responsáveis por alertar sobre as façanhas militares de outros e depor sobre eles para a sua remuneração e recompensa, decidir em causas duvidosas dos feitos de armas, denunciar as guerras, assentar paz, assistir aos conselhos de guerra e interpretar as letras escritas em língua estrangeira aos reis. Suas insígnias eram as armas e brasão do imperador ou rei, sem nenhuma ofensiva pois não guerreavam.[2]

Este cargo teve muitas prerrogativas e grande importância nos últimos séculos da Idade Média, especialmente na organização dos torneios e na formulação das suas regras.

A eles se devem os primeiros livros de Heráldica entre os quais foram célebres o livro do Heraldo Berry, primeiro heraldo de Carlos VII da França e o de Heraldo Sicilia que o foi de Afonso V de Aragão, ambos da primeira metade do século XV.

Em Portugal, o ofício foi organizado de forma sistemática pela primeira vez sob as ordens de Dom Manuel I,[3] fazendo reunir todos os brasões, insígnias e letreiros, para acabar com o livre arbítrio no uso das armas e concessão de brasões. Provavelmente, o primeiro Rei de Armas de Portugal teria sido António Godinho,[3] mas seus escritos desapareceram no Terramoto de 1755. Sobreviveram os livros heráldicos de João Rodrigues e de António Rodrigues.[3] Em 1521, António de Holanda foi nomeado Passavante por D. Manuel I, em 1534, Rei de Armas e, em 1536 Escrivão da Nobreza por D. João III.[4]

No Brasil Império, houve dois Reis de Armas, Possidônio Carneiro da Fonseca Costa e Luís Aleixo Boulanger.

ReferenciasEditar

  1. «Real Academia Heráldica de Pathros». Arquivado do original em 30 de maio de 2007 
  2. Diccionario enciclopédico popular ilustrado Salvat (1906-1914)
  3. a b c «Real Academia Heráldica de Pathros» [ligação inativa]
  4. Maria Luiza Zanatta de Souza, "A Viagem de Francisco de Holanda (c.1538-1540)", Revista Diálogos Mediterrânicos, nº 15 – Novembro/2018, pp. 11-30.