Abrir menu principal

Reino da Ibéria

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre reino do Cáucaso. Para outros significados, veja Ibéria (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2011). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)



იბერია
Reino da Ibéria

Reino

Blank.png
 
Standard of Cyrus the Great (White).svg
302 a.C. – 580 d.C. Blank.png
Localização de Reino da Ibéria
Cáucaso em 290 a.C. O Reino da Ibéria está em marrom.
Continente Eurásia
Região Cáucaso
Capital Armazi
Mtsqueta
Tbilisi
Língua oficial Georgiano
Religião Paganismo (até 337)
Cristianismo
Governo Monarquia
Rei
 • 302-237 a.C. Farnabazo I
 • 547 – 580 Bacúrio III
Período histórico Antiguidade/Idade Média
 • 302 a.C. Fundação
 • 580 d.C. Dissolução

Ibéria (em georgiano: იბერია; em latim: Iberia/Iberi; em grego: Ἰβηρία) foi o nome dado pelos antigos gregos e romanos ao reino georgiano de Ibéria, que existiu entre os séculos IV a.C. e V d.C. e que correspondia aproximadamente ao leste e ao sul da atual República da Geórgia.

Índice

Iberos do leste e do oesteEditar

A similaridade do termo Ibéria para a Península Ibérica (oeste da Europa) e para a região do Cáucaso (leste), que se verifica em todas as denominações em línguas indo-europeias e mesmo em outras, sempre suscitou a ideia de alguma relação de parentesco entre os povos ditos "iberos" do oeste e do leste. Vários autores da Antiguidade e da Idade Média levantaram essa hipótese de uma origem comum, mas não souberam explicar isso diante da grande distância geográfica entre os dois grupos, nem definiram de onde teriam se originado ambas etnias. Essa teoria da origem próxima comum teria sido bem aceita na Geórgia medieval, tendo o proeminente escritor religioso do país, Giorgi Mthatzmindeli (1009-1065) se referido a alguns nobres georgianos que teriam pretendido viajar até o extremo sudoeste da Europa para visitar os Georgianos do Oeste.

HistóriaEditar

PrimórdiosEditar

A área era habitada por várias tribos relacionadas entre si, conhecidas como "iberos" por antigos autores. O reino local, Cártlia, deve seu nome a um mítico chefe de nome Cartlos.

Os povos Moschi (Tubal e Mesech) que muitos historiadores clássicos mencionam (também a Bíblia) e seus prováveis descendentes os Sasper, citados por Heródoto, teriam sido os responsáveis pela consolidação das diversas tribos nessa região. A provável origem etimológica de Ibéria derivaria de Sasper via Sasper >Speri >Hberi >Iberi. Os Moschi teriam se deslocado para o nordeste em migração, sendo que sua principal tribo, os Mtsqueta, originaram o nome da capital. Seu primeiro assentamento teve o nome dado por autores medievais georgianos, Arrian-Kartli, sob o domínio do Império Aquemênida. Foram governados por um príncipe de nome mamasakhlisi.

A obra medieval Moktsevai Kartlisai («Conversão de Ibéria») fala de um certo Azo e seu povo, os quais se assentaram na futura capital Mtsqueta ( declarada Patrimônio da Humanidade, fica perto de Tbilisi). Outras antigas crônicas, as Kartlis Tskhovreba ("História de Ibéria"), informam que Azo seria um oficial de Alexandro Magno, que derrotou uma dinastia local e conquistou o território, tendo sido depois expulso por Parnabazo I da Ibéria.

Queda do ReinoEditar

A contínua rivalidade entre o Império Bizantino e o Império Sassânida pela supremacia no Cáucaso e a fracassada insurreição do ano 526 dos georgianos, liderada por Gurgenes, foi de consequências danosas ao país. Desde então, o rei da Ibéria teve um poder apenas simbólico, pois o país estava sob domínio persa. Em 580, Hormisda IV (r. 578–590) aboliu a monarquia depois da morte do rei Bacúrio III. A Ibéria passou a ser uma província persa administrada por um governador (marzobam). Em 582, nobres georgianos solicitaram ajuda ao imperador Maurício I (r. 582–602) de Constantinopla para fazer renascer o Reino da Ibéria, mas, em 591, os bizantinos e os persas preferiram fazer um acordo para dividir a região, ficando Tbilisi com os persas e Mtsqueta com os bizantinos.

Reis da IbériaEditar

 
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde maio de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
  • Samara de Mtsqueta (355-322 a.C.)
  • Azon de Mtsqueta (322-302 a.C.)

Dinastia farnabázida

Dinastia Arsácida

Dinastia nimrodida ou farnabázida (restaurada)

Dinastia arsácida (restaurada)

  • Farasmanes I [2] (2-58)
  • Mitrídates I [2] (58-106)
  • Amazaspo I (106-116)
  • Farasmanes II Kvéli, o Bom (116-132)
  • Radamisto I (132-135)
  • Farasmanes III (135-185)
  • Amazaspo II (185-189)

Dinastia Arsácida

  • Rev I o Justo (189-216)
  • Vacé I (216-234)
  • Bacúrio I (234-249)
  • Mitrídates II (249-265)
  • Amazaspo III, anti-rei (260-265)
  • Aspagur (265-284)

Dinastia cosroida

  • Meribanes III, introduziu o Cristianismo na Geórgia (284-361)
  • Rev II, co-rei c/ Miriam (345-361)
  • Saurmague II (361-363)
  • Varaz-Bacúrio I
  • Mitrídates III (365-380)
  • Varaz-Bacúrio II
  • Tirídates (394-406)
  • Farasmanes IV (406-409)
  • Mitrídates IV (409-411)
  • Archil (411-435)
  • Mitrídates V (435-447)
  • Vactangue I (447-502)
  • Vache II, ou Dachi II, ou Darchi II, ou Darchil II (502-514)
  • Bacúrio II (514-528)
  • Farasmanes V (528-542)
  • Farasmanes VI (542-547)
  • Bacúrio III (547-580)

Referências

  1. a b Kartlis Tskhovreba, Capítulo 3 [em linha]
  2. a b c d e f g h i Kartlis Tskhovreba, Capítulo 4 [em linha]

BibliografiaEditar

  • Thomson, Robert W. Rewriting Caucasian History (1996) ISBN 0-19-826373-2
  • Braund, David. Georgia in Antiquity: A History of Colchis and Transcaucasian Iberia, 550 BC-AD 562 (New York: Oxford University Press, 1994) ISBN 0-19-814473-3
  • Lang, David Marshall. The Georgians (London: Thames & Hudson, 1966)
  • Toumanoff, Cyril. Studies in Christian Caucasian History. Washington D.C.: Georgetown University Press, 1963.

Ligações externasEditar