Reino do Daomé

Reino africano
(Redirecionado de Reino de Daomé)

O Reino do Daomé foi um reino da África Ocidental localizado no atual Benim que existiu de aproximadamente 1600 até 1904. O Daomé se desenvolveu no Planalto de Abomei entre o povo Fom no início do século XVII e tornou-se uma potência regional no século 18, expandindo-se para o sul para conquistar cidades-chave como Uidá, pertencentes ao Reino de Uidá, na costa atlântica, o que lhe garantiu acesso desimpedido ao comércio triangular tricontinental.

Reino do Daomé
1600 — 1904 
Bandeira
Bandeira
 
Brasão de armas (c. 1890 – c. 1894)
Brasão de armas (c. 1890c. 1894)
Bandeira Brasão de armas (c. 1890c. 1894)

O Reino do Daomé por volta de 1894, representado em um mapa da atual República do Benin, na região da África Ocidental.
Região Guiné
Capital Abomei
Países atuais Benim

Línguas oficiais Fom
Religião Vodum
Moeda Búzio

Forma de governo Monarquia
Arroçu (rei)
• 1620-1645  Dacodonu
• 1894-1900  Agoliabô

Período histórico
• 1600  Fundação
• 1904  Conquista pelo Império Francês

Área
 •   10,000 km²

População


 • 1700   350,000  (est.)

Durante grande parte do século 19, o Reino do Daomé tornou-se um estado regional chave, depois de acabar com o status de tributário do Império de Oió[1]. Visitantes europeus documentaram extensivamente o reino, e ele se tornou uma das nações africanas mais conhecidas pelos europeus[2]. O Reino do Daomé era uma importante potência regional que tinha uma economia doméstica organizada baseada na conquista e no trabalho escravo[3], comércio internacional significativo e relações diplomáticas com os europeus, uma administração centralizada, sistemas tributários e um exército organizado. Notáveis no reino foram obras de arte significativas, uma unidade militar exclusivamente feminina chamada ahosi por observadores europeus e as elaboradas práticas religiosas de Vodum[4].

Na década de 1840, o Daomé começou a enfrentar o declínio com a pressão britânica para abolir o comércio de escravos, que incluiu a Marinha Real Britânica impondo um bloqueio naval contra o reino e impondo patrulhas antiescravistas perto de sua costa. O Daomé também foi enfraquecido depois de não conseguir invadir e capturar escravos em Abeocutá, uma cidade-estado iorubá fundada pelos refugiados do Império de Oió que migravam para o sul. O Daomé mais tarde começou a experimentar disputas territoriais com a França que levaram à Primeira Guerra Franco-Daomeana em 1890, resultando na vitória francesa. O reino finalmente caiu em 1894, quando o último rei, Beanzim, foi derrotado pela França na Segunda Guerra Franco-Daomeana, levando o país a ser anexado à África Ocidental Francesa como a colônia do Daomé francês, ganhando posteriormente a independência em 1960 como a República do Daomé, que mais tarde mudaria seu nome para Benim em 1975.

Nome editar

O Reino do Daomé foi conhecido por muitos nomes diferentes e escritos de várias maneiras, incluindo Danxome, Danhome e Fom. O nome fom refere-se ao grupo étnico e linguístico dominante, os fons, das famílias reais do reino e é como o reino se tornou conhecido pelos europeus. Os nomes Daomé, Danxome e Danhome têm uma história de origem semelhante, que a historiadora Edna Bay diz que pode ser uma falsa etimologia.[5]

Conta-se que Dacodonu, considerado o segundo rei da lista de reis modernos, recebeu permissão dos chefes Gedevi, os governantes locais, para se estabelecerem no platô de Abomei. Dacodonu solicitou terras adicionais a um chefe proeminente chamado Dã (ou Da), ao qual o chefe respondeu sarcasticamente "Devo abrir minha barriga e construir uma casa para você?" Por esse insulto, Dacodonu matou Dã e começou a construção de seu palácio no local.[6]

História editar

O Reino do Daomé foi estabelecido por volta de 1600 pelos fons que havia se estabelecido recentemente na área (ou possivelmente era o resultado de um casamento entre os povos Aja e o Gedevi). O rei fundador do Daomé é frequentemente considerado Uebajá (c. 1645-1685), que construiu os Palácios Reais de Abomei e começou a invadir e ocupar cidades fora do platô de Abomei.[5]

Período de Agajá (1708–1740) editar

Agajá, neto de Uebajá, subiu ao trono em 1708 e iniciou uma expansão significativa do Reino do Daomé. Essa expansão foi possível pela força militar superior do rei Agajá do Daomé. Em contraste com as regiões vizinhas, o reino empregava um exército permanente profissional, com cerca de dez mil integrantes.[7] O que os Daomé não tinham em número, compensavam em disciplina e em armas superiores. Em 1724, Agajá conquistou Aladá, a origem da família real de acordo com a tradição oral, e em 1727 conquistou Uidá. Essa expansão do tamanho do reino, particularmente ao longo da costa atlântica, e do poderio transformaram Daomé em uma potência regional. O resultado disso foi quase um estado de guerra permanente com o principal estado regional, o Império de Oió, de 1728 a 1740.[2] A guerra resultou na condição de Daomé como estado tributário do Império de Oió.[8]

Período de Tebessú (1740–1774) editar

Tebessú reinou de 1740 a 1774. Não era o filho mais velho de Agajá (1718-1740), mas foi selecionado após a morte de seu pai, depois de vencer uma luta sucessória com um irmão. O rei Agajá havia expandido significativamente o Reino do Daomé durante seu reinado, conquistando notavelmente Uidá em 1727. Isso aumentou o tamanho do reino e aumentou a dissidência doméstica e a oposição regional. Tebessú governou em um ponto em que precisava aumentar sua legitimidade sobre aqueles que havia conquistado recentemente. Como resultado, muitas vezes são atribuídas a Tebessú uma série de mudanças administrativas, a fim de estabelecer a legitimidade do reino. O comércio de escravos aumentou significativamente durante o reinado de Tebessú e começou a fornecer a maior parte da renda para o rei. Além disso, o governo de Tebessú é aquele com o primeiro pojitô (kpojito) significativo ou mãe do leopardo com Huanjile nesse papel. O pojitô tornou-se uma pessoa de destaque na realeza daomeana. Diz-se que Huanjile, em particular, mudou dramaticamente as práticas religiosas do Daomé, criando duas novas divindades e vinculando mais a adoração à do rei. De acordo com uma tradição oral, como parte do tributo do Daomé a Oió, Agajá teve que dar a Oió um de seus filhos. A história afirma que apenas Huanjile, de todas as esposas de Agajá, estava disposta a permitir que seu filho fosse para Oió. Esse ato de sacrifício, de acordo com a tradição oral, fez Tebessú ser favorecido por Agajá. O rei teria dito a Tebessú que ele era o futuro monarca, mas seu irmão Zinga ainda era o herdeiro oficial.[9]

 
Entrada das tropas francesas a Abomei, ilustrado pelo jornal Le Monde.

Período de Guezô (1818-1859) editar

Quando o rei Guezô ascendeu ao trono em 1818, ele se deparou com dois obstáculos imediatos: o Reino de Daomé estava em turbulência política e financeiramente instável.[10] Primeiro, ele precisava obter independência política, removendo os tributos que o império iorubá de Oió tinha sobre o Daomé desde 1748. Em segundo lugar, ele precisava revitalizar a economia do Daomé.[10] Ambos os objetivos dependiam do comércio de escravos. O rei Guezô implementou novas estratégias militares, o que lhes permitiu assumir uma posição física contra Oió, que também eram um grande concorrente no comércio de escravos. Ele também estipulações sobre a participação do Daomé no comércio de escravos na costa. Sob seu reinado, o Daomé não seria mais negociado, pois estava sob a liderança de seu irmão, Adanuzam.[10] Daomé se concentraria em capturar seus inimigos e negociá-los. O rei Guezô, no entanto, procurou levar seu povo ao comércio "legítimo" de óleo de palma.[10]

 
Curandeiros daomeanos. Fotografia por volta de 1900.

O Daomé logo obteve a vitória quando derrubou o Império Oió em 1827. Enquanto a demanda do Brasil por escravos aumentava em 1830, os britânicos iniciaram uma campanha para abolir o comércio de escravos na África. O governo britânico começou a exercer pressão significativa sobre o rei Guezô na década de 1840 para acabar com o tráfico de escravos no Daomé. O rei Guezô respondeu a esses pedidos enfatizando que não conseguiu acabar com o tráfico de escravos por causa da pressão interna do reino. Ele explicou a eles que toda a região havia se tornado dependente do comércio de escravos, então terminar imediatamente desestabilizaria seu reino e o levaria à anarquia. O rei William Dappa Pepple do Reino de Ubani e o rei Kosoko de Lagos assumiram a mesma posição em relação aos pedidos britânicos. Em vez disso, o rei Ghezo propôs uma expansão do comércio de óleo de palma e a abolição gradual do comércio de escravos.[10]

O reinado do rei Guezô foi marcado por grandes batalhas e mudanças significativas no império, incluindo a elevação dos Ahosi. Essas "amazonas do Daomé" foram fundamentais para a derrota do Império de Oió. Seu reinado também consolidou o Reino do Daomé como um dos mais poderosos reinos africanos que se opôs às tentativas britânicas, com o apoio dos Ebás, de converter pessoas ao cristianismo e manteve sua religião tradicional, conhecida como Vodum. Ele aboliu o sacrifício humano de escravos e removeu a pena de morte para certos delitos menores, como o adultério. Apesar da história de brutalidade do reino, o rei Guezô era frequentemente caracterizado como honrado e invencível, até mesmo por seus inimigos. O missionário britânico Thomas Birch Freeman também o descreveu como "um dos homens mais notáveis de sua época, quer o consideremos em sua capacidade privada como homem ou como guerreiro e estadista".[10]

Fim do reino editar

 
Comparação da África nos anos de 1880 e 1913.

O reino lutou na Primeira Guerra Franco-Daomeana e na Segunda Guerra Franco-Daomeana com a França. O reino foi reduzido e transformado em protetorado francês em 1894.[11]

Em 1904, a área passou a fazer parte de uma colônia francesa, o Daomé francês.

Em 1958, o Daomé francês tornou-se a colônia autônoma chamada República do Daomé e conquistou a independência total em 1960. Foi renomeado em 1975 como República Popular do Benim e em 1991 como República do Benim.

História moderna editar

Hoje, o reino continua a existir como uma monarquia constituinte localizada no Benim. Seus governantes não possuem mais nenhum poder oficial sob a constituição do Benim, mas mantêm alguma influência política e econômica.[12][13] Os reis modernos participam de importantes festivais religiosos Voduns e outras cerimônias tradicionais.[14]

Política editar

Os primeiros escritos, predominantemente escritos por comerciantes de escravos europeus, frequentemente apresentavam o reino como uma monarquia absoluta liderada por um rei despótico. No entanto, essas representações eram frequentemente apresentadas como argumentos de diferentes lados nos debates sobre o comércio de escravos, principalmente no Reino Unido, e, como tal, provavelmente eram exageros.[5][8] Trabalhos históricos recentes enfatizaram os limites do poder monárquico no Reino do Daomé.[6] O historiador John C. Yoder, com atenção ao Grande Conselho do reino, argumentou que suas atividades "não implicam que o governo do Daomé seja democrático ou que sua política se aproxime das das monarquias europeias do século XIX. No entanto, tais evidências apoiam a tese de que as decisões governamentais foram moldadas por respostas conscientes às pressões políticas internas, bem como por decretos executivos. "[15] As principais divisões políticas giravam em torno das aldeias com chefes e postos administrativos nomeados pelo rei e agindo como seus representantes para julgar disputas na aldeia.[3]

 
Representação de Guezô juntamente com um servo.

O rei editar

O rei do Daomé (arroçu) era o poder soberano do reino. Todos os reis foram reivindicados como parte da dinastia Aladaxonu, alegando descendência da família real em Aladá. Grande parte das regras de sucessão e estruturas administrativas foram criadas cedo por Uebajá, Acabá e Agajá. A sucessão através dos membros masculinos da linhagem era normalmente a norma para o filho mais velho, mas nem sempre.[16] O rei foi escolhido em grande parte por meio de discussão e decisão nas reuniões do Grande Conselho, embora nem sempre tenha sido claro como isso funcionava.[5] O Grande Conselho reunia anualmente uma série de dignitários diferentes de todo o reino para se reunir na Alfândega Anual do Daomé. As discussões seriam longas e incluíam membros, homens e mulheres, de todo o reino. No final das discussões, o rei declararia o consenso para o grupo.[15]

A corte real editar

Os cargos-chave na corte do rei incluíam o migan (primeiro-ministro), o mehu (ministro das finanças), o yovogan (espécie de diplomata), o tokpo (ministro da agricultura), o agan (general do exército), o kpojito (ou rainha-mãe) e mais tarde o chacha (ou vice-rei) de Uidá. Cada um desses cargos ministeriais – que, com exceção do kpojito, eram chefiados por homens – tinha uma contraparte feminina para complementá-los.[17] O migan - uma combinação de mi (nosso) e gan (chefe) - era o principal cônsul do rei, uma figura judicial importante e servia como o principal carrasco. O mehu era igualmente um importante oficial administrativo que administrava os palácios e os assuntos da família real, questões econômicas e as áreas ao sul de Aladá (tornando a posição chave para o contato com os europeus).

Relações exteriores editar

As relações entre Daomé e outros países eram complexas e fortemente impactadas pelo comércio transatlântico de escravos.

Iorubás editar

O Império de Oió se envolveu em conflitos frequentes com o Reino de Daomé e Daomé tornou-se tributário do Oió de 1732 a 1823. A cidade-estado de Porto-Novo, sob a proteção de Oió, e Daomé tiveram uma rivalidade de longa data em grande parte controle do comércio de escravos ao longo da costa. A ascensão de Abeocutá na década de 1840 criou outro poder rivalizando com o Daomé, principalmente por criar um porto seguro para as pessoas do comércio de escravos.[15]

Pessoas iorubás notáveis que foram capturadas pelo Daomé em ataques de escravos após o colapso do Império Oió incluem Sara Forbes Bonetta (Aina), Cudjoe Lewis (Oluale Kossola), Matilda McCrear (Abake), Redoshi e Seriki Williams Abass (Ifaremilekun Fagbemi).

Portugal editar

O forte português em Uidá foi destruído pelo exército do Daomé em 1743 durante a conquista da cidade, então o rei Tebessú desejou renovar as relações com Portugal.[18] O Daomé enviou pelo menos cinco embaixadas a Portugal e ao Brasil durante os anos de 1750, 1795, 1805, 1811 e 1818, com o objetivo de negociar os termos do comércio atlântico de escravos. Estas missões criaram uma correspondência oficial entre os reis do Daomé e os reis de Portugal, e trocaram-se presentes entre eles. A Coroa portuguesa custeava as despesas de viagem e hospedagem dos embaixadores do Daomé, que viajavam entre Lisboa e Salvador, na Bahia. As embaixadas de 1805 e 1811 trouxeram cartas do rei Adanuzam, que havia aprisionado súditos portugueses na capital daomeana de Abomei e solicitado que Portugal comerciasse exclusivamente em Uidá. Portugal prometeu responder às suas exigências se libertasse os prisioneiros.[18]

Uma longa e detalhada carta do rei Adanuzam, datada de 9 de outubro de 1810, mostra que ele tinha conhecimento das Guerras Napoleônicas e do subsequente exílio da família real portuguesa no Brasil, e expressou remorso por não ter conseguido ajudar a família real portuguesa durante sua guerra contra a França.[18]

"Logo começou a chegar a notícia de que Vossa Majestade Real e toda a família real foram feitos prisioneiros dos franceses, que tomaram Lisboa, assim como do rei de Espanha. Algum tempo se passou e outra embarcação veio trazendo outra notícia de que Vossa Majestade Real e Nossa Soberana Mãe Rainha de Portugal partiram para a Cidade da Bahia, sob a proteção da Marinha Inglesa e Portuguesa. Então mais tempo passou e outra embarcação trouxe a notícia de que você se mudou para o Rio de Janeiro, onde sabemos que o Duque de Cadaval faleceu, pelo que sinto muito e lhe dou minhas condolências...o que mais sinto é não mais ser vizinho de Nossa Majestade, e não poder andar em terra firme para lhe dar uma ajuda com meu braço, então meu desejo é grande, pois aqui também já travei muitas guerras no sertão."

Depois de detalhar como derrotou o rei da nação Mahi, Adanuzam conta aos portugueses,[18]

"...Dê-me também notícias sobre as Guerras, e também me dê notícias sobre as guerras com a nação francesa e as outras, me deixará feliz em saber disso."

Brasil editar

Em 1750, o Reino do Daomé enviou uma missão diplomática a Salvador, no Brasil português, então integrante do Império Lusitano, a fim de estreitar as relações diplomáticas com a colônia americana após um incidente que levou à expulsão das autoridades diplomáticas luso-brasileiras em 1743.[19]

Outras missões daomeanas foram enviadas ao Brasil no período de 1795 a 1805, com a finalidade de estreitar as relações com as autoridades coloniais portuguesas e os compradores residentes em solo brasileiro e garantir que estes mantivessem o interesse em comprar escravizados fornecidos por Daomé e não por reinos rivais".[20] Também consta que em 1823 o reino daomeana reconheceu formalmente a independência do Brasil,[21] tendo tornado-se portanto uma das primeiras unidades políticas no mundo a fazê-lo.[nota 1]

O comércio transatlântico de escravizados entre o Brasil e Daomé permaneceu intenso mesmo com a pressão do Reino Unido para o seu fim. Ex-escravizado e posteriormente um grande mercador de escravos na região onde se localizada Daomé, o baiano Francisco Félix de Sousa tornou-se uma figura politicamente influente naquele reino após a ascensão de Guezô ao trono daomeana, tendo sido lhe concedido o título honorífico de Chachá, de vice-rei de Ajudá e o monopólio na exportação de escravos.[24]

Reino Unido editar

O Daomé tornou-se alvo da campanha antiescravagista do Império Britânico durante o século XIX.[25] Os britânicos enviaram missões diplomáticas ao Daomé em um esforço para convencer o rei Guezô a abolir o sacrifício humano e o comércio de escravos. Guezô não cedeu imediatamente às demandas britânicas, mas tentou manter relações amistosas com os britânicos, encorajando o crescimento de um novo comércio de óleo de palma.[26] Em 1851, a Marinha Real impôs um bloqueio naval contra o Daomé, obrigando Guezô a assinar um tratado em 1852 que aboliu imediatamente a exportação de escravos. No entanto, o tratado foi quebrado e os esforços de comércio de escravos foram retomados em 1857 e 1858. O historiador Martin Meredith cita Guezô dizendo aos britânicos:[27]

"O comércio de escravos têm sido o princípio dominante do meu povo. É a fonte de sua glória e riqueza. Suas canções celebram suas vitórias e a mãe embala a criança para dormir com notas de triunfo sobre um inimigo reduzido à escravidão."

Durante uma missão diplomática ao Daomé em 1849, o capitão Frederick E. Forbes da Marinha Real recebeu uma menina escravizada (mais tarde chamada de Sara Forbes Bonetta) do rei Guezô como um "presente", que mais tarde se tornaria afilhada da rainha Vitória.

Estados Unidos editar

Durante a Revolução Americana, as rebeldes Colônias Unidas proibiram o comércio internacional de escravos por uma variedade de razões econômicas, políticas e morais, dependendo da colônia.[28] Após o fim da revolução, o então presidente dos EUA, Thomas Jefferson, assinou a Lei de Proibição da Importação de Escravos em 1807, que proibiu federalmente o comércio internacional de escravos, embora a própria escravidão doméstica persistisse até a Guerra Civil Americana. Assim, os Estados Unidos nunca estabeleceram relações diplomáticas formais com o Reino do Daomé. No entanto, o último navio negreiro conhecido que navegou para os Estados Unidos de forma secreta e ilegal importou um grupo de 110 escravos do Daomé, adquiridos muito depois da abolição do tráfico negreiro. A história foi mencionada no jornal The Tarboro Southerner em 14 de julho de 1860. Em 9 de julho de 1860, uma escuna chamada Clotilda, capitaneada por William Foster, chegou à baía de Mobile, Alabama, carregando o último carregamento conhecido de escravos para os Estados Unidos. Em 1858, um americano chamado Timothy Meaher fez uma aposta com conhecidos que, apesar da lei proibindo o comércio de escravos, ele poderia trazer com segurança uma carga de escravos da África. Ele construiu o navio negreiro Clotilda e enviou William Foster para capitã-lo e resgatar africanos escravizados.

O capitão William Foster chegou a Uidá, um porto costeiro do Daomé, e recuperou 110 escravos. Descrevendo como chegou à posse dos escravos, ele escreveu em seu diário em 1860:

"De lá fui ver o rei do Daomé. Tendo negociado agradavelmente com o príncipe, fomos ao armazém onde eles tinham quatro mil prisioneiros em estado de nudez, de onde me deram a liberdade de selecionar cento e vinte e cinco como minha oferta para marcá-los para mim, dos quais Eu proíbo preventivamente [sic]; começou a carregar a carga de negros, garantindo a bordo cento e dez."

Zora Neal Hurston escreveu sobre suas entrevistas com Oluale Kossola, o último sobrevivente do Clotilda, em seu livro Barracoon.[29] Um descendente notável de um escravo deste navio é Ahmir Khalib Thompson, um artista musical americano conhecido como Questlove. A história de Thompson é retratada no programa de televisão da PBS, Finding Your Roots[30].

França editar

 Ver artigo principal: Segunda Guerra Franco-Daomeana

Em 1894, o último rei do Daomé, Beanzim, entregou sua pessoa a Alfred-Amédée Dodds. Em 1861, o reino de Porto-Novo, um dos tributários do Daomé, foi atacado pela Marinha Real Britânica, que participava de patrulhas antiescravagistas.[31] Porto-Novo pediu proteção à França e, como resultado, tornou-se um protetorado francês em 1863. No entanto, esse status foi rejeitado pelo rei Beanzim, que ainda declarou Porto-Novo tributário do Daomé. Outra questão polêmica era o status de Cotonu, um porto que os franceses acreditavam estar sob seu controle por causa de um tratado assinado pelo representante do Daomé em Uidá. O Daomé também ignorou todas as reivindicações francesas e continuou a cobrar a alfândega do porto. Essas disputas territoriais se transformaram na Primeira Guerra Franco-Daomeana em 1890, resultando na vitória francesa. O Daomé foi forçado a assinar um tratado entregando Porto-Novo e Cotonu aos franceses. No entanto, Daomé mais tarde voltou a invadir a área e desconsiderou as reclamações francesas, desencadeando a Segunda Guerra Franco-Daomeana em 1892. O reino foi derrotado em 1894, foi anexado ao Império Colonial Francês como Daomé Francês e o rei Beanzim foi exilado na Argélia.

Lista de arroçus (monarcas) de Daomé editar

[4]

Reinado Retrato Arroçu Notas
Reino de Abomei
c. 1600 Do-Aklin ou Gangnihessou Líder fon do Platô de Abomei.
c. 1625 a 1645 Dacodonu Fundador do Reino de Abomei e idealizador da construção do palácio real.
Reino do Daomé
1645 a 1685   Uebajá Considerado como o primeiro rei do Reino do Daomé.
1685 a 1716 Acabá
1716 a 1718 Arrambê foi a líder do Daomé por um curto período de tempo entre a morte de Acabá e a ascensão de Agajá. Pesquisadores argumentam que há uma evidência clara que sugere que Arrambê realmente reino por um período, mas não é claro se foi por três meses ou três anos. Ela não é incluída em nenhuma lista dos líderes de Daomé.
1718 a 1740 Agajá Apelidado de "O Conquistador".
1740 a 1774 Tebessú
1774 a 1789 Penglá
1789 a 1797 Agonglô
1797 a 1818 Adanuzam Excluído da maioria das listas de monarcas de Daomé.
1818 a 1858   Guezô
1858 a 1889   Glelê
1889 a 1894   Beanzim Último rei independente de Daomé, reinou durante a Primeira Guerra Franco-daomeana (1890) e a Segunda Guerra Franco-daomeana (1892 a 1894).
1894 a 1900   Agoliabô Selecionado ao cargo quando os franceses invadiram o Daomé.
Líderes cerimonias
1900 a 1940   Agoliabô Reinou em exílio com restrições da França.
1940 a 1948 Aidodô
1948 a 1983 Toni-Arruçu
1986 a 1989 José Langanfin
30 de setembro de 1989 a julho de 2018 Agoliabô Dejalani Desde 2000, Huedoni Beanzim vêm fazendo reivindicações para a posição de rei. Seguido da morte de Agoliabô Dejalani, não houve nenhum rei titular no reino do Daomé por 8 meses.
22 de janeiro de 2000 a 30 de dezembro de 2012 Huedoni Beanzim Rival de Agoliabô Dejalani para a posição de rei durante suas reivindicações.
12 de janeiro de 2019 a 17 dezembro de 2021   Dá Sabaju Glelê Eleito pelos nobres daomeanos.
Desde 22 de january de 2022 Jorge Collinet Beanzim

Notas

  1. A historiografia tem atribuído a primazia desse reconhecimento às Províncias Unidas do Rio da Prata, também em 1823.[22][23]

Referências

  1. Heywood, Linda M.; John K. Thornton (2009). "Kongo and Dahomey, 1660–1815". In Bailyn, Bernard & Patricia L. Denault (ed.). Soundings in Atlantic history: latent structures and intellectual currents, 1500–1830. Cambridge, MA: Harvard University Press.
  2. a b Alpern, Stanley B. (1998). "On the Origins of the Amazons of Dahomey". History in Africa. 25: 9–25. doi:10.2307/3172178.
  3. a b Herskovits, Melville J. (1967). Dahomey: An Ancient West African Kingdom(Volume I ed.). Evanston, IL: Northwestern University Press.
  4. a b Genealogia Abomei
  5. a b c d Bay, Edna (1998). Wives of the Leopard: Gender, Politics, and Culture in the Kingdom of Dahomey. University of Virginia Press.
  6. a b Monroe, J. Cameron (2011). "In the Belly of Dan: Space, History, and Power in Precolonial Dahomey". Current Anthropology. 52 (6): 769–798. doi:10.1086/662678.
  7. Harms, Robert (2002). The Diligent. Nova Iorque: Basic Books. p. 172.
  8. a b Law, Robin (1986). "Dahomey and the Slave Trade: Reflections on the Historiography of the Rise of Dahomey". The Journal of African History. 27 (2): 237–267. doi:10.1017/s0021853700036665.
  9. Bay, Edna (1998). Wives of the Leopard: Gender, Politics, and Culture in the Kingdom of Dahomey. University of Virginia Press.
  10. a b c d e f Adeyinka, Augustus A. (1974). "King Gezo of Dahomey, 1818-1858: A Reassessment of a West African Monarch in the Nineteenth Century". African Studies Review
  11. Newbury, C. W. (1959). "A Note on the Abomey Protectorate".
  12. Report, Agency (3 de julho de 2018). «Ancestral king of Dahomey married to 41 wives dies at 84». Punch Newspapers (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2023 
  13. https://www.facebook.com/RFI.English (23 de dezembro de 2021). «Benin mourns death of ancient kingdom's monarch». RFI (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2023 
  14. «Le roi d'Abomey a tiré sa révérence». Le Monde.fr (em francês). 5 de julho de 2018. Consultado em 14 de agosto de 2023 
  15. a b c Yoder, John C. (1974). "Fly and Elephant Parties: Political Polarization in Dahomey, 1840–1870". The Journal of African History. 15 (3): 417–432. doi:10.1017/s0021853700013566.
  16. «THE POLITICS OF COMMERCIAL TRANSITON: FACTIONAL CONFLICT IN DAHOMEY IN THE CONTEXT OF THE ENDING OF THE ATLANTIC SLAVE TRADE» (PDF). 21 de setembro de 2017 
  17. Ayittey, George (1 de setembro de 2006). Indigenous African Institutions: 2nd Edition (em inglês). [S.l.]: BRILL 
  18. a b c d Araujo, Ana Lucia (março de 2012). «Dahomey, Portugal and Bahia: King Adandozan and the Atlantic Slave Trade». Slavery & Abolition (em inglês) (1): 1–19. ISSN 0144-039X. doi:10.1080/0144039X.2011.604562. Consultado em 15 de agosto de 2023 
  19. Macedo, José Rivair (2018). «A embaixada Daomeana em Salvador (1750): protocolos diplomáticos e afirmação política de um Estado em expansão na África ocidental». Revista Brasileira de Estudos Africanos (6). ISSN 2448-3923. doi:10.22456/2448-3923.86065. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  20. José Tadeu Arantes (2 de junho de 2021). «Estudo destaca o papel da diplomacia de Daomé no tráfico de escravos para o Brasil». Agência Fapesp. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  21. Guizelin, Gilberto da Silva (2015). «A última embaixada de um monarca africano no Brasil: Manoel Alves Lima, um embaixador do Reino de Onim na corte de D. Pedro I». Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História (22). ISSN 1983-201X. doi:10.22456/1983-201X.54813. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  22. Antunes de Oliveira, Felipe; Pavan Lopes, Lucas (2023). «A Argentina e a independência do Brasil: o reconhecimento tardio de um reconhecimento pioneiro». CEBRI-Revista (5): 195-220. ISSN 2764-7897. doi:10.54827/2764-7897. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  23. RFi Brasil (7 de setembro de 2022). «O primeiro país a reconhecer a Independência do Brasil foi também o primeiro a quem declarou guerra». G1. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  24. Carlos Haag (2004). «Os escravos do escravo» 102 ed. Revista Fapesp. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  25. Law, Robin (1986). «Dahomey and the Slave Trade: Reflections on the Historiography of the Rise of Dahomey». The Journal of African History (2): 237–267. ISSN 0021-8537. Consultado em 15 de agosto de 2023 
  26. Law, Robin (1997). «The Politics of Commercial Transition: Factional Conflict in Dahomey in the Context of the Ending of the Atlantic Slave Trade». The Journal of African History (2): 213–233. ISSN 0021-8537. Consultado em 15 de agosto de 2023 
  27. Lechner, John (maio de 2023). «Susan Williams, White Malice: The CIA and the Covert Recolonization of Africa. New York NY: PublicAffairs (hb US$35 – 978 1 5417 6829 1). 2021, 651 pp.». Africa (2): 325–327. ISSN 0001-9720. doi:10.1017/s0001972023000372. Consultado em 15 de agosto de 2023 
  28. «Home - The Abolition of The Slave Trade». wayback.archive-it.org. Consultado em 15 de agosto de 2023 
  29. Hurston, Zora Neal (2018). Barracoon- The Story of the Last "Black Cargo".
  30. «Season 4». Finding Your Roots (em inglês). Consultado em 15 de agosto de 2023 
  31. Alpern, Stanley B. (2011). Amazons of Black Sparta : the women warriors of Dahomey : with a new preface.

Ligações externas editar

 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Reino do Daomé