Religião nos Estados Unidos


Circle frame.svg

Religião dos Estados Unidos (2017)[1]

  Protestantismo (48.5%)
  Catolicismo (22.7%)
  Mórmons (1.8%)
  Sem religião (21.3%)
  Judeus (2.1%)
  Muçulmanos (0.8%)
  Outras religiões não-abraâmicas (2.9%)

A religião nos Estados Unidos é caracterizada por uma diversidade de crenças e práticas religiosas. Várias crenças (religiosas) floresceram/surgiram dentro dos Estados Unidos. Uma grande maioria de americanos informaram que ela (a religião) tem um papel muito importante em suas vidas, uma proporção única entre países desenvolvidos".[2]

Historicamente, os Estados Unidos sempre foi marcado pelo pluralismo e diversidade religiosa, começando com várias crenças nativas da época pré-colonial. Nas épocas coloniais, anglicanos, católicos romanos e protestantes de linha principal, bem como judeus, chegaram da Europa. A ortodoxia está presente desde a colonização russa do Alasca. Vários protestantes dissidentes, que deixaram a Igreja Anglicana, diversificaram grandemente a paisagem religiosa. O Grande Despertamento deu a luz a várias denominações protestantes evangélicas; O número de membros das igrejas metodistas e batistas cresceu drasticamente no Segundo Grande Despertamento. No século XVIII, o deísmo encontrou apoio entre a elite americana e filósofos. A Igreja Episcopal, que se separou da Igreja Anglicana, surgiu na Revolução Americana. Novos ramos protestantes como o adventismo surgiram; Os restauradores e outros cristãos como as Testemunhas de Jeová, o movimento dos Santos dos Últimos Dias, as Igrejas de Cristo e a Ciência Cristã, bem como as comunidades unitárias e universalistas todas se espalharam no século XIX. O pentecostalismo surgiu no início do século XX como resultado do Reavivamento da Rua Azusa. A Cientologia emergiu na década de 1950. O unitário-universalismo resultou da fusão das igrejas unitárias e universalistas no século XX. A partir da década de 1990, a percentagem religiosa de cristãos tem diminuído devido à secularização, enquanto a de budistas, hindus, muçulmanos e outras religiões tendem a aumentar. O protestantismo, historicamente dominante, deixou de ser a categoria religiosa da maioria no começo da década de 2010.

A maioria dos adultos estadunidenses se identifica como cristã, enquanto cerca de um quarto afirma não ter afiliação religiosa.[3] De acordo com um estudo de 2014 do Pew Research Center, 70,6% da população adulta se identificou como cristã, com 46,5% de participação em uma variedade de igrejas que poderiam ser consideradas protestantes e 20,8% professando crenças católicas. O mesmo estudo diz que outras religiões (incluindo judaísmo, budismo, hinduísmo e islã) coletivamente compõem cerca de 6% da população. De acordo com uma pesquisa realizada em 2012 pelo fórum Pew, 36% dos adultos norte-americanos afirmam frequentar serviços quase toda semana ou mais.[4] De acordo com uma pesquisa da Gallup de 2016, Mississippi (com 63% de sua população adulta descrita como muito religiosa, dizendo que a religião é importante para eles e frequentando serviços religiosos quase todas as semanas) é o estado mais religioso do país, enquanto Nova Hampshire (com apenas 20% de sua população adulta descrita como muito religiosa) é o estado menos religioso.[5]

HistóriaEditar

Desde os primórdios do período colonial, quando alguns colonos ingleses e alemães vieram em busca de liberdade religiosa, a América foi profundamente influenciada pela religião.[6] Essa influência continua na cultura americana, na vida social, e na política.[7] "Várias das treze colônias originais foram fundadas por colonos que desejavam praticar a sua própria religião em comunidades de pessoas da mesma fé: a Colônia da Baía de Massachusetts foi fundada por puritanos ingleses (congregacionistas), a Pensilvânia por quakers britânicos, Maryland por católicos ingleses, e a Virgínia por anglicanos ingleses". Apesar disso, e como resultado de conflitos religiosos e preferência na Inglaterra,[8] o Plantation Act 1740 estabeleceria uma política oficial para novos imigrantes que chegassem à América britânica até a Revolução Americana.

O texto da Primeira Emenda à Constituição do país afirma que "o Congresso não fará nenhuma lei respeitando um estabelecimento de religião ou proibindo o livre exercício do mesmo; ou abreviar a liberdade de expressão ou de imprensa; ou o direito do povo de se reunir pacificamente, e de pedir ao governo uma reparação de queixas". Garante o livre exercício da religião, além de impedir o governo de estabelecer uma religião estatal. No entanto, os estados não estavam vinculados à provisão e, no final da década de 1830, Massachusetts forneceu dinheiro dos impostos às igrejas congregacionais locais.[9] A Suprema Corte desde a década de 1940 interpretou a Décima Quarta Emenda como aplicando a Primeira Emenda aos governos estaduais e locais.

O presidente John Adams e um Senado unânime endossaram o Tratado de Trípoli em 1797, que afirmava: "o governo dos Estados Unidos da América não é, de forma alguma, fundamentado na religião cristã".[10]

Os pesquisadores e autores especialistas se referiram aos Estados Unidos como uma "nação protestante" ou "fundada em princípios protestantes",[11][12][13][14] enfatizando especificamente sua herança calvinista.[15][16][17]

O lema oficial moderno dos Estados Unidos da América, conforme estabelecido em uma lei de 1956 assinada pelo Presidente Dwight D. Eisenhower, é "In God We Trust" ("Em Deus Confiamos").[18][19] A frase apareceu pela primeira vez nas moedas dos EUA em 1864.[18]

De acordo com uma pesquisa de 2002 do Pew Research Center, quase 6 em cada 10 americanos disseram que a religião desempenha um papel importante em suas vidas, em comparação com 33% na Grã-Bretanha, 27% na Itália, 21% na Alemanha, 12% no Japão, e 11% na França. O relatório da pesquisa afirmou que os resultados mostraram que os Estados Unidos têm uma semelhança maior com os países em desenvolvimento (onde porcentagens mais altas dizem que a religião desempenha um papel importante) do que com outros países ricos, onde a religião desempenha um papel menor.[2]

Em 1963, 90% dos adultos norte-americanos alegavam ser cristãos, enquanto apenas 2% não professavam identidade religiosa. Em 2014, cerca de 70% se identificam como cristãos, enquanto cerca de 23% afirmam não ter identidade religiosa.[3]

Liberdade de religiãoEditar

O governo federal dos Estados Unidos foi o primeiro governo nacional a não ter religião oficial endossada pelo Estado.[20] No entanto, alguns estados estabeleceram religiões de alguma forma até a década de 1830.

Modelando as disposições relativas à religião dentro do Estatuto da Virgínia para a Liberdade Religiosa, os autores da Constituição rejeitaram qualquer teste religioso para o cargo, e a Primeira Emenda negou especificamente ao governo federal qualquer poder para promulgar qualquer lei respeitante a um estabelecimento de religião ou proibir o seu livre exercício, protegendo assim qualquer organização, instituição ou denominação religiosa da interferência do governo. A decisão foi influenciada principalmente pelos ideais racionalistas e protestantes europeus, mas também foi uma consequência das preocupações pragmáticas de grupos religiosos minoritários e pequenos estados que não queriam estar sob o poder ou a influência de uma religião nacional que não os representasse.[21]

Religiões abraâmicasEditar

CristianismoEditar

 Ver artigo principal: Cristianismo nos Estados Unidos
 Ver artigo principal: Protestantismo nos Estados Unidos
 Ver artigo principal: Igreja Católica nos Estados Unidos

A maior religião dos EUA é o cristianismo, reivindicado pela maioria da população (70,6% em 2014).[3] Entre os inquiridos, cerca de 46,5% dos americanos são protestantes, 20,8% são católicos, 1,6% são mórmons (o nome comumente usado para se referir aos membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) e 1,7% têm afiliações a vários outras denominações cristãs.[3] O cristianismo foi introduzido durante o período da colonização europeia.

De acordo com uma revisão de 2012 do Conselho Nacional de Igrejas, as cinco maiores denominações são:[22]

A Convenção Batista do Sul, com mais de 16 milhões de adeptos, é a maior de mais de 200[23] denominações protestantes de nome distinto.[24] Em 2007, membros de igrejas evangélicas representavam 26% da população americana, enquanto outros 18% pertenciam às principais igrejas protestantes e 7% pertenciam a igrejas historicamente negras.[25]

Um estudo de 2015 estima cerca de 450.000 crentes cristãos de origem muçulmana no país, a maioria deles pertencendo a alguma forma de protestantismo.[26] Em 2010, havia aproximadamente 180.000 americanos árabes e cerca de 130.000 americanos iranianos que se converteram do islamismo ao cristianismo. Dudley Woodbury, um estudioso do Islã da Fulbright, estima que 20.000 muçulmanos se convertam ao cristianismo anualmente nos Estados Unidos.[27]

Principais denominações protestantesEditar

Os historiadores concordam que os membros das principais denominações protestantes desempenharam papéis de liderança em muitos aspectos da vida americana, incluindo política, negócios, ciência, artes e educação. Eles fundaram a maioria dos principais institutos de ensino superior do país.[28] Segundo Harriet Zuckerman, 72% dos ganhadores do Prêmio Nobel da América entre 1901 e 1972, identificaram-se de origem protestante.[29]

Episcopalianos[30] e presbiterianos[31] tendem a ser consideravelmente mais ricos e com melhor escolaridade do que a maioria dos outros grupos religiosos, e o número de famílias americanas mais ricas e abastadas como os Vanderbilts[30] e Astors,[30] Rockefeller,[32] Du Pont, Roosevelt, Forbes, Whitneys,[30] Morgans[30] e Harrimans são famílias protestantes principais,[30] embora os afiliados ao judaísmo sejam o grupo religioso mais educado e mais rico dos Estados Unidos[33][34] e aqueles afiliados ao catolicismo, devido ao tamanho, têm o maior número de adeptos de todos os grupos na faixa de renda mais alta.[35]

Algumas das primeiras faculdades e universidades na América, incluindo Harvard,[36] Yale,[37] Princeton,[38] Colúmbia,[39] Dartmouth,[40] Williams, Bowdoin, Middlebury,[41] e Amherst, todos foram fundados pelas principais denominações protestantes. Na década de 1920, a maioria havia enfraquecido ou abandonado sua conexão formal com uma denominação. James Hunter argumenta que:

As escolas e faculdades particulares estabelecidas pelas principais denominações protestantes, em regra, ainda querem ser conhecidas como lugares que promovem valores, mas poucos vão tão longe quanto identificar esses valores como cristãos. [...] No geral, a distinção da linha principal da identidade protestante se dissolveu amplamente desde os anos 1960.[42]

Catolicismo RomanoEditar

Enquanto os puritanos asseguravam sua comunidade, os membros da igreja católica na Inglaterra também estavam planejando um refúgio, "pois eles também estavam sendo perseguidos por causa de sua religião".[43] Entre os interessados em fornecer um refúgio aos católicos estava o segundo lorde de Baltimore, George Calvert, que estabeleceu Maryland, um "proprietário católico", em 1634,[44] mais de sessenta anos após a fundação da missão espanhola de Santo Agostinho na Flórida.[45] Embora pequeno em número no começo, o catolicismo cresceu ao longo dos séculos para se tornar a maior denominação única nos EUA, principalmente através da imigração, mas também através da aquisição de territórios continentais sob a jurisdição das potências católicas francesas e espanholas.[46] Embora a população católica e indígena europeia desses antigos territórios fosse pequena,[47] as culturas materiais de lá, as fundações originais da missão com seus nomes católicos canônicos, ainda são reconhecidas hoje (como eram conhecidas anteriormente) em várias cidades da Califórnia, Novo México e Louisiana.[nota 1]

À medida que o número de católicos aumentou, eles construíram um vasto sistema de escolas (das escolas primárias às universidades) e hospitais. A primeira universidade católica dos EUA, a Universidade de Georgetown, foi fundada em 1789. Desde então, a igreja católica fundou centenas de outras faculdades e universidades, além de milhares de escolas primárias e secundárias. Escolas como a Universidade de Notre Dame são classificadas melhor em seu estado (Indiana), enquanto a Universidade de Georgetown é classificada melhor no Distrito de Columbia. 12 universidades católicas também estão classificadas entre as 100 melhores universidades dos EUA.[48]

Colonos cristãosEditar

A partir de 1600 colonos europeus introduziram a religião anglicana e puritana, bem como as denominações batistas, presbiterianas, luteranas, quacres e moravas.[49]

 
O Templo de Salt Lake em Salt Lake City, Utah.

A partir do século XVI, os espanhóis (e depois franceses e ingleses) introduziram o catolicismo. Do século XIX até o presente, os católicos chegaram aos EUA em grande número devido à imigração de italianos, hispânicos, portugueses, franceses, poloneses, irlandeses, escoceses das montanhas, holandeses, flamengos, húngaros, alemães, libaneses (maronitas) e outros grupos étnicos.

Durante o século XIX, dois ramos principais do cristianismo oriental também chegaram à América. A Igreja Ortodoxa foi trazida para a América por grupos de imigrantes gregos, russos, ucranianos, sérvios, e outros grupos de imigrantes, principalmente da Europa Oriental. Ao mesmo tempo, vários grupos de imigrantes do Oriente Médio, principalmente armênios, coptas e sírios, trouxeram a Ortodoxia Oriental para a América..[50][51]

 
A Basílica do Santuário Nacional da Imaculada Conceição em Washington, D.C., a maior igreja católica dos EUA.

Vários grupos cristãos foram fundados na América durante o Grande Despertar. O evangelicalismo interdenominacional e o pentecostalismo emergiram; novas denominações protestantes como o adventismo; movimentos não-denominacionais, como o Movimento de Restauração (que com o tempo se separou nas Igrejas de Cristo, nas igrejas cristãs e igrejas de Cristo e na Igreja Cristã (Discípulos de Cristo)); Testemunhas de Jeová (chamadas "Estudantes da Bíblia" na última parte do século XIX); e A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mormonismo).

A força de várias seitas varia muito em diferentes regiões do país, com partes rurais do Sul tendo muitos evangélicos, mas muito poucos católicos (exceto Louisiana e Costa do Golfo, e a comunidade hispânica, que consiste principalmente de católicos), enquanto urbanizados as áreas dos estados do Atlântico Norte e dos Grandes Lagos, bem como muitas cidades industriais e de mineração, são fortemente católicas, embora ainda bastante misturadas, principalmente devido às comunidades afro-americanas fortemente protestantes. Em 1990, quase 72% da população de Utah era mórmon, assim como 26% dos vizinhos Idaho.[52] O luteranismo é mais proeminente no Alto Centro-Oeste, com Dakota do Norte tendo a maior porcentagem de luteranos (35% de acordo com uma pesquisa de 2001).[53]

A maior religião, o cristianismo, diminuiu proporcionalmente desde 1990. Enquanto o número absoluto de cristãos aumentou de 1990 a 2008, a porcentagem de cristãos caiu de 86% para 76%. Uma entrevista por telefone em todo o país com 1.002 adultos, conduzida pelo The Barna Group, constatou que 70% dos adultos americanos acreditam que Deus é "o criador todo-poderoso e onisciente do universo que ainda hoje o governa" e que 9% de todos os americanos adultos e 0,5% dos jovens adultos mantêm o que a pesquisa definiu como uma "visão bíblica do mundo".[54]

Membros episcopais, presbiterianos, ortodoxos orientais e da Igreja Unida de Cristo[55] tiveram o maior número de diplomas de graduação e pós-graduação de todas as denominações cristãs nos Estados Unidos,[56] bem como os mais assalariados.[57]

JudaísmoEditar

 Ver artigo principal: Judaísmo nos Estados Unidos

Depois do Cristianismo e Sem-Religião, o Judaísmo é a quarta maior preferência religiosa nos EUA. Os judeus atuais estão presentes nos EUA desde o século XVII, embora a imigração em grande escala não tenha ocorrido até o século XIX, em maior parte por causa das perseguições na Europa Oriental. O CIA Fact Book estima que 1% dos americanos pertencem a esse grupo. Aproximadamente 25% dessa população vive em Nova York.

Um significativo número de pessoas identificam-se como judeus americanos em terras étnicas e culturais, melhor que outros religiosos. O estudo 2001 ARIS demonstrou que há aproximadamente 5.3 milhões de adultos na população judaica americana: 2.83 milhões de adultos (1.4% da população adulta dos EUA) são estimados como aderentes do Judaísmo; 1.08 milhões são estimados como aderentes a nenhuma religião; e 1.36 milhões são estimados como aderentes de uma religião diferente do Judaísmo.

De acordo com o National Jewish Population Survay de 2001, 4.3 milhões de americanos judeus tem uma grande conexão com a comunidade Judaica, do que outras religiões ou culturas. Judeus são geralmente considerados mais como um grupo étnico do que uma religião. Cerca de 4.3 milhões de americanos judeus consideram-se "fortemente conectados" ao Judaísmo, cerca de 80% tem alguma sorte no compromisso com o Judaísmo, variando do comparecimento em serviços diários ao Sêder de Pessach ou iluminando velas de Hanukkak. Destes 4.3 milhões de judeus fortemente conectados, 46% pertencem a uma sinagoga. Entre aqueles que pertencem a uma sinagoga, 38% são membros de sinagogas de reforma, 33% conservadoras, 22% ortodoxas, 2% Judaísmo Reconstrucionista e 5% de outros tipos. O exame descobriu também que os judeus do Nordeste e do Centro-Oeste são geralmente mais praticantes do que judeus do Sul ou ocidentais. Refletindo também uma tendência observada também entre outros grupos religiosos, os judeus do Noroeste dos Estados Unidos são tipicamente os menos praticantes.

Em anos recentes, houve uma tendência visível de judeus americanos seculares chamada Baalei Teshuva na qual se faz o retorno às práticas religiosas, na maioria dos casos seguindo a corrente Ortodoxa.

BudismoEditar

 Ver artigo principal: Budismo nos Estados Unidos

O Budismo entrou nos EUA durante o século XIX com a chegada dos primeiros imigrantes da Ásia Oriental. O primeiro templo budista foi estabelecido em São Francisco em 1853 pelos chineses-americanos.

Ao longo do século XIX, missionários budistas do Japão vieram aos EUA. Simultaneamente a estes processos, certos intelectuais dos EUA ficaram interessados pelo budismo.

O primeiro cidadão proeminente dos EUA a se converter ao budismo foi Henry Steel Olcott. Um evento que contribuiu para o crescimento do budismo nos EUA era o Parlamento das religiões do mundo em 1893, que foi atendido por muitos delegados budistas vindos da China, Japão, Tailândia e Sri Lanka.

O século XX foi caracterizado por uma continuação das tendências do século XIX. A segunda metade, pelo contraste, viu uma emergência de correntes principais do movimento budista que tornou-se uma massa e um fenômeno religioso cocoassociações e professores estrangeiros - tais como Soka Gakkai e Tenzin Gyatso, o 14º Dalai Lama (do budismo tibetano) - começaram a organizar atividades missionárias, quando os convertidos dos EUA estabeleceram as primeiras instituições ocidentais, os templos e os grupos budistas de adoração.

Estimativas do número de budistas nos Estados Unidos variam de 0.5% a 0.9%. [58][59][60]

IslamismoEditar

 Ver artigo principal: Islã nos Estados Unidos
 
Escola islâmica em Seattle.

A história do Islã nos EUA começa no século XIX com a chegada confirmada do explorador muçulmano e marinheiro Estevanico de Azamor e vários visitantes muçulmanos. Ainda que muito pequena, a população muçulmana aumentou extremamente nos últimos cem anos. São muitas controversas as estimativas recentes da população muçulmana nos EUA. Boa parte do crescimento foi por causa da imigração e pela conversão.

Até um terço dos muçulmanos americanos são africanos que se converteram ao Islã durante os últimos setenta anos, a maioria quem juntou primeiramente a Nação do Islã, embora muito mais tarde se iniciasse uma corrente sunita.

A pesquisa indica que os muçulmanos nos EUA são geralmente assimilados e prósperos do que os muçulmanos da Europa. Sugerem também, entretanto que são menos assimilados do que outras comunidades. Existem muitas organizações islâmicas de apoio política a essa comunidade. em 2003, o escritor Stephen Schwartz acusou a Associação de alunos muçulmanos dos EUA e do Canadá de prosseguir uma agenda islâmica.

A imigração muçulmana aumentou em 2005, assim como mais pessoas de países islâmicos se tornaram residentes legais permanentes nos EUA do que qualquer ano, nas duas décadas anteriores. O número de muçulmanos nos EUA é controversa. As estimativas mais aceitas de muçulmanos nos EUA é de 2,35 milhões (0,8% do total da população). Por algum tempo, meios de comunicação aceitam estimativas de 6 milhões para 10 milhões de muçulmanos, mas essas previsões não tem qualquer base empírica.

HinduísmoEditar

 Ver artigo principal: Hinduísmo nos Estados Unidos

A primeira vez que o Hinduísmo entrou nos Estados Unidos não está claramente identificado. No entanto, grandes grupos de hindus emigraram da Índia e de outros países asiáticos desde o Ato pela Imigração e Nacionalidade de 1965. Durante as décadas de 1960 e 1970, o fascínio pelo Hinduísmo contribuiu para o pensamento New Age. Durante as mesmas décadas, a Sociedade Internacional para a Consciência Krishna (uma organização hindu Vaishnava reformista) foi fundada nos EUA.

Atualmente, as estimativas de hindus nos Estados Unidos sugerem um número de quase 800.000 pessoas, ou cerca de 0.4% do total da população.

A religião hindu está em crescimento nos Estados Unidos, não só graças a imigração, mas também devido a conversão de muitos ocidentais. O hinduísmo está aumentando em popularidade e influência sobre a vida pública. Em 2004, a Hindu American Fundation - uma instituição nacional de divulgação da religião e proteger os direitos da comunidade hindu americana - foi fundada.

Templos hindus prosperaram nos Estados Unidos e recentemente, em julho de 2007, um serviço hindu realizou a abertura de uma sessão no senado. O evento foi criticado e atingido por muitos evangélicos e fundamentalistas cristãos.

Unitário-UniversalismoEditar

O Unitário-Universalismo (UUismo) entrou em sua existência como uma única religião quando a Associação Unitária Universalista foi fundada em 1961 como uma consolidação da Associação Americana e da Igreja Universalista da América. Unitário-Universalismo é um movimento religioso teológico liberal caracterizado pelo seu apoio a uma "livre e responsável busca da verdade e do significado". Unitário-Universalismo é uma religião convencional. Os membros não partilham um credo, mas eles são partilhados pela sua pesquisa unificada para o crescimento espiritual. Os unitários-universalistas tem muitas fontes diferentes e têm uma grande variadade de crenças e práticas.

Sendo historicamente derivados do Unitarismo e Universalismo, o Unitário-Universalismo têm traços de raízes cristãs protestantes, no entanto, o significado teológico de ambos tenha sido significativamente ampliada para além do tradicional entendimento prévio à sua decisão de combinar os seus esforços ao nível continental como Unitário-Universalistas. Muitos UUs apreciam aspectos da espiritualidade islâmica, cristã e judaica, mas a medida em que os elementos de uma determinada fé e tradição são incorporadas em uma pessoa de práticas espirituais, é uma questão de escolha pessoal em consonância com o credo Unitário-Universalista, abordagem não-dogmática da espiritualidade e desenvolvimento da fé.

Como resultado dessas raízes históricas, congregações unitária-universalistas tendem a reter algumas tradições cristãs, como o culto aos Domingos que inclui um sermão e de cantar hinos, apesar do fato de que eles não necessariamente identificam-se como cristãos.

De acordo com a pesquisa de 2007 publicado pela Pew Forum on Religion & Public Life. 3% dos adultos americanos ou aproximadamente 3.400.000 indivíduos identificados como eles próprios como Unitário-Universalistas.

OutrasEditar

Várias outras religiões são representadas nos EUA, incluídos os tradicionais americanos nativos, Ortodoxismo, New Age, Sikhismo, Jainismo, Xintoísmo, Taoísmo, Caodaísmo, Fé Bahá'í, Asatrú, Neopaganismo.

Religião dos americanos nativosEditar

Nenhuma religião particular ou tradição religiosa é hegemônica entre nativos americanos nos EUA. A maioria dos identificados e federalmente reconhecidos como nativos americanos reivindicam a aderência a algum formulário da cristandade, alguns destes que são sínteses culturais e religiosas originais ao tribo particular. Os ritos espirituais e as cerimônias dos nativos americanos são mantidos por muitos americanos de identidade nativa e não-nativa.

Estatisticas por EstadoEditar

Dados abaixos são da Pew Research Center[61]

Religião nos Estados Unidos por Estado (2014)
Estado Protestante (%) Católico (%) Mormon (%) Outros Cristaõs (%) Outras (%) Sem Religião (%) Sem Resposta (%) Referencias
  Alabama 78.0 7.0 1.0 <1.0 1.0 12.0 1.0 [62]
  Mississippi 77.0 4.0 1.0 <1.0 2.0 14.0 1.0 [63]
  Tennessee 73.0 6.0 1.0 1.0 3.0 14.0 1.0 [64]
  Arkansas 70.0 8.0 1.0 <1.0 3.0 18.0 1.0 [65]
  West Virginia 70.0 6.0 2.0 <1.0 3.0 18.0 1.0 [66]
  Oklahoma 69.0 8.0 1.0 <1.0 2.0 18.0 1.0 [67]
  Geórgia 67.0 9.0 1.0 2.0 3.0 18.0 1.0 [68]
  Carolina do Norte 66.0 9.0 1.0 2.0 3.0 20.0 1.0 [69]
  Carolina do Sul 66.0 10.0 1.0 2.0 3.0 19.0 1.0 [70]
  Kentucky 65.0 10.0 <1.0 <1.0 2.0 22.0 1.0 [71]
  Iowa 60.0 18.0 <1.0 <1.0 1.0 21.0 1,0 [72]
  Missouri 58.0 16.0 1.0 <1.0 3.0 20.0 1.0 [73]
  Virginia 58.0 12.0 2.0 1.0 6.0 20.0 <1.0 [74]
  Kansas 57.0 18.0 1.0 1.0 4.0 20.0 <1,0 [75]
  Louisiana 57.0 26.0 <1.0 2.0 2.0 13.0 1.0 [76]
  Dakota do Sul 57.0 22.0 <1.0 <1.0 3.0 18.0 <1.0 [77]
  Ohio 53.0 18.0 1.0 1.0 4.0 22.0 <1.0 [78]
  Indiana 52.0 18.0 1.0 <1.0 2.0 26.0 <1.0 [79]
  Maryland 52.0 15.0 1.0 2.0 8.0 23.0 <1.0 [80]
  Michigan 51.0 18.0 <1.0 2.0 5.0 24.0 1.0 [81]
  Nebraska 51.0 23.0 1.0 <1.0 4.0 20.0 <1,0 [82]
  Dakota do Norte 51.0 26.0 <1.0 <1.0 3.0 20.0 <1.0 [83]
  Minnesota 50.0 22.0 1.0 <1.0 5.0 20.0 2.0 [84]
  Texas 50.0 23.0 1.0 2.0 4.0 18.0 <1.0 [85]
  Pensilvânia 47.0 24.0 <1.0 1.0 6.0 21.0 1.0 [86]
  Estados Unidos 46.5 20.8 1.6 1.7 5.9 22.8 0.6 [3]
  Delaware 46.0 22.0 <1.0 1.0 6.0 23.0 1.0 [87]
  Florida 46.0 21.0 1.0 2.0 6.0 24.0 <1.0 [88]
  Wisconsin 44.0 25.0 <1.0 2.0 4.0 25.0 <1.0 [89]
  Colorado 43.0 16.0 2.0 2.0 5.0 29.0 2.0 [90]
  Illinois 43.0 28.0 <1.0 2.0 6.0 22.0 1.0 [91]
  Oregon 43.0 12.0 4.0 2.0 7.0 31.0 1.0 [92]
  Wyoming 43.0 14.0 9.0 4.0 3.0 26.0 <1.0 [93]
  Montana 42.0 17.0 4.0 2.0 5.0 30.0 <1.0 [94]
  Distrito de Colúmbia 41.0 20.0 2.0 1.0 9.0 25.0 1.0 [95]
  Washington 40.0 17.0 3.0 3.0 6.0 32.0 1.0 [96]
  Arizona 39.0 21.0 5.0 1.0 6.0 27.0 <1.0 [97]
  Hawaii 38.0 20.0 3.0 2.0 10.0 26.0 1.0 [98]
  New Mexico 38.0 34.0 2.0 1.0 4.0 21.0 <1.0 [99]
  Alaska 37.0 16.0 5.0 5.0 6.0 31.0 1.0 [100]
  Idaho 37.0 10.0 19.0 1.0 4.0 27.0 <1.0 [101]
  Maine 37.0 21.0 2.0 1.0 7.0 31.0 2.0 [102]
  Connecticut 35.0 33.0 1.0 2.0 7.0 23.0 1.0 [103]
  Nevada 35.0 25.0 4.0 2.0 5.0 28.0 1.0 [104]
  California 32.0 28.0 1.0 3.0 9.0 27.0 1.0 [105]
  Nova Jérsia 31.0 34.0 1.0 2.0 14.0 18.0 1.0 [106]
  New Hampshire 30.0 26.0 1.0 2.0 5.0 36.0 <1.0 [107]
  Rhode Island 30.0 42.0 1.0 2.0 5.0 20.0 1.0 [108]
  Vermont 30.0 22.0 <1.0 1.0 8.0 37.0 2.0 [109]
  Nova Iorque 26.0 31.0 <1.0 2.0 12.0 27.0 1.0 [110]
  Massachusetts 21.0 34.0 1.0 1.0 9.0 32.0 1.0 [111]
  Utah 13.0 5.0 55.0 <1.0 4.0 22.0 1.0 [112]


Referências

  1. Newport, Frank (22 de Dezembro de 2017). «2017 Update on Americans and Religion». Gallup. Consultado em 4 de abril de 2020 
  2. a b «Among Wealthy Nations U.S. Stands Alone in its Embrace of Religion». Pew Global Attitudes Project. Consultado em 1 de janeiro de 2007 
  3. a b c d e «America's Changing Religious Landscape». Pew Research Center: Religion & Public Life. 12 de maio de 2015 
  4. «The Pew Forum on Religion & Public Life – Asian Americans: A Mosaic of Faiths». Pewforum.org. 19 de julho de 2012. Consultado em 29 de dezembro de 2012 
  5. Newport, Frank (4 de fevereiro de 2016). «New Hampshire Now Least Religious State in U.S.». Gallup. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  6. Sydney Ahlstrom, A Religious History of the American People (Yale UP, 2nd ed. 2004) ISBN 0-300-10012-4
  7. Kevin M. Schultz, and Paul Harvey, "Everywhere and Nowhere: Recent Trends in American Religious History and Historiography", Journal of the American Academy of Religion, March 2010, Vol. 78 Issue 1, pp. 129–162
  8. See: English Civil War, Glorious Revolution, Restoration (England) and Nonconformists
  9. David E. Swift (1989). Black Prophets of Justice: Activist Clergy Before the Civil War. [S.l.]: LSU Press. p. 180 
  10. The treaty is online
  11. Tri-Faith America: How Catholics and Jews Held Postwar America to Its Protestant Promise by Kevin M. Schultz, p. 9
  12. Obligations of Citizenship and Demands of Faith: Religious Accommodation in Pluralist Democracies by Nancy L. Rosenblum, Princeton University Press, 2000 – 438, p. 156
  13. The Protestant Voice in American Pluralism by Martin E. Marty, chapter 1
  14. «10 facts about religion in America». pewresearch.org. 27 de agosto de 2015. Consultado em 27 de agosto de 2017 
  15. Barnstone, Aliki; Manson, Michael Tomasek; Singley, Carol J. (27 de agosto de 1997). The Calvinist Roots of the Modern Era. [S.l.]: UPNE. ISBN 9780874518085. Consultado em 27 de agosto de 2017 – via Google Books 
  16. Holmes, David L. (1 de maio de 2006). The Faiths of the Founding Fathers. [S.l.]: Oxford University Press, USA. p. 13. ISBN 9780195300925. Consultado em 27 de agosto de 2017 – via Internet Archive. united states founded on calvinism. 
  17. «Calvinism: The Spiritual Foundation of America». Geopolitica.ru. 20 de janeiro de 2016. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  18. a b «U.S. on the History of "In God We Trust"». United States Department of the Treasury. Consultado em 22 de abril de 2009 
  19. United States Public Law 84-851, United States Public Law 84-851.
  20. Feldman, Noah (2005). Divided by God. Farrar, Straus and Giroux, pg. 10 ("For the first time in recorded history, they designed a government with no established religion at all.")
  21. Marsden, George M. 1990. Religion and American Culture. Orlando: Harcourt Brace Jovanovich, pp. 45–46.
  22. «News from the National Council of Churches». Ncccusa.org 
  23. Gaustad 1962
  24. «Annual of the 2007 Southern Baptist Convention» (PDF). Consultado em 29 de dezembro de 2012 
  25. The figures for this 2007 abstract are based on surveies for 1990 and 2001 from the Graduate School and University Center at the City University of New York. Kosmin, Barry A.; Egon Mayer; Ariela Keysar (2001). «American Religious Identification Survey» (PDF). City University of New York.; Graduate School and University Center. Consultado em 4 de abril de 2007 
  26. Johnstone, Patrick; Miller, Duane (2015). «Believers in Christ from a Muslim Background: A Global Census». IJRR. 11: 14. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  27. «Why Are Millions of Muslims Becoming Christian?». National Catholic Register 
  28. McKinney, William. "Mainline Protestantism 2000." Annals of the American Academy of Political and Social Science, Vol. 558, Americans and Religions in the Twenty-First Century (July, 1998), pp. 57-66.
  29. Harriet Zuckerman, Scientific Elite: Nobel Laureates in the United States New York, The Free Pres, 1977 , p.68: Protestants turn up among the American-reared laureates in slightly greater proportion to their numbers in the general population. Thus 72 percent of the seventy-one laureates but about two thirds of the American population were reared in one or another Protestant denomination-)
  30. a b c d e f B. Drummond Ayres, Jr. (19 de dezembro de 2011). «The Episcopalians: An American Elite with Roots Going Back to Jamestown». New York Times. Consultado em 17 de agosto de 2012 
  31. Hacker, Andrew (1957). «Liberal Democracy and Social Control». American Political Science Review. 51 (4): 1009–1026 [p. 1011]. JSTOR 1952449 
  32. Ron Chernow, Titan (New York: Random, 1998) 50.
  33. Irving Lewis Allen, "WASP—From Sociological Concept to Epithet," Ethnicity, 1975 154+
  34. http://www.pewforum.org/2015/05/12/americas-changing-religious-landscape/
  35. http://www.pewforum.org See: "How income varies among US religious groups." 19% of Catholics (19% of 75 million, i.e., over 14 million) "live in households with incomes of at least 100,000."
  36. «The Harvard Guide: The Early History of Harvard University». News.harvard.edu. Consultado em 29 de agosto de 2010 
  37. «Increase Mather» , Encyclopædia Britannica Eleventh Edition, Encyclopædia Britannica
  38. Princeton University Office of Communications. «Princeton in the American Revolution». Consultado em 24 de maio de 2011  The original Trustees of Princeton University "were acting in behalf of the evangelical or New Light wing of the Presbyterian Church, but the college had no legal or constitutional identification with that denomination. Its doors were to be open to all students, 'any different sentiments in religion notwithstanding.'"
  39. McCaughey, Robert (2003). Stand, Columbia: A History of Columbia University in the City of New York. New York, New York: Columbia University Press. p. 1. ISBN 0231130082 
  40. Childs, Francis Lane (dezembro de 1957). «A Dartmouth History Lesson for Freshman». Dartmouth Alumni Magazine. Consultado em 12 de fevereiro de 2007 
  41. W.L. Kingsley et al., "The College and the Church," New Englander and Yale Review 11 (Feb 1858): 600. accessed 2010-6-16 Note: Middlebury is considered the first "operating" college in Vermont as it was the first to hold classes in Nov 1800. It issued the first Vermont degree in 1802; UVM followed in 1804.
  42. James Davison Hunter (31 de março de 2010). To Change the World: The Irony, Tragedy, and Possibility of Christianity in the Late Modern World. [S.l.]: Oxford UP. p. 85 
  43. Richard Middleton, Colonial America: a History, 1565-1776 (Oxford: Blackwell, 2002) 94-101.
  44. Ibid.
  45. Alan Taylor, American Colonies, (New York: Viking, 2001) 76-90.
  46. Taylor, 454-456; 364-395.
  47. Taylor, 458-459; 365-366, 368.
  48. US News and World Report, College Rankings, 2020.
  49. Sydney E. Ahlstrom, A religious history of the American people (1976) pp 121-59 .
  50. FitzGerald 2007, p. 269-279.
  51. Alexei D. Krindatch, ed., Atlas of American Orthodox Christian Churches (Holy Cross Orthodox Press, 2011) online.
  52. «Largest Latter-day Saint Communities (Mormon/Church of Jesus Christ Statistics)». adherents.com. 12 de abril de 2005 
  53. «American Religious Identification Survey». Exhibit 15. The Graduate Center, City University of New York. Consultado em 24 de novembro de 2006 
  54. «Barna Survey Examines Changes in Worldview Among Christians over the Past 13 Years». The Barna Group. 6 de março de 2009. Consultado em 26 de junho de 2009 
  55. «America's Changing Religious Landscape». Pew Research Center: Religion & Public Life. 12 de maio de 2015 
  56. US Religious Landscape Survey: Diverse and Dynamic (PDF), The Pew Forum, fevereiro de 2008, p. 85, consultado em 17 de setembro de 2012 
  57. Leonhardt, David (13 de maio de 2011). «Faith, Education and Income». The New York Times. Consultado em 13 de maio de 2011 
  58. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome ARISKEY
  59. https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/us.html
  60. «Cópia arquivada». Consultado em 28 de junho de 2009. Arquivado do original em 6 de novembro de 2007 
  61. America’s Changing Religious Landscape, Pew Research Center
  62. «Adults in Alabama». Pew Research Center 
  63. «Adults in Mississippi». Pew Research Center 
  64. «Adults in Tennessee». Pew Research Center 
  65. «Adults in Arkansas». Pew Research Center 
  66. «Adults in West Virginia». Pew Research Center 
  67. «Adults in Oklahoma». Pew Research Center 
  68. «Adults in Georgia». Pew Research Center 
  69. «Adults in North Carolina». Pew Research Center 
  70. «Adults in South Carolina». Pew Research Center 
  71. «Adults in Kentucky». Pew Research Center 
  72. «Adults in Iowa». Pew Research Center 
  73. «Adults in Missouri». Pew Research Center 
  74. «Adults in Virginia». Pew Research Center 
  75. «Adults in Kansas». Pew Research Center 
  76. «Adults in Luisiana». Pew Research Center 
  77. «Adults in South Dakota». Pew Research Center 
  78. «Adults in Ohio». Pew Research Center 
  79. «Adults in Indiana». Pew Research Center 
  80. «Adults in Maryland». Pew Research Center 
  81. «Adults in Michigan». Pew Research Center 
  82. «Adults in Nebraska». Pew Research Center 
  83. «Adults in North Dakota». Pew Research Center 
  84. «Adults in North Dakota». Pew Research Center 
  85. «Adults in Texas». Pew Research Center 
  86. «Adults in Pennsylvania». Pew Research Center 
  87. «Adults in Delaware». Pew Research Center 
  88. «Adults in Florida». Pew Research Center 
  89. «Adults in Wisconsin». Pew Research Center 
  90. «Adults in Colorado». Pew Research Center 
  91. «Adults in Illinois». Pew Research Center 
  92. «Adults in Oregon». Pew Research Center 
  93. «Adults in Wyoming». Pew Research Center 
  94. «Adults in Montana». Pew Research Center 
  95. «Adults in the District of Columbia». Pew Research Center 
  96. «Adults in Washington». Pew Research Center 
  97. «Adults in Arizona». Pew Research Center 
  98. «Adults in Hawaii». Pew Research Center 
  99. «Adults in New Mexico». Pew Research Center 
  100. «Adults in Alaska». Pew Research Center 
  101. «Adults in Idaho». Pew Research Center 
  102. «Adults in Maine». Pew Research Center 
  103. «Adults in Connecticut». Pew Research Center 
  104. «Adults in Nevada». Pew Research Center 
  105. «Adults in California». Pew Research Center 
  106. «Adults in New Jersey». Pew Research Center 
  107. «Adults in New Hampshire». Pew Research Center 
  108. «Adults in Rhode Island». Pew Research Center 
  109. «Adults in Vermont». Pew Research Center 
  110. «Adults in New York». Pew Research Center 
  111. «Adults in Massachusetts». Pew Research Center 
  112. «Adults in Utah». Pew Research Center 

Ligações externasEditar


Erro de citação: Existem etiquetas <ref> para um grupo chamado "nota", mas não foi encontrada nenhuma etiqueta <references group="nota"/> correspondente