Remanescente de supernova

Remanescente da Supernova de Kepler, SN 1604.

Remanescente de supernova (SNR) é um invólucro de gás, composta com os restos mortais de uma estrela que foi destruida por uma violenta explosão, supernova, marcando a morte desta.[1] Esta violenta explosão gera uma onda de choque e ejeta o material estelar da antiga estrela que se afasta a grande velocidade do núcleo estelar chegando a atingir velocidades de 3.000 km/s levando consigo, tudo que estiver em seu caminho, no meio interestelar.[2]

O choque do material ejetado pode aquecer o gás interestelar a temperaturas superiores a 10 milhões de kelvin, levando-o ao estado de plasma. [3] Emitem bastante brilho e a mais famosa é a nebulosa do Caranguejo. O remanescente mais jovem conhecido em nossa galáxia é o G1.9+0.3, descoberto no centro galáctico.

EstágiosEditar

Um SNR passa pelos seguintes estágios à medida que se expande:[4]

  1. Expansão livre dos ejetos, até que eles varram seu próprio peso em meio circunstelar ou interestelar. Isso pode durar dezenas a algumas centenas de anos, dependendo da densidade do gás circundante.
  2. Varrição de uma camada de gás circunstelar e interestelar colidido. Isso inicia a fase de Sedov-Taylor, que pode ser bem modelada por uma solução analítica auto-semelhante. A forte emissão de raios X traça as fortes ondas de choque e o gás quente.
  3. Arrefecimento da concha, para formar uma concha fina (<1 pc) e densa (1-100 milhões de átomos por metro cúbico) ao redor do interior quente (alguns milhões de kelvin). Esta é a fase de varredura dinâmica acionada por pressão. A concha pode ser vista claramente na emissão óptica de recombinação de átomos de hidrogênio ionizado e oxigênio ionizado.
  4. Refrigeração do interior. A casca densa continua a se expandir a partir de seu próprio momento. Este estágio é melhor observado na emissão de rádio de átomos de hidrogênio neutros. A fusão com o meio interestelar circundante. Quando o remanescente da supernova diminui para a velocidade das velocidades aleatórias no meio circundante, após aproximadamente 30.000 anos, ele se fundirá no fluxo turbulento geral, contribuindo com sua energia cinética restante para a turbulência.

Pesquisa de remanescenteEditar

Como eles são objetos tridimensionais, são bastante difíceis de estudar.

Uma das técnicas é a inferência de partículas suavizadas (SPI), uma técnica flexível para ajustar observações de raios-X de objetos estendidos, permitindo a modelagem do plasma como uma coleção de “partículas suavizadas” independentes ou bolhas de plasma.[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Restos de uma supernova
  2. Supernova: cientistas tentam compreender como explode uma estrela
  3. As Supernovas Varrem o Espaço!
  4. Reynolds, S. P. (2008-09). «Supernova remnants at high energy.». ARA&A (em inglês). 46: 89–126. ISSN 0066-4146. doi:10.1146/annurev.astro.46.060407.145237  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. «New technique used to discover supernova remnant DEM L71». Tech Explorist (em inglês). 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre astronomia é um esboço relacionado ao Projeto Astronomia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.