Renée Zellweger

Renée Zellweger
Zellweger em 2010.
Nome completo Renée Kathleen Zellweger
Outros nomes Zelly
Rene Zellverger
Renee Zellweger
Renee Zellwegger
Nascimento 25 de abril de 1969 (51 anos)
Katy, Texas, Estados Unidos
Nacionalidade norte-americana
Ocupação Atriz
Produtora
Atividade 1992–presente
Cônjuge Kenny Chesney (2005)
(casamento anulado)
Oscares da Academia
Melhor Atriz
2020 – Judy
Melhor Atriz Coadjuvante
2004 – Cold Mountain
Globos de Ouro
Melhor Atriz – Drama
2020 – Judy
Melhor Atriz – Comédia ou Musical
2001 – Nurse Betty
2003 – Chicago
Melhor Atriz Coadjuvante – Cinema
2004 – Cold Mountain
Prémios Screen Actors Guild
Melhor Elenco em Cinema
2003 – Chicago
Melhor Atriz Principal
2003 – Chicago
2020 – Judy
Melhor Atriz Coadjuvante
2004 – Cold Mountain
Prémios BAFTA
Melhor Atriz
2020 – Judy
Melhor Atriz Coadjuvante
2004 – Cold Mountain
Prémios National Board of Review
Melhor Atriz
2019 – Judy
Melhor Atriz Revelação
1996 – Jerry Maguire
Prémios Critics' Choice
Melhor Atriz
2020 – Judy
Melhor Atriz Coadjuvante
2004 – Cold Mountain
Melhor Atriz Revelação
1997 - Jerry Maguire
Melhor Elenco
2003 – Chicago

Renée Kathleen Zellweger (Katy, Texas, 25 de abril de 1969) é uma atriz e produtora norte-americana. Ao longo de sua carreira ela recebeu vários prêmios, incluindo dois Oscars, quatro Globos de Ouro,[1] dois BAFTAs[2] e quatro SAG Awards.[3]

Zellweger teve seu primeiro papel de destaque em O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno (1994). Posteriormente, recebeu elogios com sua aparição em Império dos Discos, Uma Loja Muito Louca (1995) e ganhou maior reconhecimento por seu papel em Jerry Maguire: A Grande Virada (1996). Por Enfermeira Betty (2000), ela ganhou seu primeiro Globo de Ouro e, por suas performances como Bridget Jones em O Diário de Bridget Jones (2001) e Roxie Hart em Chicago (2002), ela recebeu indicações consecutivas ao Oscar de Melhor Atriz. Zellweger reprisou seu papel como Bridget Jones em duas sequencias igualmente bem-sucedidas (2004, 2016).

Ela ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por sua atuação no drama Cold Mountain (2003),[4] e interpretou a esposa do boxeador James J. Braddock em A Luta pela Esperança (2005) e a autora Beatrix Potter em Miss Potter (2006). Após estrelar papéis em filmes de menor repercussão, como Appaloosa, uma cidade sem lei (2008), Tudo por Você (2009) e Caso 39 (2009), Zellweger se afastou do cinema durante seis anos. Em 2019, estrelou a série de antologia da Netflix, What/If e foi aclamada pela crítica por sua interpretação de Judy Garland na cinebiografia Judy: Muito Além do Arco-Íris,[5] com a última lhe rendendo os prêmios Oscar, Globo de Ouro, BAFTA, Critics' Choice Movie Awards e SAG Awards de Melhor Atriz, se tornando a primeira atriz a ganhar duas vezes todos esses prêmios pelo mesmo filme, além de ser a sétima atriz a vencer o Oscar em ambas as categorias de atuação (Cold Mountain, como atriz coadjuvante, e Judy, como atriz principal, respectivamente).[6]

Início da vidaEditar

Renée Zellweger (IPA[ɹəˈneɪ ˈzɛlwɛɡɚ]) é filha do imigrante suíço Emil Eric Zellweger e da imigrante norueguesa Kjellfrid Iren Andreassen. Renée concluiu o ensino médio na Katy High, em Katy, um subúrbio de Houston, em 1987. Nessa época foi líder de torcida, ginasta e atriz de teatro amador. Logo após, foi estudar Língua Inglesa na Universidade do Texas, em Austin, onde se sustentou trabalhando em vários empregos como garçonete. Apesar de ter frequentado aulas de interpretação apenas para cumprir os créditos universitários, descobriu o gosto pela atuação.

CarreiraEditar

1992–1995: Início de carreiraEditar

Enquanto ainda estava no Texas, Zellweger apareceu em vários filmes independentes e de baixo orçamento. Um deles foi Amigos até a Morte (1992),[7] seguido de um papel na minissérie da ABC, Assassinato em Nebraska (1993).[8] Em 1994, ela apareceu em Caindo na Real de Ben Stiller, e no filme biográfico 8 Segundos, dirigido por John G. Avildsen.

Seu primeiro papel principal em um filme veio em 1994 com O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno, ao lado de Matthew McConaughey.[9] Em seu filme seguinte, a comédia criminal Um Amor e Uma 45 (1994), Zellweger interpretou uma mulher que planeja um assalto com o namorado. Embora o filme tenha recebido um lançamento limitado nos cinemas, Marc Savlov, do The Austin Chronicle, aplaudiu o elenco principal dizendo que eles eram "todos excelentes em seus papéis".[10] O personagem lhe rendeu uma indicação ao prêmio Independent Spirit. Zellweger mudou-se posteriormente para Los Angeles. Em seguida, ela apareceria no drama Império dos Discos, Uma Loja Muito Louca (1995). O consenso do Rotten Tomatoes foi: "Apesar de uma trilha sonora fantástica e de uma forte performance de Renee Zellweger, Empire Records é um drama adolescente bobo e previsível".[11]

1996–2000: ReviravoltaEditar

Zellweger tornou-se amplamente conhecida pelo público com Jerry Maguire: A Grande Virada (1996), em que ela interpreta a namorada do personagem de Tom Cruise. O filme foi aclamado pela crítica e arrecadou mais de US$ 273 milhões em todo o mundo.[12] Foi Cruise quem a escolheu para interpretar seu par romântico. Roger Ebert, mostrando aprovação da química de Zellweger e Cruise, escreveu: "O filme torna-se delicioso, especialmente quando Cruise e Zellweger estão juntos na tela. Ele interpreta Maguire com a seriedade de um homem que deseja encontrar grandeza e felicidade em um filme onde apenas o sucesso realmente conta. Ela interpreta uma mulher que acredita nesse cara que ama e nos lembra que o verdadeiro amor é sobre o idealismo".[13] Ela foi indicada ao Screen Actors Guild Award de melhor atriz coadjuvante e ao Satellite Award de melhor atriz coadjuvante no cinema.

Seu filme seguinte, Um Preço Acima dos Rubis (1998), foi um fracasso nas bilheterias, mas Zellweger foi elogiada por alguns críticos como Ebert, que, mais uma vez impressionado com ela, afirmou que deu "uma performance ferozmente forte".[14] Zellweger também estrelou o drama de 1998, Um Amor Verdadeiro, ao lado de William Hurt e Meryl Streep, como uma mulher forçada a colocar sua vida de lado para cuidar de sua mãe que está morrendo de câncer. One True Thing faturou modestos US$ 23 milhões nos Estados Unidos,[15] mas teve uma resposta crítica positiva; Todd McCarthy, da revista Variety, declarou sobre Zellweger: "Ao projetar gravidade e impaciência que ela não demonstrou antes, Zellweger se destaca como a jovem inteligente que se ressente da interrupção do momento de sua vida, mas acaba crescendo da maneira que nunca teria esperado".[16]

Depois de protagonizar ao lado de Chris O'Donnell a comédia romântica Procura-se uma Noiva (1999), Zellweger estrelou na comédia dos Irmãos Farrelly, Eu, Eu Mesmo & Irene com Jim Carrey.[17] O filme foi um sucesso comercial, arrecadando US$ 149 milhões em todo o mundo.

Em Enfermeira Betty (2000) dirigido por Neil LaBute, ao lado de Morgan Freeman, Zellweger interpretou uma garçonete do Kansas que depois de testemunhar o assassinato do marido, decide torna-se enfermeira, e começa uma viagem de carro de costa a costa, atravessando os Estados Unidos, em busca de seu sonho. O San Francisco Chronicle considerou a atriz "uma artista que emana bondade e um coração puro", e Variety comentou: "Poucas atrizes podem transmitir o tipo de honestidade e humanidade que Zellweger faz aqui - é difícil imaginar o filme sem seu desempenho dominante e totalmente credível". Ela ganhou seu primeiro Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical.[18]

2001-2007: Bridget Jones e aclamação da críticaEditar

Em 2001, Zellweger ganhou o papel principal no filme O Diário de Bridget Jones, baseada no romance de 1996 de mesmo nome escrito por Helen Fielding. A escolha ocorreu em meio a muita controvérsia, já que ela não era britânica nem estava acima do peso e não fumava. Durante a preparação do elenco, Zellweger foi informada de que ela era muito magra para interpretar a gordinha Bridget, que fumava em cadeia, então ela rapidamente começou a ganhar o peso necessário e a aprender a falar com sotaque britânico[19] enquanto fumava cigarros de ervas. Além de receber treinamento para afinar seu sotaque, parte dos preparativos de Zellweger envolvia passar três semanas trabalhando disfarçada em uma editora em Londres.[20] Sua atuação como Bridget recebeu aclamação da crítica com Stephen Holden, do The New York Times, comentando: "Zellweger realiza o pequeno milagre de tornar Bridget ao mesmo tempo cativante e totalmente real".[21] Este papel lhe rendeu uma segunda indicação ao Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical, e suas primeiras indicações ao Oscar e BAFTA de melhor atriz em cinema. O Diário de Bridget Jones foi um grande sucesso comercial, faturando US$ 281 milhões em todo o mundo.[22]

 
Zellweger em Londres na estreia de Miss Potter em 2006.

Zellweger assumiu o papel de uma ex-atriz e mãe adotiva, ao lado de Michelle Pfeiffer, no drama Deixe-me Viver (2002), pelo qual recebeu uma indicação ao Satellite Award como Melhor Atriz Coadjuvante - Drama. Ela também interpretou Roxie Hart no filme musical de 2002 Chicago, dirigido por Rob Marshall e co-estrelado por Catherine Zeta-Jones, Richard Gere, Queen Latifah e John C. Reilly. O filme foi amplamente aclamado pela crítica e ganhou o Oscar de melhor filme.[23] Escrevendo para o The Telegraph, Tim Robey rotulou Chicago como o "melhor musical de cinema desde o Cabaret de 1972",[24] e o San Francisco Chronicle comentou: "Zellweger tem em seus números de palco, uma presença dominante". Ela ganhou sua segunda indicação ao Oscar e ao BAFTA, ganhando seu segundo Globo de Ouro e o Screen Actors Guild de melhor atriz principal.

Em 2003, após o sucesso de Chicago, Zellweger estrelou com Ewan McGregor a comédia romântica Abaixo o Amor, como uma mulher que defendia a liberação sexual e independência feminina na década de 1950 e no início da década de 1960 e apareceu no drama de guerra de Anthony Minghella, Cold Mountain, ao lado de Nicole Kidman e Jude Law, interpretando uma mulher que ajuda um fazendeiro após a suposta morte de seu pai; Zellweger ganhou o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante[25] no 76ª Edição do Oscar, 61º Globo de Ouro, 10º Screen Actors Guild Awards e 57º British Academy Film Awards.

Em 2004, Zellweger deu sua voz ao filme de animação da DreamWorks O Espanta Tubarões, e reprisou seu papel-título em Bridget Jones: No Limite da Razão, que faturou US$ 262 milhões em todo o mundo e lhe rendeu um quarto Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical. Em 2005, ela interpretou a esposa do campeão mundial de boxe James J. Braddock no drama de Ron Howard, A Luta pela Esperança, ao lado de Russell Crowe e Paul Giamatti. Em sua crítica ao filme, David Ansen, da Newsweek, escreveu que a atriz "tem uma capacidade extraordinária de nos fazer engolir até os momentos mais cinematográficos".[26] Em 24 de maio de 2005, Zellweger recebeu sua estrela na Calçada da Fama de Hollywood.[27]

Zellweger interpretou a aclamada autora Beatrix Potter na comédia biográfica Miss Potter, com Emily Watson e Ewan McGregor. Ela também atuou como produtora executiva, pois queria se envolver mais na produção. William Arnold, do Seattle Post-Intelligencer, concluiu que Renée "atinge exatamente o ponto certo de inspiração, excentricidade e força artística intransigente".[28] Por seu papel, ela ganhou sua sexta indicação ao Globo de Ouro (e quinta na categoria de Melhor Atriz - Musical ou Comédia). Em 2007, ela emprestou a sua voz na comédia animada Bee Movie - A História de uma Abelha e recebeu o prêmio Women in Film Crystal.

2008–2015: Declínio na carreira e hiatoEditar

 
Renée Zellweger no Tribeca Film Festival de 2010.

Em O Amor não tem Regras de George Clooney, Zellweger interpreta uma repórter do jornal Chicago Tribune. O filme recebeu críticas mistas, e faturou US$ 13,5 milhões em seu fim de semana de estreia, foi descrito como "decepcionante" pelo site Box Office Mojo. A MTV.com elogiou a atriz por "exibir um presente inesperado por sarcasmo" mas Kevin Williamson pelo site Jam! criticou seu papel, observando que ela, "é mal interpretada em um papel que exige snark, não doçura de olhos sonolentos". Em Appaloosa, uma cidade sem lei, Zellweger interpretou uma viúva sedutora ao lado de Ed Harris e Viggo Mortensen. O filme ganhou elogios da crítica, mas arrecadou modestos US$ 20 milhões nas bilheterias norte-americanas. Zellweger produziu o longa-metragem Uma Chance para Viver, estrelado por Harry Connick Jr., sobre a história do Dr. Denny Slamon. Foi co-produzido por Craig Zadane Neil Meron, e estreou em outubro de 2008 na Lifetime.

Seu filme seguinte, a comédia Recém Chegada, foi mal avaliado pelos críticos e faturou US$ 16 milhões em sua exibição nos EUA. Em 2009, ela também deu a voz a um personagem coadjuvante no longa-metragem da DreamWorks, Monsters vs. Aliens e estrelou como mãe do ator George Hamilton em Tudo por Você, que, apesar de ter tido um lançamento limitado nos Estados Unidos, foi aclamada pelos críticos.[29] Bill Gray, da Entertainment Weekly sentiu que ela desempenhou seu papel "em seus pontos fortes", e Mick LaSalle considerou seu desempenho um "destaque".[30]

Zellweger assumiu o papel de assistente social designada para cuidar de uma garota misteriosa em Caso 39, um thriller sobrenatural que ela filmou em 2006. O filme teve uma pós-produção prolongada e só foi lançado nos cinemas dos Estados Unidos em 2010. Foi mal recebido pelos críticos e ganhou apenas US$ 5,3 milhões em seu fim de semana de estreia. Anne Thompson do IndieWire escreveu que Zellweger "enfrenta um incerto [futuro]" com uma indústria implacável que distribui poucos papéis interessantes para mulheres acima de 40 anos".[31] O filme de estrada A Minha Canção de Amor, no qual ela interpreta uma ex-cantora que sofria de paralisia, foi exibido no Festival de Cinema de Tribeca de 2010, e lançado em DVD.

Depois que My Own Love Song foi lançado, Zellweger afastou-se por seis anos do cinema. Em 2013, ela co-criou e produziu um piloto de Cinnamon Girl, uma série de drama para a rede Lifetime.

2016–presente: Ressurgimento e JudyEditar

Após seis anos afastada do cinema, Zellweger fez seu retorno ao lado de Colin Firth e Patrick Dempsey na comédia romântica O Bebê de Bridget Jones (2016) o terceiro filme da franquia Bridget Jones, retratando a personagem-título nos seus quarenta anos e solteira enquanto ela descobre que está grávida e deve descobrir quem é o pai. As críticas foram positivas e Bridget Jones's Baby arrecadou US$ 211,9 milhões em todo o mundo. O Village Voice considerou-o "o mais quente e mais satisfatório da série" e concluiu que a "performance inteligente e alegre de Zellweger ancora esse feliz encontro, um presente surpreendente e refrescante de um poço criativo que parecia ter secado". No drama criminal Versões de um Crime, dirigido por Courtney Hunt e ao lado de Keanu Reeves, Zellweger assumiu o papel de Loretta Lassiter, mãe de um adolescente suspeito de assassinar seu pai rico. Filmado em Nova Orleans em julho de 2014, The Whole Truth foi lançado em 21 de outubro de 2016, em alguns cinemas e em vídeo sob demanda, recebendo críticas mistas. Variety observou: "Verdade seja dita, [Reeves e Zellweger] merecem melhor que esse previsível drama de tribunal".

Em Somos Todos Iguais (2017), uma adaptação cinematográfica do livro autobiográfico de mesmo nome, Zellweger estrelou com Djimon Hounsou, Olivia Holt e Jon Voight. O filme recebeu críticas mistas dos críticos e foi um sucesso comercial moderado. O The Wrap, no entanto, comentou: "Zellweger, de fato, apresenta uma performance gentil, atenciosa e obstinada como a esposa que cava nos calcanhares para obter decência humana das pessoas de quem ela mais gosta". Ela interpretou a amiga de uma cantora de Nova York que recebe um diagnóstico médico que muda a vida no drama independente Here and Now (2018), ao lado de Sarah Jessica Parker.[32] Apesar de sua breve aparição no filme, a Entertainment Weekly o destacou pela "atriz magnética", mal escondendo sua raiva suburbana por trás de um copo de vinho alegremente rodado".[33]

Em 2019, Zellweger protagonizou a minissérie de suspense da Netflix, Dilema.[34] Embora o programa tenha recebido críticas mistas, o desempenho dela foi elogiado. Beatriz Amendola, do portal Uol, escreveu: "Zellweger cria uma vilã poderosa que é uma delícia de se assistir em meio a um elenco, no mínimo, pouco inspirado".[35] O consenso do Rotten Tomatoes foi: "uma performance delirantemente deliciosa de Renée Zellweger não pode salvar Dilema de sua própria mediocridade, mas cara, ela é divertida de assistir".[36]

No mesmo ano, ela estrelou como Judy Garland na cinebiografia Judy: Muito Além do Arco-Íris. Baseado na peça End of the Rainbow, o filme narra os últimos anos da vida de Garland, pouco antes de sua morte em 1969. Judy: Muito Além do Arco-Íris estreou no Telluride Film Festival e recebeu críticas positivas, com a atuação de Zellweger sendo amplamente aclamada pelos críticos, muitos dos quais a consideraram como a melhor da sua carreira. Zoe Gahan, da Vanity Fair, achou que ela era "espirituosa, afiada e devastadora no papel-título" e acrescentou que "é difícil dizer onde Garland para e Zellweger começa". Peter Travers, da Rolling Stone opinou, "Zellweger realiza milagres ao interpretar Judy Garland: cantando seu coração, descobrindo sua alma machucada e agindo com uma ferocidade que finalmente se eleva a um estado de graça".[37] Por sua atuação em Judy, Zellweger ganhou vários prêmios, incluindo o Globo de Ouro, Critics 'Choice Movie Award de Melhor Atriz e o SAG de melhor atriz principal, além de mais uma estatueta do Oscar.

Vida pessoalEditar

De 1999 a 2000, Zellweger foi comprometida com Jim Carrey.[38] Em 2003, ela teve um breve relacionamento com o músico Jack White.[39] Em maio de 2005, Zellweger se casou com o cantor Kenny Chesney.[40] Quatro meses depois, o casal pediu a anulação do matrimônio.[41]

Em 2009, ela começou a namorar Bradley Cooper, depois de se conhecer nas gravações de Case 39 em 2009.[42] Eles se separaram em 2011.[43][44]

De 2012 a 2019, ela teve um relacionamento com Doyle Bramhall II, que é músico, compositor e produtor.[45][46][47]

FilmografiaEditar

Ano Filme Título em português Papel
1993 Dazed and Confused br: Jovens, Loucos e Rebeldes

pt: Juventude Inconsciente

Garota na pickup azul (cenas deletadas)
1994 Reality Bites br: Caindo na Real

pt: Jovens em Delírio

Tami
8 Seconds br: 8 Segundos Buckle Bunny
Shake, Rattle & Rock! br: Rock, Agito e Curtição Susan Doyle
Love and a .45 br: Um Amor e Uma 45 Starlene Cheatham
The Return of the Texas Chainsaw Massacre br: O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno

pt: Massacre no Texas - O Regresso

Jenny
1995 Empire Records br: Império dos Discos

pt: Sexo, Rock e Confusão

Gina
The Low Life Poet
1996 The Whole Wide World br: Um Amor do Tamanho do Mundo Novalyne Price
Jerry Maguire br: Jerry Maguire - A Grande Virada

pt: Jerry Maguire

Dorothy Boyd
1997 Deceiver br: O Impostor

pt: Enganador

Elizabeth
1998 A Price Above Rubies Sonia Horowitz
One True Thing br: Um Amor Verdadeiro

pt: Podia-te Acontecer

Ellen Gulden
1999 The Bachelor br: Procura-se uma Noiva

pt: Noiva Procura-se

Anne Arden
2000 Nurse Betty br: Enfermeira Betty

pt: Betty

Betty Sizemore
Me, Myself & Irene br: Eu, eu mesmo e Irene

pt: Ela, Eu e o Outro

Irene Waters
2001 Bridget Jones's Diary br/pt: O Diário de Bridget Jones Bridget Jones
2002 White Oleander br: Deixe-me Viver

pt: A Flor do Mal

Claire Richards
Chicago br/pt: Chicago Roxie Hart
2003 Down With Love br/pt: Abaixo o Amor Barbara Novak
Cold Mountain br/pt: Cold Mountain Ruby Thewes
2004 Shark Tale br: O Espanta Tubarões

pt: A Gang dos Tubarões

Angie (voz)
Bridget Jones: The Edge of Reason br: Bridget Jones no Limite da Razão

pt: O Novo Diário de Bridget Jones

Bridget Jones
2005 Cinderella Man br: A Luta Pela Esperança

pt: Cinderella Man

Mae Braddock
2006 Miss Potter br: Miss Potter

pt: O Mundo Encantado de Beatrix Potter

Beatrix Potter
2007 Bee Movie br: Bee Movie - A História de Uma Abelha

pt: A História de Uma Abelha

Vanessa Bloom
2008 Leatherheads br: O Amor não tem Regras

pt: Jogo Sujo

Lexie Littleton
Appaloosa br: Appaloosa - Uma Cidade Sem Lei

pt: Appaloosa

Allison ''Allie'' French
2009 New in Town br: Recém Chegada

pt: De Malas Aviadas

Lucy Hill
My One and Only br: Tudo por Você

pt: À Procura do Homem Ideal

Anne Devereaux
Monsters vs. Aliens br: Monstros vs. Alienígenas

pt: Monstros vs. Aliens

Katie (voz)
Case 39 br/pt: Caso 39 Emily Jenkins
2010 My Own Love Song br/pt: A Minha Canção de Amor Jane Wyatt
2016 The Whole Truth Loretta
Bridget Jones's Baby br: O Bebê de Bridget Jones Bridget Jones
2017 Same Kind of Different as Me Deborah
2018 Here and Now Tessa
2019 Judy br: Judy: Muito Além do Arco-Íris Judy Garland
What/If Dilema Anne Montgomery

Principais prêmios e indicaçõesEditar

Entre seus inúmeros prêmios por seu trabalho como atriz, Zellweger recebeu dois Oscars,[48] dois BAFTA,[49] quatro Critics 'Choice Movie Awards,[50] quatro Golden Globe Awards,[51] um Independent Spirit Awards,[52] quatro SAG Awards,[53] um British Independent Film Awards[54] e prêmios do Círculo de Críticos de Cinema de Londres,[55] National Board of Review,[56] National Society of Film Critics, New York Film Critics Circle, e Festival Internacional de Cinema de Santa Bárbara.[57] Ela é a quarta atriz, depois de Meryl Streep, Jessica Lange e Cate Blanchett, a ganhar o Oscar de melhor atriz depois de vencer o prêmio de melhor atriz coadjuvante e a sétima atriz a vencer em ambas as categorias, depois de Ingrid Bergman, Maggie Smith, Helen Hayes, Streep, Lange e Blanchett.[58]

Referências

  1. Guilherme Machado (19 de janeiro de 2020). «Renée Zellweger leva Globo de Ouro de melhor atriz por viver Judy Garland» (em inglês). BOL.com.br. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  2. ALEXANDRA LORES (3 de fevereiro de 2020). «RENÉE ZELLWEGER GANÓ UN BAFTA POR SU PAPEL EN 'JUDY', PERO HUGH GRANT SIGUE RECORDÁNDOLA COMO BRIDGET» (em espanhol). Vanity Fair España. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  3. Gab Ginsberg (19 de janeiro de 2020). «Here's What Renee Zellweger Said in Her Acceptance Speech After Winning SAG Award For 'Judy'» (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  4. Notícias da TV (17 de agosto de 2018). «Vencedora do Oscar, Renée Zellweger estreia na TV em série do criador de Revenge». Uol. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  5. Dave McNary (15 de outubro de 2019). «Renée Zellweger desponta como favorita ao Oscar por 'Judy'». O Globo. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  6. Guilherme Machado (6 de janeiro de 2020). «Renée Zellweger leva Globo de Ouro de melhor atriz por viver Judy Garland». Uol 
  7. «A Taste for Killing» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  8. «Murder in the Heartland (TV Minisseries) (1993)» (em inglês). FilmAffinity. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  9. «Texas Chainsaw Massacre: The Next Generation (1994)» (em inglês). Metacritic. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  10. Marc Savlov (25 de novembro de 1994). «Love & a .45» (em inglês). The Austin Chronicle. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  11. «Empire Records». Rotten Tomatoes. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  12. «Jerry Maguire». Box Office Mojo. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  13. Roger Ebert (13 de dezembro de 1996). «Reviews: Jerry Maguire» (em inglês). Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  14. Roger Ebert (3 de abril de 1998). «Reviews: A Price Above Rubies» (em inglês). Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  15. «One True Thing» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  16. Todd McCarthy (27 de setembro de 1998). «One True Thing» (em inglês). Variety. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  17. MARCELO FORLANI (13 de novembro de 2000). «Crítica: Eu, eu Mesmo e Irene». Omelete. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  18. Hollywood Foreign Press Association. «Nurse Betty» (em inglês). Golden Globes. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  19. Ann Hornaday (29 de setembro de 2016). «"Não adianta insistir: Bridget Jones é um personagem que já faz parte do passado"». Gazeta do Povo. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  20. Stephen Holden (13 de abril de 2001). «FILM REVIEW; 120 Pounds and 1,000,000 Cigarettes Later» (em inglês). The New York Times. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  21. Stephen Holden (13 de abril de 2001). «FILM REVIEW; 120 Pounds and 1,000,000 Cigarettes Later» (em inglês). The New York Times. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  22. «Bridget Jones's Diary» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  23. «Chicago revela o mundo das celebridades e critica o sistema judiciário». Folha de S. Paulo. 21 de dezembro de 2010. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  24. Tim Robey. «This jailhouse rocks» (em inglês). The Telegraph. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  25. «Veja lista de todos os vencedores do Oscar 2004». Terra. 29 de fevereiro de 2004. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  26. David Ansen. «AGAINST THE ROPES» (em inglês). Newsweek. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  27. «Renée Zellweger ganha estrela na Calçada da Fama». O Estados de S, Paulo. 25 de maio de 2005. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  28. William Arnold. «Zellweger embodies Beatrix in 'Miss Potter'». Seattle Post-Intelligencer. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  29. «My One and Only» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  30. Houston Chronicle (3 de setembro de 2009). «My One and Only» (em inglês). Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  31. IndieWire. «Zellweger Faces Uncertain Future as Case 39 Flops» (em inglês). Anne Thompson. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  32. «Blue Night | Tribeca Film Festival» 
  33. «'Here and Now' is a bleary, boring misstep for Sarah Jessica Parker: EW review» 
  34. Harrison, Ellie. «When is What/If released on Netflix? What's it about? Who's in the cast?». RadioTimes (em inglês). Consultado em 1 de maio de 2019 
  35. "Dilema": Série da Netflix é ruim, mas impossível de parar de ver Consultado em 13/04/2020.
  36. What/If: Part 1 Rotten Tomatoes. Consultado em 02/09/2020.
  37. Peter Travers (24 de setembro de 2019). «'Judy' Review: Renée Zellweger Goes Over the Rainbow» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 9 de setembro de 2019 
  38. «Renee Zellweger was engaged to Jim Carrey». Zimbio. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  39. Warrick, Pamela (27 de dezembro de 2004). «Renée Zellweger and Rocker Boyfriend Split». People. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  40. "Top 10 Short-Lived Celebrity Marriages – Renée Zellweger and Kenny Chesney" Time Magazine Special
  41. «Zellweger Opens Up About Rumors Surrounding Chesney Divorce». ABC News. 9 de julho de 2016 
  42. «Why Bradley Cooper, Renee Zellweger Called It Quits». US Magazine. 23 de março de 2011 
  43. «Renee Zellweger, Bradley Cooper Split : People.com». People 
  44. «Bradley Cooper, Suki Waterhouse reportedly split up». Los Angeles Times. 29 de março de 2015 
  45. ABC News. «Renée Zellweger Opens Up About Boyfriend». ABC News 
  46. «Renee Zellweger: My Boyfriend Is 'a Very Special Person'». 2 de junho de 2017 
  47. Jonathan Van Meter. «Renée Zellweger's Lost Decade». Vulture 
  48. STEPHANIE MYARA. «WATCH RENÉE ZELLWEGER OSCARS 2020 SPEECH FOR BEST ACTRESS». Oscars.org (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2020 
  49. Jacob Sarkisian (3 de fevereiro de 2020). «Renée Zellweger talked about Judy Garland's connection to the LGBTQ community after accepting a BAFTA for playing the icon». Insider Inc. (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2020 
  50. «Renee Zellweger Honors Judy Garland's 'Legacy and Humanity' With 'Judy' Win at 2020 Critics' Choice Awards». Billboard (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2020 
  51. «Renée Zellweger». Golden Globes (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2020 
  52. «Renée Zellweger Dedicates Spirit Award to Judy Garland: "Cheers to You From the Beach"». The Hollywood Reporter (em inglês). 8 de fevereiro de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  53. «Renée Zellweger Gives Her Jerry Maguire Costar Tom Cruise a Sweet Shoutout During SAG Win». People (em inglês). 19 de janeiro de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  54. «'David Copperfield,' 'For Sama,' Renee Zellweger Win at British Independent Film Awards». Variety (em inglês). 1 de dezembro de 2019. Consultado em 3 de julho de 2020 
  55. «Críticos de Londres escolhem os melhores do ano». C7nema. 17 de dezembro de 2019. Consultado em 3 de julho de 2020 
  56. «National Board of Review elege os melhores filmes de 2019: O Irlandês em 1º». Tecmundo. 4 de dezembro de 2019. Consultado em 3 de julho de 2020 
  57. «Renee Zellweger To Receive Santa Barbara Film Festival's American Riviera Award». deadline.com. Consultado em 3 de julho de 2020 
  58. «Renee Zellweger becomes 7th woman to win lead and supporting Oscars». Gold Derby (em inglês). 9 de fevereiro de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote
  Categoria no Commons