Resposta sexual humana

Na resposta sexual humana, segundo o modelo multifásico de Masters e Johnson[1] e Helen Kaplan, temos que “cada componente é anatomicamente distinto, e cada componente, se inibido, provoca síndromes clínicas distintas”. Divide-se nos seguintes estágios:

Ciclos típicos da resposta sexual

Desejo > Excitação > Orgasmo > Resolução [1]

Resposta sexual femininaEditar

Fase do desejoEditar

É, em essência, uma experiência subjetiva. A mulher tem como incitadores de desejos seus sentidos e o pensamento. A idéia do ato sexual se faz presente, e há a mudança da percepção de estímulos que antes poderiam ser indiferentes ou mesmo dolorosos para uma experiência prazerosa que a faz avançar pelas fases subsequentes. Fisiologia pouco compreendida, mas sabe-se que sua base está nos hormônios andrógenos[2]. ‏

Fase de excitação (lubrificação-tumescência)Editar

Ocorre aqui a resposta fisiologica do corpo: tensão muscular, vaso-congestão da genitália, lubrificação vaginal, ligeiro aumento do clitóris, elevação do útero > expansão da vagina‏ (efeito barraca).‏

Fase orgásmicaEditar

Contrações reflexas ritmadas da musculatura peri-vaginal e perineal (8 décimos de segundo, 3 a 12 contrações).‏

A circulação se acelera, os olhos violentamente injetados tornam-se esgazeados, a respiração ofegante e entrecortada em alguns sujeitos, é retida em outros; os centros nervosos congestionados só comunicam sensações e volições confusas, a motilidade e a sensibilidade demonstram inexprimível desordem[3].

Fase de resoluçãoEditar

Relaxamento e regressão das alterações.

O clitóris geralmente retorna a sua posição normal em cerca de 10 segundos e a plataforma orgásmica sofra uma rápida detumescência. Podem transcorrer 10 a 15 minutos até que a vagina retorne a seu estado prévio (não-estimulado) e para que o útero atinja sua posição basal. Os pequenos lábios perdem sua coloração arroxeada logo após o orgasmo[4].

Resposta sexual masculinaEditar

Semelhante à feminina em seu início. No entanto, nos homens o estímulo visual é de maior importância para iniciar e manter o desejo sexual.

A excitação é marcada pela ereção. Duas alterações são as mais importantes: congestão vascular no aparelho genital e extragenital, e a contração involuntária de fibras musculares.

Tal reação não se limita à genitália: a pele torna-se ruborizada, os mamilos se eriçam e aumentam a sensibilidade. Há aumento da pressão sangüínea, freqüência cardíaca e respiratória. Há miotonia nos órgãos próximos (reto, uretra e bexiga).

Culmina com o orgasmo, marcado pela expulsão do semen.

Diferentemente do que ocorre na mulher, após o orgasmo, o homem apresenta um período refratário até que possa iniciar nova atividade sexual.


Referências

  1. a b Human Sexual Response, 1966
  2. SHERWIN, B.M. - Woman Androgen enhances sexual motivation in females. A perspective cross over study of sex steroid administration in surgical menopause. Psych Med, 1997.
  3. Felix Roubard, 1855
  4. LOPES, G.P., TORRES, L.O. - Patologia e terapia sexual. Rio de Janeiro: Medsi Editora, 1995.
  • MENDONÇA, R.A. Sexo e outras interações sensuais. Vitória, 2008
  Este artigo sobre medicina é um esboço relacionado ao Projeto Saúde. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.