Ricardo Araújo Pereira

Ricardo Artur de Araújo Pereira (Lisboa, 28 de Abril de 1974) é um humorista, jornalista e comentador político português.[1]

Ricardo Araújo Pereira
Ricardo Araújo Pereira em 2017-Óbidos
Ricardo Araújo Pereira em 2017-Óbidos
Nome de nascimento Ricardo Artur de Araújo Pereira
Nascido(a) em 28 de abril de 1974 (46 anos)
São Sebastião da Pedreira, Lisboa
Nacionalidade português
Especialidade Humorista, Cronista
Anos em atividade 1998 - presente
Gênero Comédia
Trabalhos de
destaque
Gato Fedorento; Diz que É uma Espécie de Magazine; Zé Carlos; Gato Fedorento Esmiúça os Sufrágios; Mixórdia de Temáticas; Melhor Do Que Falecer; Isso é Tudo Muito Bonito, Mas; Gente Que Não Sabe Estar; Governo Sombra; Isto é Gozar com Quem Trabalha
Assinatura Assinatura Ricardo Araújo Pereira.svg

BiografiaEditar

Ricardo Artur de Araújo Pereira nasceu na freguesia lisboeta de São Sebastião da Pedreira e cresceu na zona de Benfica, sendo filho de um piloto da TAP e de uma assistente de bordo.[2]

O seu percurso escolar e académico foi inteiramente realizado em instituições ligadas à Igreja Católica — fez o ensino básico e secundário em colégios de freiras vicentinas e padres franciscanos e jesuítas; licenciou-se em Comunicação Social e Cultural, na Universidade Católica Portuguesa.[2]

Findo o curso, Ricardo Araújo Pereira iniciou-se como jornalista, primeiro como estagiário na redação do Jornal de Letras, Artes e Ideias; depois como repórter de informação da TVI.[3]

Antes do jornalismo, já revelara o seu gosto pela escrita e, particularmente, pela escrita para humor. No final dos anos 1990 foi descoberto por Nuno Artur Silva e chamado a colaborar com este na Produções Fictícias, a agência de guionistas, à época na sua fase embrionária, de onde sairiam os textos para programas de Herman José. Foi assim que, ao lado de Nuno Artur Silva, Nuno Markl ou João Quadros, colaborou nos guiões de Herman 98 e Herman 99 (RTP, 1998 - 1999), Herman SIC (2000 - 2005) e, posteriormente, O Programa da Maria, a estreia a solo de Maria Rueff (SIC, 2001). Também assinou crónicas para a rádio: Herman Difusão Portuguesa (RDP, 1999-2001); e para a imprensa: Felizes para Sempre, no semanário Expresso, e As Crónicas de José Esteves, no Diário de Notícias, entre outros.[4]

Por volta de 2003, depois das primeiras aparições na televisão, designadamente no programa de humor stand-up comedy, Levanta-te e ri, na SIC, Ricardo Araújo Pereira começa a fazer, junto de Zé Diogo Quintela, Tiago Dores e Miguel Góis, várias rubricas no programa de Fernando Alvim e Nuno Markl, O Perfeito Anormal, na SIC Radical. Seria a partir dessa experiência que davam arranque ao projecto Gato Fedorento.[4]

A equipa assinou várias séries do programa Gato Fedorento, na SIC Radical (Série Fonseca, Série Meireles e Série Barbosa), e depois na RTP1 (Série Lopes da Silva). Também na RTP1 apresentou Diz Que é Uma Espécie de Magazine em 2007, para de seguida voltar à SIC, com Zé Carlos, em 2008, e Gato Fedorento: esmiúça os sufrágios, em 2009. Na internet os humoristas geriam o blogue homónimo, onde Ricardo Araújo Pereira assinava as suas entradas com as iniciais RAP. Teve ainda várias aparições no programa de humor da SIC, Levanta-te e Ri.[4]

Escreveu semanalmente no jornal A Bola, escrevendo actualmente na revista Visão.[5] Na TSF, depois na TVI24 e atualmente na SIC, integra o painel do debate Governo Sombra, apresentado por Carlos Vaz Marques e com Pedro Mexia e João Miguel Tavares. Protagoniza ainda a rubrica "Mixórdia de Temáticas" na Rádio Comercial.[4]

É co-autor do livro O Futebol é Isto Mesmo (ou então é outra coisa completamente diferente) e do disco O disco do Benfiquista, naturalmente. Compilou as suas melhores crónicas da revista Visão nos livros Boca do Inferno e Novas Crónicas da Boca do Inferno. Com Pedro Mexia realizou uma adaptação da peça de teatro Como Fazer Coisas com Palavras, do filósofo inglês John Austin, que também interpretou, no Teatro São Luiz em 2008.[4]

Em janeiro de 2020, volta à SIC com o novo programa Isto é Gozar com Quem Trabalha estreado em março, levando também consigo o Governo Sombra e o painel de comentadores.

Vida pessoalEditar

Ricardo Araújo Pereira é casado e tem duas filhas.[carece de fontes?]

É adepto do Sport Lisboa e Benfica. Foi militante do Partido Comunista Português, partido que veio mais tarde a abandonar. Continua, porém a afirmar-se como "Marxista não Leninista". Ricardo Pereira é ateu.[4][6]

Em maio de 2013, Araújo Pereira recebeu o Grande Prémio da Crónica pelo livro “Novas Crónicas da Boca do Inferno”. O prémio foi atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores com a parceria da Câmara Municipal de Alfarelos.[7][8][9]

ObrasEditar

Ano Título Protagonista Argumentista Canal
2001 Programa da Maria Sim SIC
2002 Perfeito Anormal Sim
2003 As Boas Entradas Sim SIC
2003 Gato Fedorento: Série Fonseca Sim Sim SIC Radical
2004 Gato Fedorento: Série Meireles Sim Sim SIC Radical
2005 Gato Fedorento: Série Barbosa Sim Sim SIC Radical
2006 Gato Fedorento: Série Lopes da Silva Sim Sim RTP1
2006-2007 Gato Fedorento: Diz que é uma Espécie de Magazine - Série I Sim Sim RTP1
2007 Gato Fedorento: Diz que é uma Espécie de Magazine - Série II Sim Sim RTP1
2008 Zé Carlos Sim Sim SIC
2009 Esmiúça os Sufrágios Sim Sim SIC
2011 Fora da Box Sim Sim MEO
2012-presente Governo Sombra Sim TVI SIC
2012-2019 Mixórdia de Temáticas Sim Sim Rádio Comercial
2014 Melhor do que Falecer Sim Sim TVI
2014 Crónica Diária no Jornal das 8 Sim Sim TVI
2015 Gato Fedorento: Isso é tudo muito bonito mas Sim Sim TVI
2019 Gente Que Não Sabe Estar Sim TVI
2020-presente Isto é Gozar com Quem Trabalha Sim SIC

Livros

  • Boca do Inferno (2007), ilustrações de João Fazenda, Tinta-da-China
  • Novas crónicas da boca do inferno (2009), ilustrações de João Fazenda, Tinta-da-China
  • Mixórdia de Temáticas (outubro de 2012) - compilação dos guiões da rubrica Mixórdia de Temáticas: Série Ribeiro, Tinta-da-China
  • Novíssimas crónicas na boca do inferno (2013), ilustrações de João Fazenda, Tinta-da-China
  • Mixórdia de Temáticas - Série Miranda (novembro de 2014) - compilação dos guiões da rubrica Mixórdia de Temáticas: Série Miranda, Tinta-da-China
  • A Doença, o Sofrimento e a Morte Entram num Bar - Uma espécie de manual de escrita humorística (dezembro 2016), Tinta da China
  • Reaccionário com dois cês - Rabugices sobre os novos puritanos e outros agelastas (novembro de 2017), Tinta da China
  • Estar Vivo Aleija (2018), Tinta da China

Prémios RecebidosEditar

Foi galardoado com o Prémio Arco-íris,[10] da Associação ILGA Portugal, pelo seu contributo, enquanto humorista, na luta contra a discriminação e a homofobia.

Venceu, em 2013, o Grande Prémio da Crónica, com o seu livro Novas Crónicas da Boca do Inferno selecionado pela Associação Portuguesa de Escritores em parceria com a Câmara Municipal de Sintra.

Referências

  1. «Ricardo Araújo Pereira entrevistado por Jô Soares». Semanário Sol. Consultado em 4 de maio de 2012 
  2. a b Fidelizarte. «Ricardo Araújo Pereira». Portal da Literatura. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  3. Ricardo Araújo Pereira repórter TVI nas eleições
  4. a b c d e f Produções Fictícias. «Agência Produções Fictícias - Ricardo Araújo Pereira». Produções Fictícias. Consultado em 12 de julho de 2013. Arquivado do original em 2 de março de 2013 
  5. «Opinião > Ricardo Araújo Pereira». Revista Visão. Consultado em 4 de maio de 2012 
  6. Vítor Gonçalves (26 de junho de 2013). «De Caras - Ricardo Araújo Pereira». RTP. Consultado em 12 de julho de 2013 
  7. Sérgio C. Andrade (30 de maio de 2013). «Ricardo Araújo Pereira ganha Grande Prémio da Crónica». Jornal Público. Consultado em 12 de julho de 2013 
  8. Diário Digital com Lusa (14 de junho de 2013). «Ricardo Araújo Pereira recebe o Grande Prémio da Crónica». Diario Digital. Consultado em 12 de julho de 2013 
  9. «Ricardo Araújo Pereira vence o Grande Prémio de Crónica». Observatório da Língua Portuguesa. Consultado em 12 de julho de 2013 
  10. «Prémio Arco-íris». Ilga-portugal.pt 

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ricardo de Araújo Pereira