Ricardo Di Roberto

Músico

Ricardo Di Roberto (São Paulo, 18 de setembro de 1973), conhecido como "Ricardo Japinha" ou "Japinha", é um músico brasileiro famoso por ter sido o baterista da banda CPM 22 de 1999 até 2020. É vocalista e guitarrista na banda Dinossaurus liderada por ele, e foi membro-fundador do Hateen.

Ricardo Japinha
Japinha durante show da banda CPM 22
Informação geral
Nome completo Ricardo Di Roberto
Também conhecido(a) como Ricardo Japinha, Japinha
Nascimento 18 de setembro de 1973 (47 anos)
Origem São Paulo, Brasil
Gênero(s) Hardcore melódico
Punk rock
Hardcore punk
Ocupação(ões) Músico
Instrumento(s) bateria, guitarra, vocal
Período em atividade 1994 - atualmente
Outras ocupações Compositor, Produtor musical, Escritor, Colunista, Comentarista esportivo
Afiliação(ões) CPM 22, Dinossaurus e Hateen

Com a banda CPM 22, foi vencedor do Grammy Latino em 2008, na categoria de melhor disco de rock brasileiro, tendo também recebido por três vezes consecutivas o troféu do MTV Video Music Brasil, como baterista da "Banda dos Sonhos". Japinha é um baterista que transita por vários estilos musicais, porém ganhou maior reconhecimento através do rock. Seu estilo de tocar é marcado por viradas rápidas características do hardcore melódico, punk rock e heavy metal. Tem preferência por pratos com grandes polegadas, pois geram mais som (corpo e volume), além de serem mais resistentes a batidas fortes. Atualmente ele usa pratos Sabian e baquetas Vic Firth, sua bateria é uma Ludwig Drums (endorsements). Outra característica de Japinha é o fato de compor diversas músicas para os discos de suas bandas.

Além da atuação na música, possui projetos paralelos em algumas outras áreas, atuando como escritor, colunista de revista, produtor, palestrante e como convidado para debater e emitir opiniões esportivas em programas de rádio e televisão.

No dia 10 de junho de 2020 a banda CPM 22 anunciou o afastamento do baterista. A decisão foi tomada após virem à tona conversas que o baterista teria tido com uma menor de idade. As conversas teriam ocorrido em janeiro e em março de 2012, quando Japinha tinha 38 anos de idade, e foram expostas por um perfil anônimo no Twitter.[1] Em 17 de agosto de 2020, Japinha foi oficialmente desligado da banda.[2]

BiografiaEditar

 
Japinha na 17ª. Corrida e Caminhada GRAACC
 
Japinha e Floquinho Calendário Veg 2016

Ricardo Di Roberto é brasileiro de ascendência italiana e japonesa. Começou a tocar bateria aos onze anos de idade no Instituto Beck localizado na Mooca em São Paulo.Antes de iniciar a carreira musical, trabalhou como professor de inglês, bancário, funcionário público e programador de computadores.

Adepto da alimentação saudável, é vegetariano, ou seja, não consome carne, apenas ovos e derivados do leite (ovolactovegetariano), além de não fumar, não tomar bebidas alcoólicas e não fazer uso de drogas. É praticante de diversos esportes, como natação, basquete, corrida de rua, futebol, yoga e surfe.

Na vida acadêmica, Japinha acumula quatro graduações universitárias, sendo elas: Administração de Empresa pela PUC, Turismo e Ciências Sociais pela USP e Filosofia pela Universidade Mackenzie.

Japinha é um defensor dos direitos dos animais[3] e frequentemente participa de campanhas e iniciativas de instituições que defendem a causa, como por exemplo sua participação no “Calendário Veg” de 2014 e 2016.

É voluntário e colaborador de ONGs, participando em eventos para ajudar entidades e associações diversas de combate ao Cancer de Adolescentes e Crianças, pessoas com dificuldades física ou motora, além de outros projetos sociais.

CarreiraEditar

 
Ricardo Japinha nos vocais

Iniciou sua carreira profissional como baterista em 2000, quando a banda CPM 22 assinou um contrato artístico com a gravadora Abril Music. Além da bateria, atua na banda como backing vocal e compositor.

Ao longo da carreira como integrante do CPM 22, apresentou-se em diversos lugares do mundo, como Japão, paises do continente europeu e americano. Participou também da edição do Rock in Rio 2015, quando a banda comemorou 20 anos de carreira.

Paralelamente à sua atuação na banda CPM 22, foi membro-fundador da banda Hateen, onde tocou por 10 anos, gravou cinco álbuns e um DVD.

Em 2009, iniciou um projeto paralelo batizado de Arizona. A banda contava exclusivamente com violões e voz, porém mudou seu formato de acústico para elétrico em 2014, acrescentando guitarras, baixo e bateria. Em 2018 a banda teve seu nome alterado para Dinossaurus [4] devido a problemas com o registro do nome antigo, inaugurando uma nova fase com divulgação em plataformas digitais. O repertório da banda conta com sons autorais na sua maioria e mais alguns covers, e nela o Ricardo Japinha toca guitarra  e assume os vocais principais.

Japinha atua também como produtor musical, atendendo a convites de bandas de rock.


Outros projetosEditar

 
Japinha na guitarra e vocal

Fora dos palcos, Japinha é frequentemente convidado para a realização de workshops de bateria, entrevistas em canais do Youtube para comentar sobre música, esportes e estilo de vida saudável.

Participa frequentemente de programas esportivos em rádio e televisão, para debater e emitir opiniões sobre diversos assuntos ligados a esportes, em especial futebol. É considerado um dos torcedores mais influentes do Sport Club Corinthians Paulista, tendo sido inclusive presenteado pelo então presidente Andrez Sanchez com um título remido do clube.

Como colunista e escritor, publicou um livro para adolescentes lançado em 2010, sob o título de “Qual é a dele? – O que você precisa saber sobre os assuntos da juventude, na visão de um rock star”, que contém a coletânea de textos escritos por ele durante os seis anos em que foi colaborador da revista “Atrevida”.[5]

No campeonato de futebol Rockgol, por músicos e exibido em rede nacional pela MTV Brasil anualmente por mais de 15 anos, se tornou o maior artilheiro de todas as edições, com 58 gols. Durante o programa, em que junto com o CPM 22 foi campeão das edições de 2006 e 2013, vice-campeão em 2002, terceiro lugar em 2004 e quarto lugar em 2005, foi apelidado de "Pequeno Samurai" pelos apresentadores Paulo Bonfá e Marco Bianchi.[6]

LivroEditar

2010 - “Qual é a dele? – O que você precisa saber sobre os assuntos da juventude, na visão de um rock star”

PrêmiosEditar

Ano Prêmio Categoria Entidade
2005 Melhores do Ano (CPM 22) Melhor Banda Domingão do Faustão
2005 Melhor baterista (CPM 22) Banda dos Sonhos Video Music Brasil (VMB)
2005 Meus Prêmios Nick (CPM 22) Banda Favorita Nickelodeon Kids' Choice Awards
2005 Meus Prêmios Nick - Um minuto para o fim do mundo Melhor Música Nickelodeon Kids' Choice Awards
2006 Meus Prêmios Nick (CPM 22) Banda Favorita Nickelodeon Kids' Choice Awards
2006 Melhores do Ano (CPM 22) Melhor Banda Domingão do Faustão
2006 Melhores do Ano (CPM 22) Melhor Banda Domingão do Faustão
2006 Melhor baterista (CPM 22) Banda dos Sonhos Video Music Brasil (VMB)
2006 Banda Revelação (Hateen) Banda/Artista Revelação Video Music Brasil (VMB)
2007 Melhor baterista (CPM 22) Banda dos Sonhos Video Music Brasil (VMB)
2007 Multishow de Música Brasileira - DVD CPM 22 MTV ao vivo Melhor DVD Multishow
2008 Grammy Latino (CPM 22) Melhor álbum de rock brasileiro Academia Latina de Artes e Ciências da Gravação

DiscografiaEditar

CPM 22Editar

Álbuns
Ano Título
2000 A Alguns Quilômetros de Lugar Nenhum
2001 CPM 22
2002 Chegou a Hora de Recomeçar
2005 Felicidade Instantânea
2007 Cidade Cinza
2011 Depois de um Longo Inverno
2017 Suor e Sacrifício
Álbuns ao Vivo
Ano Título
2006 MTV ao Vivo
2013 CPM 22 - Acústico
2016 CPM 22 – Ao Vivo no Rock in Rio
Coletâneas
Ano Título
2007 Sem Limite (Disco Duplo)
2015 CPM 22 20 Anos
2016 CPM 22 – Ao Vivo no Rock in Rio
DVDs
Ano Título
2004 CPM 22 - O Vídeo (1995/2003)
2005 Felicidade Instantânea
2006 MTV Ao Vivo
2013 Acústico
2016 CPM 22 - Rock In Rio ao Vivo - 20 Anos

DinossaurusEditar

Single
Ano Título
2018 Dia de Fúria
2018 Hoje
2018 Viver e Morrer
2019 Ódio e Amor
2019 Tudo Aquilo
2019 Parece Mentira
2020 Sem Destino

ArizonaEditar

EP
Ano Título
2016 Agora Chega

HateenEditar

Álbuns
Ano Título
1996 Hydrophobya
2000 Dear Life
2002 More Live Than Dead
2004 Loved
2006 Procedimentos de emergência

ComposiçõesEditar

Título
Irreversível Parece  Mentira
Never going to be the same Remédio
Duas semanas Tudo Aquilo
Pouco pra mim Agora Chega
Últimas palavras Viver e Morrer
Give  me a call Nada é Pra Sempre
Ilusões Hoje
Venha Conosco Ódio e Amor
Dia de Fúria Sem Destino

Referências

Ligações externasEditar