Ricardo fitzGilbert

Ricardo fitzGilbert, ou Fitz Gilbert (depois de 1035–c. 1090), foi um senhor normando que participou da conquista normanda da Inglaterra em 1066, e foi denominado "de Bienfaite", "de Clare", e "de Tonbridge"[nota 1][1] em suas participações.[2][3]

Ricardo fitzGilbert
Senhor de Clare, Bienfaite, Orbec, e Tonbridge
Sucessor Gilberto Fitz Richard
Cônjuge Rohese Giffard
Descendência Valter de Clare, Senhor de Nether Gwent
Ricardo fitzRichard de Clare
Rogério fitzRichard de Clare
Gilberto fitzRichard
Roberto fitzRichard
Rohese de Clare
Adelina de Clare
Casa de Clare
Nascimento c. 1035
  Normandia, França
Morte c. 1090 (55 anos)
  St Neots Priory, Huntingdonshire, Inglaterra
Sepultado em St Neots Priory
  1091, em
Pai Gilberto, Conde de Brionne

BiografiaEditar

Era o filho de Gilberto, Conde de Brionne na Normandia.[2] Seu pai era um guardião do jovem duque Guilherme e quando ele foi morto por Raul de Wacy em 1040, seus dois filhos mais velhos Ricardo e Gilberto fugiram para o Flandres.[4] Em seu retorno posterior à Normandia, Ricardo foi recompensado com o senhorio de Bienfaite e Orbec.[4] Em 1066, Ricardo veio para a Inglaterra com seu parente Guilherme, o Conquistador, e dele recebeu grandes honras e posses.[2]

O Dictionary of National Biography e outras fontes são vagas e por vezes contraditórias sobre quando o nome de Clare entrou em uso comum, mas o que se sabe é que Ricardo fitzGilbert (de Tonbridge), o progenitor identificável mais antigo da família, foi uma vez conhecido como Ricardo de Clare no retorno a Suffolk no Domesday Book.[5]

RecompensasEditar

Foi recompensado com 176 senhorios e grandes doações de terras na Inglaterra, incluindo o direito de construir os castelos de Clare e de Tonbridge. Ricardo Fitz Gilbert recebeu o senhorio de Clare, em Suffolk, onde partes do muro do Castelo de Clare ainda estão de pé.[6] Era, portanto, Senhor de Clare. Algumas fontes contemporâneas e posteriores chamavam-no de conde de Clare, embora muitas fontes modernas vejam o título como um "título de estilo".

Atuou como Joint Chief Justiciar na ausência de Guilherme, e desempenhou um papel importante na supressão da revolta de 1075.

Barões rebeldesEditar

Com a morte do conquistador, Ricardo e outros grandes barões normandos, incluindo Odo de Bayeux, Roberto, Conde de Mortain, Guilherme fitzOsbern e Godofredo de Coutances, lideraram uma rebelião contra o governo de Guilherme, o Ruivo, a fim de colocar Roberto Curthose no trono. No entanto, a maioria dos normandos na Inglaterra permaneceram leais. Guilherme, o Ruivo e seus exércitos atacaram com sucesso os bastiões rebeldes em Tonbridge, Pevensey e Rochester.[7]

Morte e sucessãoEditar

Foi enterrado no Priorado de St Neots em 1091. Sua viúva ainda vivia em 1113. Suas terras foram herdadas por seu filho, Gilberto fitzRichard.

CasamentoEditar

Ricardo casou-se com Rohese Giffard, filha de Sir Valter Giffard, Senhor de Longueville e Agnes Flaitel,[3] e tiveram os seguintes filhos:

  • Rogério fitzRichard de Clare, recebeu terras normandas e morreu em 1131, aparentemente sem descendência.[3]
  • Gilberto fitzRichard, morto em 1115, sucedeu seu pai como Conde de Clare.[3]
  • Valter de Clare, Senhor de Nether Gwent, morto em 1138.[3]
  • Ricardo fitzRichard de Clare, Abade de Ely.[3]
  • Roberto fitzRichard,[3] Senhor de Little Dunmow, Barão de Baynard, morto em 1136.[8]
  • Alice (ou Adelina) de Clare, morta em 1138, casada com Valter Tirel.[3][9]
  • Rohese de Clare, morta em 1121, casada com Eudo Dapifer (c. 1088).[3]

Notas

  1. Visto no Domesday Book várias vezes como "de Tonebridge/Tonebrige/Tonbridge".

Referências

  1. Domesday Map website - image of Betchworth's entry and transcription in summary Arquivado em 24 de setembro de 2014, no Wayback Machine. Normally de Tonebridge in Surrey. Página visitada em 22 de setembro de 2014.
  2. a b c G. E. Cokayne, The Complete Peerage, Vol. III (The St. Catherine Press, Londres, 1913), p. 242
  3. a b c d e f g h i Detlev Schwennicke, Europäische Stammtafeln: Stammtafeln zur Geschichte der Europäischen Staaten, Band III Teilband 1 (Marburg, Alemanha: J. A. Stargardt, 1984), Tafel 156
  4. a b J.H. Round, 'The Family of Clare', The Archaeological Journal, Vol. 56 2nd series Vol 6 (1899), p. 224
  5. The Suffolk return of the Domesday Survey (c. 1086) (ed. A. Rumble, Suffolk, 2 vols (Chichester, 1986), 67 ~ 1)
  6. The Royal Ancestry Bible Royal ancestors of 300 American Families Por Michel L. Call ISBN 1-933194-22-7 (gráfico 1696)
  7. A Baronial Family in Medieval England: The Clares, 1217–1314 por Michael Altschul (Baltimore, Johns Hopkins, 1965)
  8. I.J. Sanders, English Baronies; A Study of their Origin and descent 1086-1327 (Oxford: The Clarendon Press, 1963), p. 129
  9. C. Warren Hollister, 'The Strange Death of William Rufus', Speculum, Vol. 48, Nº. 4 (Outubro de 1973), pp. 645-46