Abrir menu principal

Wikipédia β

Rincão

município brasileiro do interior do estado de São Paulo, Região Sudeste do país
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Rincão (desambiguação).

Rincão é um município brasileiro do interior do estado de São Paulo, Região Sudeste do país. Localiza-se a noroeste da capital do estado, distando desta cerca de 270 km. Ocupa uma área de 315,946 km², sendo que 2,08 km² estão em perímetro urbano, e sua população foi estimada em 2017 em 10 823 habitantes.

Município de Rincão
Vista parcial de Rincão

Vista parcial de Rincão
Bandeira de Rincão
Brasão de Rincão
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 20 de agosto de 1948 (69 anos)[1]
Fundação 24 de dezembro de 1948 (68 anos)[2]
Gentílico rinconense
Prefeito(a) Therezinha Ignez Servidoni (PSDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Rincão
Localização de Rincão em São Paulo
Rincão está localizado em: Brasil
Rincão
Localização de Rincão no Brasil
21° 35' 13" S 48° 04' 15" O21° 35' 13" S 48° 04' 15" O
Unidade federativa  São Paulo
Região
intermediária

Araraquara IBGE/2017[3]

Região
imediata

Araraquara IBGE/2017[3]

Municípios limítrofes Norte: Guatapará;
Oeste: Motuca;
Sudoeste: Araraquara;
Sul: Santa Lúcia;
Leste: Luiz Antônio e São Carlos.
Distância até a capital 270 km
Características geográficas
Área 315,946 km² [4]
Distritos Rincão (sede) e Taquaral[5]
População 10 823 hab. estatísticas IBGE/2017[6]
Densidade 34,26 hab./km²
Altitude 530 m
Clima tropical sub-quente úmido Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,734 elevado PNUD/2010[7]
PIB R$ 144 744 mil IBGE/2013[8]
PIB per capita R$ 14 038,13 IBGE/2013[9]
Página oficial

A sede tem uma temperatura média anual de 22,6 ºC e na vegetação original do município predominam campos e cerrado. Com 81% da população vivendo na zona urbana, Rincão contava, em 2009, com quatro estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,734, considerando-se como alto em relação ao estado.

A região começou a ser desbravada por tropeiros gaúchos, que, de passagem, acampavam na região, porém o povoamento teve início na década de 1870, quando a Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF) anunciou o estendimento da malha ferroviária até o atual município. A partir de então passam a ganhar força no lugar a pecuária e o cultivo do café (mais tarde substituído pela cana-de-açúcar). Dado o desenvolvimento, em 1909 cria-se o distrito pertencente a Araraquara, que veio a emancipar-se em 1948.

Atualmente Rincão tem a atividade canavieira, a pecuária, a transformação de tijolos e a extração de areia como principais fontes econômicas.[10] A cidade se destaca pela realização de diversos eventos ao longo do ano, como o Carnaval[11] e a festa junina da cidade (o Arraiá de Rincão), que atraem milhares de visitantes.[12] O artesanato também se mostra como uma das formas mais espontâneas da expressão cultural rinconense.[5]

Índice

HistóriaEditar

A área do atual município começou a ser desbravada por tropeiros gaúchos, que, de passagem, acampavam na região. O lugar passou a ser conhecido pela expressão gaúcha Rincon (mais tarde transformado em Rincão), que denomina um lugar naturalmente abrigado por rios, morros ou matas.[2]

O povoamento se reforça no final da década de 1870, quando os proprietários das terras, os irmãos João, Luiz e Francisco Caetano Sampaio, fundam a povoação (constroem às margens do córrego Paciência uma capela em homenagem a São Luiz Gonzaga), após especular-se o estendimento da malha ferroviária da Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF) até Rincão.[2] Em 1880 existiam apenas três casas feitas de taipa e barro. A estação ferroviária veio a ser inaugurada em 1º de abril de 1892.[13]

No começo do século XX, Rincão também foi beneficiada com a navegação fluvial do rio Mojiguaçu, proporcionada pela CPEF. O café e a pecuária se estabeleceram como principais fontes de renda,[2] sendo que neste período destaca-se a vinda de imigrantes que tinham objetivo de adquirirem terras a fim de cultivaram lavouras. Vieram principalmente italianos, portugueses, espanhóis, sírios, japoneses e russos.[10] O café, entretanto, entrou em decadência no decorrer na década de 1930, sendo substituído pela cana-de-açúcar.[10]

Dado o desenvolvimento, pela lei estadual nº 1.194, de 24 de dezembro de 1909, cria-se o distrito de Rincão (instalado por ata de 11 de maio de 1910), subordinado a Araraquara.[10] Em 20 de agosto de 1948 realiza-se o plebiscito que optou pela emancipação, sendo este considerado o dia do aniversário da cidade.[14] A fundação veio a ocorrer pela lei estadual nº 233, de 24 de dezembro de 1948, e a instalação em 26 de março de 1949.[2]

GeografiaEditar

 
Ribeirão Rancho Queimado próximo à zona urbana.

A área do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 315,946 km², sendo que 2,0894 km² constituem a zona urbana e os 313,856 km² restantes constituem a zona rural.[15] Situa-se a 21°35'13" de latitude sul e 48°04'15" de longitude oeste e está a uma distância de 270 quilômetros a noroeste da capital paulista. Seus municípios limítrofes são Guatapará, a norte; Motuca, a oeste; Araraquara, a sudoeste; Santa Lúcia, a sul; e Luiz Antônio e São Carlos, a leste.[16]

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[17] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária e Imediata de Araraquara.[3] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de Araraquara, que por sua vez estava incluída na mesorregião de Araraquara.[18]

Relevo e hidrografiaEditar

O relevo do município de Rincão é predominantemente ondulado, com altitude máxima atingindo os 600 metros e mínima de 521 metros.[16] No perímetro urbano há alternância entre colinas e planícies, alongando-se para o norte do município. No Vale do Rio Mojiguaçu a altitude média é reduzida, passando a predominar chapadões, morros e espigões do Planalto Ocidental.[16] O solo varia entre arenoso, terras roxas e várzeas.[16]

O território municipal, tanto no perímetro urbano quanto na zona rural, é banhado por vários pequenos rios e córregos, estando totalmente incluindo na Bacia do Rio Mojiguaçu. Também há considerável presença de lagoas e trechos de várzeas, que cobrem cerca de 0,25% da área de Rincão. O Rio Mojiguaçu demarca todo o limite norte, sendo onde desaguam os principais cursos que banham o município, como o Ribeirão das Guarirobas, Ribeirão Rancho Queimado, Ribeirão da Paciência e Ribeirão das Almas.[16]

ClimaEditar

Maiores acumulados de chuva em 24 horas registrados
em Rincão por meses (1936–1998)
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 105,7 mm 11/01/1987 Julho 59,5 mm 03/07/1976
Fevereiro 131,2 mm 05/02/1995 Agosto 42,9 mm 22/08/1986
Março 99,3 mm 04/03/1991 Setembro 49,8 mm 30/09/1975
Abril 85,7 mm 01/04/1995 Outubro 156,6 mm 20/10/1981
Maio 80,1 mm 20/05/1987 Novembro 104,8 mm 01/11/1938
Junho 57,0 mm 15/06/1958 Dezembro 109,8 mm 09/12/1981
Fonte: Agência Nacional de Águas (ANA)[19][20][21]

O clima rinconense é caracterizado, segundo o IBGE, como tropical sub-quente úmido (tipo Aw segundo Köppen),[22][23] tendo temperatura média anual de 22,6 °C com invernos secos e frios e verões chuvosos com temperaturas amenas.[24][25] O mês mais quente, fevereiro, tem temperatura média de 25,1 °C, sendo a média máxima de 30,7 °C e a mínima de 19,4 °C. E o mês mais frio, julho, de 19,1 °C, sendo 26,6 °C e 11,6 °C as médias máxima e mínima, respectivamente. Outono e primavera são estações de transição.[26]

A precipitação média anual é de 1 531,6 mm, sendo julho o mês mais seco, quando ocorrem apenas 15,9 mm. Em dezembro, o mês mais chuvoso, a média fica em 287,5 mm.[26] Nos últimos anos, entretanto, os dias quentes e secos durante o inverno têm sido cada vez mais frequentes, não raro ultrapassando a marca dos 28 ºC, especialmente entre julho e setembro. Em julho de 1998, por exemplo, a precipitação de chuva em Rincão não passou dos 0 mm.[27] Durante a época das secas e em longos veranicos em pleno período chuvoso também são comuns registros de queimadas em morros e matagais, principalmente na zona rural da cidade, o que contribui com o desmatamento e com o lançamento de poluentes na atmosfera, prejudicando ainda a qualidade do ar.[28]

Segundo dados do Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo, entre 1936 e 1998 o maior acumulado de chuva registrado em 24 horas em Rincão foi de 156,6 mm, no dia 20 de outubro de 1981.[29] Outros grandes acumulados foram de 131,2 mm, em 5 de fevereiro de 1995;[30] 109,8 mm, em 9 de dezembro de 1981;[31] e 105,7 mm, em 11 de janeiro de 1987.[32] De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Rincão é o 326º colocado no ranking de ocorrências de descargas elétricas no estado de São Paulo, com uma média anual de 6,0329 raios por quilômetro quadrado.[33]

Dados climatológicos para Rincão
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 30,6 30,7 30,5 29,2 27,3 26,3 26,6 29,0 30,1 30,3 30,4 30,2 29,3
Temperatura mínima média (°C) 19,2 19,4 18,7 16,2 13,5 12,2 11,6 13,2 15,2 16,9 17,6 18,7 16,0
Precipitação (mm) 273,0 206,4 187,5 84,7 47,7 19,9 15,9 17,6 67,4 143,6 180,4 287,5 1 531,6
Fonte: Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri);[26] acessado em 03/01/2014

Ecologia e meio ambienteEditar

 
Vegetação rasteira às margens do Ribeirão Rancho Queimado.

A vegetação predominante no município é uma alternância entre cerrado e campos, sendo que a região observou, durante décadas, profundas transformações ambientais oriundas, principalmente, de um intenso processo de expansão da agricultura e pecuária, que gerou e segue favorecendo uma grande mudança paisagística, reduzindo áreas verdes de vegetação nativa em pequenos fragmentos em meio a áreas abertas de pastagem.[34] A grande maioria dessas áreas fragmentadas encontra-se protegida por meio de unidades de conservação públicas ou particulares, por intermédio de regras exigidas pelo poder público quanto ao licenciamento ambiental. Segundo o Instituto Florestal de São Paulo, apenas 4,72% do território rinconense é composto por cobertura vegetal original (1 321,76 hectares); sendo 330,57 ha. de capoeira (1,18%), 313,34 ha. de cerrado (1,12%), 315,85 ha. de várzeas (1,13%), 283,5 ha. de Mata Atlântica ou florestas (1,01%) e 77,80 ha. de cerradão (0,28%).[35]

Uma das principais áreas de preservação ambiental é a Estação Ecológica do Jataí (EEJ), que engloba, além de Rincão, os municípios de Luiz Antônio (onde está sediada), Guatapará, Araraquara e São Carlos. Foi fundada em 15 de junho de 1982, sendo considerada como a maior reserva de cerrado do estado de São Paulo, com um total de 9 010,7 hectares, onde são encontradas várias espécies típicas do bioma. Na flora, destaca-se a presença de espécies como o pequi, o barbatimão, a gabiroba e o angico-preto, enquanto que na fauna há o lobo-guará, o tamanduá-bandeira, capivaras e a onça-parda.[36][37][38]

DemografiaEditar

Crescimento populacional
Censo Pop.
1970 6 538
1980 7 301 11,7%
1991 10 356 41,8%
2000 10 330 -0,3%
2010 10 414 0,8%
Est. 2017 10 823 3,9%
Fonte: Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística
(IBGE)[6][39]

Em 2010, a população do município foi contada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 10 414 habitantes.[40] Segundo o censo daquele ano, 5 244 habitantes eram homens e 5 170 habitantes mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 8 460 habitantes viviam na zona urbana e 1 954 na zona rural.[40] Já segundo estatísticas divulgadas em 2017, a população municipal era de 10 823 habitantes.[6] Da população total em 2010, 2 470 habitantes (23,72%) tinham menos de 15 anos de idade, 7 102 habitantes (68,20%) tinham de 15 a 64 anos e 842 pessoas (8,09%) possuíam mais de 65 anos, sendo que a esperança de vida ao nascer era de 74,5 anos e a taxa de fecundidade total por mulher era de 2,2.[41]

Em 2010, segundo dados do censo do IBGE daquele ano, a população rinconense era composta por 6 101 brancos (58,58%); 483 negros (4,64%); 64 amarelos (0,61%); 3 753 pardos (36,04%) e 13 indígenas (0,12%).[42] Considerando-se a região de nascimento, 9 626 eram nascidos na Região Sudeste (92,43%), 522 no Nordeste (5,01%), 57 no Centro-Oeste (0,55%), 176 no Sul (1,79%) e nove no Norte (0,09%). 9 404 habitantes eram naturais do estado de São Paulo (90,3%) e, desse total, 6 213 eram nascidos em Rincão (59,66%).[43] Entre os 1 010 naturais de outras unidades da federação (9,7%), a Bahia era o estado com maior presença, com 227 pessoas (2,18%), seguido por Minas Gerais, com 201 residentes (1,93%), e pelo Paraná, com 160 habitantes residentes no município (1,54%).[44]

 
Cristo Redentor de Rincão.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Rincão é considerado alto pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo que seu valor é de 0,734, sendo o 356º maior de São Paulo e o 920º maior do Brasil. A cidade possui a maioria dos indicadores próximos ou acima da média nacional segundo o PNUD. Considerando-se apenas o índice de educação o valor é de 0,682, o valor do índice de longevidade é de 0,826 e o de renda é de 0,701.[7] De 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até meio salário mínimo reduziu em 56,7% e em 2010, 93,0% da população vivia acima da linha de pobreza, 4,6% encontrava-se na linha da pobreza e 2,3% estava abaixo[45] e o coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, era de 0,447, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.[46] A participação dos 20% da população mais rica da cidade no rendimento total municipal era de 50,3%, ou seja, 9,9 vezes superior à dos 20% mais pobres, que era de 5,1%.[45]

De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo IBGE, a população de Rincão está composta por: 6 650 católicos (63,86%), 1 584 evangélicos (15,21%), 1 237 pessoas sem religião (11,88%), 399 espíritas (3,84%), 347 Testemunhas de Jeová (3,33%) e 1,88% divididos entre outros credos religiosos.[47] Segundo divisão feita pela Igreja Católica, o município está situado na Diocese de São Carlos, que foi criada em 1º de março de 1908 e atualmente conta com outros 28 municípios, sendo a sede em São Carlos. A diocese ainda divide-se em seis regiões pastorais, que por sua vez são subdivididas em paróquias. Rincão situa-se na Região Pastoral 6, sendo que a Paróquia São Luís Gonzaga, criada em 14 de novembro de 1924, corresponde ao município.[48][49]

Política e administraçãoEditar

A administração municipal se dá pelos poderes Executivo e Legislativo.[50] Em janeiro de 2017, a atual prefeita municipal e líder do poder Executivo é a Therezinha Ignez Servidoni, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que venceu as eleições municipais de 2016 com 1 978 votos (34,19% dos eleitores).[51] O poder Legislativo, por sua vez, é constituído pela câmara municipal, composta por nove vereadores eleitos para mandatos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição[52]) e em 2017 está representada por três cadeiras do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB); três cadeiras do Partido Progressista (PP); duas cadeiras do Partido dos Trabalhadores (PT); e uma do Partido Social Democrático (PSD). Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).[53]

O município se rege ainda por lei orgânica, que foi promulgada em 5 de abril de 1990,[54] e faz parte da Comarca de Araraquara.[55] Havia 7 941 eleitores em julho de 2014, o que representava 0,025% do total do estado de São Paulo.[56] A zona urbana municipal está subdividida em sete bairros, sendo eles: Vila Paulista, Vila Bela Vista, Vila Maria Madalena Pinto, Jardim Alvorada, Jardim Carangola, Jardim d'Alessandro e Jardim Bela Vista.[16] Na zona rural há o distrito de Taquaral, criado pela lei municipal nº 1842, de 4 de agosto de 2011 (elevando o antigo bairro Taquaral à categoria de distrito),[57] cuja população era estimada pela prefeitura no ano de 2011 em cerca de 1 500 habitantes.[5]

EconomiaEditar

No Produto Interno Bruto (PIB) de Rincão, destaca-se a área de prestação de serviços. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2011, o PIB do município era de R$ 143 262 mil.[58] 6 045 mil eram de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes e o PIB per capita era de R$ 13 747,43.[58] Em 2010, 65,37% da população maior de 18 anos era economicamente ativa, enquanto que a taxa de desocupação era de 5,39%.[41]

Em 2012, salários juntamente com outras remunerações somavam 25 710 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 2,1 salários mínimos. Havia 320 unidades locais e 302 empresas atuantes.[59] Segundo o IBGE, em 2010, 54,73% das residências sobreviviam com menos de salário mínimo mensal por morador (1 705 domicílios), 36,82% sobreviviam com entre um e três salários mínimos para cada pessoa (1 147 domicílios), 4,49% recebiam entre três e cinco salários (140 domicílios), 1,67% tinham rendimento mensal acima de cinco salários mínimos (52 domicílios) e 2,68% não tinham rendimento (71 domicílios).[60]

Setor primário
Produção de cana-de-açúcar, soja e milho (2012)[61]
Produto Área colhida (hectares) Produção (tonelada)
Cana-de-açúcar 20 100 1 407 000
Soja 80 216
Milho 30 144

Em 2011, a pecuária e a agricultura acrescentavam 41 832 mil reais na economia de Rincão,[58] enquanto que em 2010, 19,93% da população economicamente ativa do município estava ocupada no setor.[41] Segundo o IBGE, em 2012 o município possuía um rebanho de 5 095 bovinos, 662 bubalinos, 48 caprinos, 244 equinos, 31 muares, 373 ovinos, 313 suínos e 93 740 aves, entre estas 6 540 galinhas e 87 200 galos, frangos e pintinhos.[62] Neste mesmo ano, a cidade produziu 920 mil litros de leite de 1 380 vacas, 63 mil dúzias de ovos de galinha e 1 380 quilos de mel de abelha.[62]

Na lavoura temporária, são produzidos principalmente a cana-de-açúcar (1 407 000 toneladas produzidas e 20 100 hectares cultivados), a soja (216 toneladas e 80 hectares) e o milho (144 toneladas e 30 hectares colhidos), além do amendoim.[61] Já na lavoura permanente, destacam-se a laranja (44 795 toneladas produzidas e 1 785 hectares cultivados) e o café (81 toneladas produzidas e dez hectares cultivados).[63] O cultivo da cana-de-açúcar foi um dos principais fatores do desenvolvimento de Rincão e de boa parte do estado de São Paulo, sendo que a atividade canavieira ainda é uma das principais fontes econômicas da região, atraindo trabalhadores rurais de várias partes do Brasil.[34][64] Por muito tempo também se destacou a produção de arroz, café, banana, maçã e uma grande diversidade de árvores frutíferas.[10]

Setores secundário e terciário

A indústria, em 2011, era o setor menos relevante para a economia do município. 12 989 reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor secundário,[58] sendo que a maior parte da atividade industrial rinconense está relacionada às indústrias de transformação de tijolos e à extração de areia e pedregulho.[10] Em 2012, de acordo com o IBGE, também foram extraídos 620 metros cúbicos de madeira em lenha.[65] Segundo estatísticas do ano de 2010, 2,26% dos trabalhadores de Rincão estavam ocupados no setor industrial extrativo e 19,88% na indústria de transformação.[41]

Também em 2010, 3,36% da população ocupada estava empregada no setor de construção, 0,50% nos setores de utilidade pública, 9,66% no comércio e 41,48% no setor de serviços[41] e em 2011, 82 396 reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor terciário.[58] O comércio representa uma das principais fontes de renda da cidade e se vê fortalecido pela considerável presença de micro e pequenas empresas.[10]

InfraestruturaEditar

Habitação, infraestrutura básica e criminalidadeEditar

No ano de 2010 a cidade tinha 3 115 domicílios particulares permanentes. Desse total, 3 022 eram casas, 88 eram casas de vila ou condomínios e cinco eram habitações em cortiços. Do total de domicílios, 1 919 são imóveis próprios (1 719 próprios já quitados e 200 em aquisição); 649 foram alugados; 531 foram cedidos (307 cedidos por empregador e 224 cedidos de outra forma) e 16 foram ocupados de outra maneira.[66] Parte dessas residências contava com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular. 2 571 domicílios eram atendidos pela rede geral de abastecimento de água (82,53% do total); 3 103 (99,61%) possuíam banheiros para uso exclusivo das residências; 2 956 (94,89% deles) eram atendidos por algum tipo de serviço de coleta de lixo (seja pela prefeitura ou não); e 3 108 (99,77%) possuíam abastecimento de energia elétrica.[66]

Como na maioria dos municípios brasileiros, a criminalidade ainda se faz presente em Rincão.[67][68] Em 2011, a taxa de homicídios no município foi de 6,2 para cada 100 mil habitantes, ficando no 236º lugar a nível estadual e no 2183° lugar a nível nacional.[69] Já em relação à taxa de óbitos por acidentes de transito, o índice foi de 12,3 para cada 100 mil habitantes, ficando no 250° a nível estadual e no 1838° lugar a nível nacional.[70]

Saúde e educaçãoEditar

Em 2009, o município possuía quatro estabelecimentos de saúde entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos, sendo todos públicos e integrantes do Sistema Único de Saúde (SUS).[71] Em 2013, 99,4% das crianças menores de 1 ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia.[72] Em 2012, foram registrados 143 nascidos vivos,[73] sendo que o índice de mortalidade infantil neste ano foi de 14 óbitos de crianças menores de cinco anos de idade a cada mil nascidos vivos.[72] Em 2010, 4,38% das mulheres de 10 a 17 anos tiveram filhos (todas acima dos 15 anos) e a taxa de atividade entre meninas de 10 a 14 anos era de 1,90%.[41] Do total de crianças menores de dois anos pesadas pelo Programa Saúde da Família em 2013, 0,9% apresentavam desnutrição.[45]

Na área da educação, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) médio entre as escolas públicas de Rincão era, no ano de 2011, de 4,5 (numa escala de avaliação que vai de nota 1 à 10), sendo que a nota obtida por alunos do 5º ano (antiga 4ª série) foi de 4,9 e do 9º ano (antiga 8ª série) foi de 4,2; o valor das escolas públicas de todo o Brasil era de 4,0.[74] Em 2010, 1,78% das crianças com faixa etária entre seis e quatorze anos não estavam cursando o ensino fundamental.[41] A taxa de conclusão, entre jovens de 15 a 17 anos, era de 48,5% e o percentual de alfabetização de jovens e adolescentes entre 15 e 24 anos era de 97,9%. A distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com com idade superior à recomendada, era de 1,1% para os anos iniciais e 4,4% nos anos finais e, no ensino médio, a defasagem chegava a 6,9%.[74] Dentre os habitantes de 18 anos ou mais, 49,22% tinham completado o ensino fundamental e 29,84% o ensino médio, sendo que a população tinha em média 10,49 anos esperados de estudo.[41]

Em 2010, de acordo com dados da amostra do censo demográfico, da população total, 2 934 habitantes frequentavam creches e/ou escolas. Desse total, 157 frequentavam creches, 277 estavam no ensino pré-escolar, 201 na classe de alfabetização, 16 na alfabetização de jovens e adultos, 1 389 no ensino fundamental, 75 na educação de jovens e adultos do ensino fundamental, 483 no ensino médio, 78 na educação de jovens e adultos do ensino médio, 30 na especialização de nível superior e 228 em cursos superiores de graduação. 4 310 pessoas não frequentavam unidades escolares, sendo que 877 nunca haviam frequentado e 6 677 haviam frequentado alguma vez.[75] Segundo o IBGE, naquele mesmo ano, das cinco escolas que forneciam ensino fundamental, uma pertencia à rede pública estadual, três à rede pública municipal e uma era escola particular. Dentre as duas instituições de ensino médio, uma pertencia à rede pública estadual e uma à rede particular.[76]

Educação de Rincão em números (2012)[76]
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 286 25 5
Ensino fundamental 1 444 64 5
Ensino médio 502 12 2

Serviços e comunicaçãoEditar

O serviço de abastecimento de energia elétrica no município é feito pela Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL),[77] enquanto que o abastecimento de água e a coleta de esgoto são de responsabilidade do Serviço de Água e Esgoto de Rincão (SAER), sendo que em 2008 havia 3 473 unidades consumidoras e eram distribuídos em média 2 500 m³ de água tratada por dia.[78] A água que é distribuída à população é captada do subsolo através de cinco poços que a encaminham a quatro reservatórios e, posteriormente, à cidade.[79]

O código de área (DDD) de Rincão é 016[80] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) de toda a cidade é 14830-000.[81] No dia 12 de janeiro de 2009, o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outros municípios com o mesmo DDD. A portabilidade é um serviço que possibilita a troca da operadora sem a necessidade de se trocar o número do aparelho.[82]

TransportesEditar

 
SP-255 na entrada da cidade.

A frota municipal no ano de 2013 era de 4 479 veículos, sendo 2 801 automóveis, 282 caminhões, 63 caminhões-trator, 309 caminhonetes, 114 caminhonetas, 19 micro-ônibus, 577 motocicletas, 61 motonetas, 50 ônibus, nove utilitários e 194 classificados como outros tipos de veículo.[83] A cidade possui transporte coletivo, que é de responsabilidade da Viação Paraty.[84] Duas rodovias passam por Rincão, sendo elas a SP-255 (que conecta cidades como Araraquara, Jaú e Avaré); e a SP-318 (conectando cidades como São Carlos e Ribeirão Preto).[16][85]

O município contava com transporte ferroviário. A estação ferroviária da cidade foi inaugurada em 1º de abril de 1892, sendo atendida por transporte de carga e passageiros da Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF), inicialmente através da Estrada de Ferro Rio-Clarense, que ligava o município de Rio Claro a Jaboticabal (até Barretos a partir de 1908).[13][86] Na década de 1920, a ferrovia passou a ser propriedade da chamada Linha Paulista e foi estendida até Mogi Guaçu, vindo a ser adquirida pela Fepasa em 1971, que manteve o percurso Mogi Guaçu–Barretos até 1998, quando o trajeto foi encurtado para apenas entre Campinas e Araraquara. Com isso, Rincão deixou de ser atendida pelo serviço de trens, sendo que a estação foi fechada e transformada em um centro cultural e sede da prefeitura.[13] A notícia do estendimento da malha ferroviária da Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF) até o atual município foi um dos fatores para o começo do povoamento no lugar na segunda metade do século XIX.[34][13]

CulturaEditar

Manifestações culturaisEditar

Para estimular o desenvolvimento socioeconômico local, a prefeitura de Rincão, juntamente ou não com instituições locais, passou a investir mais no segmento de festas e eventos.[87] Os principais eventos são o Carnaval, organizado em fevereiro ou março, com desfiles dos blocos formados por famílias da cidade, marchinhas e shows com bandas regionais;[11] as celebrações da Semana Santa, em março ou abril, com apresentação teatral da morte e ressurreição de Jesus na Sexta-feira Santa;[88] o Festival de Música Sertaneja, em abril ou maio, com a escolha das melhores apresentações dentre duplas sertanejas de toda a região, atraindo um público médio de mil pessoas;[89] a festa junina da cidade (Arraiá de Rincão), em junho ou julho, que é realizada anualmente desde 2001 e em algumas edições atrai mais de 10 mil pessoas durante os dias do evento, sendo uma das mais conhecidas da região e contando com shows com bandas locais sertanejas, de forró ou de samba, exposições e barracas de alimentação com comidas típicas e tradicionais;[12] e as comemorações do aniversário da cidade, que mesmo sendo celebrado em 20 de agosto, conta com realização de shows, exposições, espetáculos culturais, campeonatos esportivos, sorteios e missas durante vários dias.[1]

O artesanato também é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural rinconense. Há associações que reúnem artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato. Há também organizações não governamentais (ONGs) que atuam na área do artesanato com crianças carentes da cidade.[90] Segundo o IBGE, as principais atividades artesanais desenvolvidas em Rincão são o bordado, trabalhos com renda e construção de produtos envolvendo madeira.[91] Em Taquaral desenvolveu-se, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), o projeto Eco Argila, composto por um prédio equipado com cinco fornos cerâmicos usados para confecção de peças artesanais.[5]

Instituições e atrativosEditar

O chamado Departamento de Educação e Cultura é o órgão em complementação ao processo legislativo que versa o setor cultural do município.[92] Há um conselho municipal de cultura, criado em 2006 e de caráter consultivo, normativo e fiscalizador.[93] Dentre os espaços culturais, destaca-se a existência de uma biblioteca pública e um estádio ou ginásio poliesportivo, ambos mantidos pelo poder público municipal, segundo o IBGE em 2005.[94] Também há presença de grupos de teatro, dança, música e capoeira, coral, escola de samba, bloco carnavalesco e exposições de artes plásticas e visuais e desenho e pintura, de acordo com o IBGE em 2012.[95]

Os principais atrativos da cidade são a Praça da Matriz, que é utilizada como palco para vários eventos públicos e situa-se em frente à Igreja Matriz;[87] o rio Mojiguaçu, sendo que em Taquaral cerca de 400 pessoas se instalam todo final de semana em ranchos às margens do curso d'Água a fim de aproveitarem suas águas para nadarem ou apreciarem a paisagem;[5] e o prédio da antiga estação ferroviária, que foi construído em 1892 e transformado em sede da prefeitura em 2004, onde também há um centro cultural. Em anexo ao prédio, na parte externa, foram construídos a Praça dos Ferroviários e um teatro de arena que comporta aproximadamente 250 pessoas e também é usado para a realização de eventos culturais.[10]

EsporteEditar

A cidade conta com equipes de diversas modalidades, que eventualmente participam de competições intermunicipais e se destacam regionalmente. Há presença de esportes como futsal,[96] futebol,[97] basquetebol,[98] handebol[99] e voleibol.[100] Também destacam-se projetos que promovem atividades esportivas à população, como as chamadas "escolinhas" de futebol às crianças da cidade e aulas de ginástica, natação e vôlei a idosos, que são realizadas nos espaços esportivos existentes no município e orientadas pela própria prefeitura de Rincão.[100]

O principal espaço esportivo do município é o Ginásio Municipal de Rincão Antônio Carlos Nascimento[101] e o principal estádio de futebol é o Estádio Municipal de Rincão, também conhecido como Estádio do Ferroviário, sendo que ambos eventualmente sediam eventos regionais ou torneios municipais, como campeonatos e competições amadoras.[97]

FeriadosEditar

Em Rincão há dois feriados municipais e oito feriados nacionais, além dos pontos facultativos. Os feriados municipais são o dia do aniversário da cidade, comemorado em 20 de agosto; e o dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro.[102] De acordo com a lei federal nº 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais com âmbito religioso, já incluída a Sexta-Feira Santa.[103][104]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Câmara Municipal (8 de agosto de 2011). «Aniversário de Rincão: três noites de shows na Praça». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  2. a b c d e Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Rincão - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 21 de julho de 2013. Cópia arquivada em 21 de julho de 2013 
  3. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 25 de setembro de 2017 
  4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Área territorial oficial». Consultado em 9 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  5. a b c d e Prefeitura. «Distrito do Taquaral». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  6. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 25 de setembro de 2017 
  7. a b Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2013). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2013 » PIB a preços correntes » Comparação entre os Municípios: São Paulo». Consultado em 23 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2016 
  9. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2013). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2013 » PIB a preços correntes » Comparação entre os Municípios: São Paulo». Consultado em 23 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2016 
  10. a b c d e f g h Câmara Municipal. «Resumo histórico do município de Rincão» (PDF). Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  11. a b Prefeitura. «Carnaval de Rincão reúne mais de 2 mil pessoas por dia». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  12. a b Gazeta de Américo (19 de junho de 2013). «13ª festa junina de Rincão terá mais de 15 shows». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  13. a b c d Estações Ferroviárias do Brasil (22 de maio de 2013). «Rincão». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  14. Davi Marques Pastrelo (22 de agosto de 2012). «Rincão completou 54 anos dia 20 de Agosto». Consultado em 3 de agosto de 2013 
  15. Embrapa Monitoramento por Satélite. «São Paulo». Consultado em 27 de julho de 2013. Cópia arquivada em 27 de julho de 2013 
  16. a b c d e f g Prefeitura. «Geografia». Consultado em 27 de julho de 2013. Cópia arquivada em 27 de julho de 2013 
  17. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 25 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2017 
  18. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 96. Consultado em 25 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 25 de setembro de 2017 
  19. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - Rincão (Estação Mandi)». Consultado em 22 de agosto de 2014 
  20. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - Rincão (Estação Rincão - CPEF)». Consultado em 22 de agosto de 2014 
  21. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - Rincão (Estação Fazenda Santa Terezinha)». Consultado em 22 de agosto de 2014 
  22. World Map of the Köppen-Geiger climate classification. «World Map of the Köppen-Geiger climate classification». Institute for Veterinary Public Health. Consultado em 27 de julho de 2013. Cópia arquivada em 24 de abril de 2011 
  23. Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri). «Classificação Climática de Köppen do Estado de São Paulo». Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Consultado em 3 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2014 
  24. Portal Brasil (6 de janeiro de 2010). «Clima». Consultado em 27 de julho de 2013. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  25. Biblioteca IBGE. «Brasil - Climas». Consultado em 27 de julho de 2013. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  26. a b c Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri). «Rincão». Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Consultado em 3 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2014 
  27. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Chuvas - Médias Diárias – 07/1998». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 27 de julho de 2013. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2014 
  28. Juliana Coissi (26 de agosto de 2010). «Região lidera com folga as grandes queimadas em SP». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 de julho de 2013. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2014 
  29. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Chuvas - Médias Diárias – 10/1981». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  30. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Chuvas - Médias Diárias – 02/1995». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2014 
  31. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Chuvas - Médias Diárias – 12/1981». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2014 
  32. Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo. «Chuvas - Médias Diárias – 01/1987». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2014 
  33. Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) (2010). «Ranking de Descargas Atmosféricas de São Paulo». Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Consultado em 1º de agosto de 2013 
  34. a b c Prefeitura. «História». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  35. Instituto Florestal (IF). «Mapa florestal dos municípios de São Paulo - Rincão» (PDF). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  36. Davi Marques Pastrelo (2 de novembro de 2011). «Região possui maior reserva de cerrado do estado de São Paulo». Consultado em 1º de agosto de 2013 
  37. Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo (28 de novembro de 2011). «Plano de Manejo» (PDF). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  38. SIGRH (29 de janeiro de 2010). «Relatório de impacto ao meio ambiente» (PDF). Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  39. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 200 - População residente por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  40. a b Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «População residente por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  41. a b c d e f g h Atlas do Desenvolvimento Humano (2013). «Perfil - Rincão, SP». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  42. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «População de Rincão por raça e cor». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  43. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Consultado em 5 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  44. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Consultado em 5 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  45. a b c Portal ODM (2010). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  46. Portal ODM (2010). «Perfil municipal». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  47. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  48. Paróquia São Sebastião Matão. «Diocese de São Carlos-SP». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  49. Linha Aberta. «Bispos da Diocese de São Carlos». Consultado em 1º de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  50. Flávio Henrique M. Lima (9 de fevereiro de 2006). «O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno». JusVi. Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012 
  51. Eleições 2016 (27 de dezembro de 2016). «Candidatos a Prefeito Rincão/SP». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 2 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2016 
  52. DJI. «Constituição Federal - CF - 1988 / Art. 29». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012 
  53. Eleições 2016 (2 de outubro de 2016). «Candidatos / Vereadores Eleitos de Rincão». Consultado em 3 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2017 
  54. Prefeitura (23 de julho de 2007). «Lei Orgânica do município de Rincão, estado de São Paulo» (PDF). Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  55. Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). «Fóruns judiciais e cartórios extrajudiciais do estado de São Paulo». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  56. Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (12 de abril de 2013). «Consulta Quantitativo». Consultado em 19 de agosto de 2014 
  57. Câmara Municipal (4 de agosto de 2011). «Lei n.º 1842/2011». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  58. a b c d e Cidades@ - IBGE (2011). «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 3 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  59. Cidades@ - IBGE (2012). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  60. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Domicílios particulares permanentes, por classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  61. a b Cidades@ - IBGE (2012). «Lavoura Temporária 2012». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  62. a b Cidades@ - IBGE (2012). «Pecuária 2012». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  63. Cidades@ - IBGE (2012). «Lavoura Permanente 2012». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  64. Jeferson William Leme (7 de dezembro de 2005). «Corte de cana é alternativa para trabalhadores rurais em Araraquara». Centro Universitário de Araraquara (Uniara). Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  65. Cidades@ - IBGE (2012). «Extração vegetal e silvicultura - 2012». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  66. a b Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios: Resultados do Universo». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  67. Sim News (25 de junho de 2013). «Acusados de estupro são espancados por populares em Rincão». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  68. Renata Cristina Bertoldi (23 de outubro de 2009). «Violência escolar atinge pequenas cidades do interior». Centro Universitário de Araraquara (Uniara). Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  69. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 2 de agosto de 2013 
  70. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 2 de agosto de 2013 
  71. Cidades@ - IBGE (2009). «Serviços de Saúde 2009». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  72. a b Portal ODM (2012). «4 - reduzir a mortalidade infantil». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  73. Portal ODM (2012). «5 - melhorar a saúde das gestantes». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  74. a b Portal ODM (2012). «2 - educação básica de qualidade para todos». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  75. Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Resultados da Amostra - Educação». Consultado em 5 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  76. a b Cidades@ - IBGE (2012). «Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2012». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  77. Prefeitura. «Divida e resolução da Aneel deverão refletir na cobrança da conta de luz, em Rincão». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  78. Cidades@ - IBGE (2008). «Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - 2008». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  79. Prefeitura (13 de julho de 2011). «Plano municipal de saneamento básico» (PDF). Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  80. DDD Cidade. «DDD». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  81. Correios. «CEP de cidades brasileiras». Consultado em 2 de agosto de 2013 
  82. Folha da Manhã (8 de janeiro de 2009). «Usuário da região terá portabilidade a partir de 2ª feira». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  83. Cidades@ - IBGE (2012). «Frota 2013». Consultado em 19 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  84. Fernando Stivaletti (16 de março de 2013). «Em Rincão, audiência pública discute qualidade no transporte coletivo». Gazeta de Américo. Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  85. Google Maps, acessado em 2 de agosto de 2013.
  86. Estações Ferroviárias do Brasil. «Tronco da antiga E. F. Rio-Clarense». Consultado em 2 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  87. a b Prefeitura. «Prefeitura de Rincão receberá 300 mil do governo federal para a Cultura». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  88. Luis Gustavo Banzi Tonucci (12 de abril de 2003). «Rincão terá encenação da paixão e morte de Cristo». Centro Universitário de Araraquara (Uniara). Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  89. Gazeta de Américo (10 de maio de 2013). «4º Festival de Música Sertaneja de Raiz reuniu mais de 1 mil pessoas em Rincão». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  90. Luiz Gustavo Banzi Tonucci. «ONG ensina trabalho à crianças carentes». Centro Universitário de Araraquara (Uniara). Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  91. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Principais atividades artesanais». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  92. Prefeitura. «Departamento de Educação e Cultura». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  93. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Conselho municipal de cultura e de preservação do patrimônio». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  94. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2005). «Equipamentos culturais». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  95. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Grupos artísticos». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  96. Gazeta de Américo (28 de março de 2013). «Rincão vence Santa Lúcia no amistoso de futsal». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  97. a b Gazeta de Américo (28 de março de 2013). «Rincão realiza primeiro amistoso do ano da categoria sub-15». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  98. Prefeitura. «13º Jocoara: equipes de basquete de Rincão voltam para casa vitoriosas». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  99. Fernando Schimidt (8 de junho de 2009). «Rincão conquista bicampeonato de handebol feminino». Centro Universitário de Araraquara (Uniara). Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  100. a b Gazeta de Américo (28 de março de 2013). «Bem estar: melhor idade de Rincão parte para a ginástica e outras modalidades». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  101. Gazeta de Américo (28 de março de 2013). «Capoeira: Rincão sedia encontro de 32 municípios». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  102. Feriados Municipais. «Feriados municipais - Rincão-SP». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2013 
  103. Sérgio Ferreira Pantaleão. «Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual». Guia Trabalhista. Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 
  104. Presidência da República. «Lei n.º 9.093, de 12 de setembro de 1995». Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 

Ligações externasEditar