Rio de Janeiro (encouraçado)

O Rio de Janeiro foi uma canhoneira blindada construída para a Armada Imperial Brasileira durante a Guerra do Paraguai em meados da década de 1860. Tal como as outras duas canhoneiras Tamandaré e Barroso) ela foi construída no Brasil e projectada como uma casamata de ferro. Encomendado em abril de 1866, o navio só entrou em combate em setembro, quando bombardeou fortificações paraguaias em Curuzu. O Rio de Janeiro atingiu duas minas no dia 2 de setembro e afundou rapidamente, levando consigo 53 dos seus tripulantes.

Rio de Janeiro
Rio de Janeiro afundando no Rio Paraguai
 Brasil
Operador Armada Imperial Brasileira
Custo £47,409
Homônimo Província do Rio de Janeiro
Construção 1865–66
Estaleiro Arsenal de Marinha da Corte, Rio de Janeiro
Batimento de quilha 28 de junho de 1865[nota 1]
Lançamento 18 de fevereiro de 1866[nota 2]
Comissionamento Abril de 1866
Destino Afundado em 2 de setembro de 1866
Características gerais
Tipo de navio Encouraçado
Navio de bateria central
Deslocamento 871 toneladas (normal)
1001 toneladas (carga profunda)
Comprimento 56,69 m
Boca 9,19 m
Calado 2,62 m
Propulsão Uma hélice com duas pás
Um motor a vapor
Duas caldeiras
- 326 cv (240 kW)
Velocidade 9 nós
Armamento 2 canhão Whitworth de 70 libras
2 canhões de 68 libras
Blindagem Cinturão: 51–102 mm
Casemata: 102 mm
Convés: 12,7 mm
Tripulação 148 homens

Design e descriçãoEditar

O encouraçado Rio de Janeiro, primeira embarcação brasileira a ostentar este nome em homenagem ao estado do Rio de Janeiro,[3] foi projectado para atender à necessidade da Marinha do Brasil de possuir uma canhoneira blindada pequena, simples e de calado raso, capaz de suportar fogo pesado. Um design de encouraçado casamata foi escolhido para facilitar a construção e um rostro de bronze com 1,8 metros de comprimento foi instalado. O casco foi revestido com metal Muntz para reduzir a bioincrustação. Para viagens marítimas, a borda livre do navio podia ser aumentada para 1,7 metros pelo uso de baluartes removíveis com 1,1 metros de altura. Nas operações ribeirinhas, os baluartes e os mastros do navio eram geralmente removidos.[4]

O navio media 56,69 metros de comprimento, com uma boca de 9,19 metros e teve um calado médio de 2,62 metros. O Rio de Janeiro deslocava normalmente 871 toneladas e 1001 toneladas em carga profunda. A sua tripulação era composta por 148 oficiais e homens.[4]

PropulsãoEditar

O Rio de Janeiro tinha uma única máquina a vapor John Penn & Sons de 2 cilindros que accionava uma única hélice de duas pás. O seu motor era movido por duas caldeiras tubulares. O motor produzia um total de 420 ihp (310 kW) que deu ao navio uma velocidade máxima de 9 nós. O funil do navio foi montado diretamente na frente da sua casamata. O Rio de Janeiro era capaz de carregar carvão suficiente para seis dias.[4]

ArmamentoEditar

O encouraçado tinha montado na sua casamata dois canhões de antecarga Whitworth de 70 libras e dois canhões que disparavam projecteis de 68 libras.[4] Para minimizar a possibilidade de projécteis entrarem na casamata pelas portas dos canhões, elas eram as menores possíveis, permitindo apenas um arco de fogo de 24° para cada arma. A casamata rectangular de 9,8 metros tinha duas portas para canhões em cada lado, bem como na frente e atrás.[5]

Um canhão de 70 libras pesava 3892 kg e disparava um projéctil de 140 mm que pesava 36,7 kg.[6] A arma tinha um alcance máximo de 5540 metros.[7] O projéctil sólido da arma de 68 libras era de 201 mm e pesava um valor nominal de 30,8 kg enquanto a própria arma pesava 4826 kg. A arma tinha um alcance de 2900 metros a uma elevação de 12 graus. Todas as armas podiam disparar munições sólidas e projécteis explosivos.[8]

ArmaduraEditar

O casco do Rio de Janeiro foi feito de três camadas de madeira, cada uma com 203 mm de espessura.[4] O navio tinha um cinturão de linha de água de ferro forjado, com uma altura de 1,52 metros; tinha uma espessura máxima de 102 mm cobrindo as máquinas e os depósitos, e 51 mm em outras zonas. O convés curvo, assim como o tecto da casamata, era blindado com 12,7 mm de ferro forjado. A casamata foi protegida por 102 milímetros de armadura em todos os quatro lados, apoiados por 609 mm de madeira coberta com um 102 mm de madeira de peroba-comum.[5]

ServiçoEditar

 
Encouraçado Rio de Janeiro afundado na frente do Curuzú (pintura de Adolfo Methfessel )

O batimento de quilha do Rio de Janeiro deu-se no Arsenal de Marinha da Corte, no Rio de Janeiro, em 28 de junho de 1865, durante a Guerra do Paraguai, que viu a Argentina e o Brasil aliarem-se contra o Paraguai. O navio foi lançado no dia 18 de fevereiro de 1866 e concluído em 1 de março de 1866. Encomendado em abril, ele chegou à zona de combate a 4 de maio. O navio chegou a Corrientes, com o encouraçado Lima Barros, em julho de 1866. No dia 1 de setembro, o Rio de Janeiro bombardeou as fortificações paraguaias em Curuzú em companhia de outros encouraçados brasileiros. Um projéctil de 68 libras entrou numa das suas portas de canhão durante o bombardeamento, matando quatro homens e ferindo outros cinco. No dia seguinte, depois de os seus danos terem sido reparados, o navio atingiu duas minas flutuantes no rio Paraguai enquanto tentava se encontrar com os outros encouraçados brasileiros que bombardeavam Curupaiti.[1] O Rio de Janeiro afundou instantaneamente com a perda de 53 tripulantes.[9] Ele permanece lá, sepultado debaixo de cerca de 15 metros de areia.[1][10] Nas memórias do engenheiro norte-americano James Hamilton Tomb, que lutou na Guerra Civil Americana ao lado dos confederados e tinha ampla experiência com minas navais, e que prestava assessoria à marinha brasileira durante o conflito, o comandante do Rio de Janeiro, Brasílio Silvado, teria sido avisado por ele da presença das minas, mas o oficial brasileiro não teria dado importância ao conselho, pois estava determinado a chegar mais próximo do inimigo. Após o episódio, outros comandantes passaram a ouví-lo.[11]

Ver tambémEditar

Notas

  1. Segundo gratz, foi a 28 de junho de 1865.[1] Contudo, outra fonte diz 26 de junho de 1865.[2]
  2. Segundo gratz, foi a 18 de fevereiro de 1866.[1] Contudo, outra fonte diz 17 de fevereiro de 1866.[2]

Referências

  1. a b c d Gratz, p. 150. Gratz refere-se a um Rio Apa, mas esta informação é incorrecta por este rio encontra-se a centenas de milhas a norte da zona de combate.
  2. a b «NGB - Encouraçado Rio de Janeiro». www.naval.com.br. Consultado em 18 de dezembro de 2020 
  3. Mendonça et al. 1959, p. 225.
  4. a b c d e Gratz, p. 144
  5. a b Gratz, p. 147
  6. Holley, p. 34
  7. Gratz, pp. 153–54
  8. Lambert, pp. 85–7
  9. Meister, p. 12
  10. Preston 1999, p. 150.
  11. Neto, Ricardo Bonalume (7 de agosto de 1994). «Americano veio caçar minas». www1.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de dezembro de 2020 

BibliografiaEditar

  • Davis, William H. (1977). «Question 1/77». Warship International. XIV: 161–172. ISSN 0043-0374 
  • Gratz, George A. (1999). «The Brazilian Imperial Navy Ironclads, 1865–1874». In: Preston, Antony. Warship 1999–2000. Londres: Conway Maritime Press. ISBN 0-85177-724-4 
  • Holley, Alexander Lyman (1865). A Treatise on Ordnance and Armor. Nova York: D. Van Nostrand. OCLC 5079161 
  • Lambert, Andrew (1987). Warrior: Restoring the World's First Ironclad. Londres: Conway. ISBN 0-85177-411-3 
  • Meister, Jurg (1977). «The River Operations of the Triple Alliance Against Paraguay, Part III». Akron, OH: F.P.D.S. F.P.D.S. Newsletter. V (2): 10–14. OCLC 41554533 
  • Preston, Antony (1999). Warship 1999-2000. London: Conway Maritime Press. ISBN 0851777244. OCLC 44885448 
  • Mendonça, Mário F.; Vasconcelos, Alberto (1959). Repositório de Nomes dos Navios da Esquadra Brasileira. Rio de Janeiro: SGDM. 271 páginas. OCLC 254052902 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Rio de Janeiro (encouraçado)