Abrir menu principal

Filme de estrada é um gênero cinematográfico no qual o(s) personagem(ns) principal(is) sai(em) de casa para uma viagem, normalmente alterando a perspectiva de sua(s) vida(s) cotidiana(s).[1] Esses filmes geralmente retratam viagens no interior do país, explorando o tema da alienação e examinando as tensões e questões da identidade cultural de uma nação ou período histórico; tudo isto é muitas vezes enredado em um estado de ameaça real ou potencial, ilegalidade e violência,[2] um "ar distintamente existencial",[3] e nessas produções contêm personagens inquietos, "frustrados, muitas vezes desesperados".[4] O cenário não inclui apenas os limites do carro enquanto ele se movimenta em rodovias e estradas, mas também se estende a lanchonetes e quartos em motéis de beira de estrada, o que ajuda a criar intimidade e tensão entre os personagens.[5] Os filmes de estradas tendem a concentrar-se no tema da masculinidade (em que o homem frequentemente passa por algum tipo de crise), em algum tipo de rebelião e autodescoberta.[6][7] Contudo, segundo o livro Driving Visions: Exploring the Road Movie, de David Laderman, o tema central do gênero é a "transgressão contra as normas sociais conservadoras".[4]

Existem duas narrativas principais: a busca e a perseguição fora da lei.[8] Na aquela, a história tem continuidade enquanto os personagens fazem descobertas, que podem ser de si mesmo (por exemplo, Two-Lane Blacktop, de 1971); nesta, em que os personagens fogem da lei, geralmente há mais sexo e violência (por exemplo, Natural Born Killers, de 1994). Os filmes de estrada tendem também a focar-se mais nos conflitos e transformações internas dos personagens —com base em seus sentimentos à medida que experimentam novas realidades em suas viagens—, e um momento de silêncio é geralmente mais importante do que uma sequência mais dramática.[7] O gênero normalmente não usa a estrutura padrão de três atos usada nos filmes convencionais; em vez disso, é usada uma "estrutura de enredo em aberto e desenfreado".[4]

O nome do gênero também é o título do filme Road Movie (1974), dirigido por Joseph Strick. Como exemplos desse gênero, pode-se citar Central do Brasil, Crossroads, Motorista sem Limites, Easy Rider, Just Like the Son, Natural Born Killers, Rain Man, Thelma and Louise, Transamérica The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert, Wild at Heart, Viagem sem destino, Little Miss Sunshine, Diários de Motocicleta e Y tu mamá también.[9][10]

Referências

  1. Danesi, Marcel (2009). Dictionary of media and communications. Armonk: M.E. Sharpe. ISBN 9780765624673. OCLC 391837514 
  2. Cohan, Steven e Hark, Ina Rae. "Introduction". The Road Movie Book. Eds. Cohan, Steven e Hark, Ina Rae. Routledge, 2002. p. 1
  3. Cohan, Steven e Hark, Ina Rae. "Introduction". The Road Movie Book. Eds. Cohan, Steven e Hark, Ina Rae. Routledge, 2002. p. 1 e 6
  4. a b c Laderman, David. Driving Visions: Exploring the Road Movie. Universidade do Texas, 2010. Cp. 1
  5. Cohan, Steven e Hark, Ina Rae. "Introduction". The Road Movie Book. Eds. Cohan, Steven e Hark, Ina Rae. Routledge, 2002. p. 8
  6. Archer, Neil (2013). The French road movie : space, mobility, identity. Nova Iorque: Berghahn Books. p. 2. ISBN 0857457713. OCLC 834350198 
  7. a b Salles, Walter (11 de novembro de 2007). «Hollywood - Westerns - Movies - Motion Pictures». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de julho de 2019 
  8. «Road Movies». Encyclopedia.com. Consultado em 13 de julho de 2019 
  9. «Road Movies: Media Resources Center UCB». Universidade da Califórnia em Berkeley. 17 de agosto de 2000. Consultado em 13 de julho de 2019 
  10. Rodrigues 2007, p. 79-83.

BibliografiaEditar