Robert Benoist

Robert Benoist
Nascimento 20 de março de 1895
Auffargis
Morte 9 de setembro de 1944 (49 anos)
Buchenwald
Cidadania França
Ocupação automobilista, membro da Resistência Francesa
Prêmios Cavaleiro da Legião de Honra
Causa da morte enforcamento

Robert Marcel Charles Benoist (Auffargis, 20 de março de 1895 – Buchenwald, 9 de setembro de 1944) foi um piloto de Grand Prix francês e herói de guerra.

JuventudeEditar

Nascido perto de Rambouillet, Île-de-France, França, Robert Benoist era filho do Barão Henri de Rothschild. Quando jovem, Benoist serviu durante a Primeira Guerra Mundial na infantaria francesa, em seguida, como um piloto de caça na Armée de l'Air e por último como instrutor de voo.

Piloto de Grande PrêmioEditar

À procura de aventuras no mundo pós-guerra, Benoist trabalhou para a empresa de carros de Marçay como piloto de testes. Então, mudou-se para Salmson e foi muito bem sucedido em corridas de cyclecar antes de ser contratado para pilotar para Delage, em 1924. No ano seguinte, junto de Albert Divo, ganhou o Grande Prêmio da França na corrida que ceifou a vida do piloto italiano  Antonio Ascari.

Em 1927, conduzindo um Delage 15-S-8, Benoist venceu o Grande Prêmio francês, o espanhol, o italiano e o Grande Prêmio Britânico, ganhando o título de campeão da temporada para a fabricante francesa.

 
Benoist em 1926 no San Sebastián Grand Prix

Quando a Delage saiu do mundo das corridas, Robert Benoist foi nomeado gerente da Banville Garage em Paris. Ele participou de corridas ocasionais para a equipe Bugatti, terminando em segundo no San Sebastián Grand Prix em 1928, na Espanha. No ano seguinte, Benoist se juntou com Attilio Marinoni para ganhar o 24 Horas de Spa de corrida na Bélgica, dirigindo um Alfa Romeo. No final da temporada, se aposentou até 1934, quando retornou com a equipe Bugatti. Logo se tornou chefe do departamento de competição e comandou o programa Le Mans da empresa. Em 1937, fez uma parceria com Jean-Pierre Wimille para ganhar as 24 horas de Le Mans.[1] Após essa vitória, Benoist aposentou-se permanentemente, mas continuou a gerenciar o departamento de competição da Bugatti até ser convocado para a Força Aérea francesa.

Segunda Guerra MundialEditar

Além de Jean-Pierre Wimille, Robert Benoist tornou-se amigo de outro piloto de Grand Prix, William Grover-Williams.[2] Quando a Segunda Guerra Mundial eclodiu e a França foi ocupada, estes três pilotos de corrida fugiram para a Inglaterra, onde se juntaram a Executiva de Operações Especiais como agentes secretos[3] para retornar para a França e auxiliar a Resistência francesa. Benoist foi encomendado para o Exército Britânico como capitão.[4] Após saltar de paraquedas na França, Benoist ajudou a organizar grupos de sabotagem e com ajuda de William Grover-Williams transportou as armas que eram enviadas de paraquedas da floresta em Rambouillet  para sua casa em Auffargis, para armazenamento e distribuição.

Em junho de 1943, a rede "Prosper" em Paris colapsou e os seus líderes, Francisco Suttill e Andrée Borrel, foram presos pela Gestapo. Em agosto, a casa de Benoist foi invadida pela Gestapo e Grover-Williams foi capturado e executado com Francisco Suttill no campo de concentração de Sachsenhausen.

Captura e fugaEditar

Três dias mais tarde, Robert Benoist foi detido em Paris. Ao ser conduzido para a sede da Gestapo, Benoist saltou do veículo em movimento e fugiu,[3] com a ajuda da resistência, eventualmente, voltou de forma clandestina para a Inglaterra.

Novas missõesEditar

Mais tarde, Benoist iria voltar para a França para uma segunda missão, com duração a partir de outubro de 1943 até fevereiro de 1944, depois da qual ele retornou a Londres por um curto período de tempo antes de voltar para a França, em Março, para trabalhar na área de Nantes com a agente Denise Bloch.

Robert Benoist foi preso em 18 de junho de 1944 e enviado para o campo de concentração Buchenwald, onde foi executado três meses mais tarde, em 9 de setembro.

HomenagensEditar

Após a rendição Alemã, em 9 de setembro de 1945, a corrida de automóveis "Coupé Robert Benoist" foi realizada em Paris, em sua memória.

O capitão Robert Benoist está registrado no Brookwood Memorial em Surrey, Inglaterra , e como um dos agentes da SOE que morreram pela libertação da França, ele é listado no "Roll of Honor" no Valençay SOE Memorial na cidade de Valençay, no departamento de Indre na França.

Em sua homenagem, a aldeia de Auffargis deu seu nome a uma rua e é no cemitério no adro da igreja, na "Allée Robert Benoist", que o companheiro e pioneiro piloto de corrida, Ferenc Szisz está enterrado. Entre as  arquibancadas restantes ainda de pé do circuito da França Reims-Gueux, há uma chamada "Tribune Robert Benoist".

BibliografiaEditar

  • Au volant: Cours pratique de conduite de automobile, Bernard-Précy, Robert Benoist, Paris, Ed. Tallandier 1933
  • Foot, MRD: SOE in France (HMSO, Londres, 1966)
  • Ryan Robert: Early One Morning, Headline 2002 ISBN 0-7472-6872-X
  • Pernod Alain: Grand Prix de France, un si �cle en histoires, ed. ETAI, 2006, ISBN 2-7268-8657-4
  • Saward, Joe: "The Grand Prix Saboteurs", Morienval Press, Londres, 2006, ISBN 978-0-9554868-0-7
  • Motor Sport, Agosto de 1945, Página 156.

Referências

  1. «Jean-Pierre Wimille». Grandprix.com. Consultado em 17 de março de 2007. Arquivado do original em 18 de maio de 2013 
  2. Richard Armstrong. «A different danger - three champions at war». 8W. Consultado em 18 de março de 2007 
  3. a b «Special Operations Executive (SOE) files». The National Archives UK. Consultado em 17 de março de 2007 
  4. CWGC entry