Abrir menu principal
Robert Brenner
Nascimento 28 de novembro de 1943 (75 anos)
Nova Iorque
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Reed College
Ocupação historiador, professor universitário
Prêmios Bolsa Guggenheim
Empregador Universidade da Califórnia em Los Angeles

Robert Paul Brenner ( Nova York, 28 de novembro de 1943) é um historiador e professor norte-americano, diretor do Centro de Teoria Social e História Comparada da UCLA,[1] editor do jornal socialista Against the Current, e membro do comitê editorial da New Left Review.

Realizou seus estudos de graduação no Reed College. Obteve seu mestrado (1966) e Ph.D. em Princeton (1970), com a dissertação Political Conflict and Commercial Development: The Merchant Community in Civil War in London. Foi professor assistente (1968-1972), professor associado (1972-1983) e professor titular (desde 1983) do Departamento de História da UCLA. Desde 1987, dirige o Centro de Teoria Social e História Comparada (Center for Social Theory and Comparative History) da mesma universidade.

Foi professor visitante do Departamento de Economia da New School for Social Research (1981-1982), da Universidade de Massachusetts (1983) e da Universidade Harvard (1983).

Suas áreas de interesse e pesquisa são História da Europa nos primórdios da Modernidade; História econômica, História social e religiosa, História agrária, Teoria social e Marxismo e a Inglaterra no período Tudor-Stuart.[2]

Brenner tem sido um dos contribuintes do debate marxista acerca da transição do feudalismo para o capitalismo e destaca a importância transformação da produção agrícola na Europa, especialmente na Inglaterra, como principal causa da transição - em oposição a Paul Sweezy e Immanuel Wallerstein, que Brenner qualifica de "marxistas neo-smithianos" [3]por defenderem o desenvolvimento do comércio internacional, dominado pela Europa, como determinante nesse processo.

Brenner é um dos historiadores criticados pelo geógrafo J.M. Blaut,[4] em sua obra Eight Eurocentric Historians ('Oito historiadores eurocêntricos').[5]

Nos anos mais recentes, Brenner concentrou-se no estudo da economia global no pós-guerra.

Índice

Bolsas e prêmiosEditar

  • American Council of Learned Sciences, bolsa de pesquisa, 1972-3.
  • Membro do Institute for Advanced Study, Princeton, 1973-4.
  • American Council of Learned Societies, bolsa de pesquisa, 1977-8.
  • Bolsa Guggenheim, 1977-9.
  • Bolsa do National Endowment for the Humanities, 1982-3.
  • Honorary Fellow do Center for European Studies, Harvard, 1982-3.
  • Prêmio Isaac Deutscher 1986. Isaac Deutscher Memorial Foundation, Londres, pelo melhor livro de História e Ciências Sociais em 1986
  • Prêmio Morris D. Forkosch, no biênio 1992-1993 da American Historical Association, pelo melhor livro de história britânica.
  • Center for Advanced Study in the Behavioral Sciences de Stanford, conferencista convidado, 1994
  • Bolsa da Borchard Foundation, 1994-5 e 1995-6.
  • Bolsa da Mellon Foundation, no valor de USD 175.000 pelo estudo “The Triple Transition: Market Economy, Nation State, and Democracy,” 1996-1999 (com Ivan Szelenyi e Rogers Brubaker).
  • Instituto de Estudos Avançados de Berlim (BerlinWissenschaftskolleg zu Berlin), conferencista convidado, 2000-2001
  • Doutor honorário da Universidade de Gante, Bélgica, 2000 [6]

BibliografiaEditar

LivrosEditar

  • 1993: Merchants and revolution : commercial change, political conflict, and London's overseas traders, 1550-1653 (Princeton, Princeton University Press) ISBN 0-691-05594-7
  • 2002: The boom and the bubble : the US in the world economy (New York, Verso) ISBN 1-85984-636-X
  • 2006: The economics of global turbulence : the advanced capitalist economies from Long Boom to Long Downturn, 1945-2005 (New York, Verso) ISBN 978-1-85984-730-5
  • 2009: Property and progress : the historical origins and social foundations of self-sustaining growth (London, Verso) ISBN 978-1-84467-318-6

ArtigosEditar

Referências

  1. Center for Social Theory and Comparative History (CSTCH)
  2. Home page de Robert Brenner no portal da UCLA
  3. The Origins of Capitalist Development: A Critique of Neo-Smithian Marxism, por Robert Brenner. New Left Review I/104, julho-agosto de 1977.
  4. Robert Brenner in the tunnel of time. Por J.M. Blaut.
  5. Resenha de: Eight Eurocentric Historians. New York: Guilford Press, 2000. ISBN 1572305916
  6. «Curriculum Vitae de Robert Brenner.» (PDF). Consultado em 19 de fevereiro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 

Ligações externasEditar

Também disponível em português: [hhttps://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/O-principio-de-uma-crise-devastadora/7/14150 "O princípio de uma crise devastadora"]. Carta Maior, 10 de julho de 2008.



  Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.