Abrir menu principal
Robert Faurisson
Nascimento 25 de janeiro de 1929
Morte 21 de outubro de 2018 (89 anos)
Vichy
Sepultamento Vichy
Cidadania França, Reino Unido
Alma mater Liceu Henrique IV, Faculdade de Artes de Paris
Ocupação professor
Empregador Sorbonne Nouvelle

Robert Faurisson (Shepperton, Surrey, 25 de janeiro de 1929 - Vichy, 21 de outubro de 2018[1][2] ) foi um professor universitário e ensaísta francês que se notabilizou por negar o genocídio de judeus pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Em seus estudos, buscou provar a impossibilidade técnica da existência de câmaras de gás junto a fornos crematórios, nos campos de concentração - que ele considerava serem campos de trabalho. Faurisson foi a primeira pessoa a ser condenada com base na Lei Gayssot (1990), que proibiu a contestação dos crimes contra a Humanidade definidos pelo Tribunal de Nuremberg, em 1946. [3][4][5]

BiografiaEditar

Nascido Robert-Faurisson Aitken, no condado de Surrey, Reino Unido, de pai francês, empregado da Compagnie des courieries maritimes, e mãe escocesa, tinha nacionalidade britânica [6][7] e francesa.[8] Tinha três irmãos e três irmãs.[9]

Durante sua infância, a família viveu em várias cidades, segundo as necessidades do trabalho do pai - Saigon, Singapura, Kobe, Shanghai - até 1936, quando retorna à metrópole. A partir de então, o menino inicia seus estudos no Petit Séminaire, de Versailles, prosseguindo no Collège de Provence, em Marselha, e, depois, no Lycée Henri IV, em Paris, onde foi colega de Pierre Vidal-Naquet.[10] Em seguida, faz seus estudos de letras clássicas na Sorbonne.

Carreira acadêmicaEditar

Em 1961, Robert Faurisson publicou na revista Bizarre, editada por Jean-Jacques Pauvert, um estudo iconoclasta da obra de Arthur Rimbaud, sob o título A-t-on LU Rimbaud?.[11][12] Em sua primeira edição, o texto é assinado apenas pelas iniciais RF, denotando seu desejo de manter o anonimato. [13]

De 1969 a 1973, torna-se professor, primeiramente adjunto e depois titular, de literatura francesa, na Universidade Paris III (Sorbonne Nouvelle).[14] De 1973 a 1990 será professor de literatura contemporânea na Universidade de Lyon II.[15]

Faurisson aparece para o público em geral através de um primeiro artigo, publicado pelo jornal Le Matin de Paris, em 1º de novembro 1978, [16] mas, principalmente, após a publicação de um artigo no jornal diário Le Monde, intitulado "Le Problème des chambres à gaz, ou la rumeur d'Auschwitz", em 29 de Dezembro de 1978. Essa publicação é seguida de uma refutação do historiador Georges Wellers, intitulada "Abondance of Evidence" e, no dia seguinte, de um artigo da historiadora Olga Wormser, sobre a história da Shoah e, ainda, um segundo artigo, escrito por Maurice Bernadet, presidente da Universidade Lyon II, condenando os comentários do professor, mas admitindo que, sem uma comprovação formal de má conduta profissional, a instituição nada poderia fazer contra ele.[17] Na sequência, Faurisson será alvo de inquérito administrativo[18], cujas conclusões, em dezembro de 1978, recomendavam sua transferência, Citação: sem que parecesse ser uma medida disciplinar motivada por Citação: delito de opinião [19] Posteriormente, Faurisson declarou que não podia ministrar suas aulas devido a ameaças à sua pessoa.[20][21]. Em outubro de 1979, Faurisson é designado para trabalhar em educação a distância [22] Em 1990, é transferido, contra a sua vontade, para o Centro Nacional de Ensino a Distância, e privado de sua posição na Universidade, embora permanecesse formalmente ligado a Lyon II, como professor titular de sua cadeira, até se aposentar, em janeiro de 1995.[23]

Negacionismo do holocaustoEditar

Robert Faurisson tornou-se conhecido do grande público em janeiro de 1979 com a publicação de um texto enviado por ele ao jornal Le Monde, intitulado "O Problema das câmaras de gás, ou o rumor de Auschwitz" [24]

"Até 1960, eu acreditei na realidade desses massacres gigantescos nas câmaras de gás. Então, depois de ler Paul Rassinier, um velho exilado e autor de Mensonge d'Ulisses, comecei a ter dúvidas. Depois de quatorze anos de reflexões pessoais, depois de quatro anos de intensa investigação, convenci-me, como vinte outros autores revisionistas, que me encontrava diante de uma mentira histórica." Para Faurisson, "Hitler nunca ordenou (nem permitiu) que alguém fosse morto por causa de sua raça ou religião". Qualificava "as pretensas câmaras de gás" e "o pretenso genocídio" como mentiras, em benefício "de uma gigantesca escroqueria político-financeira do Estado de Israel."

Faurisson contestava o adjetivo "negacionista", preferindo o termo "revisionista".[25]Foi condenado várias vezes pela justiça francesa, notadamente por "incitação ao ódio racial" e por "contestação de crime contra a humanidade" - nesse útlimo caso, em virtude da lei Gayssot, de 13 de julho de 1990. [26]

PublicaçõesEditar

  • A-t-on LU Rimbaud ?, Bizarre, n21-22, 1961.
  • A-t-on bien lu Lautréamont ?, Gallimard, 1972.
  • Mémoire en défense contre ceux qui m'accusent de falsifier l’histoire, La Vieille Taupe, 1980.
  • Le journal d'Anne Frank est-il authentique?, 1980.
  • Réponse à Pierre Vidal-Naquet, La Vieille Taupe, 1982.
  • « Chronique sèche de l'Épuration – Exécutions sommaires dans quelques communes de Charente limousine », Revue d'Histoire révisionniste, n° 4, février-avril 1991.
  • Réponse à Jean-Claude Pressac, Association des anciens amateurs de récits de guerre et d'holocauste, 1993
  • Écrits révisionnistes (1974-1998), 4 volumes, Édition privée hors commerce, 1999.
  • Het « Dagboek » van Anne Frank : een kritische benadering, em colaboração com Siegfried Verbeke.

Referências

  1. «Le négationniste Robert Faurisson est mort». Le Figaro. 22 de outubro de 2018. Consultado em 22 de outubro de 2018 
  2. Robert Faurisson est mort. Por Alexandre Boudet. Huffington Post, 22 de outubro de 2018.
  3. Professor francês que promovia negação do Holocausto morre aos 89 anos. O Globo/ AFP, 22 de outubro de 2018.
  4. Charny, Israel W. (1999). Encyclopedia of Genocide. Santa Barbara, California: ABC-CLIO. p. 182. ISBN 9780874369281 
  5. Levy, Richard S. (2005). Antisemitism: a historical encyclopedia of prejudice and persecution. Santa Barbara, California: ABC-CLIO. p. 225. ISBN 9781851094448 
  6. «Panet Faurisson. Entre la plume et l'enclume». www.plumenclume.net. Consultado em 16 de março de 2019. Arquivado do original em 25 de setembro de 2009 
  7. «Panet Faurisson. Entre la plume et l'enclume (parte II)». www.plumenclume.net. Consultado em 16 de março de 2019. Arquivado do original em 25 de setembro de 2009 
  8. «La double-nationalité». France-Diplomatie 
  9. Igounet, 2012, p. 39.
  10. Pierre Vidal-Naquet, « Mes affaires Dreyfus », 24 de janeiro de 2006.
  11. Robert Faurisson, Preface to the re-edition of "A-t-on lu Rimbaud ?", re-edited (first edition 1962) by La Vieille Taupe, Paris, February 1991, p. 7-10.
  12. «Bizarre, nº 21-22 A-t-on LU Rimbaud ? : ArtWorldBooks». web.archive.org. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2008 
  13. Valérie Igounet, Robert Faurisson. Portrait d'un négationniste, Paris, 2012, p. 78. (ISBN 978-2207259986)
  14. Valérie Igounet. « Révisionnisme » et négationnisme au sein de l'extrême droite française. Négationnistes : les chiffonniers de l'histoire. Syllepse/Golias, 1997.
  15. «Rapport Rousso Lyon III» (PDF). pt.scribd.com 
  16. "Les chambres à gaz, ça n'existe pas ", Le Matin de Paris, 1º de novembro 1978. Escrito por Claude Régent, na sequência de uma entrevista abortada com Faurisson, o artigo é acompanhado de uma entrevista com Maurice Bernardet, presidente da Universidade Lyon II. Ver Igounet, 2012, p. 211-212.
  17. Igounet, 2012, p. 221.
  18. O inquérito administrativo foi solicitado pela Ministra das Universidades, Alice Saunier-Seïté, logo após a publicação do artigo do Matin de Paris e a interpelação da Ministra sobre o assunto, na Assembleia Nacional, pelo Deputado Pierre Sudreau. O inquérito foi conduzido pelo Reitor Marius-François Guyard. Os cursos de Robert Faurisson foram suspensos, como medida cautelar, durante o inquérito. O relatório do Reitor foi entregue em 4 de dezembro de 1978. Ver Rousso, 2004, p. 93-94 e 132-134.
  19. Rousso, 2004, p. 94.
  20. Igounet, 2012, p. 321.
  21. Igounet, 2012, p. 231.
  22. Rousso, 2004, p. 97.
  23. Igounet, 2012, p. 295-297.
  24. « Le problème des chambres à gaz (a) » ou « la rumeur d’Auschwitz ». Por Robert Faurisson. Transcrição do original publicado em Le Monde, 29 de dezembro de 1978.
  25. «Revisionismo o negazionismo? Intervista a Robert Faurisson, Giovanna Canzano». www.ariannaeditrice.it 
  26. Gilles Karmasyn (2001). «La loi Gayssot et le Grand Rabbinat: un délire faurissonien». phdn.org .

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

  • Un Homme(Um homem) documentário do historiador Paul-Éric Blanrue (em francês,com legendas em inglês)
  • Blog de Faurisson (em francês e inglês)


  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.