Abrir menu principal

Robocop Gay

Canção de Mamonas Assassinas
"Robocop Gay"
Single de Mamonas Assassinas
do álbum Mamonas Assassinas
Lançamento Outubro de 1995
Formato(s) CD single
Gênero(s) Rock cômico, pop rock, hard rock
Duração 2:58
Gravadora(s) EMI
Composição Dinho, Júlio Rasec
Produção Rick Bonadio
Cronologia de singles de Mamonas Assassinas
"Vira-Vira"
(1995)
"Mundo Animal"
(1995)

"Robocop Gay" foi um dos maiores hits da banda Mamonas Assassinas,[1][2][3] tornando-se um grande sucesso na época.[4][5] Foi a 76ª canção mais tocada no país no ano de 1995[6] e também se tornou um sucesso na Argentina.[7] Segundo uma pesquisa realizada pelo Estadão em 2016 no site do ECAd, esta era a segunda canção do grupo mais tocada (em casas de diversão, casas de festas, música ao vivo, rádio, show e sonorização ambiental) e a segunda mais regravadas por outros artistas. Em ambas categorias atrás apenas de Pelados em Santos.[8]

"Robocop Gay" foi uma das 2 canções – juntamente com Pelados em Santos - que foram gravadas numa fita demo que o Mamonas enviou a várias gravadoras, e que os fez assinar com a EMI.[9]

"Eu peguei a fita cassete e pus pra tocar. Puta, eu ouvi o “Robocop Gay”... Eu chorei de rir, mas chorei, mas eu ria muito! Era muito engraçado... a coisa mais engraçada que eu já ouvi na minha vida. Nesse mesmo dia, eu liguei pro Dinho e falei: “Meu, isso aqui é bom pra caralho, meu, o que vocês gravaram é legal.”"[10]

Foi a segunda canção da banda a fazer parte da trilha sonora de uma telenovela brasileira: Caminhos do Coração, exibida pela Rede Record em 2007/2008.[8] Curiosamente, a primeira canção a fazer parte de uma trilha sonora de novela foi Sabão Crá Crá,[8] que também está presente neste single.

MúsicaEditar

A canção compara uma travesti alterado por cirurgia plástica a um ciborgue homossexual, no caso o RoboCop do filme homônimo. Em entrevista ao Jô Soares Onze e Meia, os Mamonas admitiram que a letra teve inspiração de um personagem do próprio Jô Soares, o Capitão Gay.[10] Versões ao vivo da canção contavam com o "Melô do Piripiri" (da canção "Je suis la femme", da cantora Gretchen), inserido antes do refrão.

Sucesso em karaokes,[11] a canção costuma se fazer presentes em programas de reality show, como em A Fazenda, em 2009,[12] em 2012[13] e no Big Brother Brasil, também em 2009.[14]

O trecho "Doce Doce Amor" veio da canção de mesmo nome, composta por Raul Seixas e gravada por Jerry Adriani.

Formatos e faixasEditar

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Robocop Gay"  Dinho, Júlio Rasec 2:59
2. "Sabão Crá Crá (The Mad Ku Ku)"  (música folclórica) 0:42
Duração total:
3:41

PolêmicaEditar

 
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo (desde setembro de 2013).

Em 2007, a música foi tema do personagem Danilo (Cláudio Heinrich), na novela Caminhos do Coração.[16] Este fato acabou gerando vários protestos de sites e blogs na internet ligados a grupo de LGBTs.[17]

O autor da trama, Tiago Santiago, defendeu a escolha da canção com os seguintes dizeres:

É o que também defende o sociólogo Paulo Irineu Barreto. Segundo ele, diferentemente do que muitos pensam, a canção não tem um cunho preconceituoso, e deve ser entendida como uma espécie de hino pela tolerância.

Em 2013, um grupo de jovens cantou a canção em um voo para o deputado Marco Feliciano, notório por suas opiniões contra o casamento gay. Feliciano aparentemente não reconheceu a canção, ao relatar que "cerca de 10 gays me constrangeram, dois vieram a minha poltrona gritando, cantando canção bizarra".[20]

Referências

  1. rollingstone.com.br/ Mamonas Assassinas - "Robocop Gay" ao vivo no Programa Livre
  2. estadao.com.br/ Dez anos sem os Mamonas Assassinas
  3. vejasp.abril.com.br/
  4. infoescola.com/[ligação inativa] Pop-Rock brasileiro – Anos 90
  5. pop.com.br/ Arquivado em 25 de dezembro de 2013, no Wayback Machine. Quinze anos sem os Mamonas Assassinas
  6. mofolandia.com.br/ Arquivado em 20 de agosto de 2013, no Wayback Machine. Músicas mais tocadas de 1995
  7. [1]
  8. a b c imirante.com/ Músicas dos Mamonas Assassinas são tocadas até hoje
  9. «Atenção Creuzebeck: 17 anos sem Mamonas Assassinas». Consultado em 22 de março de 2013. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 
  10. a b revistabrasileiros.com.br/ Arquivado em 3 de fevereiro de 2014, no Wayback Machine. A revolução dos Mamonas
  11. vejasp.abril.com.br/
  12. rederecord.r7.com/ Arquivado em 13 de junho de 2013, no Wayback Machine. Peões cantam e Igor dança Robocop Gay
  13. videos.r7.com/ Arquivado em 13 de junho de 2013, no Wayback Machine. Vavá canta "Robocop Gay" para Léo Áquilla na tarde deste sábado (4)
  14. abril.com.br/ Arquivado em 26 de dezembro de 2013, no Wayback Machine. Homens se empolgam com “Robocop Gay”
  15. «Mamonas Assassinas ‎– Robocop Gay (CD)». Discogs. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  16. revistaladoa.com.br/ Robocop gay em trilha de novela causa polêmica
  17. aids.gov.br/ Arquivado em 3 de março de 2016, no Wayback Machine. Quando noticiamos aqui que a música 'Robocop Gay', do falecido grupo Mamonas Assassinas, seria tema do personagem...
  18. estadao.com.br/ Record enfrenta protestos contra trilha de personagem gay
  19. paginacultural.com.br/ Parte 2 de “Mamonas Assacínicas: um sonoro ‘não’ para uma sociedade incoerente!”
  20. Grupo canta 'Robocop Gay' para deputado Feliciano em pleno voo

Ligações externasEditar