Rodolfo II de Hachberg-Sausenberg

Rodolfo II de Hachberg-Sausenberg (em alemão: Rudolf II. von Hachberg-Sausenberg; 1301-1352), foi um nobre alemão pertencente à Casa de Zähringen, tendo sido Marquês de Hachberg-Sausenberg conjuntamente com o seu irmão mais novo, Otão.

Rodolfo II de Hachberg-Sausenberg
Selo de Rofolfo II de Hachberg-Sausenberg
Marquês de Hachberg-Sausenberg
Reinado 1318-1352 (com Otão)
Antecessor(a) Henrique
Sucessor(a) Rodolfo III e Otão
 
Nascimento 1301
Morte 1352 (51 anos)
Nome completo  
Rudolf II. von Hachberg-Sausenberg
esposa Catarina de Thierstein
Descendência Rodolfo III de Hachberg-Sausenberg
Casa Zähringen
Pai Rodolfo I de Hachberg-Sausenberg
Mãe Inês de Rötteln

BiografiaEditar

Rodolfo era o filho do marquês Rodolfo I de Hachberg-Sausenberg e de Inês, filha herdeira de Otão de Rötteln. Pela morte do irmão mais velho, Henrique, em 1318, Rodolfo e o irmão mais novo, Otão, sucederam conjuntamente na Marca de Hachberg-Sausenberg e no senhorio de Rötteln, residindo no castelo local.[1]

No outono de 1332, tropas da cidade Basileia sitiaram o castelo de Rötteln, porque Rodolfo esfaqueara e matara o Burgomestre da cidade, Burkhard Werner von Ramstein [2].

O conflito foi resolvido após a mediação da aristocracia da cidade[3] Este obscuro episódio histórico enquadra-se nas rivalidades de 2 grupos da cidade, os Psitticher (apoiados pelo Marqueses de Hachberg-Sausenberg) e os Sterner (apoiados pela família do Burgomestre).

 
Catarina de Thierstein, mulher de Rudolfo II. Estátua tumular (gótico tardio) na Catedral de Basileia.

Casamento e descendênciaEditar

Rodolfo casou com Catarina († 1385), filha do conde Walram II de Thierstein [4]. Deste casamento nasceram dois filhos:

  • Rodolfo III (Rudolf III.) (1343–1428), que sucedeu ao pai em Hachberg-Sausenberg;
  • Inês (Agnes) (†1405), que casou com Burkhard II. von Buchegg (†1365).

Representação bibliográficaEditar

Rodolfo é o personagem principal do romance histórico da escritora alemã Käthe Papke, "Der eiserne Markgraf von Sausenberg-Rötteln"[5], publicado em 1928. Neste romance, Papke atribui o assassinato do Burgomestre de Basileia ao irmão de Rodolfo, Otão, que é retratado como um colérico.

Existe uma lenda popular, a da "bruxa de Binzen"[6], onde são referidos as figuras históricas dos irmãos Rodolfo e Otão.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

ReferênciasEditar

  1. Fritz Schülin: Rötteln-Haagen, Beiträge zur Orts-, Landschafts- und Siedlungsgeschichte, Lörrach 1965; pág. 65.
  2. Benno Notter: Ramstein, Burkhard Werner von no Dicionário histórico da Suíça
  3. Grössere Basler Annalen nach Schnitts Handschrift. In August Bernoulli, Basler Chroniken, Vol. 6., Pág. 250 [https://archive.org/stream/bub_gb_9mUXAAAAYAAJ#page/n251/mode/2up Documento online
  4. Ernst Weydmann: Die Grafen von Tierstein. In: Genealogisches Handbuch zur Schweizer Geschichte, Vol. I, Pág. 139
  5. em português: "O Marquês de Ferro de Sausenberg-Rötteln"
  6. J. Erhardt, Burg Röteln oder die Hexe von Binzen. In: [[Franz August Stocker, “Vom Jura zum Schwarzwald, Vol. 2, Aarau, 1885, Pág. 49–53 Documento online


Rodolfo II de Hachberg-Sausenberg
Nascimento: 1301 Morte: 1352
Precedido por
Henrique
Marquês de Hachberg-Sausenberg
1318-1352
conjuntamente com Otão
Sucedido por
Otão e Rodolfo III

BibliografiaEditar

  • (em alemão) Fritz Schülin, Rötteln-Haagen, Beiträge zur Orts-, Landschafts- und Siedlungsgeschichte, Lörrach, 1965; Pág. 65.
  • (em alemão) Karl Seith, Die Burg Rötteln im Wandel ihrer Herrengeschlechter, Ein Beitrag zur Geschichte und Baugeschichte der Burg, Sonderdruck herausgegeben vom Röttelbund e.V., Haagen, o.O.; O.J., S. 6; bei Schülin zitiert "In: Markgräflerland, Jg. 3, Heft 1, 1931", Pág. 6 Documento online;
  • (em alemão) Johann Christian Sachs: Einleitung in die Geschichte der Marggravschaft und des marggrävlichen altfürstlichen Hauses Baden, Editora Lotter, Karlsruhe, 1764, Pág. 488-494 online Livros Google.
  • (em francês) Jiří Louda & Michael Maclagan, Les Dynasties d'Europe, Bordas, Paris 1981, ISBN 2040128735 « Bade Aperçu général », quadro 106 & pág. 210.