Rodovia 4º Anel Viário

Rodovia 4º Anel Viário
Região Metropolitana de Fortaleza,  Brasil
Anel Viário de Fortaleza (Nas proximidades da estação Alto Alegre do METROFOR).
Caucaia, Maranguape, Maracanaú, Itaitinga e Eusébio
Nome popular Quarto Anel Viário
Tipo Rodovia de ligação
Extensão 32 km
Largura da pista 16,5 metros
Orientação Noroeste a Sudoeste
Extremos
 • Noroeste:
 • Sudoeste:

BR-020 / BR-222 em Caucaia
CE-010 / CE-040 em Eusébio
Cruzamentos CE-065, CE-060, BR-116
Estado  Ceará
Administração DNIT
Concessionária Pública

O 4º Anel Viário é uma rodovia de ligação, localizada na Região Metropolitana de Fortaleza e administrada pelo DNIT.[1]

Sua orientação é de Noroeste a Sudoeste, iniciando no entroncamento da BR-020 e BR-222 e se estendendo por 32 km até o entroncamento da CE-010 e CE-040, com um fluxo diário de aproximadamente 50 mil veículos,[1] facilitando o escoamento de insumos do Distrito Industrial de Maracanaú e da Central de Abastecimento do Ceará (CEASA/CE),[1] além de ser a principal ligação entre os portos do Pecém e Mucuripe.[1] A demora na conclusão de sua obra de duplicação, no entanto, tem dificultado o tráfego há anos.[2]

DistânciasEditar

De Até Km
BR-020/BR-222 CE-060 8 Km
CE-060 CE-065 4,7 Km
CE-065 BR-116 10,1 Km
BR-116 CE-010/CE-040 3,5 Km

Obra de duplicaçãoEditar

A obra de duplicação do Anel Viário teve início no ano de 2010, pelo Governo Federal. Em 2011, o DNIT passou a responsabilidade de execução da obra para o Governo do Estado do Ceará, através do Departamento Estadual de Rodovias - DER.[3] As obras foram paralisadas em 2015 e retomadas em 2017.[4]

Até agora foram finalizadas as pontes sobre o rios Coaçu, Gavião e Siqueira, além dos viadutos do entroncamento da CE-065, entroncamento da BR-020 com a BR-222, Nova Metrópole (antiga rotatória) e Tronco Norte.[1]

Em fevereiro de 2019, o trecho entre a BR-222 e a CE-040 foi liberado totalmente segregado e duplicado, só restando a complementação da ciclovia margeando esse pavimento.[5]

Histórico da obra[2]Editar

  • Março de 2010 – Assinatura do contrato para o início das obras. O consórcio Queiroz Galvão/EIT foi o vencedor da licitação, estimada em R$ 188,9 milhões, com previsão inicial de término em 2012;
  • Junho de 2011 – Empresas do primeiro e segundo lugares da licitação já haviam desistido da obra;
  • Janeiro de 2012 – Governo estadual assume obras após atrasos. Prazo para conclusão é adiado para 2013;
  • Novembro de 2015 – Governo estadual adia novamente prazo de entrega para dezembro de 2016;
  • Dezembro de 2015 - Consórcio rescinde contrato e obra fica paralisada;
  • Março de 2017 – Governo retoma processo de relicitação da duplicação da rodovia;
  • Junho de 2017 – Retomada das obras com as empresas Torc Terraplenagem Obras Rodoviárias e Construções LTDA/Via Engenharia S/A. (Torc-Via);
  • Março de 2019 – Obras do Anel Viário ficam paralisadas por contas das fortes chuvas;
  • Julho de 2019 – Trabalhadores retomam as obras do projeto após período de chuvas;
  • Dezembro de 2019 – Souza Reis pede recuperação judicial e ritmo das obras diminuem;
  • Janeiro de 2020 – SOP pede inclusão de quarta empresa no consórcio / PGE aprova inclusão.

Referências

  Este artigo sobre uma rodovia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.