Rodrigo Teixeira

Produtor cinematográfico brasileiro

Rodrigo Abreu Teixeira (Rio de Janeiro, 02 de dezembro de 1976) é um premiado produtor de cinema e empresário brasileiro. Nascido no Rio e criado em São Paulo, se destaca como um dos únicos produtores brasileiros com ampla produção internacional. Produziu em 2017 Me chame Pelo Seu Nome, dirigido por Luca Guadagnino e vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado.

Rodrigo Teixeira
Nascimento 19 de setembro de 1973
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação produtor cinematográfico
Prêmios

Em 2019, Rodrigo produziu o filme brasileiro A Vida Invisível, vencedor do prêmio Un Certain Regard em Cannes e The Lighthouse, vencedor do prêmio da crítica internacional no mesmo festival. Também lançou os filmes The Wasp Network e Ad Astra, ambos selecionados para estrear no festival de Veneza.

BiografiaEditar

Iniciou a carreira nos anos 1990 através da aquisição de direitos autorais de livros[1]. No início dos anos 2000, encomendou a coleção de livros Camisa 13, em que autores como Nelson Motta, Washington Olivetto e Ruy Castro escreveram cada um uma obra sobre o time de seu coração[2]. O livro sobre o Palmeiras se transformaria, em 2005, no filme O Casamento de Romeu e Julieta, dirigido por Bruno Barreto. Em 2006, lança com sua produtora RT Features o seu primeiro longa: O Cheiro do Ralo, adaptação dirigida por Heitor Dhalia do romance de Lourenço Mutarelli.

Frances Ha (2012), dirigido por Noah Baumbach, foi o primeiro sucesso internacional da carreira do produtor, que nos anos seguintes se consolidaria com filmes como A Bruxa (sucesso indie de crítica e bilheteria), Mistress America e Me Chame Pelo seu Nome, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor filme. No Brasil, também viria a produzir Alemão, Tim Maia e O Abismo Prateado.

Rodrigo é membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, além de ser sócio em uma Joint Venture com Martin Scorsese para o investimento em novos diretores.[3] Em 2019, produziu o longa brasileiro de Karim Ainouz A Vida Invisível, escolhido para representar o Brasil no Oscar[4] e vencedor do prêmio Un Certain Regard no festival de Cannes. Também em Cannes exibiu pela primeira vez o segundo longa metragem de Robert Eggers, The Lighthouse, vencedor do prêmio da crítica internacional FIPRESCI[5]. Estreou no festival de Veneza os longas The Wasp Network, dirigido por Olivier Assayas e estrelado por Wagner Moura, e Ad Astra, ficção científica dirigida por James Gray e protagonizada por Brad Pitt.

FilmografiaEditar

CinemaEditar

TelevisãoEditar

ReferênciasEditar

  1. «Folha de S.Paulo - O acionista das letras - 11/01/2011». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  2. «Folha de S.Paulo - O acionista das letras - 11/01/2011». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  3. «Rodrigo Teixeira em 10 fatos: brasileiro indicado ao Oscar tem trabalhos com Scorsese e Pitt». G1. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  4. «'A Vida Invisível' é indicado do Brasil para tentar vaga no Oscar 2020». G1. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  5. Lang, Brent; Lang, Brent (17 de maio de 2019). «Meet RT Features Founder Rodrigo Teixeira, Producer of Three Films at Cannes». Variety (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2019