Abrir menu principal
Rodrigo da Cunha
Nascimento 1577
Lisboa
Morte 3 de janeiro de 1643 (66 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Alma mater Universidade de Coimbra
Ocupação político, presbítero
Religião Igreja Católica
Assinatura
Assinatura D. Rodrigo da Cunha.svg

Rodrigo da Cunha (Lisboa, 1577 - Lisboa, 3 de Janeiro de 1643) foi um importante prelado português da primeira metade do século XVII e que, como arcebispo de Lisboa, teve um papel muito importante ao apoiar a Restauração da Independência de Portugal.[1]

Índice

BiografiaEditar

Dom Rodrigo nasceu em Lisboa, filho de D. Pedro da Cunha, Senhor do Morgado de Tábua, e de sua mulher Maria da Silva.

Iniciou os seus estudos no Colégio de Santo Antão, um colégio jesuíta em Lisboa. Faz o seu doutoramento em Direito Canónico, na Universidade de Coimbra.

Na sua carreira religiosa, passou pelo Santo Ofício, como deputado e foi inquisidor em Lisboa. Foi bispo de Portalegre (1615-1618), e do Porto (1618-1626); foi arcebispo de Braga (1626-1634) e de Lisboa (1635-1642).

Foi o autor da reforma Breviário Bracarense, em 1634, e presidiu ao Sínodo de Lisboa de 1640.

D. Rodrigo da Cunha foi um dos principais opositores da incorporação de Portugal em Espanha, uma política seguida por Filipe IV.

Em 1638, chegou a ser convidado para cardeal, em Madrid, recusando a oferta.

Durante a Restauração da Independência, apoiou os revoltosos e, juntamente com o arcebispo de Braga, governou o reino até ao regresso de D. João IV. O seu nome consta como uma das presenças principais no 1.º "Auto do Levantamento e Juramento d' El-Rei Dom João IV" (de fidelidade) realizado no dia 15 de Dezembro de 1640[2] e assim como no seguinte acto solenemente confirmando-o em 28 de Janeiro de 1641.[3]

Como historiador, D. Rodrigo da Cunha contribuiu para a historigrafia da Igreja de Portugal, escrevendo diversas obras sobre o Braga, Porto e Lisboa.

Faleceu aos 65 anos, a 3 de Janeiro de 1643. Encontra-se sepultado na Sé de Lisboa.

ObrasEditar

Participou ainda na publicação das Crónicas dos Reis D. João I, D. Duarte e D. Afonso V, do autor Duarte Nunes de Leão.

Referências

  1. RELAÇÃO de tudo o que passou na felice Aclamação do mui Alto & mui Poderoso Rei D. JOÃO O QUARTO, nosso Senhor, cuja Monarquia prospere Deos por largos anos. Texto publicado em 1641, sem indicação do autor, impresso à custa de Lourenço de Anveres e na sua oficina, e unanimemente atribuído ao Padre Nicolau da Maia de Azevedo
  2. «Auto do Levantamento e Juramento d' El-Rei Dom João IV». Consultado em 18 de julho de 2010. Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  3. Cronicas e Vidas dos Reys de Portugal..., por Duarte Nunez do Lião, e autos de Levantamento e Juramentos a El-Rey D. João IV, Tomo II, compilação de D. Rodrigo da Cunha, em Lisboa, na oficina de José de Aquino Bolhões, de 1780, pág. 471

BibliografiaEditar

  • Redacção Quidnovi, com coordenação de José Hermano Saraiva, História de Portugal, Dicionário de Personalidades, Volume XIV, Ed. QN-Edição e Conteúdos, S.A., 2004

Ligações externasEditar

Precedido por
Diogo Correia
 
Bispo de Portalegre

16151618
Sucedido por
Frei Lopo de Sequeira Pereira
Precedido por
Frei Gonçalo de Morais
 
Bispo do Porto

16181626
Sucedido por
Frei João de Valadares
Precedido por
Afonso Furtado de Mendonça
 
Arcebispo Primaz de Braga

16261634
Sucedido por
Sebastião de Matos de Noronha
Precedido por
João Manuel de Ataíde
 
Arcebispo de Lisboa

16351643
Sucedido por
António de Mendonça