Abrir menu principal
Roger Lion

Roger Lion, nascido Roger Juda (Troyes, 27 de Setembro de 1882Paris, 27 de Novembro de 1934) foi um realizador francês que trabalhou em Portugal entre 1922 e 1924, contratado pela produtora Fortuna Films. Começou a realizar em 1917, terminou em 1933.

Foi também poeta, argumentista e produtor. Conhecia bem certos meios artísticos franceses da época e contribuiu, com outros dois realizadores do seu país, Georges Pallu e Maurice Mariaud, e ainda com o italiano Rino Lupo, para o lançamento da indústria do cinema em Portugal.

Índice

BiografiaEditar

Roger Lion, advogado, foi o fundador em França (1917 - 1918) da Société des Auteurs de Films, tesoureiro e secretário do Conselho Directivo da mesma organização desde 1919 até à sua morte, membro da Société des Auteurs et des Gens de Lettres e da Société des Auteurs Dramatiques.

Era casado com a actriz francesa Gil Clary, que trabalhou no filme La Roue 1923 de Abel Gange, no mesmo ano em que participaria na primeira obra do seu marido filmada em Portugal, a Sereia de Pedra . O primeiro trabalho realizado por Roger Lion foi L'Agence Cacahouète (1912) no qual entrou o conhecido actor Raimu (wiki-fr) que, nas palavras de Orson Welles, era «the greatest actor who ever lived».

Depois de deixar Portugal Lion voltou a França, em 1924. Nesse mesmo ano filmou J'ai tué, que seria distribuído nos EUA com o título de I Have Killed. Conseguiu que alguns dos filmes feitos nos anos seguintes entrassem no mercado americano. Adaptou a cinema uma obra de Marcel Pagnol, Un Direct au Coeur e um guião de Max Linder, Le Chasseur de Chez Maxim’s. Depois de voltar a França fez documentários, comédias e filmes musicais. Manteve-se activo até 1933 e morreu no ano seguinte com uma infecção dos intestinos.

Caracteriza-se a obra de Roger Lion por uma grande diversidade de géneros: curtas-metragens, documentário, drama, comédia, musical, crime, romance, thriller, família, história, mistério, guerra.

Roger Lion e a Fortuna FilmsEditar

Lion é convidado a trabalhar em Portugal por uma portuguesa que reside em França chamada en:Virgínia de Castro e Almeida. Nascida em 1874, Virgínia é uma escritora iniciada na produção literária com temas de literatura infantil. Sendo pessoa com fortuna, interessada pelo cinema, decidiu criar em 1920 um prémio de cinco mil francos que contemplasse o melhor filme francês desse ano. Resolve entretanto tornar-se produtora de filmes em Portugal e funda a Fortuna Films, com sede em Paris, com capitais seus e de instituições dessa cidade. A sede da empresa é na Rua de Monmartre, na sua própria residência. Abre escritórios em Lisboa na Rua de S. Bento, próximo da Portugália Film, à qual aluga o estúdio com a intenção de produzir filmes em Portugal, projecto para o qual obtém colaboração financeira de um açoriano de nome E. Bensaúde.

Virgínia contrata então o realizador Roger Lion, que já tinha no seu currículo mais de uma dezena de filmes. Com ele são contratados dois operadores, um que vinha da importante firma Eclair, Daniel Quintin, e o outro, Marcel Bizot, que tinha trabalhado nos serviços cinematográficos do exército francês durante a 1ª Grande Guerra. Virgínia justifica deste modo a sua decisão: «Os filmes portugueses até agora produzidos não são perfeitos. Por vezes a acção é arrastada, o entrecho banal para as grandes plateias, acostumadas a ter sob os olhos beleza e arte, ouvindo uma música feita expressamente para o que estão vendo». Com Lion veio ainda a sua própria mulher, actriz profissional, e um outro actor, já com nome feito, Max Maxudian.

O primeiro filme produzido pela nova empresa é A Sereia de Pedra, uma adaptação feita pelo advogado madeirense Alberto Jardim de um conto escrito pela própria Virgínia Almeida, intitulado a Obra do Demónio:

O melodrama estreia em Paris no Cinéma Artistique e um crítico francês do Cinémagazine comenta: «A novidade e a originalidade empolgantes e aliciantes do assunto e das imagens, a perfeição de toda a realização suscitaram com efeito vivo interesse e e proporcionaram aos actores e aos seus intérpretes o mais franco dos sucessos». Em Lisboa, o filme é apresentado a 4 de Abril no cinema Olympia.

Arthur Duarte – O Miguel no filme – desempenha na Fortuna Films o papel de assistente-geral. O gerente é José de Castro e Almeida, filho da afrancesada Dona Virgínia, que resolve escrever outra história para a tela: Os Olhos da Alma. É a seguinte a ideia: «O Homem, tornado presa das suas paixões, decide encafuar-se numa floresta, densa, donde a cada passo sai coberto de sangue». Será a Nazaré o local escolhido para a por em prática, «com todo o seu tipismo, os seus costumes e os seus dramas». Será este o primeiro filme rodado nessa terra de rudes pescadores, terra aberta ao mar e aos olhos de outro género de pescadores: Nazaré, Praia de Pescadores (1929) e Maria do Mar (1930), de Leitão de Barros, Nazaré (1952) de Manuel Guimarães e A Sacada (1975), de Ricardo Costa.

A senhora produtora, mulher de armas e de letras, fica-se por aqui. «Com efeito, Dona Virgínia de Castro e Almeida percebeu que sombrias nuvens se acastelavam por sobre a sua empresa tão entusiástica e conscientemente gisada e lançada depois». Para dar volta ao infortúnio, tenta associar-se com a Invicta Film, mas em vão. «E assim, mais uma vez, uma empresa que parecia capazmente organizada e estabilizada, desaparecia quase inopinadamente do panorama cinematográfico português. Já era sina…».

Fonte: M. Félix Ribeiro (Filmes Figuras e Factos da História do Cinema Português, ed. da Cinemateca Portuguesa, 1983).

Outras obras de Roger Lion em PortugalEditar

Lion prossegue em Portugal a sua carreira trabalhando para a recém-formada produtora Pátria Film, de Raul Lopes Freire e de Henrique Alegria, que deixa a Invicta Film em 1922.

Para esta nova firma Lion filma as "Aventuras de Agapito, Fotografia Comprometedora", com argumento do conterrâneo e colega Maurice Mariaud. Também a Pátria Film não sobreviverá após a conclusão desta obra. Existe um filme mexicano de 1991 com o mesmo título, do actor e realizador Sergio Ramos (1935-2004): Las Andanzas de Agapito. O filme de Lion terá sido exibido no México.

Roger Lion realiza entretanto em Portugal A Fonte dos Amores (1924), filme francês adaptado de um romance da escritora Gabrielle Reval e rodado em Coimbra. Reval viveu nesta cidade entre 1922 e 1923. Trata-se da visita de uma actriz francesa, que acaba por estragar o namoro entre um estudante e a noiva. O filme estreia em Paris a 18 de Junho de 1924. Lion mostra aspectos de Coimbra dessa época: a Alta de Coimbra, a Couraça dos Apóstolos, o Largo da Feira, a Sé Velha, o Choupal, a “Quinta das Lágrimas”.

Lion regressa a França nesse mesmo ano e retoma logo de seguida a actividade de realizador no seu país: J'ai tué! (1924).

FilmografiaEditar

  • Le Couché de la mariée (1933)
  • Trois balles dans la peau (1933)
  • Direct au coeur (1932)
  • Ghanili Dour (1932)
  • Allô... Allô... (1931)
  • Le Lit conjugal (1931)
  • Y'en a pas deux comme Angélique (1931)
  • La Nuit est à nous (1930)
  • Eau, gaz et amour à tous les étages (1930)
  • La Fille de Roland (1930)
  • Grégor et ses Grégoriens (1930)
  • Marius à Paris (1930)
  • Messaoud Habib (1930)
  • La Place est bonne! (1930)
  • La Raïs (1930)
  • L’Appel de la chair (1929)
  • Un soir au cocktail's bar (1929)
  • La Venenosa (1928)
  • Le Chasseur de chez Maxim's (1927) - Maxim's Porter (título International)
  • Jim la houlette, roi des voleurs (1926) - Jim the Cracksman, the King of Thieves (USA)
  • Les Fiançailles rouges (1926)
  • La Clé de voûte (1925)
  • J 'ai tué! (1924) - Fidélité (France), I Have Killed (USA)
  • Aventuras de Agapito (1924) - Desventuras de Agapito, Fotografia Comprometedora, The Adventures of Agapito (título internacional)
  • La Fontaine des amours (1924)
  • Os Olhos da Alma (1923) - A Alma do Mar (Portugal), Les Yeux de l'âme (França)
  • A Sereia de Pedra (1923) - Sirène de Pierre
  • L’ Éternel féminin (1921)
  • Dagobert le fils à son père (1919)
  • La Flamme cachée (1918) (co-realização)
  • Pour faire plaisir (1918)
  • Le Prince Plouf (1917)
  • Ma femme est folle (1917)
  • Quand Madelon (1917)
  • Les Deux Giffles (1916)
  • L’Enlèvement de Vénus (1916)
  • Erreur judiciaire (1916)
  • Français!... N'oubliez jamais! (1916)
  • Sacré Joseph (1916)
  • À qui la femme? (1915)
  • La Petite Bretonne (1914)
  • L’Agence Cacahouète (1912)

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar