Ronald Gamarra

Ronald Gamarra
Nascimento 10 de dezembro de 1958 (61 anos)
Lima
Residência Lima
Cidadania Peru
Alma mater Universidade Nacional Maior de São Marcos
Ocupação político, professor universitário, advogado, juiz
Empregador Universidade Nacional Maior de São Marcos

Ronald Álex Gamarra Herrera, ou simplesmente Ronald Gamarra (Lima, 10 de dezembro de 1958) é um advogado e político peruano. Gamarra foi o representante legal dos familiares das vítimas da Cantuta e Bairros Altos no julgamento contra Alberto Fujimori, pelas quais o ex-presidente peruano foi condenado a 25 anos de prisão em 2009.[1] Por sua notável participação foi proposto como perito internacional no processo do magistrado Baltasar Garzón com o Tribunal de Espanha, quem pesquisou crimes da ditadura de Francisco Franco.[2]

Destacado jurista, Ronald Gamarra ocupou os cargos de Procurador Adjunto Anticorrupción durante o governo de Alejandro Toledo -onde pesquisou os crimes e actos de corrupção da ditadura de Alberto Fujimori e de seu assessor Vladimiro Montesinos, os achando culpados pelo homicídio qualificado e abuso de autoridade (as denúncias também comprometieron o ex-chefe das Forças Armadas peruanas, o general Nicolás de Bari Hermosa, e o chefe do Serviço de Inteligência Nacional, o general Julio Salazar)- e Presidente da Coordenação Nacional de Direitos Humanos do Peru (CNDDHH).[3]

Gamarra Herrera cursou Direito e Ciências Políticas na Universidade Nacional Maior de São Marcos.

Referências